Autor de um livro também intitulado “Eu”, o português Alfredo Pimenta está entre os autores que teriam influenciado Augusto dos Anjos. Con...

ambiente de leitura carlos romero chico viana cronica literatura paraibana brasileira portuguesa augusto dos anjos alfredo pimenta eu estilo sentimentos decadencia morte
Autor de um livro também intitulado “Eu”, o português Alfredo Pimenta está entre os autores que teriam influenciado Augusto dos Anjos. Confrontando o livro do português com o do paraibano, deparamo-nos, de fato, com algumas curiosas coincidências. Mas tanto no espírito, quanto na forma, há uma enorme diferença entre os dois.

Por exemplo: ambos fizeram versos à dor e à mágoa. Mas, enquanto Augusto dos Anjos identifica na mágoa um travo maiúsculo e definitivo, de ressonâncias metafísicas, o qual se constitui em marca da falta (mácula) humana –
Alfredo Pimenta enaltece, preponderantemente, a mágoa na mulher. A mulher que chora (a mulher magoada) aparece em sua lírica como uma imagem de obsessivo apelo emocional.

Assim é que, no primeiro dos sonetos nomeados de “Santificação da mágoa”, ele refere a certa altura:


"Tudo em ti me revela uma tristeza Filha da grande dor da natureza, Bendita e santa irmã da humana dor!” (p. 14).

E, no segundo deles, remata o terceto final com estes versos:


“Que a tua dor, Mulher, seja infinita! Pois quanto mais sofreres, maior serás!”

Em Augusto dos Anjos, a dor merece um hino. É tratada, segundo a perspectiva cristã, como um ganho espiritual e, sobretudo, como um instrumento de ascese, conforme se pode constatar nos versos com que ele inicia o seu “Hino à dor”:

ambiente de leitura carlos romero chico viana cronica literatura paraibana brasileira portuguesa augusto dos anjos alfredo pimenta eu estilo sentimentos decadencia morte

“Dor, saúde dos seres que se fanam, Riqueza da alma, psíquico tesouro, Alegria das glândulas do choro De onde todas as lágrimas emanam...”

E nestes outros, que aparecem pouco adiante:


“E, assim, sem convulsão que me alvoroce, Minha maior ventura é estar de posse De tuas claridades absolutas!”

São comuns aos dois poetas o panteísmo e a representação da Natureza. Ambos fizeram versos à pedra, à montanha, conferindo à superfície dura e inóspita desses elementos um recorte dramático. Confrontemos, quanto a esse aspecto, os versos de cada um deles. Em certa passagem, Alfredo Pimenta se refere à “... maldição que ouvimos/ Sair da boca duma pedra/ Quando com outra às vezes a ferimos!” Se comparamos o dramatismo dessa imagem com a representação que Augusto dos Anjos faz no primeiro dos sonetos “As montanhas”, de novo percebemos a significativa diferença que separa um do outro — quer pelo uso da linguagem, quer pela integração, diríamos, dialética, entre o elemento plástico, exterior, e o componente anímico e subjetivo.

Eis os versos do paraibano:


“Quem não vê nas graníticas entranhas A subjevidade ascensional Paralisada e estrangulada, mal Quis erguer-se a cumíadas tamanhas?! Ah! Nesse anelo trágico de altura Não serão as montanhas, porventura, Estacionadas, íngremes, assim, Por um abortamento de mecânica A representação ainda inorgânica De tudo aquilo que parou em mim?!” (352).

No trecho de Pimenta, o que se tem é a sumária indicação de um conflito, própria somente para figurar o sentimento, ou melhor, o ressentimento que acomete a substância bruta quando agredida. Augusto, por sua vez, alude a um combate que se constitui em leit motiv da sua obra, representado pelas contradições entre instinto e alma, matéria e espírito. Sendo um “abortamento de mecânica”, um resíduo inorgânico, a montanha alegoriza a própria morte como pulsão, que se contrapõe aos anseios eróticos, vitais, e se constitui em sombrio e permanente aceno para o homem.

Há em ambos os poetas o mesmo fundo mórbido, a mesma perplexidade ante a voragem contraditória de sentimentos e conceitos que marcaram o final do século XIX. Tanto Alfredo Pimenta quanto Augusto dos Anjos vivenciaram intensamente esse clima, marcado pela sensação de decadência e pela expectativa de um fim iminente, do qual emergiria uma nova ordem.

ambiente de leitura carlos romero chico viana cronica literatura paraibana brasileira portuguesa augusto dos anjos alfredo pimenta eu estilo sentimentos decadencia morte

Mas cada qual espera ou propõe o novo à sua maneira. Pimenta chega a sonhar com a revolução social, concebida romanticamente; Augusto deseja a redenção espiritual do homem. E se um, a despeito dos ideais progressistas, permanece formalmente preso ao passado — o outro inova em termos formais, utilizando-se de recursos (o coloquialismo, por exemplo) que o incluiriam na modernidade literária brasileira.


Chico Viana é doutor em teoria literária, professor e escritor

Ninguém consegue raciocinar bem quando seu coração está dominado pelo ódio. A raiva fecha a mente e limita a capacidade de refletir e pens...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana rui leitao odio intolerancia debate politico radicalismo
Ninguém consegue raciocinar bem quando seu coração está dominado pelo ódio. A raiva fecha a mente e limita a capacidade de refletir e pensar. Quem se dispõe a ser vitorioso em qualquer que seja a causa que abrace, a primeira coisa a fazer é procurar não alimentar sentimentos que extravasem agressividade. Não se combate o adversário com chances de sucesso, ofendendo, desrespeitando, achincalhando.

2020 está terminando e pelo visto o cinquentenário de “O nariz do morto”, de Antonio Carlos Villaça, vai passar em brancas nuvens. Ma...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco gil messias o nariz do morto antonio carlos villaca chico viana rachel de queiroz gilberto amado
2020 está terminando e pelo visto o cinquentenário de “O nariz do morto”, de Antonio Carlos Villaça, vai passar em brancas nuvens. Mas agora não mais, pois, modesto que seja, este texto se propõe celebrar o importante acontecimento literário brasileiro.

