Nesse momento de turbulência moral e ética pelo qual passa nosso país, estão fazendo falta os irmãos Souza, aqueles que deram sangue pelo Br...

Os irmãos Souza

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana adhailton lacet betinho henfil herbert souza francisco mario irmaos souza hemofilia
Nesse momento de turbulência moral e ética pelo qual passa nosso país, estão fazendo falta os irmãos Souza, aqueles que deram sangue pelo Brasil e que morreram devido ao sangue que receberam do Brasil.

Eram três irmãos, todos prenhes de brasilidade conduzindo-a por toda a vida, cada qual em seu mister. Não sem emoção, os revi no bem produzido documentário “Irmãos de Sangue”, dirigido pela cineasta Ângela Patrícia Reiniger e que está sendo veiculado em horários alternados pelo canal Curta!, da TV por assinatura.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana adhailton lacet betinho henfil herbert souza francisco mario irmaos souza hemofilia
Quem não lembra do cartunista Henfil (1944/1988); do músico Francisco Mário (1948/1988) e do sociólogo Betinho (1935/1997)? Sobre eles o poeta e cronista Afonso Romano de Sant'anna escreveu a crônica “Suíte Brasil”, onde diz que: “Chico Mário só pensava na música e no Brasil. Henfil só pensava no humor e no Brasil. Betinho só pensava nas ciências sociais e no Brasil. Isso é mais que uma família. Isso é a suíte Brasil.”

Herbert de Souza, o Betinho foi o fundador da Campanha Contra a Fome e a Miséria e Pela Vida, e também foi indicado em 1994 ao Prêmio Nobel da Paz. Foi inspiração da música “O bêbado e o equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, onde ele mesmo teve uma participação cantando junto com o grupo MPB4. Àquela época todos cantavam e sonhavam com “a volta do irmão do Henfil”.

Henrique Filho, o Henfil, era cartunista e colaborava em vários jornais, tendo participação marcante no semanário Pasquim, e também na televisão, com o quadro Tv Homem. Na época do regime militar, criou a célebre frase “Diretas já!” e a colocou numa entrevista que fez com o então senador Teotônio Vilela (1917/1983), como se o político a tivesse dito.

Francisco Mário, o Chico, foi o pioneiro na música independente e nos deixou discos como Terra (1979) e Revolta dos palhaços (1980), dentre outros, autor de muitas canções contra a tortura que era praticada àqueles que lutavam pelo fim da ditadura.

Nasceram hemofílicos e foram contaminados com o vírus da AIDS numa transfusão de sangue. Lutaram até o fim pela vida e pelo Brasil. Mereciam a justa homenagem do documentário que foi contemplado com o prêmio de melhor filme no 5º Cine Fest Petrobras Brasil, em Nova York, além de outras premiações. Vale a pena conferir.



Adhailton Lacet é magistrado e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Uauuuu ...Que boas lembranças deste trio(gêmeos nos sangues) ...idealistas brasileiros!!!
    Parabéns Adhailton...trouxe-nos ótimas recordações👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também