Mostrando postagens com marcador Raniery Abrantes. Mostrar todas as postagens

      MEDITANDO Encontro-me pensando no passado... Minh’alma, flor rebelde, sem desgosto... Sorrisos abundavam no meu ro...

poeisa paraibana raniery abrantes
 
 
 
MEDITANDO
Encontro-me pensando no passado... Minh’alma, flor rebelde, sem desgosto... Sorrisos abundavam no meu rosto... Um tempo frutuoso e desvairado. Hoje as dores encobertas que eu sinto... São fissuras que sangram ferimentos... São páginas rasgadas, são lamentos... Veredas tortuosas, labirinto.

      QUANDO EU MORRER Quando eu morrer, não me enterrem em cova rasa - dispenso o canto dessa casa -. Não me deixem só no c...

 
 
 
QUANDO EU MORRER
Quando eu morrer, não me enterrem em cova rasa - dispenso o canto dessa casa -. Não me deixem só no cemitério, nesse espaço lúgubre, deletério. Quando eu morrer, que o meu coração seja doado e bata forte no peito de algum enamorado. Que os meus olhos sirvam para alguém ver, o que, displicente, não pude perceber.

      Em mim, solidão e liberdade andam de mãos dadas. Solidão com poesia: eis a melhor companhia. Todos os dias uma boa dose...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
Em mim, solidão e liberdade andam de mãos dadas. Solidão com poesia: eis a melhor companhia. Todos os dias uma boa dose de solidão me embriaga. A saudade passou dentro de mim... E deixou seu rastro. Fui à minha Torre conversar... Encontrei apenas sombras mortas ao luar.

      Quando eu (flor) for arrancado do jardim, deixarei de ser flor. A noite é da lua, das estrelas, do bom vinho, da ce...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
Quando eu (flor) for arrancado do jardim, deixarei de ser flor.

A noite é da lua, das estrelas, do bom vinho, da cerveja, (des) encontros. É do mar, do vento, da maresia, da boemia, dos poetas, da poesia.

      Ambiente de Leitura Carlos Romero Nobre espaço de escritores, de escritoras e contistas, de poetas e cronistas, grandes...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
Ambiente de Leitura Carlos Romero
Nobre espaço de escritores, de escritoras e contistas, de poetas e cronistas, grandes mestres, professores. Universo em que os valores, desabrocham com ternura, enaltecendo a cultura, com amor e muito esmero, patrono é Carlos Romero, Ambiente de Leitura.

      FADO Vou compor um doce fado, na taverna da Alfama, e com um verso que inflama, vou pedir, enamorado: Deixe eu ser...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
FADO
Vou compor um doce fado, na taverna da Alfama, e com um verso que inflama, vou pedir, enamorado: Deixe eu ser teu namorado, na manhã, linda e sonhada? Só estou, na encruzilhada, surja em mim, como quem flerta! Seja o sol que me desperta, venha ser a minha amada!

      VIDA Meu poema é liberdade, é cheio de inspiração. Colhido no coração, me tira a passividade. Expressa a minha saudad...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
VIDA
Meu poema é liberdade, é cheio de inspiração. Colhido no coração, me tira a passividade. Expressa a minha saudade, faz o peito latejar, não é fácil epigrafar. Meu poema é sem medida, eu vou chamá-lo de vida, para Aninha se encantar.

      POESIA Dela somos dependentes. Dissecamos a poesia. Hermenêutica magia Das estradas convergentes. Dois poetas, complacen...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
POESIA
Dela somos dependentes. Dissecamos a poesia. Hermenêutica magia Das estradas convergentes. Dois poetas, complacentes, _E esta dama prazerosa_, A flor da terra, formosa, Que nos beija, induz, fustiga, Nos botecos, nobre amiga, Na boemia dadivosa.

      DESPEDIDA... OU ATÉ BREVE? Levanto a mão e dou adeus em despedida... Escondo os olhos para ocultar a lágrima teimosa. C...

literatura paraibana raniery abrantes
 
 
 
DESPEDIDA... OU ATÉ BREVE?
Levanto a mão e dou adeus em despedida... Escondo os olhos para ocultar a lágrima teimosa. Chegou o momento em que preciso decidir a minha vida e, espero, que não seja uma decisão tão dolorida. Repenso o meu gesto, antes que seja tarde... Por que não trocar a despedida por um até breve? A vida é luta, não foi feita para os covardes, não vou deixar que a tristeza nos braços me carregue.

      TRISTEZA NO OLHAR Quem me vê, assim, contente, Sorrindo por todo canto, Não percebe que o meu pranto, Habita em mim, aq...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
TRISTEZA NO OLHAR
Quem me vê, assim, contente, Sorrindo por todo canto, Não percebe que o meu pranto, Habita em mim, aquiescente. Sinto o que o coração sente, Preciso compartilhar, Escrever, desabrolhar, O meu verso é profundeza, E o meu olhar traz tristeza, Muita tristeza no olhar.