O episódio nº 9 da Pauta Cultural entra no ar na ALCR TV com atualidades do mundo cultural, participação dos autores, leitores e telespect...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ana adelaide peixoto tavares clovis roberto milton marques junior bienal internacional do livro sao paulo premio jabuti 2019 w j solha phelipe caldas livro vida aberta
O episódio nº 9 da Pauta Cultural entra no ar na ALCR TV com atualidades do mundo cultural, participação dos autores, leitores e telespectadores do Ambiente de Leitura Carlos Romero.

A fadiga das segundas-feiras é um fato interessante e pontua o mundo de hoje, impregnado do sentimento trivial de euforia e de mutualidade ...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana saulo mendonca marques segundas feiras nostalgia tarde de domingo surpresa aniversario
A fadiga das segundas-feiras é um fato interessante e pontua o mundo de hoje, impregnado do sentimento trivial de euforia e de mutualidade entre os seres vivos. Num final de semana quase todo mundo é feliz, a acender, automaticamente, a luzinha que há dentro de si.

"O Misterioso Caso de Styles" (The Mysterious Affair at Styles), lançado há exatamente cem anos, é o primeiro livro de Agatha Ch...

ambiente de leitura carlos romero cronica zonia zaghetto agatha christie hercule poirot miss marple misterioso caso styles cai pano morte nilo filme gal gadot
"O Misterioso Caso de Styles" (The Mysterious Affair at Styles), lançado há exatamente cem anos, é o primeiro livro de Agatha Christie. Assinala a criação de um dos mais deliciosos personagens da literatura policial: Hercule Poirot, um extravagante belga, de enormes bigodes, chapéu coco, cabeça de ovo, olhos verdes, grande inteligência e uma coleção de frases de efeito, tudo embalado em 1,62m de pura ausência de modéstia. É o protagonista dos melhores livros de Agatha.

“Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enla...

ambiente de leitura carlos romero conto romance ficção praia noite frank sinatra música flerte
“Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos.)
Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente E sem desassossegos grandes.”

Interessante como pegava seu lápis para colorir o caderno de desenho. Escolhia as cores mais alvoroçadas para pintar, por exempl...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra desenho de aluno pintura infantil sala de aula escola
Interessante como pegava seu lápis para colorir o caderno de desenho. Escolhia as cores mais alvoroçadas para pintar, por exemplo, as folhas de um arvoredo. E nos raios do sol encabulado, por trás de riscos curvos sinalizando uma montanha, largava um verde escuro sobre o astro que ficava sem condição de iluminar. Um verdadeiro eclipse verde. E assim ia colorindo a paisagem comum, onde existem árvore, casa, lago, sol.

Na manhã do dia 10 de abril de 1970, o jornal britânico Daily Mirror estampava, na sua primeira página, em letras enormes, a manchete que ...

ambiente de leitura carlos romero cronica flavio ramalho beatles yesterday sucesso rompimento lennon mcartney john paul george ringo harrison starr paradas elvis presley frank sinatra billboard entrevista
Na manhã do dia 10 de abril de 1970, o jornal britânico Daily Mirror estampava, na sua primeira página, em letras enormes, a manchete que dizia "Paul is quitting The Beatles" (Paul está saindo dos Beatles). A matéria correspondente à manchete do jornal continha uma curta e terminante declaração de Paul McCartney:

“Para escrever bem é preciso uma facilidade natural e uma dificuldade adquirida”. Não lembro onde li. Mas é o que vejo na crônica aparentem...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues luiz augusto paiva silvino lopes jornal a uniao
“Para escrever bem é preciso uma facilidade natural e uma dificuldade adquirida”. Não lembro onde li. Mas é o que vejo na crônica aparentemente fácil de Luiz Augusto de Paiva, bom contador de história, paraibano depois de nascido em São Paulo, trazendo de lá, com botas de sete léguas, a soltura de Brás, Bexiga e Barra Funda a se confluir nas mesmas águas do rio Paraíba do nosso Zé Lins. Às vezes é crônica, outras é conto, num caso e noutro a prosa solta, sem amarras adquiridas, o leitor sem notar que está mergulhado.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues luiz augusto paiva silvino lopes jornal a uniao
Adam Cain
No começo da semana meteu-se com dois meninos de praia que não passavam dos sete anos, os meninos atrás do cachorrito e o grandão do Paiva atrás deles. Atrás nos passos, no brechar da janela, nos mandados do menino que ele deve ter sido. Uma verdadeira perseguição de ternura.

E o leitor não fazendo por menos ou fazendo do jornal sua praia por conta da prosa solta, livre e sempre lírica desse narrador seguro que lembra o nosso Anco Márcio, que era mais preso, esquecido por nós que organizamos a última coletânea de prosadores paraibanos, inciativa da SEC do tempo de Neroaldo. Mas o esforço de Anco para atingir o pueril não saía tão disfarçado.

Escrevendo como se não escrevesse, apenas contasse, Luiz Augusto de Paiva traz de suas nascentes o conto-crônica que aqui se inaugurou com Silvino Lopes, nos anos 1940, nesta mesma A União que o contribuinte paga sem sentir, talvez nem muito consciente de sua obediência a um ditame de raiz. Desde o segundo decênio do século passado que a leitura, quando exigência do espírito, vem sendo liderada pelo jornal de Gama e Melo, Carlos Dias, José Américo e a descendência que os tomou como exemplo.

Foi onde Paiva veio deitar e bordar. Houve outro paulista ou paulistano, primeiro gerente da Santista no nosso Distrito Industrial, que comprava A União, menos pela notícia disputada por dois ou três outros diários, como para se identificar com o comportamento do paraibano. Chamava-se Armando Abreu, gostava de árvores, e no tempo em que a Torre era mais de casebres que de lojas comerciais, foi nela que escolheu sua morada, olhando para as biqueiras de Carlos Romero.

Paiva saiu da Barra Funda, do Brás, da Bexiga para vir se aninhar entre os meninos que somos todos nós, de 7 a 80 anos, todos capazes de botar luto porque a Chiquita comeu o que não devia e morreu. Foi um trabalho danado para o grandalhão dar a notícia aos meninos seus colegas.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL

Na tradição que relata os primórdios da história romana, o mito do rapto das Sabinas é fundamental para a consolidação de Roma como cidade...

ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino
Na tradição que relata os primórdios da história romana, o mito do rapto das Sabinas é fundamental para a consolidação de Roma como cidade que, de acordo com as profecias, deve sobreviver e dominar o mundo. Sem o rapto, Roma não só não cresceria, como não transmitiria a sua descendência.

