O mito é uma criação fantasiosa que procura explicar aspectos da natureza ou da condição humana. Nossos antepassados os cultivavam para da...

literatura paraibana cronica mitos dor de cabeca cefaleia leite lactose alergia
O mito é uma criação fantasiosa que procura explicar aspectos da natureza ou da condição humana. Nossos antepassados os cultivavam para dar sentido ao mundo. Esse reinado da imaginação durou séculos, até ser destronado primeiro pela filosofia, depois pela ciência.

Perceptível pequeno mundo gigante onde muitas vezes ignoramos sua existência. Passamos ao seu lado, por cima dele, inacreditavelmente nem ...

literatura paraibana clovis roberto miniaturas flor beleza poesia natureza olhar
Perceptível pequeno mundo gigante onde muitas vezes ignoramos sua existência. Passamos ao seu lado, por cima dele, inacreditavelmente nem reparamos sua grandeza e beleza. E perdemos a oportunidades de conhecer mais o nosso próprio habitat, de encontrarmos um pouco de poesia, de descobrirmos que somos grandíssimas miniaturas. Ali, tão perto, atingível, tocável, penetrável...

Você já viu o sol nascer em Chipre? Ele surge como o carro de fogo de Apolo e suas faíscas põem gotas de ouro sobre o Mediterrâneo azul. U...

literatura paraibana pigmaliao afrodite galatea mitologia grega zaghetto
Você já viu o sol nascer em Chipre? Ele surge como o carro de fogo de Apolo e suas faíscas põem gotas de ouro sobre o Mediterrâneo azul. Uma brisa atravessa as montanhas e agita as águas claras, enchendo o coração dos homens de pequenos risos.

Sinfonia das águas 1 Na pele da água se instala a fala do impetuoso vento 2 No assovio do rio escreve o vento a fúria...

literatura paraibana juca pontes poesia mar mares aguas rios
Sinfonia das águas
1 Na pele da água se instala a fala do impetuoso vento 2 No assovio do rio escreve o vento a fúria do tempo

O poeta Augusto dos Anjos imortalizou o tamarindo do Engenho Pau D’árco com versos primorosos. O professor Milton Marques Júnior trouxe p...

literatura paraibana tamarindo milton marques junior apl jose nunes augusto do anjos
O poeta Augusto dos Anjos imortalizou o tamarindo do Engenho Pau D’árco com versos primorosos. O professor Milton Marques Júnior trouxe para o ambiente da imortalidade das Letras o símbolo desse poeta, plantando uma muda dessa árvore no Jardim dos Acadêmicos, para que o poeta, o professor e o tamarindo estejam juntos, eternizados no recanto mais sublime de nossas letras e artes, que é a Academia Paraibana de Letras.

Normalmente, quando um artista, um escritor, um pensador desaparece, sinto-me atraído por um retorno às suas obras. Certamente é uma ma...

literatura paraibana cronica contardo calligaris filosofia incertezas debates discordancias
Normalmente, quando um artista, um escritor, um pensador desaparece, sinto-me atraído por um retorno às suas obras. Certamente é uma maneira de afirmar sua presença ainda entre nós, uma espécie de vitória sobre a morte, tão pertinente nestes tempos de Páscoa cristã. Realmente, quem deixa uma obra atrás de si sobrevive à parada do coração, pelo menos por uns tempos. E às vezes resiste para sempre, como é o caso dos verdadeiramente grandes. Shakespeare, por exemplo.

“A gente quer viver a liberdade A gente quer viver felicidade” A liberdade e a felicidade são gêmeas univitelinas! Passamos a vida pro...

literatura paraibana liberdade felicidade marcia lucena cores vida
“A gente quer viver a liberdade
A gente quer viver felicidade”

A liberdade e a felicidade são gêmeas univitelinas! Passamos a vida procurando por elas em diferentes momentos e situações, cada fase da vida, cada idade nos deparamos com felicidades e liberdades diferentes, mas com a maturidade e dependendo das experiências de vida, entendemos que a vida é feita de várias felicidades, várias liberdades diferentes...

