Mostrando postagens com marcador Marcos Pires. Mostrar todas as postagens

Eu acredito que boas histórias são como saúde e dinheiro; sempre bem-vindas, como essa que ora transcrevo e que realmente aconteceu tempos...

trapaca pirataria enganacao falsificacao
Eu acredito que boas histórias são como saúde e dinheiro; sempre bem-vindas, como essa que ora transcrevo e que realmente aconteceu tempos atrás na cidade de Pombal, aqui na Paraíba. Quem me contou foi o amigo Soneca, uma verdadeira hipótese, como diria Dr. Dorgival se o tivesse conhecido. Diz Soneca que vivia naquela cidade um comerciante conhecido como Severino Cafazeste. Era assim mesmo, com z, pelo menos o dono da história é quem garante.

Sigam meu conselho; pulem a fase de pais, sejam avós diretamente, sem escalas. Dona Creusa Pires dizia que casa de avô é cabaré de neto. É...

amor familia avos pais convivencia netos
Sigam meu conselho; pulem a fase de pais, sejam avós diretamente, sem escalas. Dona Creusa Pires dizia que casa de avô é cabaré de neto. É bom, viu? Você conversa, brinca, deseduca e quando eles começam a chatear devolve aos pais. E é cada conversa... minha linda neta Aurora até pouco tempo devia imaginar que eu nasci tão antigamente que na cabeça dela convivi com os dinossauros, tantas eram as perguntas escalafobéticas.

Desde a infância sempre amei as mulheres. Nem mesmo a primeira decepção amorosa com Maria Dutra aos onze anos mudou isso. Até hoje os meu...

Desde a infância sempre amei as mulheres. Nem mesmo a primeira decepção amorosa com Maria Dutra aos onze anos mudou isso. Até hoje os meus “melhores amigos” são mulheres. Quando iniciei nas crônicas semanais (Jornal de Agá, posteriormente Correio da Paraíba) já comecei escrevendo sobre os direitos da mulher, ainda antes de “virar moda” defender o sexo feminino. Lembro bem que cheguei a desafiar o então Presidente Collor que humilhava publicamente sua esposa Rosane.

Meu enorme amigo Paulo Renha foi quem alertou para o assunto. Num vídeo mandado por ele e que postei durante a semana conta-se a história ...

literatura paraibana generosidade felicidade bem estar ocitocina saude terapia hormonal
Meu enorme amigo Paulo Renha foi quem alertou para o assunto. Num vídeo mandado por ele e que postei durante a semana conta-se a história de um homem que estava na fila de um drive thru e, ao pagar seu café, disse à caixa que também pagaria o café da pessoa que estava no automóvel seguinte, bem que dissesse a essa pessoa (que ele não conhecia) que ela era querida. Naquele momento o hormônio chamado ocitocina (e que juntamente com a dopamina, a serotonina e a endorfina formam os neurotransmissores da felicidade) foi liberado.

Em um copo longo, muita água de coco e um pouquinho de uísque, o que lembra? Para mim tem o sabor das antigas festas de quinze anos, qu...

literatura paraibana cronica nostalgia infancia juventude cheiros pratos refrigerantes
Em um copo longo, muita água de coco e um pouquinho de uísque, o que lembra? Para mim tem o sabor das antigas festas de quinze anos, quando nós, meninos enxeridos (13, 14 anos) dávamos os primeiros passos nas festas de João Pessoa. Por falar em festa de aniversário, que tal pastel de carne com açúcar? É ou não é a cara de festa de criança?

Galinha com aquela “graxa” é a cara do almoço de domingo antigamente. Lá em casa, como brigávamos pelo coração da galinha, minha mãe recortava

Ao contrário dos brasileiros que dizem ter tantos anos, os ingleses dizem que são tantos anos velhos. Tem razão; nós não temos o temp...

literatura paraibana marcos pires idade mentira esconder chacota
Ao contrário dos brasileiros que dizem ter tantos anos, os ingleses dizem que são tantos anos velhos. Tem razão; nós não temos o tempo que vivemos, ele já se foi.