Durante um certo período, a crônica foi considerada um gênero de quem jogava conversa fora. Pouco a pouco, porém, parte do público lei...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana sergio de castro pinto livro adhailton lacet ditos do quica
Durante um certo período, a crônica foi considerada um gênero de quem jogava conversa fora. Pouco a pouco, porém, parte do público leitor deixou de fazer ouvidos moucos e passou a ser todo ouvidos para os que investiam nessa modalidade literária. Adquirindo, pois, um certo prestígio, uma certa reputação, além de ser considerado um gênero que deitou raízes profundas no solo brasileiro, nele se adaptando e ganhando cidadania, arregimentou muitos adeptos, desde José de Alencar, passando por Machado de Assis, João do Rio, até chegar a Rubem Braga, Fernando Sabino, Eneida, Raquel de Queiroz, Paulo Mendes Campos, Veríssimo e muitos outros. Hoje, o gênero está plenamente consolidado, decorrendo daí o prestígio que desfruta entre críticos e leitores.

Em viagem, sou sempre mais seduzida pelos pequenos lugares. Claro que ninguém resiste a uma metrópole, mas um lugarzinho incrustado em alg...

ambiente de leitura carlos romero cronica ana adelaide peixoto viagem gales inglaterra cidades pequenas lugarejos gemas ocultas vinhos festival jazz brecon cornualha
Em viagem, sou sempre mais seduzida pelos pequenos lugares. Claro que ninguém resiste a uma metrópole, mas um lugarzinho incrustado em alguma curva na beira do rio é sempre tentador, por proporcionar passeios mais lúdicos.

Gostaria de pontuar alguns desses recantos que visitei e me fizeram dormir feliz, imaginando que minha cota de turismo estava plena:

Túnel sob o rio Severn
ambiente de leitura carlos romero cronica ana adelaide peixoto viagem gales inglaterra cidades pequenas lugarejos gemas ocultas vinhos festival jazz brecon cornualha
Bath
Fomos de trem de Cardiff para Bath. Passada uma hora de viagem, de repente tudo ficou escuro. Percebi que havíamos entrado num túnel. Respirei fundo para não deixar minha claustrofobia me sufocar. Quando olhei para os lados, enxerguei uma parede colada à janela e nada do túnel terminar. Que montanha grande, exclamei! Que montanha que nada! Descobri, em seguida, que havíamos atravessado o imenso estuário do rio Severn, por debaixo d'água. Ai minha claustrofobia! Foram 15 ou 20 minutos de escuridão.

Bath é uma das mais lindas cidades inglesas, toda pincelada por resquícios dos romanos, que lá deixaram maravilhas, como: os Thermae Bath Spas; o Walcot Parade, do período georgiano, com arquitetura imponente e outras relíquias; a Bath Abbey, catedral de estilo gótico; jardins majestosos; a ponte Pulteney, de 1770, que cruza o rio Avon (sim, o mesmo rio de Stratford-Upon-Avon, a cidade de Shakespeare); muitos cafés lotados; lojas de fudges, antiques, cornish bakehouses e ruelas floridas para nos perdermos e nos acharmos a toda hora, como nos orienta o arquiteto Legorreta.

ambiente de leitura carlos romero cronica ana adelaide peixoto viagem gales inglaterra cidades pequenas lugarejos gemas ocultas vinhos festival jazz brecon cornualha
Bath, Inglaterra Pedro Szekely
Encontrei a loja onde, há 11 anos, tinha comprado cartões de Virginia Woolf, Oscar Wilde, Isadora Duncan em que se lia: "Qualquer mulher inteligente que leia o contrato do casamento, e mesmo assim se casa, merece todas as consequências" (Any intelligent woman who reads the marriage contract, and then goes tinto it, deserves all the consequences). Ainda bem que os tempos mudaram desde as danças sensuais da dama descalça. Desta vez, comprei um cartão menos tenebroso, da musa do cinema do artista Hermano José, Greta Garbo, com a frase: "Será que tem alguma coisa melhor do que almejar por algo que se possa alcançar?" (Is there anything better than to be longing for something, when you know it is within reach?). Pois fiquei feliz em ter alcançado a felicidade desse sonho de um dia de verão.

ambiente de leitura carlos romero cronica ana adelaide peixoto viagem gales inglaterra cidades pequenas lugarejos gemas ocultas vinhos festival jazz brecon cornualha
Sally Lunn's Eating House NH53
O almoço aconteceu em um café francês, onde trabalhavam três garçons brasileiros que organizam um forró para inglês ver. Fazia um sol frio, com céu azul e uma atmosfera de alegria por aquele dia tão lindo. Mais tarde, tomamos o chá das 5 na casa mais antiga de Bath (1482), o lugar em que é servido o famoso pão de Sally Lunn. Saboreamos a receita de um tempo antes mesmo que Vasco da Gama houvesse descoberto o caminho das Índias. A arquitetura da loja é ponto de visita também, com suas paredes grossas, tetos rebaixados, quinas retorcidas e janelas típicas.

O pão realmente merece a fama, sem falar da geléia, do chá preto fumegante e do prazer de pisar naquele solo de assoalho com som abafado. Senti-me uma Tess of the d'Urbervilles, e cheguei a visualizar uma charrete na porta, e um destino (fate) não aprisionador e estóico, mas um destino como possibilidade de rememorar um passado fantasioso. Fizemos uma visita ao Jane Austen Centre, onde há uma exposição permanente com objetos que contam as experiências da escritora das ironias e das razões & sensibilidades em Bath. Lembrei da minha amiga Genilda e seus estudos sobre essa escritora tão perspicaz da sociedade Vitoriana e das angústias femininas. Fechei os olhos para visualizar as cenas de Emma, Mansfield Park, e Orgulho & Preconceito. No museu, rendas, livros, filmes, e a história dos costumes e dos enredos de Persuasão.

Narberth
cidadezinha que é considerada o coração rural da região de Pembrokeshire, na parte oeste do País de Gales. Ruas estreitas, lojinhas de bijuterias, antiguidades, artcraf, pequenas galerias, loja indiana (tem henna vermelha?), um café bacana, um pub tradicional e uma delicatessen com prateleiras de azeite extra virgem do chão ao teto. A pequenina cidade é conhecida pelo seu talento gourmet. Almocei uma salada deliciosa de queijo de cabra (hum hum!!!). Cabaceiras precisa aprender a receita!

