Numa de suas crônicas Martha Medeiros fala no “dom de viver sem aplausos e sem plateia”. Sim, é um dom – e uma arte. Como dom, é graça conc...

Sem aplausos e sem plateia

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias narcisismo egocentrismo exibicionismo selfie vaidade necessidade de aplauso

Numa de suas crônicas Martha Medeiros fala no “dom de viver sem aplausos e sem plateia”. Sim, é um dom – e uma arte. Como dom, é graça concedida pelos deuses, não depende de nós; como arte, resulta de nosso esforço deliberado em viver com sabedoria, aperfeiçoando, dentro do possível, a vida que nos coube. É fácil? Certamente que não. Pois nada é fácil, nem mesmo viver sem fazer nada.

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias narcisismo egocentrismo exibicionismo selfie vaidade necessidade de aplauso
Viver sem aplausos e sem plateia. Principalmente nestes tempos de selfies obsessivos e de redes sociais facilitadoras de egolatrias delirantes. Como deve ser difícil para tantos mostrados, para tantos exibidos. Tantos e tantas que não suportam nem a sombra do anonimato, que não sabem o que significa discrição, que não conhecem os prazeres sutis do recolhimento, que nunca ouviram falar na elegância da reserva. Verdadeiras mariposas em busca da luz, com o sacrifício de tudo: da conveniência, do senso do ridículo, da distinção, do bom senso, da dignidade, da autoestima, da autocrítica.

Tirando os casos de timidez crônica, até se compreende o humano desejo de aparecer. Não necessariamente como celebridade, privilégio (será?) de poucos, mas pelo menos na suficiente medida que realce as possíveis qualidades, os possíveis sucessos pessoais. Em outras palavras: algum reconhecimento. Até aí, compreende-se. Mas sem esquecer que alguns, com a requintada sabedoria adquirida com o tempo, despem-se de qualquer veleidade, qualquer mundana pretensão, qualquer vaidade, até mesmo daquele humano anseio por gratificações de toda espécie.

Sabemos, é claro, que os que se recolhem aos mosteiros e conventos são exemplos radicais de auto-ocultação. Mas, de qualquer modo, são exemplos, mostram que é possível “viver sem aplauso e sem plateia”, apenas com a autoconsciência, o juízo exclusivo de si mesmo sobre eventuais qualidades e defeitos. O que enseja trazermos à luz a oportuna e arguta distinção entre vaidosos e orgulhosos: os primeiros buscam a aprovação alheia e os segundos se contentam com a própria aprovação.

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias narcisismo egocentrismo exibicionismo selfie vaidade necessidade de aplauso

Os que não possuem a vocação do claustro, obrigam-se portanto ao mundo, mas sem que isto signifique mundanidade. A boa opção seria, então, o mundo sem mundanidade, o que exige arte, aquele esforço de aprimoramento de que falamos acima, na direção não da perfeição, mas do comedimento, da sobriedade, da sabedoria.

O grande palco é para poucos; o pequeno, é para os mortais comuns, na esfera privada de cada qual. Mas o importante, para todos, é saber orgulhosamente “viver sem aplauso e sem plateia”, bastando-se a si mesmo, com o peso das induvidosas faltas e a consolação de méritos fortuitos.


Francisco Gil Messias é cronista e ex-procurador-geral da UFPB
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também