O aforismo constitui uma das maiores pretensões da inteligência, a de reger a vida. Carlos Drummond de Andrade Origem: do Verbo ao a...

ambiente de leitura carlos romero literatura aforismos ensaio jorge elias neto academia espirito-santense filosofia socrates nietzsche nelson rodrigues bertrand russell carlos drummond antonio porchia linguagem franz kafka

O aforismo constitui uma das maiores pretensões da inteligência, a de reger a vida.

Carlos Drummond de Andrade




Origem: do Verbo ao aforismo

Eis que "no princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Tudo foi feito por ele; e nada do que tem sido feito, foi feito sem ele. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens" (João 1:1-4). Partimos também da palavra, agora oriunda do homem (pretensioso?), para iniciar uma discussão sobre esta polêmica forma literária denominada aforismo.

ambiente de leitura carlos romero literatura aforismos ensaio jorge elias neto academia espirito-santense filosofia socrates nietzsche nelson rodrigues bertrand russell carlos drummond antonio porchia linguagem franz kafka
Hipócrates (460—370 a.C.)
Seu surgimento remonta a Hipócrates — "pai da medicina" — na Grécia antiga. Em seu livro intitulado Aforismo (αφορισμός) o autor escreveu uma coleção de orientações para doenças e medicamentos [1-2]. Obviamente, Hipócrates não estava ciente de que este "manual" de aconselhamento médico, viria a nomear uma nova forma literária. Na verdade, a frase hipocrática que serve de introdução ao livro, "A vida é curta, a arte é longa" (ars longa, vita brevis), embora construída com um propósito diferente, traz em si a definição de um aforismo: uma frase concisa, precisa e carregada de grande força.

Testemunha de conversas e silêncios, de sorrisos e lágrimas, de encontros e desencontros, ele foi descanso, pouso para o corpo e alma. Gua...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana clovis roberto abandono banco de praca recanto esquecido jornal a uniao

Testemunha de conversas e silêncios, de sorrisos e lágrimas, de encontros e desencontros, ele foi descanso, pouso para o corpo e alma. Guarda segredos impregnados de atores que envelhecem a cada dia. Fez parte de jardins, teve grama sob os pés, presença dos passeios, dos segredos quase confissionário, dos passantes. Era vizinho de castanholas, tinha flores por perto, era amigo de soldadinhos.

Há uma celeuma no ar. Acredito que sempre houve. Desta feita trazida à tona por uma necessidade dos novos tempos, que a língua ainda não c...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana milton marques junior poeta ou poetisa duvidas de portugues preciosismo flezao linguistica

Há uma celeuma no ar. Acredito que sempre houve. Desta feita trazida à tona por uma necessidade dos novos tempos, que a língua ainda não conseguiu acompanhar, nem podemos dizer se vai. Como se sabe, é o uso que faz a língua se tornar linguagem. As mudanças, no entanto, ditadas pelo uso são lentas e vão se acomodando de acordo com as conveniências do uso coletivo. A língua é, sem dúvida, viva e dinâmica, mas a vivacidade e o dinamismo não significam a rapidez que muitos desejam. O poeta Horácio, em sua Arte poética, já nos aponta o uso como senhor absoluto no comando da língua determinando a instauração de novas palavras, termos e expressões, ao mesmo tempo que faz a advertência de usos que cairão no esquecimento. A língua, como um sistema, registra todos, guarda-os, mas só concede a visão da luz do dia àqueles que se empregam pela coletividade.

Singular figura a do marido de professora. Se não mais atualmente, pelo menos há até bem pouco tempo, quando as conquistas sociais feminin...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco gil messias vaalor da prfessora libertacao da mulher indepedencia feminina

Singular figura a do marido de professora. Se não mais atualmente, pelo menos há até bem pouco tempo, quando as conquistas sociais femininas não tinham ainda tornado banais as afirmativas mulheres dedicadas ao magistério. Mulheres essas que, durante décadas, foram talvez as únicas a alcançar algum destaque pessoal e profissional numa sociedade brasileira atrasada e machista, que as relegava, genericamente, à subalterna e exclusiva condição de donas de casa e mães de família.

O episódio nº 8 da Pauta Cultural entra no ar na ALCR TV com atualidades do mundo cultural, participação dos autores, leitores e telespec...

alcr alcr-tv ambiente de leitura carlos romero germano romero literatura paraibana cultura paraibana jose mario espinola angela bezerra de castro ivaldo gomes jose nunes milfa valerio germano romero restaurante adegada do alfredo restaurante tamarindo feira internacional de turismo de gramado reginaldo marinho diario de turismo coluna bahia de todos os cantos fotografia antonio david diniz  mercedes pepita pessoa cavalcanti

O episódio nº 8 da Pauta Cultural entra no ar na ALCR TV com atualidades do mundo cultural, participação dos autores, leitores e telespectadores do Ambiente de Leitura Carlos Romero.