Tenby
Uma praia com a cara da Cornualha, também na região de Pembrokeshire, famosa pelo porto cheio de barcos e suas casas em estilo Georgiano. O domingo estava frio, cinzento, mas, mesmo assim, havia muita gente na rua. Fomos passeando a esmo e demos de cara com uma casinha com uma placa: George Eliot (pseudônimo da escritora Mary Ann Evans) escreveu aqui seu primeiro romance. Uma foto – click! Ventava, e nas fotos estamos todas com o cabelo arrepiado – As garotas dos Morros Uivantes! Provamos crocs (sapato de borracha, tipo alemão/holandês Beirkenstock) de todas as cores, mas saímos de mãos vazias – milagre! Ali perto, uma galeria/papelaria de arte. Cartões dessa paisagem dos filmes ingleses de romance do século XIX. Na volta para casa, um curry "para viagem". Tudo apimentado. Tudo delícia.

Southerndown
Fica na região leste de Gales. Uma praia do patrimônio de Glamorgan, que tem a segunda maior maré do mundo, ou seja uma beira-mar imensa, com suas nervuras na areia, coberta de seixos (pebbles) cinzas aveludados. Trouxe um balde deles para misturar com os objetos de arte popular da minha sala.
ambiente de leitura carlos romero cronica ana adelaide peixoto viagem gales inglaterra cidades pequenas lugarejos gemas ocultas vinhos festival jazz brecon cornualha
Southerndown, País de Gales Carl Jorgensen
Sempre que eu olhar aquelas pedras macias, vou me sentir novamente A filha de Ryan. A beleza da enseada também se faz pelos penhascos, pelas trilhas e pelas ruínas de castelos. Passear nessa praia, onde já fui outras vezes, proporciona a sensação de esta em um cenário de filme. Cheguei a ver a mulher do tenente francês toda de preto sob uma chuva fina, e com um guarda chuva preto, com seus olhos fixos para o outro lado da margem, à espera de um amor que nunca chegava. Almoçamos num pub antigo, daqueles com o telhado de palha (thatched cottage), onde me deliciei com um típico sanduíche de bacon crocante, salsichas da casa, vinho tinto, morangos frescos e um café expresso. No jantar, uma guloseima feita com o carinho de irmã: couscous marroquino com verduras/legumes assados (erva doce, abobrinha, alho poró, mandioquinha). Um rosé gelado e um spounge de laranja. A felicidade até que existe!

Cowbridge
Localizada no Vale de Glamorgan, que parece nome das estórias de Harry Porter... ou talvez das Brumas de Avalon?. Fui a primeira vez nessa linda cidadezinha pitoresca, no sul do País de Gales, há mais de 34 anos. Encantei-me com as lojinhas sofisticadas (comprei uma bolsa de oncinha, antes de virar fashion, com a qual tenho ido às festas, desde casamentos aos desfiles do bloco Cafuçu). Admirei os wine bars e as balaustradas floridas de suas casas tão típicas, tão britânicas. Dessa vez, fomos numa ruela, a mesma de anos atrás, e tirei uma foto no mesmo lugar. Gosto de fazer isso – Repetição com Diferença! Lembro que, em 1975, visitando Londres pela primeira vez, estive na feira de antiguidades de Portobello, em Notting Hill, e lá tirei uma foto com um rapaz deficiente visual, que tocava sanfona. Dez anos mais tarde, por ocasião de uma outra visita, também no domingo, lá estava ele, na mesma esquina, com a mesma sanfona, mas com seus cabelos já brancos e encardidos. Apresentei-me e disse-lhe de onde vinha, e que o conhecia por meio dos meus álbuns de fotografias. Emocionado, ele me abraçou, tirou outra foto e tocou uma música só para mim. Já acreditava em acaso e aí fiquei perplexa com os encontros & desencontros dessa vida das não-coincidências.

Brecon
Um lugarejo escondido nas montanhas (Brecon Beacons) e à beira do rio Usk. No caminho um castelo erguido num penhasco, corredeiras e cheiro de mato. Fomos de carro e, assim, pudemos apreciar a paisagem, com um guia turístico particular, minha irmã Teca, que nos mostrava cada palmo por onde corria nas maratonas de que é adepta. Nesse cenário bucólico, avistei novamente Meryl Streep e seu personagem da Mulher do Tenente Francês, dessa vez, sentada no bosque a desmanchar os cabelos para o personagem de Jeremy Irons, que enlouquecia de desejo, já não sabendo mais distinguir a bruma tênue das fronteiras do que fosse ficção e realidade.

ambiente de leitura carlos romero cronica ana adelaide peixoto viagem gales inglaterra cidades pequenas lugarejos gemas ocultas vinhos festival jazz brecon cornualha
Brecon Jazz Festival Chris Hodgkins
Acontecia em Brecon, naquele sábado de agosto, o Festival Anual de Jazz, com concertos ao ar livre e em tendas espalhadas na cidade. Uma espécie de FLIP da música. Entrávamos e saíamos das tendas, dançando ou cantarolando, estalando os dedos aqui e ali... Fazia calor, um sol forte, as pessoas animadas com suas canecas de chope e, pelas ruas, como é de praxe, aconteciam shows paralelos e alternativos. Um parque imenso com quiosques de hot-dogs, goulash, comida chinesa, indiana, e pessoas esparramadas em seus piqueniques, ao som de gaitas, de blues ou de uma nota qualquer. De repente um desfile, uma paradam um gingado. Barraquinhas com roupas e acessórios, camisetas do evento e uma outra casa coberta de ramas cor de vinho (seria o outono que já se anunciava?)…

Voltamos à noitinha. Quando chegamos em casa, meu cunhado estava a cantarolar música brasileira, enquanto cozinhava lentilhas com especiarias e servia mais um vinho tinto, com velas na mesa. Acho que o coletor de resíduos deve ter ficado curioso com aquela casa, onde todas as noites havia sempre uma garrafa de vinho seca no portão...