A provocação veio de Bauru, de Amanda Helena, para falar aqui sobre Astrud Gilberto e João Gilberto. São dois nomes que me encantam sempre...

literatura paraibana cronica mpb toquinho astrud gilberto polaridade politica bolsonaro lula
A provocação veio de Bauru, de Amanda Helena, para falar aqui sobre Astrud Gilberto e João Gilberto. São dois nomes que me encantam sempre.

Sobre João Gilberto, meu irmão tinha um disco com mais de trinta músicas do baiano e vez em quando colocava pra tocar. Adorava a música do pato. Astrud vim conhecer depois, embora os dois tenham sido contemporâneos e até formaram um casal.

Foi na época em que trabalhei no Núcleo de Arte Contemporâneo (NAC), órgão da Universidade Federal da Paraíba, que ouvi, pela primeira vez...

Foi na época em que trabalhei no Núcleo de Arte Contemporâneo (NAC), órgão da Universidade Federal da Paraíba, que ouvi, pela primeira vez, a expressão fazer fotografia. Até então, só escutara o termo tirar fotografia. E como estava lendo o monumental “Mimesis”, de Eric Auerbach, procurei estabelecer, meio intuitivamente, um cotejo entre as duas expressões.

O tema das celebridades é contemplado à exaustão em diferentes modalidades pela sétima arte e aparece majestoso no filme O Crepúsculo dos ...

literatura paraibana cinema celebridade mundo fashion exploracao glamour
O tema das celebridades é contemplado à exaustão em diferentes modalidades pela sétima arte e aparece majestoso no filme O Crepúsculo dos Deuses (1950), retratando a decadência da estrela Norma Desmond, que envelheceu e sendo esquecida, enlouquece e mata o jovem amante, quando descobre que perdeu o amor, o glamour e a glória do passado. O clássico Sunset Boulevard (no original) antecipa a histeria das pessoas em busca de fama e visibilidade no campo midiático,
literatura paraibana cinema celebridade mundo fashion exploracao glamour
algo que vai ganhar intensidade no século XXI, na era dos realities shows.

O filme atira contra o sistema opressivo da "sociedade do espetáculo" (Debord), denunciando a crueldade da indústria do cinema que explora os atores, absorvendo-lhes o talento, a energia, o vigor da juventude e depois os atira à margem da vida, quando chegam irremediavelmente à velhice.

Abordando o mundo dos ídolos e celebridades, Woody Allen atualiza a sua verve irônica no filme sintomaticamente chamado Celebridades (1998), uma leitura ácida da indústria cinematográfica. Lançando um olhar satírico sobre os famosos, Allen desconstrói o esquema das mitologias da fama, exibindo os superstars como pessoas emocionalmente desequilibradas.

O desejo extremo da fama midiática constitui a substância principal de um trabalho insólito, encarnado por Nicole Kidman, Um Sonho sem Limites (Gus Van Sant, 1995), cuja personagem representa uma ambiciosa "moça do tempo" e ajudada por dois adolescentes problemáticos, mata o marido (Matt Dillon), que lhe ameaça o sucesso pessoal. No desfecho final, a metáfora da aspirante à celebridade morta e congelada, deslisando sob a superfície de um lago canadense é implacável.

literatura paraibana cinema celebridade mundo fashion exploracao glamour
Porém, mais radical na exposição da ânsia dos indivíduos de ficarem famosos é a película 15 Minutos (John Herzfeld, 2001), no qual um emigrante russo (ajudado pelo cúmplice) exagera no desejo mórbido de realizar os seus "quinze minutos de fama", deixando-se filmar enquanto mata as suas vítimas com requintes de crueldade.

Com estilo mais clean, bonito e sofisticado, o cineasta Robert Altman modela um retrato irônico e divertido do mundo das passarelas, em Prêt-à-Porter (1994), satirizando os repórteres e outros agentes do "mundo fashion".

literatura paraibana cinema celebridade mundo fashion exploracao glamour
São impagáveis as cenas das editoras de moda nuas, ajoelhadas, implorando os favores de um fotógrafo profissional. A estória se passa na cidade de Paris, onde estão reunidos os estilistas, modelos, jornalistas e celebridades para a temporada dos desfiles da alta costura; dentre eles circulam oportunistas, bajuladores, ladrões, envolvidos em falcatruas, em luta ferrenha para se sobressair no cobiçado e lucrativo mundo da moda.