Nesta pauta, destaque para a retomada do turismo, a Feira Interncaional de Turismo de Gramado; a alta da ocupação hotelereira na capital paraibana; a estreia da coluna de Reginaldo Marinho no portal Diário de Turimo; e para o Chef Fred Ferreira, da Adega do Alfredo, que assumirá, em breve, a gastronomia do Restarurante Tamarindo, no Hotel Sapucaia, na praia de Tambaú.

Menções às publicações dos autores José Nunes, Milfa Araújo Valério e Germano Romero.

Além dos comentários dos leitores José Mário Espínola, Ivaldo Gomes e da professora Ângela Bezerra de Castro, presidente da Academia Paraibana de Letras.

Ao entardecer do dia 19 de novembro de 1937 na cidade de Salvador (BA), o vermelho do pôr do sol foi infestado pela fumaça encarnada da q...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose nunes queima de livrios 1937 jose lins do rego jorge amado ditadura gelulio vargas arbitratiedade liberdade de expressao

Ao entardecer do dia 19 de novembro de 1937 na cidade de Salvador (BA), o vermelho do pôr do sol foi infestado pela fumaça encarnada da queima de livros, deixando boquiabertos transeuntes que não entendiam o corre-corre que estava acontecendo na cidade.

O que vem a ser o “politicamente correto”? Vivo procurando a definição mais acertada para essa expressão. A mais usual é a de que se trata...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana rui leitao politicamente correto preconceito conservadorismo intolerancia radicalismo

O que vem a ser o “politicamente correto”? Vivo procurando a definição mais acertada para essa expressão. A mais usual é a de que se trata de um código de conduta não formalizado e estabelecido individualmente por cada um de nós. Uma forma de controlar o vocabulário, evitando causar constrangimentos, ofender, proferir insultos.

Quando ponderamos que já temos uma história bem vivida, que fizemos a trajetória comum a todos os homens e mulheres, que aproveitamos muit...

ambiente de leitura carlos romero cronica otimismo superacao desafio alto astral autoajuda mudancas supresas paixao felicidade sonhos coragem conquistas

Quando ponderamos que já temos uma história bem vivida, que fizemos a trajetória comum a todos os homens e mulheres, que aproveitamos muito sol, nos divertimos largamente em festas, trabalhamos com empenho, dançamos com prazer, viajamos por lugares desconhecidos, neste momento, chega a vida e nos encara, nos faz tropeçar e abre um novo e difuso caminho.

Li ou ouvi que haviam depredado o monumento a João Pessoa, na praça de seu nome, e me apressei a conferir o estrago. Menino de grupo esc...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues humberto cozzo clodoaldo gouveia joao pessoa

Li ou ouvi que haviam depredado o monumento a João Pessoa, na praça de seu nome, e me apressei a conferir o estrago.

Menino de grupo escolar do tempo que a professora saía dando aula com as estátuas, onde chego vou logo aos monumentos, às estátuas de rua, para só depois parar na igreja. Vi primeiro São Bento, quando desci aqui, porque fica na passagem, quase encostada à cabeça da ladeira que vem da Casa do Estudante. Precisava ser toupeira para não demorar a vista na bela igreja do leão.

A Segunda Guerra Mundial trouxera muito desequilíbrio. Um alvoroço provocado pelos abalos das duas bombas atômicas que estraçalharam inoce...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra pos-guerra infancia tempo de guerra segunda guerra mundial

A Segunda Guerra Mundial trouxera muito desequilíbrio. Um alvoroço provocado pelos abalos das duas bombas atômicas que estraçalharam inocentes japoneses naquela sanha, naquele ódio que as guerras se incumbem de dilatar. Houve, é inegável, um reflexo no comportamento de uma geração emergente, na criançada nascida ao pavor de noticiários horrendos. A ceia que acabara de ser realizada na suntuosidade dos que comemoravam o final da hecatombe restou numa efusão de alegres embriagados. Ninguém se lembrava das vítimas de Hiroshima e Nagasaki.

Próximo à esquina mais famosa do centro velho da cidade de São Paulo, o cruzamento das avenidas Ipiranga e São João, fica o Palacete dos A...

ambiente de leitura carlos romero flavio ramalho roberto luna boemia maysa lucho gatica grande otelo bandido luz vermelha musica popular brasileira

Próximo à esquina mais famosa do centro velho da cidade de São Paulo, o cruzamento das avenidas Ipiranga e São João, fica o Palacete dos Artistas. O lugar era um antigo hotel que foi recuperado pela prefeitura da cidade para servir de abrigo a artistas aposentados que estivessem em dificuldades financeiras ou que não possuíssem residências.

O Evangelho do Cristo é o mais eloqüente discurso prático e vivencial que temos conhecimento na história. O Cristo que nada escreveu, tran...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana marco granjeiro lima evangelho jesus chico xavier

O Evangelho do Cristo é o mais eloqüente discurso prático e vivencial que temos conhecimento na história. O Cristo que nada escreveu, transformou Sua Vida numa exemplificação perene. Não condenou a riqueza, por ser instrumento de progresso material e social, no entanto, recomendou que acumulássemos os tesouros imperecíveis, onde nem a traça, nem a ferrugem podem destruir, orientando no seu discurso, que o melhor emprego da riqueza está no favorecimento dos que mais necessitam, promovendo o progresso e o desenvolvimento social; educação com qualidade, gerando emprego e renda, favorecimento da cultura, enfim, a cidadania plena. A riqueza é o meio, o bem social, o fim.