E de vinho em vinho, de palmo em palmo, de esquina em esquina, de chá em chá, de quiche em quiche, de paisagem em paisagem, de susto em susto, de desejo em desejo e de lugares em lugares, naquela noite fui percorrendo meu mapa, minhas (des)orientações e minhas chegadas e partidas.


Ana Adelaide Peixoto Tavares é doutora em teoria da literatura, professora e escritora

Diante da realidade das perseguições espirituais, consequentes do atraso moral da humanidade, há de se indagar como se prevenir das obsessõ...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marta antunes de moura espiritismo allan kardec mediunidade benevolencia indulgencia perdao verdadeira caridade
Diante da realidade das perseguições espirituais, consequentes do atraso moral da humanidade, há de se indagar como se prevenir das obsessões. A obsessão para se instalar depende da sintonia entre perseguido e perseguidor. É dessa comunhão de pensamentos que se deve afastar. Para tanto, somente a elevação dos sentimentos e dos pensamentos criará a devida proteção contra as investidas dos obsessores. Nesse contexto, surge a prática do bem pela vivência da caridade que se constitui na mais eficaz ação preventiva das obsessões.

Em O Evangelho segundo o Espiritismo temos:

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marta antunes de moura espiritismo allan kardec mediunidade benevolencia indulgencia perdao verdadeira caridade
Meyer Von Bremen
Caridade e humildade, tal o único caminho da salvação. Egoísmo e orgulho, tal o da perdição. Este princípio se acha formulado em termos precisos nas seguintes palavras: “Amarás a Deus de toda a tua alma e a teu próximo como a ti mesmo; toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos.” E, para que não haja equívoco sobre a interpretação do amor de Deus e do próximo, acrescenta: “E aqui está o segundo mandamento que é semelhante ao primeiro”, isto é, que não se pode verdadeiramente amar a Deus sem amar o próximo, nem amar o próximo sem amar a Deus. Logo, tudo o que se faça contra o próximo é o mesmo que fazê-lo contra Deus. Não podendo amar a Deus sem praticar a caridade para com o próximo, todos os deveres do homem se encontram resumidos nesta máxima: “fora da caridade não há salvação”.

Vemos, assim, que a prática da caridade é veículo para o crescimento espiritual. Pela caridade o indivíduo vence o orgulho e o egoísmo, que retardam o progresso, estabelecem conflitos entre indivíduos e povos, fazendo-se com que se cerre os olhos às necessidades alheias. Praticar a caridade é fazer o bem, sem distinções ou preconceitos. Engloba tudo o que se possa fazer a outrem, em forma de bondade e amor. Vai desde o ato de socorrer a fome, agasalhar o desabrigado, e outros gestos materiais, passa pelo esclarecimento intelectual e espiritual, de elevado poder libertador, e se completa com renúncia de si em favor do próximo.

Por vezes ainda se despontam aqueles que creem que caridade é ato de quem oferece esmola. Allan Kardec demonstra que é muito mais: Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, tal como Jesus a entendia? Benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marta antunes de moura espiritismo allan kardec mediunidade benevolencia indulgencia perdao verdadeira caridade
Meyer Von Bremen
Caridade, assim definida, vai muito além da oferta de recursos materiais, para alcançar as relações interpessoais. Para a perfeita apreensão do sentido mais elevado da resposta acima, cumpre analisar: benevolência, indulgência e perdão das ofensas, na visão dos Espíritos superiores.

1. BENEVOLÊNCIA

Entende-se por benevolência toda disposição favorável com o próximo. A cordialidade, a tolerância, a benignidade são seus consentâneos. Benévolo é o que demonstra afeto, amizade, fraternidade, respeito. Emmanuel pondera a respeito:

A caridade é sublime em todos os aspectos sob os quais se nos revele e em circunstância alguma devemos esquecer a abnegação admirável daqueles que distribuem pão e agasalho, remédio e socorro para o corpo, aprendendo a solidariedade e ensinando-a.

O aviso do Instrutor divino nas anotações de Lucas357 significa: dai esmola de vossa vida íntima, ajudai por vós mesmos, espalhai alegria e bom ânimo, oportunidade de crescimento e elevação com os vossos semelhantes, sede irmãos dedicados ao próximo, porque, em verdade, o amor que se irradia em bênçãos de felicidade e trabalho, paz e confiança, é sempre a dádiva maior de todas.

Pela interpretação de Emmanuel, benévolo é o que distribui o sustento ao corpo, no aprendizado e no ensino da solidariedade. Mas é, também, o que distribui alegria, bom ânimo, esperança em benefício do próximo.

2. INDULGÊNCIA

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marta antunes de moura espiritismo allan kardec mediunidade benevolencia indulgencia perdao verdadeira caridade
Meyer Von Bremen
Indulgência é a capacidade de ser tolerante com as ações ou imperfeições dos outros. É agir com bondade, fraternidade, solidariedade e misericórdia nos relacionamentos pessoais.

No livro Pão Nosso (, consta as seguintes observações:

Sejamos compreensivos para com os ignorantes, vigilantes para com os transviados na maldade e nas trevas, pacientes para com os enfermiços, serenos para com os irritados e, sobretudo, manifestemos a bondade para com todos aqueles que o Mestre nos confiou para os ensinamentos de cada dia.

Busquemos o amor fraterno, espontâneo, ardente e puro. A caridade celeste não somente espalha benefícios. Irradia também a divina luz.

Indulgência é entendimento, compreensão, é colocar-se no lugar do outro para procurar compreender suas ações e deslizes. A indulgência não prescreve a conivência com os erros alheios, mas determina que possamos auxiliar o próximo a se corrigir, sabendo que o mal é um estado transitório.

3. PERDÃO

Perdoar é esquecer as ofensas de forma incondicional. No livro Pensamento e vida, Emmanuel afirma: “[...] o perdão será sempre profilaxia segura, garantindo, onde estiver, saúde e paz, renovação e segurança.” Em outra obra, o mesmo autor fala sobre o perdão:

Os expoentes da má-fé costumam interpretar falsamente as palavras do Mestre, com relação à resistência ao mal.

Não determinava Jesus que os aprendizes se entregassem, inermes, às correntes destruidoras.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marta antunes de moura espiritismo allan kardec mediunidade benevolencia indulgencia perdao verdadeira caridade
Meyer Von Bremen
Aconselhava a que nenhum discípulo retribuísse violência por violência. Enfrentar a crueldade com armas semelhantes seria perpetuar o ódio e a desregrada ambição no mundo.

