Mostrando postagens com marcador Flávio Ramalho de Brito. Mostrar todas as postagens

Jangadeiro seria o senador O cassaco de roça era o suplente Cantador de viola, o presidente O vaqueiro era o líder do partido Imagina o...

confederacao equador pernambuco
Jangadeiro seria o senador O cassaco de roça era o suplente Cantador de viola, o presidente O vaqueiro era o líder do partido Imagina o Brasil ser dividido E o Nordeste ficar independente

Há muito tempo, muitos anos antes de aparecer “Nordeste Independente”, a conhecida composição do escritor campinense Bráulio Tavares e do cantador pernambucano Ivanildo Vila Nova, uma parte do Nordeste brasileiro pretendeu ficar independente do restante do Brasil. Neste ano de 2024, comemora-se o bicentenário de um movimento revolucionário de caráter republicano (pelo menos para alguns dos seus líderes) e que tinha como objetivo

No sábado de Carnaval de 1934, há exatos 90 anos, o jornal Correio da Manhã do Rio de Janeiro publicava uma matéria que tinha como tít...

ernesto nazareth musica brasileira piano
No sábado de Carnaval de 1934, há exatos 90 anos, o jornal Correio da Manhã do Rio de Janeiro publicava uma matéria que tinha como título “Evadiu-se de um estabelecimento de cura – Ainda não foi descoberto o paradeiro do enfermo”. A notícia se referia ao desaparecimento de um doente que se encontrava, há cerca de 10 meses, em tratamento na Colônia de Psicopatas (depois denominada Juliano Moreira) localizada no bairro de Jacarepaguá. Durante todo o sábado o enfermo foi procurado nas redondezas da Colônia, mas não foi localizado. No dia seguinte, as buscas foram retomadas e, no final da tarde, o seu corpo foi encontrado boiando nas águas de uma cachoeira na represa que atendia ao estabelecimento de saúde.

No início dos anos 1950, a Paraíba estava a reclamar uma nova obra que tratasse da sua História desde os primeiros tempos da colonizaçã...

celso mariz paraiba
No início dos anos 1950, a Paraíba estava a reclamar uma nova obra que tratasse da sua História desde os primeiros tempos da colonização pelos ibéricos, considerando que já fazia pelo menos três décadas que fora publicado o último livro com mais ou menos esse propósito. Notas sobre a Parahyba, de Irineu Joffily, a primeira obra desse gênero, saíra ainda no século 19 (1892). Maximiano Lopes Machado faleceu em 1895, deixando inédita a sua Historia da Provincia da Parahyba, que somente foi publicada em 1912. O primeiro volume de Datas e Notas sobre a Parahyba de

André Vidal de Negreiros foi um dos personagens que mais se destacaram, no século 17, na História do Brasil, o que pode se deduzir pela...

engenho itapua paraiba jose lins rego
André Vidal de Negreiros foi um dos personagens que mais se destacaram, no século 17, na História do Brasil, o que pode se deduzir pelas palavras dos seus contemporâneos. O Padre Antônio Vieira, que “o conhecia pouco mais que de vista e fama”, escreveu que o rei português tinha como ele “mui poucos nos seus reinos”. O neerlandês Gaspar Barléu, que escreveu uma obra encomendada por Maurício de Nassau sobre o período nassoviano no Nordeste brasileiro, considerava Vidal “homem audaz, astuto e, conforme o negócio em que se empenhava, perverso ou enérgico”.

É possível que músicas de grande sucesso popular sejam canções sofisticadas, com melodias rebuscadas, harmonias elaboradas, andamentos ...

bacharach dietrich
É possível que músicas de grande sucesso popular sejam canções sofisticadas, com melodias rebuscadas, harmonias elaboradas, andamentos incomuns e que foram gravadas com primorosos arranjos e orquestrações bem produzidas? A resposta afirmativa é demonstrada com a obra do compositor, pianista, maestro e arranjador norte-americano Burt Bacharach falecido, em fevereiro de 2023, quando se aproximava dos 95 anos de idade.