Décio Moura, amigão, mentia deslavadamente quando perguntavam a sua idade, mas sempre exagerava para mais. Aos sessenta dizia ter setenta só para ouvir as pessoas elogiarem sua juventude. Aprendi com ele e digo que vou fazer oitenta anos. Depois dos elogios, emendo logo: “- Pois é; vou fazer sessenta e sete, sessenta e oito...até chegar aos oitenta, pode apostar”.

Presidente Bolsonaro, alguns amigos são absolutamente desnecessários porque só nos dão prejuízos. Sua equipe econômica está fazendo isso c...

literatura paraibana pracatorios justica economia brasil bolsonaro governo federal
Presidente Bolsonaro, alguns amigos são absolutamente desnecessários porque só nos dão prejuízos. Sua equipe econômica está fazendo isso com o senhor, Mito. Esse lheguelhé dos precatórios é um absurdo que custará caríssimo ao Brasil e pessoalmente a Vossa Excelência.

Noves fora a péssima imagem que o parcelamento do pagamento dos precatórios deixará na imagem do Brasil junto aos investidores, o prejuízo econômico à nação será avassalador.

Do livro a ser lançado sobre nossa juventude, extraí esse momento. Tratando dos jogos da primavera conto o mais incrível dia do esporte da...

Do livro a ser lançado sobre nossa juventude, extraí esse momento. Tratando dos jogos da primavera conto o mais incrível dia do esporte da Paraíba em todos os tempos. Começo com a apresentação de Rogeraldo Campina, que estava a zero em grana para assistir aos jogos. Tanto pediu ao técnico Remo, do time de basquete do colégio Getúlio Vargas, que foi inscrito como último reserva, já que atletas entravam de graça.

Sempre que o time ia a campo as torcidas de todas as escolas se uniam num grito só:" - Bota Campina, bota Campina". Porém o destino tecendo as trapaças da sorte fez com que na partida final o Getúlio Vargas enfrentasse o colégio Lins de Vasconcelos, franco favorito. Naquela noite a multidão rugia:"- Bota Campina". E deu-se que faltando um minuto para acabar o jogo (que estava empatado) todos os titulares já haviam sido expulsos e substituídos pelos reservas.

Jamais havia feito qualquer cirurgia. O medo da anestesia sempre me perturbou, principalmente depois que assisti ao melhor filme já feito ...

literatura paraibana catarata anestesia medo cirurgia cronica marcos pires
Jamais havia feito qualquer cirurgia. O medo da anestesia sempre me perturbou, principalmente depois que assisti ao melhor filme já feito sobre julgamentos e tribunais; “O veredicto”, por sinal com um ator que minha mãe achava minha cara, Paul Newman. Não fosse aquela violenta febre que me atacou aos 10 anos, meus olhos ainda seriam azuis e meu cabelo continuaria liso e louro. Mas vamos ao que importa.

Meu amigo João Paulo remeteu de Lisboa essa perola de comunicação de um acidente de trabalho feita por um pedreiro português ao Tribunal J...

literatura paraibana cronica portugues portugal
Meu amigo João Paulo remeteu de Lisboa essa perola de comunicação de um acidente de trabalho feita por um pedreiro português ao Tribunal Judicial da Comarca de Cascais. O conteúdo é o seguinte:

“Sou assentador de tijolos. Estava a trabalhar sozinho no telhado dum edifício de 6 andares e, ao terminar o serviço, verifiquei que tinham sobrado 250 quilos de tijolos. Em vez de os levar à mão para baixo, decidi colocá-los dentro dum barril e descê-los com ajuda de uma roldana fixada em um dos lados do edifício.

Desci ao térreo, atei o barril com uma corda, voltei ao telhado, puxei o barril para cima e coloquei os tijolos dentro dele. Voltei para baixo,

Como minha cirurgia foi adiada, vai dar para esgotar esse assunto. Desde logo digo que a brasileira Maria Lenk foi a primeira mulher sul ...

literatura paraibana cronica jogos olimpicos curiosidades lenk adhemar afranio
Como minha cirurgia foi adiada, vai dar para esgotar esse assunto. Desde logo digo que a brasileira Maria Lenk foi a primeira mulher sul americana a participar de uma Olimpíada (1932). Chegou a bater o recorde mundial nos 400 metros peito praticando um novo tipo de braçada. A moçada gostou e a partir dos anos 50 foi criado o estilo borboleta de nado, baseado na invenção da Maria,