O bem é o único dissolvente do mal, em todos os setores, revelando forças diferentes.

Jesus, todavia, nos aconselha a defesa do perdão setenta vezes sete, em cada ofensa, com a bondade diligente, transformadora e sem-fim

O perdão constitui-se dissolvente do mal, base da saúde emocional, fator de proteção espiritual e equilíbrio do ser humano. Nessa perspectiva é ato unilateral, que dispensa a concordância do outro. Se o desafeto for incapaz de perdoar, o tempo haverá de clarear-lhe a consciência, mostrando-lhe a impropriedade da vingança, do ódio e da mágoa.

Allan Kardec ensina a orar pelos que nos perseguem, nisso constituindo mérito para o obsidiado, que lhe abreviará a expiação. Emmanuel, por sua vez, complementa:

Reportamo-nos aos companheiros tímidos e vacilantes, embora bem intencionados, para concluir que, em todas as tarefas humanas, podemos sentir a presença do Senhor, santificando o trabalho que nos foi cometido. Por isso, não podemos olvidar a lição evangélica de que seria abençoado qualquer esforço no bem, ainda que fosse apenas o de ministrar um copo de água pura em seu nome

4. A PRÁTICA DA CARIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA DA OBSESSÃO

O espírita, onde, quando e como se encontre, deve filiar-se a uma atividade que lhe exercite a prática da caridade, buscando aquela com a qual guarde maior afinidade, na própria Casa Espírita ou em outra instituição; ou mesmo na comunidade, em organizações governamentais ou não governamentais. O importante é incorporar o exercício do bem nas atividades corriqueiras da vida.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marta antunes de moura espiritismo allan kardec mediunidade benevolencia indulgencia perdao verdadeira caridade
Meyer Von Bremen
O médium, em especial, por necessitar melhor compreender os Espíritos sofredores, exercitam esta compreensão em atividades junto aos sofredores encarnados. Aliás, não se justifica que o espírita, médium ou não, sob quaisquer pretextos, se limite apenas a adquirir conhecimento sem, contudo, colocá-lo em prática.

Ir ao encontro dos que sofrem, amenizar-lhe a dor das provações, às vezes muito dolorosas, é dever moral de cada adepto do Espiritismo. Somente assim estará apto para desfraldar a bandeira do Espiritismo — Fora da Caridade não há Salvação —, com firmeza e sinceridade, sobretudo no meio onde o sofrimento campeia: órfãos e crianças abandonadas; jovens transviados; idosos desamparados; famintos desesperados; enfermos, da alma e do corpo, prisioneiros da dor; legiões de almas perdidas nas viciações de todos os matizes, alienados da vida…

Sejamos, então, cada um de nós, em qualquer posição que ocupemos na vida, um bom samaritano, como ensina a belíssima parábola ensinada por Jesus, (Lucas, 10:30 a 35), a partir da qual Humberto de Campos (Irmão X) apresenta estas conclusões:

Em todos os tempos, há exércitos de criaturas que ensinam a caridade; todavia, poucas pessoas praticam-na verdadeiramente. [...] É por isso que a caridade, antes de tudo, pede compreensão. Não basta entregar os haveres ao primeiro mendigo que surja à porta, para significar a posse da virtude sublime. É preciso entender-lhe a necessidade e ampará-lo com amor. Desembaraçar-se dos aflitos, oferecendo-lhes o supérfluo, é livrar-se dos necessitados, de maneira elegante, com absoluta ausência de iluminação espiritual. A caridade é muito maior que a esmola. Ser caridoso é ser profundamente humano e aquele que nega entendimento ao próximo pode inverter consideráveis fortunas no campo de assistência social, transformar-se em benfeitor dos famintos, mas terá que iniciar, na primeira oportunidade, o aprendizado do amor cristão, para ser efetivamente útil.


Marta Antunes de Moura é escritora e vice-presidente da Federação Espírita Brasileira

É melhor ser alegre que ser triste, já dizia o poetinha. Mas o mundo anda tão triste, né, gente? Ninguém repara nos olhos da amada. Afin...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana linaldo guedes vinivius de morais rivalidade entre poetas

É melhor ser alegre que ser triste, já dizia o poetinha.

Mas o mundo anda tão triste, né, gente?

Ninguém repara nos olhos da amada. Afinal, para alguns idiotas ela nem é mulher...

Ninguém mais pensa nas crianças mudas telepáticas...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana linaldo guedes vinivius de morais rivalidade entre poetas
Vinicius de Morais Arq. Nacional
É que, de repente, mas não tão de repente, do riso, fez-se o pranto.

É que depois de tanto erro passado, é preciso conjugar o verbo no infinito.

Lembrar que o bom samba é uma forma de oração.

Dia 19 último foi o aniversário de nascimento de Vinícius de Moraes. Em sua homenagem meu Vini ganhou seu nome.

Lembro que um amigo, na época em que Vini teve seu nome escolhido (ainda não havia nascido), fez muxoxo, dizendo que era nome de intelectual.

Não sabia ele que Vinicius, o poeta, não era do agrado dos intelectuais, porque era alegre, amava as mulheres de verdade (não na base da idealização) e não vivia como um sorumbático macambúzio, como querem que sejam os poetas.

E que Vinícius, o meu filho, já nasceu eterno, e não chama. Parabéns ao poetinha!

Sobre poesia, vou falar algumas histórias de bastidores, sem citar nomes, mas casos reais:

Começar citando o caso de um poeta que era ignorado pelas vanguardas poéticas.

Ele fazia sonetos, e isso é algo imperdoável para alguns ditos vanguardistas.

Era muito talentoso, mas sofria esse preconceito (sim, poetas são preconceituosos com os próprios poetas).

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana linaldo guedes vinivius de morais rivalidade entre poetas
Pierre Seghers e Vinicius de Morais Alécio de Andrade
Para romper a bolha, escreveu poemas na linha dos que o rejeitavam.

Poemas "inventivos", com frases verbais pulando de um verso pra outro. Como se fossem separação de sílaba, saca,?

Foi, então, aceito pelo grupo. Passou a ser considerado poeta pelos que o criticavam, que até passaram a publicar seus poemas em suas revistas.