No final de dezembro de 1878, um jornal do Rio de Janeiro publicava uma notícia, vinda de Nova York, com declarações que foram dadas po...

joao pessoa antiga luz eletrica
No final de dezembro de 1878, um jornal do Rio de Janeiro publicava uma notícia, vinda de Nova York, com declarações que foram dadas por um auxiliar do inventor Thomas Edison:

“Há poucos dias o preparador do laboratorio de Melon Park e ajudante do celebre inventor do phonographo declarou em uma conferencia publica que em breve não só as ruas e praças de Nova York,

“Não choro por nada que a vida traga ou leve. Há porém páginas de prosa que me têm feito chorar. Lembro-me, como do que estou vendo...

brasil holandes padre antonio vieira

“Não choro por nada que a vida traga ou leve. Há porém páginas de prosa que me têm feito chorar. Lembro-me, como do que estou vendo, da noite em que, ainda criança, li pela primeira vez numa seleta, o passo célebre de Vieira sobre o Rei Salomão. “Fabricou Salomão um palácio...” E fui lendo, até o fim, trêmulo, confuso; depois rompi em lágrimas felizes, como nenhuma felicidade real me fará chorar, como nenhuma tristeza da vida me fará imitar. Aquele movimento hierático da nossa clara língua majestosa, aquele exprimir das ideias nas palavras inevitáveis, correr de água porque há declive, aquele assombro vocálico em que os sons são cores ideais – tudo isso me toldou de instinto como uma grande emoção política. E, disse, chorei; hoje, relembrando, ainda choro. Não é – não – a saudade da infância, de que não tenho saudades: é a saudade da emoção daquele momento, a mágoa de não poder já ler pela primeira vez aquela grande certeza sinfônica”.

Essas palavras do poeta português Fernando Pessoa sobre a obra do padre Antônio Vieira escritas no Livro do Desassossego traduzem a genialidade como escritor do jesuíta a quem Pessoa deu o título de “Imperador da língua portuguesa”.

Ao iniciar o mês de outubro de 1631, os holandeses que haviam chegado a Pernambuco em fevereiro do ano anterior continuavam confinado...

brasil holandes paraiba
Ao iniciar o mês de outubro de 1631, os holandeses que haviam chegado a Pernambuco em fevereiro do ano anterior continuavam confinados a uma estreita faixa litorânea entre Olinda e o Recife, assediados pelas guerrilhas das forças de resistência. Naquele momento, um relatório batavo registrou um acontecimento que viria a ter grande importância nos combates que os neerlandeses travariam nos anos seguintes na região:

Os europeus que vieram nas primeiras embarcações que chegaram ao Brasil, nas primeiras décadas do século 16, se deparavam com a opulênc...

coqueiros historia vegetacao brasil
Os europeus que vieram nas primeiras embarcações que chegaram ao Brasil, nas primeiras décadas do século 16, se deparavam com a opulência da vegetação do litoral. “Ao longo do mar eram tudo barreiras vermelhas: a terra he toda chãa, chea d'arvoredo”, anotou, em 1531, no seu Diário de Navegação Pero Lopes de Souza, que viria a ser o primeiro “dono” de trinta léguas de terras, recebidas em doação do rei português D. João III, que iam da ilha de Itamaracá à Baía da Traição, o que incluía a área do atual Estado da Paraíba.

Gastão d'Orleans tinha 22 anos de idade quando, em setembro de 1864, chegou ao Brasil. Seu avô, o rei francês Luis Filipe, fora de...

isabel gastao d'orleans conde d'eu paraiba
Gastão d'Orleans tinha 22 anos de idade quando, em setembro de 1864, chegou ao Brasil. Seu avô, o rei francês Luis Filipe, fora deposto pela revolução que irrompera, em 1848, em Paris, e a sua família se exilara na Inglaterra, onde Gastão foi educado. Depois, ele foi para a Espanha cursar a academia militar de Segóvia e, em seguida, ingressou no exército espanhol onde conseguiu a patente de capitão, tendo se destacado em batalha no Marrocos. Gastão ostentava o título nobiliárquico de Conde d'Eu, que tinha sua origem na Comuna de Eu, na Normandia, onde os Orleans tinham um Castelo.