      JARDIM DE AMORES O meu poema é litorâneo, Inspirado numa gamboa; Suave, contemporâneo, Um preito pra João Pessoa. ...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
JARDIM DE AMORES
O meu poema é litorâneo, Inspirado numa gamboa; Suave, contemporâneo, Um preito pra João Pessoa. Aldeia do Sanhauá, Nascida numa colina, Cartão postal pra se amar, Luz do Sol que fascina.

      EM ESTADO DE POESIA Em estado de poesia, Ela deixa este poeta. É flor viçosa, discreta, No jardim da fantasia. Ela é...

 
 
 
EM ESTADO DE POESIA
Em estado de poesia, Ela deixa este poeta. É flor viçosa, discreta, No jardim da fantasia. Ela é forte, é melodia, Flutuante, é todo encanto, O seu colo é acalanto, Onde deito e me deleito: É poema no meu peito, Alegria e doce canto.

      SUSSURROS DA NOITE Da minha janela eu vejo Solidão na rua escura Imagino a desventura De quem vive no despejo Aflora...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
SUSSURROS DA NOITE
Da minha janela eu vejo Solidão na rua escura Imagino a desventura De quem vive no despejo Aflora em mim o desejo De poder lhes dar ajuda Rogo a Deus que lhes acuda Livrando-os dessa aflição Quem presta mais atenção Vê que a noite não é muda.

      GALOPE À BEIRA MAR I Um mundo de cores pra mim vem surgindo, Com Sol escaldante descendo a ladeira; Guardei a poesia ...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
GALOPE À BEIRA MAR I
Um mundo de cores pra mim vem surgindo, Com Sol escaldante descendo a ladeira; Guardei a poesia na minha algibeira, Formei, bem depressa, o poema mais lindo. Um verso, maneiro, surgiu me despindo, Chamei meu amor pra comigo nadar, A moça faceira me fez suspirar, O céu azulado se abriu de repente, E a moça bonita abraçou loucamente,

      SAUDADE Poetas versejam ela, doce tema recorrente; tá no coração da gente, protegida em cidadela. Não tem como escapar d...

poesia paraibana raniery abrantes

 
 
 
SAUDADE
Poetas versejam ela, doce tema recorrente; tá no coração da gente, protegida em cidadela. Não tem como escapar dela, já tentei e não tem jeito; é posseira no meu leito, é poesia que medita: ‘Saudade é coisa que habita, Silente dentro do peito.’

CONFESSO, NÃO SEI REZAR Confesso, não sei rezar, Mas, preciso agradecer; Coração esplandecer, Sentimento desnudar. ...


CONFESSO, NÃO SEI REZAR
Confesso, não sei rezar, Mas, preciso agradecer; Coração esplandecer, Sentimento desnudar. Nestes versos transbordar, A leveza que há em mim, Pela dor que teve um fim, E me trouxe avivamento, Eis meu agradecimento, Pelo amor que veio, enfim.

SONETOS NOUTRA VIDA Noutra vida escrevi uns versos puros, Tão singelos, amáveis, verdejantes; As rimas em estrofes sus...

SONETOS

NOUTRA VIDA
Noutra vida escrevi uns versos puros, Tão singelos, amáveis, verdejantes; As rimas em estrofes sussurrantes, Que as flores exultavam além-muros. Harmônicos, formavam melodias, Poetas se apinhavam ao meu lado; Na alvorada, o momento cobiçado, Alegres recitavam poesias. Rubras rosas se abriam radiantes, Pássaros pipilavam saltitantes, E no céu reluziam as estrelas.

      A LUA DA MADRUGADA Andejei com a poesia, Sonetos eu exaltei; Amor com flor eu rimei, Em momentos de alegria. Abracei ...

poesia paraibana raniery abrantes saudade
 
 
 
A LUA DA MADRUGADA
Andejei com a poesia, Sonetos eu exaltei; Amor com flor eu rimei, Em momentos de alegria. Abracei a nostalgia, Numa noite iluminada, Recitei pra namorada, A mulher da minha vida, Que me beijou comovida, Na Lua da madrugada.

      SOU Sou a letra daquela canção, Na noite à luz do luar, Dor silente do coração, Náufrago perdido no mar. Sou versos de ...

poesia paraibana raniery abrantes
 
 
 
SOU
Sou a letra daquela canção, Na noite à luz do luar, Dor silente do coração, Náufrago perdido no mar. Sou versos de ternos poemas, Estrela no céu a brilhar, O cheiro das alfazemas, O amor que em breve virá. Sou a flor que amanhece sorrindo, Esperando a menina colher, Sou a terra que estava dormindo, Aguardando a nuvem chover. Sou sal da terra provindo, A beleza do alvorecer, Os olhos da criança sorrindo, O sol do amanhecer. Sou a bondade triunfando, O que o homem viu ascender, O que chorando prosseguiu amando, À luz do entardecer.

DIVERSOS Os meus versos são diversos, Métrica, rima, oração; Colhidos no coração, Num cantinho submersos. Fazem parte ...


DIVERSOS
Os meus versos são diversos, Métrica, rima, oração; Colhidos no coração, Num cantinho submersos. Fazem parte de universos, De um singelo ‘passarim’, São flores no seu jardim, E eu, poeta jardineiro, Adubo cada canteiro, Que habita dentro de mim.