Ele, enquanto isso, ria do acontecido e voltou a fazer sonetos.


Linaldo Guedes é mestre em ciências da religião, jornalista e poeta

A mãe, nenê no ninho, olha, no espelho – com muito carinho – a bela boca nada neutra, pronta pr´outra. quem não vê, numa fábula de Esop...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana waldemar jose solha livro vida aberta premi jabuti editora penalux poemas

A mãe, nenê no ninho, olha, no espelho – com muito carinho – a bela boca nada neutra, pronta pr´outra.

quem não vê, numa fábula de Esopo, a versão... virtual.. de um filme de animação?

Conta-se que no século XVIII um certo credor alemão, ao receber como pagamento informal um pacote com algumas partituras, espantou-se ao ab...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana johann sebastian bach felix mendelssohn bartholdy herminio miranda ernesto bozzano reencarnação espiritismo Wilhelm Friedemann Bach Eisenach

Conta-se que no século XVIII um certo credor alemão, ao receber como pagamento informal um pacote com algumas partituras, espantou-se ao abri-lo. Familiarizado com a linguagem musical, foi capaz de ouvir a orquestra inteira no que viu ali escrito, de forma sublime. Como seria possível que obras tão belas estivessem sendo assim perdidas, trocadas como moeda comum, sem atribuição nem relevância?

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana johann sebastian bach felix mendelssohn bartholdy herminio miranda ernesto bozzano reencarnação espiritismo Wilhelm Friedemann Bach Eisenach
Eram manuscritos originais de Johann Sebastian Bach, tratados com desprezo pelo filho mais velho, Wilhelm Friedemann, que herdou grande parte do acervo do pai. Após usufruir algum prestígio, não apenas porque descendia do extraordinário compositor de Eisenach, mas por seu talento musical, o primogênito Wilhelm viu sua vida se degenerar. Supostamente predileto entre muitos irmãos, ele teve tudo para progredir. Estudou música com o pai, cursou Direito em Leipizg, Matemática em Saale, trabalhou como organista em Dresden e chegou a ocupar cargos oficiais na Prússia.

Mas o espírito indisciplinado e egoísta foi afastando-o das boas relações profissionais, das amizades, isolando-o e arruinando seu futuro. Após perder o último emprego, sobreviveu dando aulas de teclado como autônomo, deixando escorrer entre dedos habilidosos o talento legado pela inspiradora genética. Para suporte financeiro, recebia valores irrisórios por meio de escambo com partituras do pai, algumas nunca executadas, mesmo sabendo, decerto, que a troca estava muito aquém da preciosidade de que se desfazia irresponsavelmente.

Johann Sebastian Bach é “um caso à parte” na literatura musical, aclamado por muitos pesquisadores, maestros e intérpretes como o “deus da Música”, autor de extensa e colossal obra constituída por universo tão abrangente quanto magnífico. Na técnica de composição contrapontística, pela qual várias vozes se justapõem harmonicamente em planos sonoros diversos, capazes de formar um formidável conjunto melodioso, ele foi imbatível em seu período. Sua obra vem servindo, por mais de três séculos, de lastro técnico e didático a muitos compositores que o sucederam, com infinitas possibilidades investigativas e recriadoras. Além de ser incluída no currículo de todos os níveis acadêmicos de ensino musical e encantar plateias de todos os continentes ininterruptamente.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana johann sebastian bach felix mendelssohn bartholdy herminio miranda ernesto bozzano reencarnação espiritismo Wilhelm Friedemann Bach Eisenach
Johann Sebastian Bach (1685—1750)
Por falta de ambição, devoção ao trabalho e à família, Bach não ousou distanciar-se de seu habitat. Limitou o trabalho e a moradia às cidades por perto de onde nasceu. Consequentemente, sua obra permaneceu desconhecida e somente um século após sua morte espargiu-se com merecido esplendor.

O maior responsável pelo que se pode chamar de “O Renascimento de Bach” foi o hamburguês Felix Mendelssohn, autor de obra gigantesca e diversificada. Nascido 60 anos depois que Bach faleceu, desde cedo revelou-se precocemente prodigioso a ponto dos professores da Academia de Canto de Berlim, onde estudava, afirmarem que “nada mais havia a ensiná-lo”...

Diferentemente da história da maioria dos compositores eruditos, marcados por dificuldades e limitações de toda ordem, Mendelssohn recebeu apurada educação, não apenas musical, mas em história, filosofia, literatura e arte. Cresceu rodeado de abundância material e em meio intelectualmente sofisticado. Com apenas 9 anos, publicou uma tradução de Andria, obra célebre de Terêncio, poeta da antiga Roma. Aos 12 compunha sinfonias para cordas, aos 15 concluiu sua primeira grande sinfonia orquestral e aos 17, já familiarizado com a leitura dos clássicos, fascinou-se com a fantasia shakespeariana e escreveu a abertura “Sonho de uma Noite de Verão”, em que inseriu com pertinaz singularidade romanesca a celebrada Marcha Nupcial, que estreou no ano seguinte, já revelando ao mundo a proeminente genialidade.

Contrapondo-se à ideia de que grandes obras de arte foram concebidas em ambiente de privações, sofrimento ou angústia, Mendelssohn é a comprovação de que embora tenha imprimido exuberante alegria e lirismo refinado em grande parte de sua produção, igualmente a contemplou com seriedade, introspecção, heroísmo e religiosidade. Escreveu vários quartetos, lieder, concertos, sonatas, caprichos, aberturas, fantasias, canções para piano e literatura, motetos, diversas óperas, poemas, cantatas, salmos, oratórios, uma infinidade de peças românticas para piano conhecidas como “Canções sem palavras” e cinco belas sinfonias.
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana johann sebastian bach felix mendelssohn bartholdy herminio miranda ernesto bozzano reencarnação espiritismo Wilhelm Friedemann Bach Eisenach
Felix Mendelssohn (1809—1847)
Caso não houvesse sido tão breve a sua encarnação de apenas 38 anos, decerto teríamos mais um “deus da música“ com um conjunto tão extenso quanto o do gênio barroco.

