Mostrando postagens com marcador Leo Barbosa. Mostrar todas as postagens

      FECHADA PARA O MUNDO Havia esse ritual De pôr a mesa Na esperança de Congregarmos o pão. Mas a mãe não Sentava à mesa ...

 
 
 
FECHADA PARA O MUNDO
Havia esse ritual De pôr a mesa Na esperança de Congregarmos o pão. Mas a mãe não Sentava à mesa Porque não sabia Segurar os talheres Comia com a boca

NENHUM OLHAR Nem um olhar Nenhum olhar Que ninguém veja. Há apenas o silêncio Em conserva, Preservando nosso Sopro de vida, Esse ...

poesia paraibana ressuscitar tempestade segredo ninfa poemas leo barbosa

NENHUM OLHAR
Nem um olhar Nenhum olhar Que ninguém veja. Há apenas o silêncio Em conserva, Preservando nosso Sopro de vida, Esse vento de morte Essa boca atada, Calada sobre tudo, Prostrada sobre o mundo. E eis que sou convocado A acordar o mundo Depois que o imundo Interceptou o sexo, Tomou-me sem nexo, Depois que o verbo Foi adjetivado. Descobri que não sei A gramática dos afetos. A sintaxe do tempo Virou somente ausência, Semântica sem morfologia, Afônico amor, A nos sugerir A preposição do (per)verso Na conjunção da carne. Todo silêncio é refletido Quando a voz é passiva. Todo silêncio é reflexo Da voz ativa. Sinto falta da voz recíproca. Eu quero um “a gente” Paciente. Eu quero um nós Que possa ser Conjugado em todo Tempo, modo, pessoa. Quero um sujeito plural Que seja singular.
TEMPORAL
Tempo (in)vestido nos teus olhos. Tenho revertido em meus olhos o íntimo que já não se intimida, ao revelar uma eternidade que já se mostra utópica. Nostalgia talvez seja o ressentimento de todas as expectativas frustradas pelo eu e as circunstâncias às quais nos rendemos e de que somos reféns Se ao menos eu pudesse ser mais pai de mim quanto Deus é do nada, mas eu sinto que há um Tudo que se emerge nos delicados sinais: Ele está no aparente desconexo, no surpreendente sexo, suspenso num abraço infantil.

“Você gosta de ler?” “Não!”. A resposta para essa indagação vem marcada por uma contundente negativa. Engana-se por desconhecer o quanto s...

literatura paraibana habito ler prazer leitura
“Você gosta de ler?” “Não!”. A resposta para essa indagação vem marcada por uma contundente negativa. Engana-se por desconhecer o quanto sua cognição se prepara assiduamente para o exercício da leitura. Sim, você lê muito, seja o texto verbal ou não verbal. Estamos em um momento bastante imagético, em que muitas fotos, vídeos, memes circulam nas redes. Entretemo-nos. Horas a fio nos abastecemos de uma imensa gama de informações. Muito tempo quotidianamente dedicado ao acesso à vida alheia. O que sobra de nós? Quem se (re)conhece nessa multidão fantasiosa,

“O que alguém não teria conseguido executar justo com essa força que é necessária para desatar os fortes e potentes laços da vida”. O poet...

literatura paraibana auto ajuda tristeza sofrimento suicidio medicamentos
“O que alguém não teria conseguido executar justo com essa força que é necessária para desatar os fortes e potentes laços da vida”. O poeta alemão Rainer Maria Rilke, indignado com um suicídio que presenciou, questiona-nos em uma de suas cartas o poder de quem retira a própria vida, o que para muitos soa como uma afronta, visto que a maioria das pessoas acredita que o autocídio é um ato de covardia. Porém, a potência que cada um traz em si é efêmera e isso deve ser entendido, exemplificando-se com mortes como a