“A árvore da Serra” é um dos sonetos mais populares de Augusto dos Anjos . Comumente o vemos recitado em aulas, festas, saraus literários e ...

A cena edipiana em “A árvore da serra”

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana chico viana religiosidade augusto dos anjos a arvore da serra animismo ecologia na poesia amor as plantas
“A árvore da Serra” é um dos sonetos mais populares de Augusto dos Anjos. Comumente o vemos recitado em aulas, festas, saraus literários e demais reuniões em que se declama o poeta. A atração que exerce sobre o público vem em grande parte da sua carga dramática. Eis a composição:


— As árvores, meu filho, não têm alma!
E esta árvore me serve de empecilho...
É preciso cortá-la, pois, meu filho,
Para que eu tenha uma velhice calma!

— Meu pai, por que sua ira não se acalma?!
Não vê que em tudo existe o mesmo brilho?!
Deus pôs almas nos cedros... no junquilho...
Esta árvore, meu pai, possui minh'alma!...

— Disse — e ajoelhou-se, numa rogativa:
«Não mate a árvore, pai, para que eu viva!»
E quando a árvore, olhando a pátria serra,

Caiu aos golpes do machado bronco,
O moço triste se abraçou com o tronco
E nunca mais se levantou da terra!


Para compreender o poema, deve-se considerar que a tendência a dar alma a coisas, vegetais e bichos é comum em Augusto dos Anjos. O animismo presente “A árvore da serra” não seria, pois, novidade nas composições do poeta. O que chama a atenção é que esse animismo aparece no contexto de um conflito entre pai e filho.

A circunstância de um ter de morrer para que o outro sobreviva reproduz a cena do Complexo de Édipo – embora de forma curiosamente invertida. Na cena edipiana clássica, o pai é que é obstáculo à sobrevivência do filho e, por isso, deve simbolicamente morrer. No soneto, pelo contrário, é o filho que deve desaparecer para que o pai continue vivo e tenha uma “velhice tranquila”.

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana chico viana religiosidade augusto dos anjos a arvore da serra animismo ecologia na poesia amor as plantas
A afirmação inicial do pai (de que as árvores não têm alma) aparece como justificativa para que se corte o vegetal. Sendo o pai, historicamente, a voz da autoridade e do poder, não é um despropósito ver nessa justificativa uma contestação às crenças animistas do poeta. E uma contestação repreensiva, feita por quem, além de pai, constituiu-se para Augusto num dos primeiros porta-vozes das ideias positivistas. Segundo R. Magalhães Júnior, o pai de Augusto “era abolicionista e republicano, com uns laivos de positivismo. Além de ter pendores artísticos (...), possuía boa cultura humanística e grande curiosidade intelectual”. O Dr. Alexandre dos Anjos mostrava-se sensível ao ideário de Augusto Comte e seus seguidores. Ele, que instruiu os filhos desde a alfabetização, foi por anos professor de Augusto e certamente, de forma direta ou não, lhe passou essas ideias.

A dramatização presente em “A árvore da serra” traduz a dualidade em que se debatia o espírito do poeta – entre o racionalismo de base científica e a religiosidade que latejava em seu íntimo. Essa religiosidade, por sua vez, refletia o sombrio ambiente do engenho em que Augusto fora criado. Segundo Horácio de Almeida, “os filhos de Dona Mocinha revelavam-se extremamente medrosos”; tanto Augusto como os irmãos viviam “num meio de avisos sobrenaturais e almas de outro mundo, ainda agravado pela solidão do engenho”.

O Dr. Alexandre, com sua cultura e pendor científico, era uma força contrária a isso. E no conflito espelhado em “A árvore da serra”, o pai supera intelectualmente o filho. Vence-o naquilo de que o filho não podia se desvencilhar – a dependência ao animismo que fundamenta a sua visão mística do mundo. No fim da composição, a morte do vegetal “olhando a pátria serra” confirma que as árvores têm alma. Ou seja: o filho estava certo, mas paga duramente por isso. O preço de ter razão contra o pai é a morte, a culpa, a castração, da qual o corte da árvore é também um símbolo.


Chico Viana é doutor em teoria literária, professor e escritor

comente
  1. Análise muitíssimo interessante do belo soneto. Parabéns Professor Chico Viana. Lembrei de meu pai que o recitava com grande frequência e tinha paixão pela poesia de Augusto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Esse soneto, de fato, alcançou grande popularidade.

      Excluir
  2. Enfrentar um texto literário (ou artístico, por extensão) à procura de sua ordenação de sentido é sempre um grande risco; enfrentá-lo com as armas da psicanálise amplifica esse risco; mas você, exímio domador de palavras, consegue hipnotizar a platéia e oferecer-lhe o prazer do texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Morais. Palavras de um conhecedor sempre nos gratificam além da conta!

      Excluir
  3. Quando meu pai, nos idos de 1950, me fez decorar esse poema para apresenta-lo às visitas, no interior do Pará, assumi que se tratava de um pai que manda matar a amada do filho por não concordar com o relacionamento.
    Prefiro ficar com a minha versão. É mais Shakespeariana.

    ResponderExcluir

leia também