Uma de suas mais significativas realizações, entretanto, foi a dedicação à redescoberta da obra de Bach, inconcebivelmente obscurecida após sua morte. O marco do Renascimento do Mestre de Leipizig no século XX foi a regência pelo próprio Mendelssohn, com 20 anos de idade, na Academia de Canto de Berlim, de um dos grandiosos corais orquestrados por Bach, a “Paixão Segundo São Mateus”, esquecida há um século sem ser executada.

E assim passou a disseminar a magnitude do ídolo confesso com empenho apaixonado, interpretando sua obra publicamente em muitas oportunidades. Chegou a tocar várias vezes o concerto para três cravos sendo acompanhado em memorável performance por Franz Liszt e Ferdinand Hiller.

A dedicação empregada no notável projeto repercutiu de tal forma que sua obra impregnou-se da alma de Bach. Em muitas criações utilizou a técnica polifônica, o canto coral, a liturgia religiosa, a fuga, nas quais emerge nitidamente o espírito bachiano. Sem dúvida, uma proeza que lhe cobriu de alegria e plenitude, como se tivesse pago uma grande dívida que ele e o mundo tinham com Johann Sebastian. Enfim, havia-o retirado do pequeno raio em que seu trabalho esteve circunscrito, lançando-o ao mundo com justa e meteórica luminescência.

Críticos, escritores, pesquisadores se debruçaram exaustivamente a estudar a lendária simbiose entre os dois grandes músicos alemães. E nela encontraram as mais variadas explicações. Uma chamou atenção pela peculiaridade mística, em se tratando de uma revelação mediúnica. Através do respeitado escritor carioca Hermínio Miranda, autor de mais de 50 substanciosos livros, inclusive como parceiro de Ernesto Bozzano,
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana johann sebastian bach felix mendelssohn bartholdy herminio miranda ernesto bozzano reencarnação espiritismo Wilhelm Friedemann Bach Eisenach
Wilhelm Friedemann Bach (1710—1784)
pesquisador da fenomenologia paranormal, professor de Filosofia da Ciência da Universidade de Turim (Itália) e membro do Instituto Internacional de Metapsíquica (Paris).

A Hermínio chegaram informações do mundo espiritual de que Mendelssohn era justamente Wilhelm Friedemann, filho de Bach, que, tão logo se conscientizou do grande erro cometido com a obra de seu pai, se afinara na construção da ideia de voltar ao mundo terreno em missão de resgatá-la. A sintonia com tal propósito foi tão intensa que possibilitou a conexão com o ambiente fausto da família Mendelssohn-Bartholdy, solidamente propício à realização de seus planos de justiça e recuperação moral. E assim, conseguiu fazer reflorescer o tesouro inestimável criado por Bach.

O regozijo perante a conclusão do que planejou mostra-se claramente na exuberante felicidade que emana de muitas das peças de Mendelssohn. O primeiro concerto para piano, sobretudo o primeiro e terceiro movimentos, é repleto de jubilosa e contagiante euforia.

Na segunda sinfonia, conhecida como Hino de Louvor, ele mescla a cantata com a forma sinfônica de maneira inovadora. Embora a história se refira a este trabalho como encomenda do Instituto Gutemberg para celebrar os 400 anos da imprensa, o autor fez novas inserções para reestreá-la seis meses depois em Leipizig, o icônico reduto de Bach, evidenciando a ligação com sua imagem.


Embora Mendelssohn tenha se revestido de toda a luminosidade de Bach na suntuosidade dos majestosos oratórios “Elijah” e “Paulus”, há quem identifique nesta 2ª sinfonia uma grande homenagem ao mestre que tanto o inspirou. Após o 1° movimento que a introduz como prelúdio do espetáculo de louvor que se segue, e mais dois puramente orquestrais, o Hino se configura com o autêntico caráter composicional de Bach. Com fugas, recitativos, partes que lembram as missas, cantatas, e no próprio texto escolhido, Mendelssohn presta-lhe, realmente, um honroso tributo.

Estruturado literariamente nas expressões de “Louvor a Deus”, “Fidelidade Divina” para ascensão dos espíritos “das trevas à Luz”, o filho redimido, ora discípulo fiel, emoldura definitivamente Bach na mais expressiva mensagem de gratidão em que, com toda certeza, obteve do deus da música o precioso perdão.


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música

Aprendi com o jornalista Dulcídio Moreira que a elegância dos sapatos distingue tanto ou mais quanto a dos bons ternos. Um sapato cego, se...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rocrigues dulcidio moreira cafe alvear

Aprendi com o jornalista Dulcídio Moreira que a elegância dos sapatos distingue tanto ou mais quanto a dos bons ternos. Um sapato cego, sem brilho nem classe, podia derrotar um terno inteiro de casimira ou de linho irlandês, luxo que não devia faltar no guarda-roupa da usina ou do alto comércio. Veja-se uma foto de evento político ou oficial dos anos 40, com Virginio Veloso, José Américo, Argemiro, Renato Ribeiro, de grupos políticos diferentes, mas alvejando iguais no diagonal york-street ou no linho irlandês.

Alice desistiu de procurar a Rainha, mas não estava nada satisfeita com as mudanças de tamanho. Era muito doloroso não saber como ia acord...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana chico viana alice no pais das maravilhas egocentrismo imaginario narrativa ficticia fantasia infantil
Alice desistiu de procurar a Rainha, mas não estava nada satisfeita com as mudanças de tamanho. Era muito doloroso não saber como ia acordar no dia seguinte. Caminhava pelo bosque com esses pensamentos tristes, quando viu ao lado da trilha um homem sentado diante de uma mesa sobre a qual havia um papel em branco. Era o Escritor. Resolveu lhe falar:

O dourado majestático que ornava a madrugada prometia um chuvisco. Sacolejando no cubículo lá da rabeira, embalado pelo ronco contínu...

ambiente de leitura carlos romero cronica irenaldo quintans migração retirantes exodo rural estrada despedida saudade futuro desconhecido

O dourado majestático que ornava a madrugada prometia um chuvisco. Sacolejando no cubículo lá da rabeira, embalado pelo ronco contínuo do motor, o menino acompanhava pelo vidro traseiro as duas esteiras simétricas, entrecortadas pela fumaça do escapamento, que os pneus da velha Rural abriam na estrada. E fundia a cabeça imaginando que espantosa força motriz era capaz de impulsionar, a tamanha velocidade, aquela fubica torta sem desmontá-la, desafiando todas as leis da Física.