Em maio de 1932, quando foi publicado o “Catalogo historico e descriptivo dos sellos postaes do imperio do Brasil” , o respeitado e tem...

joao pessoa erosao cabo branco
Em maio de 1932, quando foi publicado o “Catalogo historico e descriptivo dos sellos postaes do imperio do Brasil”, o respeitado e temido crítico literário Agrippino Grieco fez, em artigo publicado em O Jornal, do Rio de Janeiro, e no Diário de São Paulo, o seguinte comentário sobre o autor da obra:

“(João Tavares) com 12 espanhóis bem concertados e satisfeitos, e 8 portugueses, em uma caravela equipada e concertada para tudo [.....

joao pessoa paraiba padroeira

“(João Tavares) com 12 espanhóis bem concertados e satisfeitos, e 8 portugueses, em uma caravela equipada e concertada para tudo [...] partiu do porto de Pernambuco, a 2 de agosto de 1585; e aos 3, chegou pelo rio acima [...] aonde se viu [...] com o Braço-de-Peixe, e mais principais, no porto, que agora é a nossa cidade.

Assombrados os petiguares, primeiro com alguns tiros, presumindo mais força, fugiram [...] saiu o capitão João Tavares, dia de Nsa. Sra. das Neves, por cujo respeito depois se pôs esse nome à povoação, e a tomaram por patrona, e advogada, debaixo de cujo amparo se sustenta”

Durante o período de vinte e quatro anos (1630-1654) de ocupação contínua do Nordeste brasileiro pelos holandeses, pode-se considerar ...

brasil holandes paraiba
Durante o período de vinte e quatro anos (1630-1654) de ocupação contínua do Nordeste brasileiro pelos holandeses, pode-se considerar que foi de guerra quase todo o tempo. Para Evaldo Cabral de Mello, “de verdadeira paz, o Brasil holandês só conheceu o período 1641-1645 [...] por conseguinte, a realidade radical da dominação batava foi a guerra, não a paz”. Mas, mesmo esse curto intervalo de cinco anos indicado como pacífico pelo historiador pernambucano merece ressalvas. Em setembro de 1643, rebentou no Maranhão uma revolta contra os holandeses que, no final de fevereiro do ano seguinte, expulsaria de lá os flamengos. Para o historiador Pedro Puntoni, “diferentemente do que se imagina, a revolta luso-brasileira se iniciou no Maranhão, e não em Pernambuco”.

Em 1909, o geógrafo Paul Walle foi encarregado pelo Ministério do Comércio francês de empreender uma viagem pelo Norte e Nordeste do ...

historia paraiba seculo xx paul walle
Em 1909, o geógrafo Paul Walle foi encarregado pelo Ministério do Comércio francês de empreender uma viagem pelo Norte e Nordeste do Brasil objetivando elaborar um levantamento sobre as potencialidades econômicas da região visando ao incremento do comércio com a França. Walle era o vice-presidente da Sociedade de Geografia de Paris e autor de algumas obras sobre a América Latina. Como resultado das suas andanças,

No primeiro dia de dezembro de 1640, um golpe de Estado promovido por setores da aristocracia portuguesa acabava com seis décadas de do...

brasil holandes paraiba nassau
No primeiro dia de dezembro de 1640, um golpe de Estado promovido por setores da aristocracia portuguesa acabava com seis décadas de domínio espanhol sobre Portugal. Apesar do rompimento oficial do que comumente se chama de União Ibérica, a restauração da independência portuguesa ainda demoraria um alongado tempo para se consolidar de forma efetiva. Para a historiadora Ana Paula Megiani, “foram necessários ainda 28 anos de lutas no interior da península, entre portugueses e espanhóis, que se desdobraram nas colônias ocupadas, tal como ocorria com os holandeses no Nordeste do Brasil”.

