Amanhã é o dia 29 de fevereiro de 2024, um ano bissexto. O intrigante é que herdamos dos romanos, o nome e a função do calendário, na...

Amanhã é o dia 29 de fevereiro de 2024, um ano bissexto. O intrigante é que herdamos dos romanos, o nome e a função do calendário, na sua significação de quantidade de dias do ano e da sua divisão em doze meses, e, nesse calendário, não há o dia 29 de fevereiro, nem qualquer referência a ano bissexto. Expliquemos. Embora não tenhamos guardado a maneira romana de contar os dias, o mundo ocidental por ele colonizado, bem como o restante do mundo, aonde Roma não chegou, adotou o chamado Calendário Juliano, por uma questão prática ditada pelas atividades comerciais.

Um dia qualquer de outubro. Começo pelo fim. Eu sei que não virás encontrar-me de novo onde mais quero. Tão perto, tão perto, que eu ...

amor diario saudade

Um dia qualquer de outubro. Começo pelo fim. Eu sei que não virás encontrar-me de novo onde mais quero. Tão perto, tão perto, que eu te sinta colado ao meu destino.

O causo se deu numa dessas estações ferroviárias muito utilizadas em tempos idos. Ficava coisa de pou...

O causo se deu numa dessas estações ferroviárias muito utilizadas em tempos idos. Ficava coisa de pouco mais de 100 quilômetros da capital paulista, ali no Vale do Paraíba. Se quiserem uma pista do local, direi apenas que a gare em questão é hoje um centro de cultura; e, trem mesmo faz muito tempo que não apita mais naquelas bandas.

O primeiro censo realizado no Brasil foi efetuado no ano de 1872, o único no período monárquico (1840-1889). Somente em 1890, foi reali...

lyceu paraibano educacao brasileira
O primeiro censo realizado no Brasil foi efetuado no ano de 1872, o único no período monárquico (1840-1889). Somente em 1890, foi realizado o segundo censo, já no governo republicano. De acordo com dados do censo do IBGE de 1940, naquele primeiro levantamento de 1872 foi constatado que cerca de 82,3% da população brasileira era analfabeta.

Em recente crônica publicada na “Folha de São Paulo”, Sérgio Rodrigues comenta uma frase atribuída a Dr...

escrita literatura redacao
Em recente crônica publicada na “Folha de São Paulo”, Sérgio Rodrigues comenta uma frase atribuída a Drummond segundo a qual “escrever é cortar”. O cronista observa que, de tão repetida, a frase se tornou um lugar-comum. Ao mesmo tempo, chama a atenção para o fato de é preciso relativizar esse conceito; nem sempre o corte serve às intenções do autor.

No século XVIII, durante o Renascimento, foi inventada uma sopa fortificante e restauradora, feita de carne de boi, carneiro e legumes...

taverna viajante
No século XVIII, durante o Renascimento, foi inventada uma sopa fortificante e restauradora, feita de carne de boi, carneiro e legumes, servida como refeição aos viajantes ou indivíduos extenuados, após um longo dia de trabalho. O alimento, oferecida em estalagens, tabernas e hospedarias, ganhou o nome de restaurant, devido aos seus efeitos benéficos.

Fomos estimulados a entrar na conversa poético-literária que se estabeleceu entre a respeitável tríade de escritores composta por Milto...

arte grafiete pixacao graffiti coimbra anarquismo
Fomos estimulados a entrar na conversa poético-literária que se estabeleceu entre a respeitável tríade de escritores composta por Milton Marques Júnior, Hélder Moura e Nevita Franca. É desnecessário enfatizar a honra da provocação considerando o elevado nível do tema e do trio que o abordou.

Coisas estranhas. Quando meu pai morreu, em 92, fui a seu enterro e, ao passar, na volta de Sorocaba, por São Paulo, onde pegaria o ...

el greco pai extase arte
Coisas estranhas. Quando meu pai morreu, em 92, fui a seu enterro e, ao passar, na volta de Sorocaba, por São Paulo, onde pegaria o avião para João Pessoa, resolvi fazer uma visita ao MASP – Museu de Arte de São Paulo –, que fora tão marcante nos meus 13, 14 anos. Tudo normal, menos quando me vi ante o São Francisco - de El Greco - orando ante um crânio seco, pois – embora o quadro não esteja entre os de Domeniko Theotokópoulos que já me empolgaram (como o Espólio e o Enterro do Conde de Orgaz, dois dos que veria em Toledo , 1994) – senti, ante ele, (literalmente) um soco no estômago.