Contudo, nada parece mais extremo do que Assassinos por Natureza (Oliver Stone, 1994), que narra a odisséia sinistra de uma dupla de jovens facínoras, usando a mídia eletrônica e câmeras portáteis roubadas para contar suas estórias macabras.

Um repórter inescrupuloso os adula, os coloca no ar em cadeia nacional, fazendo deles celebridades criminosas. Mas os assassinos exibicionistas superam a perversidade do jornalista, tomam-no como refém e atiram nele, preferindo o testemunho da câmera automática que registra as suas proezas sádicas, assegurando seu lugar na posteridade.

Morrer é verbo depoente em latim. Isto significa que o verbo apresenta uma forma passiva, mas com um sentido ativo. Assim, “mŏrĭor”, prime...

literatura paraibana cronica morte materialismo pandemia jamelao oliveira azeitona preta
Morrer é verbo depoente em latim. Isto significa que o verbo apresenta uma forma passiva, mas com um sentido ativo. Assim, “mŏrĭor”, primeira pessoa do indicativo infectum de “mŏrī”, “morrer”, não é “eu morro”, embora traduzamos e digamos assim, mas é qualquer coisa como “algo me faz morrer”. Na realidade, ninguém morre, a não ser que provoque deliberadamente a sua morte. É sempre "algo" que nos leva a morrer. Tanto é que o atestado de óbito deve sempre deixar claro qual foi a causa mortis.

* Sobre a “Igreja” no Brasil Em 30 anos, o percentual dos que se dizem “evangélicos” no Brasil passou de 6,6%, em 1980, para 22,2% da po...

literatura paraibana louvor hipocrisia religiosa deturpacao evangelho lucro igrejas
* Sobre a “Igreja” no Brasil

Em 30 anos, o percentual dos que se dizem “evangélicos” no Brasil passou de 6,6%, em 1980, para 22,2% da população, em 2010.

A covardia no ser humano se manifesta de várias maneiras. Há os covardes explícitos, aqueles que não escondem o comportamento pusilânime, ...

literatura paraibana cronica covardia frase mahatma gandhi medo bravura rui leitao
A covardia no ser humano se manifesta de várias maneiras. Há os covardes explícitos, aqueles que não escondem o comportamento pusilânime, e os covardes medrosos, passivos, apáticos. Ambos são perigosos e nocivos à sociedade. Uns se revelam agressivos, principalmente quando atacam indefesos. Outros se fingem de bonzinhos, mas na prática causam danos a outros sem qualquer constrangimento.

Noel Rosa é considerado, atualmente, um dos maiores nomes da música popular do Brasil em todos os tempos. A obra do “Poeta da Vila Isabel...

literatura paraibana pesquisa ensaio musica brasileira aracy almeida heminio bello caetano veloso noel rosa
Noel Rosa é considerado, atualmente, um dos maiores nomes da música popular do Brasil em todos os tempos. A obra do “Poeta da Vila Isabel” vem sendo objeto dos mais elaborados estudos acadêmicos e, frequentemente, regravada pelos nossos principais intérpretes. Mas, nem sempre foi assim. Nos anos imediatamente posteriores a sua morte, Noel Rosa e as suas músicas foram praticamente esquecidos. Para o jornalista e escritor Ruy Castro:

Parte 2: Paris Desde a juventude que uma das minhas canções francesas prediletas é "Dimanche à Orly", na voz de Gilbert Béc...

literatura paraibana paris turismo jose mario espinola viagem europa
Parte 2: Paris


Desde a juventude que uma das minhas canções francesas prediletas é "Dimanche à Orly", na voz de Gilbert Bécaud. E foi com essa música na cabeça que desembarcamos no aeroporto de Orly, ao sul de Paris. Isso após havermos passado uma semana em Barcelona.

“A narração transcorre pela pessoa que recebeu diretamente e em circunstâncias que ignoro, a confidência dos principais personagens deste...

literatura paraibana resenha senhora jose alencar
“A narração transcorre pela pessoa que recebeu diretamente e em circunstâncias que ignoro, a confidência dos principais personagens deste drama único.“
José de Alencar

Aurélia é uma moça linda, de origem humilde, vivendo com muitas privações e cuidando da mãe doente. É uma filha dedicada à família e trabalhadora.