Nas duas décadas que se seguiram à instituição da República no Brasil, dois grupos disputavam o poder político na Paraíba. Um sob a o...

paraiba castro pinto saturnino
Nas duas décadas que se seguiram à instituição da República no Brasil, dois grupos disputavam o poder político na Paraíba. Um sob a orientação de Venâncio Neiva e Epitácio Pessoa, respectivamente o governador e o secretário-geral do primeiro governo republicano no Estado. O outro, sob o comando de Álvaro Machado e do seu fiel seguidor, o padre Walfredo Leal. Em 1912, em um acerto conciliatório, os dois grupos resolveram indicar o então senador João Pereira de Castro Pinto para a Presidência do Estado por conta do bom relacionamento que ele mantinha com as duas correntes políticas adversárias. Castro Pinto era amicíssimo de Epitácio Pessoa, seu colega de turma na Faculdade de Direito,

No dia 23 de dezembro de 1635, o holandês Elias Herckmans desembarcava no porto do Recife vindo de Amsterdã, conforme anotação que con...

brasil holandes barleu herckmans
No dia 23 de dezembro de 1635, o holandês Elias Herckmans desembarcava no porto do Recife vindo de Amsterdã, conforme anotação que consta em documento (nótula diária) do Supremo Conselho batavo em Pernambuco:

“Logo após o final da tarde chegou aqui o navio De Holandsche Tuijn (O Jardim Holandês), de Amsterdam, do capitão Cornelis Dirckse, trazendo o nobre senhor Elias Herckmans, nomeado pelo Conselho dos XIX como representante político da Câmara de Amsterdã e nesta qualidade se juntou à nós”.

Campina Grande, final da década de 1940. A intensa vida noturna da cidade refletia os últimos anos de fastígio do comércio do algodão. ...

antonio barros ceceu paraiba forro mpb
Campina Grande, final da década de 1940. A intensa vida noturna da cidade refletia os últimos anos de fastígio do comércio do algodão. No entorno do imponente Cassino Eldorado (que o descaso com o patrimônio cultural reduziu a ruínas) diversos estabelecimentos transacionavam outro tipo de mercadoria que não era o “ouro branco, que faz nossa gente feliz e que tanto enriquece o país”, cantado no baião de Luiz Gonzaga e Zé Dantas, o produto que ficou como um dos símbolos da antiga Vila Nova da Rainha.

Em janeiro de 1640, a poderosa armada luso-espanhola comandada pelo Conde da Torre e uma esquadra holandesa que fora reunida às press...

brasil holandes paraiba vidal negreiros
Em janeiro de 1640, a poderosa armada luso-espanhola comandada pelo Conde da Torre e uma esquadra holandesa que fora reunida às pressas por Maurício de Nassau se confrontaram em quatro grandes batalhas entre Itamaracá e o Rio Grande do Norte, sendo que dois desses combates ocorreram no litoral da Paraíba. O regime dos ventos na região, naquele tempo de naus a velas, atuando com mais rigor sobre o tipo de embarcações que eram utilizadas pelos ibéricos, foi o maior responsável pelo desmantelamento da armada do Conde da Torre e pela consequente vitória dos batavos nos combates, triunfo que Nassau atribuiu à Providência Divina:

Em agosto de 2004, o jornalista Hélio Fernandes escreveu na “Tribuna da Imprensa” do Rio de Janeiro um artigo com o título “A morte de...

thelio ramalho brasilia mdb
Em agosto de 2004, o jornalista Hélio Fernandes escreveu na “Tribuna da Imprensa” do Rio de Janeiro um artigo com o título “A morte de um grande político”:

thelio ramalho brasilia mdb
Hélio Fernandes
Morreu Thales Ramalho. Será impossível contar a história de bastidores de determinado período da política brasileira sem citá-lo [...] Foi o maior articulador ‘do lado de cá’, numa época em que Golbery era o maior articulador ‘do lado de lá’. Pode ser dito sem erro que Thales era o Golbery incorruptível. Tinha o fascínio e o prazer da conversa, que era sempre política. E naqueles tempos essas conversas podiam ser consideradas conspirações, só que em defesa da democracia. Se ela (a ditadura) só durou 20 anos muito se deve a Thales Ramalho, às ‘suas conspirações’.