As pessoas são as mesmas em todo lugar? Mudam a geografia, a língua, a história e a cultura, mas os vícios e as virtudes dos homens s...

neruda llosa isla negra
As pessoas são as mesmas em todo lugar? Mudam a geografia, a língua, a história e a cultura, mas os vícios e as virtudes dos homens são potencialmente os mesmos, desde sempre? Existe o que se chama de “natureza humana”? É possível, mas há quem negue essa tal natureza. Os existencialistas, por exemplo, para os quais, a existência precedendo a essência, não há por que se falar em uma natureza humana predefinida, já que as pessoas vão se definindo por si mesmas, para o bem e para o mal, à medida em que vivem, ou seja, vão se construindo aos poucos, em meio a escolhas e circunstâncias. É uma questão filosófica interessante. Mas o fato é que a experiência tem mostrado fortes argumentos em contrário, independentemente de crenças religiosas ou assemelhadas. As pessoas se repetem tanto, no bem e no mal, em todo lugar e ao longo do tempo, que parecem mesmo ter algo em comum.

Incitação da insígnia do pensamento é como eu definiria um insight. A mim é uma grande tarefa (risco) tecer alguns comentários sobre o...

carlos aranha poesia paraibana
Incitação da insígnia do pensamento é como eu definiria um insight. A mim é uma grande tarefa (risco) tecer alguns comentários sobre o poeta, a pessoa de Carlos Aranha e o seu primeiro livro de poemas, “Nós – an insight”

Antes de fixar morada nesta cidade resguardada de ufanias, retivera-a em dois relances. Primeiro em companhia de meus pais, em 1942, nu...

joao pessoa praia penha nostalgia
Antes de fixar morada nesta cidade resguardada de ufanias, retivera-a em dois relances. Primeiro em companhia de meus pais, em 1942, numa promessa que vieram pagar na Penha. Desse primeiro contato, já anoitecendo, resta uma penumbra de copas e de sombras que anulava ainda mais as tochinhas de luz nevoenta sumidas ao longo da praça Pedro Américo. O palacete de janelões imperiais, ao lado, apenas se insinuava, enfumado na noite, só vindo impor-se aos meus olhos de menino gruteiro sob o clarão da manhã seguinte.

A Paraíba nem sempre deu o devido reconhecimento a nomes do Estado que se destacaram na cultura nacional. Alguns casos notórios são o...

paraiba jose maria santos
A Paraíba nem sempre deu o devido reconhecimento a nomes do Estado que se destacaram na cultura nacional. Alguns casos notórios são os do biólogo campinense Mello Leitão, do romancista José Vieira e do escritor e jornalista José Maria dos Santos. Mello Leitão, cientista respeitado mundialmente, teve o seu nome preterido para batizar o Jardim Botânico na Capital por outro sem qualquer vinculação com a ecologia

Quero retornar aos campinhos de pelada dos bairros, lugares onde rolam bolas feitas de borracha, de pano, de plástico, improvisadas ou...

Quero retornar aos campinhos de pelada dos bairros, lugares onde rolam bolas feitas de borracha, de pano, de plástico, improvisadas ou oficiais feitas de couro e costuradas industrialmente. Quero voltar aos locais de chão de terra batida, algum areal ou onde há mesmo grama maltratada. Por ali, onde pés descalços na maioria das vezes ou protegidos por alguma chuteira surrada correm, chutam, dividem a bola.

“Quem quer compreender a poesia, deve ir ao país da poesia. Quem quer entender o poeta, deve ir ao país do poeta.” Goethe Em junho ...

teera persia mesquita
“Quem quer compreender a poesia, deve ir ao país da poesia. Quem quer entender o poeta, deve ir ao país do poeta.”
Goethe

Em junho de 2002, a convite da Iranology Foundation of Tehran e da Secção Cultural da Embaixada da República Islâmica do Irão em Lisboa, participei no I Congresso Nacional de Estudos do Irão com um trabalho escrito, integrado nos Estudos de Iranologia da Universidade de Teerão, capital da República Islâmica do Irão, metrópole localizada no sopé dos montes Elburz, a 1.220 metros de altitude e a uma distância que pouco ultrapassa os 250 km da orla do mar Cáspio.

⏤ Vovô, me disseram que a vida nunca acaba. Isto tem sentido? ⏤ Não procure o sentido, Arthur. Sentido é passado, acabado, perf...

animais natureza monismo

Nasci e me criei no Miramar, tido por muitos como o menor bairro de João Pessoa. Mas como é rico de histórias e tradições o meu bairro.

Nasci e me criei no Miramar, tido por muitos como o menor bairro de João Pessoa. Mas como é rico de histórias e tradições o meu bairro.