Mostrando postagens com marcador Mariana Sanfer. Mostrar todas as postagens

O Brasil, já não sei, mas a cada dia tenho dado micropassos em busca de uma autolibertação. E um dos primeiros movimentos é refletir sobre ...

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana mariana sanfer independencia do brasil autenticidade sinceridade legitimidade franqueza conveniencia

O Brasil, já não sei, mas a cada dia tenho dado micropassos em busca de uma autolibertação. E um dos primeiros movimentos é refletir sobre meu alinhamento: o que penso, o que sinto e o que faço. Tem sido profundamente libertador permitir-me ser honesta quanto a isso. Quantas vezes passamos por uma coisa, sentimos outra e ainda fazemos outra?

Certo dia, um amigo me ofereceu um pedaço de doce de goiaba, pois queria esvaziar logo o recipiente para reutilizá-lo. Não gosto muito de goiabada, e o pedaço que ele me oferecia era bem grande.

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana mariana sanfer independencia do brasil autenticidade sinceridade legitimidade franqueza conveniencia
Eu poderia simplesmente ter sido honesta, agradecido e ter dito não. Mas, em vez disso, aceitei aquela fatia imensa que eu não iria comer com satisfação, e sim por obrigação de haver aceito.

PENSEI em aceitar porque não queria desapontar a pessoa que me fez a oferta. Mas eu não SENTIA vontade de comer a guloseima. Mesmo assim, minha AÇÃO foi a de pegar para mim o que eu não desejava.

Foi então que me veio a lição! Resolvi oferecer o doce a uma criança, Ariel (8 anos). Comilona que é, perguntei se ela queria aquela goiabada. Ela, que ia passando, parou, virou-se para mim e me perguntou por que eu estava lhe oferecendo o doce? Eu expliquei que havia aceitado de um amigo "por educação", mas que, na verdade, não gostava. E sabe o que ela me disse imediatamente?

— Por que você aceitou uma coisa que não gosta e que não quer? Quando a gente não quer algo, a gente fala assim: "não quero, obrigada"!

Um exemplo simples de como nos desorganizamos internamente, e de como colecionamos pequenas prisões dentro de nós mesmos.

Eu não sei o Brasil, mas a minha libertação é diária, contínua e minuciosa. Todos os dias eu procuro declarar a mim mesma minha independência e libertação.

“Libertação
Libert(ação)
Libertador
Liberta(dor)
Dor liberta
Jaya"



Mariana Sanfer é educadora perinatal, doula e terapeuta holística

Na tentativa de entender, definir ou formatar, nascem as perguntas: Tu é o que? Tu faz o quê? Qual é a tua? Capoeira Angola Dança Tera...



Na tentativa de entender, definir ou formatar, nascem as perguntas: Tu é o que? Tu faz o quê? Qual é a tua?

Capoeira Angola
Dança
Terapias Holísticas
Doulagem

Capoeira Angola
É corpo
É dança
É mato de resiliência
É cura
Faz nascer e (re)nascer

Dança
É jogo
É política
É corpo
Autoconhecimento
Dor
Criação
Faz nascer e (re)nascer

Terapias Holísticas
É autoconhecimento
É transcendência
É mudar de lugar
É cura
Faz nascer e (re)nascer
É Autoresponsabilidade

Doulagem
É corpo
Autoconhecimento
É cura
Potência
Dor
Criação
Faz nascer e (re)nascer

Capoeira Angola
Corpo
cosmovisão
Dança
Jogo
Criação
Terapias Holísticas
Cura
resiliência
Doulagem
Dor
Criação
Movimento
Rodopio
Roda
Força
Contração
Criação
Estética
Reverberação
Poética
Transcendência
Cosmo
Movimento
Interação
Inter- Ação
Inter- Medi- Ação
Move-Mente
Movimento
Movimento
Movimento
No corpo
No espaço
No eu
No outro
No dentro
No fora
No entre
Movimento
Movimento
Movimento

E tu, qual é o teu bocado de existência?

(Mariana Sanfer)



"Se oriente, rapaz
Pela constelação do Cruzeiro do Sul
Se oriente, rapaz
Pela constatação de que a aranha
Vive do que tece
Vê se não se esquece
Pela simples razão de que tudo merece
Consideração

Considere, rapaz
A possibilidade de ir pro Japão
Num cargueiro do Lloyd lavando o porão
Pela curiosidade de ver
Onde o sol se esconde
Vê se compreende
Pela simples razão de que tudo depende
De determinação

Determine, rapaz
Onde vai ser seu curso de pós-graduação
Se oriente, rapaz
Pela rotação da Terra em torno do Sol
Sorridente, rapaz..."

(Gilberto Gil)