Em Campina Grande, no final dos anos 50, a palavra “assustado” passou a designar encontro dançante, com ou sem bebida, realizado de surpre...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana assustado anos 50 baile ray conniff timidez romance danca balada antonio morais de carvalho

Em Campina Grande, no final dos anos 50, a palavra “assustado” passou a designar encontro dançante, com ou sem bebida, realizado de surpresa nas garagens ou nas salas das casas, e tirou o sossego de alguns pais. A moda, ou o imperativo categórico, era promover e freqüentar assustados, e adolescentes, rapazes e moças só falavam e pensavam nisto.

Estudei os dois últimos anos do curso primário na conhecida Escola Santa Terezinha, situada na Rua das Trincheiras, 401 em João Pessoa, pe...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana coriolano de medeiros academia paraibana de letras tercia bonavides eudes barros sergio rolim mendonca

Estudei os dois últimos anos do curso primário na conhecida Escola Santa Terezinha, situada na Rua das Trincheiras, 401 em João Pessoa, pertencente às professoras Tércia e Maria da Luz Bonavides. Inúmeros paraibanos, hoje famosos, tiveram o privilégio de terem aprendido suas primeiras letras nessa escola de escol que formou centenas de alunos de várias gerações por um período de pelo menos 40 anos. Minha mãe e meu tio também foram alunos desse conceituado educandário.

Eles formavam um casal de classe média. Filhos de pais humildes, cada um lutou para sair daquela condição precária de vários modos. Ele,...

ambiente leitura carlos romero adriano leon politica religiao golpe ressentimento novos ricos fracasso carlos drummond sentimento mundo

Eles formavam um casal de classe média. Filhos de pais humildes, cada um lutou para sair daquela condição precária de vários modos. Ele, quarto filho de seis, tentou estudar, mas parou no ensino médio. Nunca quis exercer a profissão do seu pai, padeiro, e passou a trabalhar numa revenda de automóveis. Ganhava por comissão e nas crises se valia de agiotas e vales que a empresa adiantava com juros. Ela, filha de empregada doméstica, nunca conheceu seu pai. Para não ter o destino da mãe e das duas irmãs mais velhas, passou a trabalhar como manicure num salão de beleza de uma vizinha e estudar à noite numa escola pública do bairro.

Em um papo de lista de discussão feita só de mulheres, espontaneamente surgiu o assunto relativo à infância. Uma verdadeira viagem ao vale...

ambiente de leitura carlos romero ana adelaide peixoto crônica bonecas brincadeiras meninas feminismo henik ibsen reflexões subjetividade

Em um papo de lista de discussão feita só de mulheres, espontaneamente surgiu o assunto relativo à infância. Uma verdadeira viagem ao vale da subjetividade feminina, quando rememoramos, durante alguns dias, o nosso tempo de brincadeiras com as bonecas.

Mansas tocaias, mitos cheiram a pólvora no eterno dos proscritos. Tiros noturnos, sem urros nem alvos, miram o tempo.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana saulo mendonca marques abandono fortaleza santa catarina forte de cabedelo

Mansas tocaias, mitos cheiram a pólvora no eterno dos proscritos. Tiros noturnos, sem urros nem alvos, miram o tempo.

Com grande preocupação e temor tenho assistido ao desmantelamento da educação brasileira. É gritante a desvalorização do ensino e do profe...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose mario espinola dia do professor mestre angela bezerra de castro medicina paraibana colegio marista pio x

Com grande preocupação e temor tenho assistido ao desmantelamento da educação brasileira. É gritante a desvalorização do ensino e do professor, algo que vem acontecendo há algum tempo, mas que recentemente agravou-se muito mais.

Alceu Amoroso Lima, o Tristão de Athayde, já advertia: “(...) a função do livro infantil é fazer compreender às crianças que a leitur...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana sergio de castro pinto literatura infantil alceu amoroso lima poesia infantil poesia paa crianca
Alceu Amoroso Lima, o Tristão de Athayde, já advertia: “(...) a função do livro infantil é fazer compreender às crianças que a leitura não é um dever mas um prazer”. E mais adiante: “(...) que a leitura é o mais movimentado, o mais variado, o mais engraçado dos brinquedos”.

Não, nada e tudo com as “Relíquias” do velho Machado. A relíquia é outra. Na Academia Paraibana de Letras, excetuadas duas ou três salas d...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues jose pereira lira jose cao politica paraibana revolucao 1930 partidarismo ideologia

Não, nada e tudo com as “Relíquias” do velho Machado. A relíquia é outra. Na Academia Paraibana de Letras, excetuadas duas ou três salas destinadas às galerias dos seus imortais, onde descer a mão cai num livro. Fiz isto na semana passada e dei com um livro de 1950, escrito pelo paraibano José Caó sobre Pereira Lira, outro apagado da nossa memória cultural e política.