Mostrando postagens com marcador Flávio Ramalho de Brito. Mostrar todas as postagens

Noel Rosa é considerado, atualmente, um dos maiores nomes da música popular do Brasil em todos os tempos. A obra do “Poeta da Vila Isabel...

literatura paraibana pesquisa ensaio musica brasileira aracy almeida heminio bello caetano veloso noel rosa
Noel Rosa é considerado, atualmente, um dos maiores nomes da música popular do Brasil em todos os tempos. A obra do “Poeta da Vila Isabel” vem sendo objeto dos mais elaborados estudos acadêmicos e, frequentemente, regravada pelos nossos principais intérpretes. Mas, nem sempre foi assim. Nos anos imediatamente posteriores a sua morte, Noel Rosa e as suas músicas foram praticamente esquecidos. Para o jornalista e escritor Ruy Castro:

Jacob Bittencourt (ou Jacob do Bandolim como ficou conhecido), falecido em 1969, era considerado um dos maiores instrumentistas do Brasil....

literatura paraibana ensaio pesquisa musica popular canhoto paraiba jacob bandolim gnatalli choro paulinho viola radio tabajara
Jacob Bittencourt (ou Jacob do Bandolim como ficou conhecido), falecido em 1969, era considerado um dos maiores instrumentistas do Brasil. Nos finais de semana, Jacob promovia saraus (que ficaram famosos) na sua casa no bairro de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, nos quais participavam grandes nomes da música brasileira. No final da década de 1950, Jacob teve conhecimento (através de gravações caseiras) da excelência de um grupo de músicos do Recife

Início da década de 1880. O tráfico de escravos da África para o Brasil já havia acabado. Nas Américas, apenas o Brasil e Cuba mantin...

literatura paraibana ensaio escravidao abolicao ceara dragao mar almirante negro aldir blanc

literatura paraibana ensaio escravidao abolicao ceara dragao mar almirante negro aldir blanc
Início da década de 1880. O tráfico de escravos da África para o Brasil já havia acabado. Nas Américas, apenas o Brasil e Cuba mantinham ainda o regime escravista. O declínio da atividade açucareira no Nordeste e a expansão das lavouras cafeeiras em São Paulo fizeram surgir, no país, um tráfico interno de escravos, que era feito entre as províncias do Nordeste para o Sudeste.

Para o poeta pernambucano Manuel Bandeira: “Ele era o traço mais expressivo ligando os poetas, os artistas, a sociedade fina e culta às c...

literatura paraibana musica popular brasileira samba sinho José B Barbosa Silva manuel bandeira
Para o poeta pernambucano Manuel Bandeira: “Ele era o traço mais expressivo ligando os poetas, os artistas, a sociedade fina e culta às camadas profundas da ralé urbana. Daí a fascinação que despertava em toda a gente quando levado a um salão".

O filme Deus e o Diabo na Terra do Sol , do cineasta baiano Glauber Rocha, é considerado um dos grandes momentos alcançados pelo cinema do...

literatura paraibana pesquisa ensaio musica brasileira sergio ricardo joao mansur ditadura censura festivais beto bom bola vaias bossa nova pintura vidigal
O filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, do cineasta baiano Glauber Rocha, é considerado um dos grandes momentos alcançados pelo cinema do Brasil. As sequências da película são intercaladas e sobrepostas por intervenções de um cantador oculto na tela que solta sua voz, forte e cortante, em versos construídos sobre temas populares do Nordeste brasileiro, com o acompanhamento apenas de um violão.

No início dos anos 1960, o Nordeste pegava fogo, mais precisamente a Zona da Mata de Pernambuco e da Paraíba, onde se concentrava a região...

literatura paraibana joao goulart ligas camponesas Troubled Land Terra Conturbada helen rogers juscelino kubitschek
No início dos anos 1960, o Nordeste pegava fogo, mais precisamente a Zona da Mata de Pernambuco e da Paraíba, onde se concentrava a região canavieira. A região também também era a principal área de atuação das Ligas Camponesas, associações de trabalhadores rurais que vinham sendo criadas, desde a segunda metade da década anterior, em defesa da reforma agrária e de melhoria nas condições de trabalho no campo.

Como sempre acontece quando arquivos vedados são liberados para pesquisas, fatos e episódios são esclarecidos e sentenças que, antes, eram...

literatura paraibana ensaio pesquisa musica brasileira censura ditadura perseguicao taiguara exilio Imyra Tayra Ipy
Como sempre acontece quando arquivos vedados são liberados para pesquisas, fatos e episódios são esclarecidos e sentenças que, antes, eram, aparentemente, verdadeiras, são corrigidas. Foi o que ocorreu, há cinco anos, quando o Arquivo Nacional permitiu a consulta aos documentos da famigerada Divisão de Censura e Diversões Públicas — órgão da Polícia Federal — referentes ao período da ditadura militar.

Em 1851, realizou-se no Hyde Park, em Londres, a “Great Exhibition of the Works of the Industry of All Nations” ou a “Grande Exposição Mun...

literatura paraibana flavio ramalho brito palacio monroe ditadura militar ernest geisel
Em 1851, realizou-se no Hyde Park, em Londres, a “Great Exhibition of the Works of the Industry of All Nations” ou a “Grande Exposição Mundial”, como ficou conhecida. Foi o primeiro evento internacional que reuniu, em uma grande feira, produtos manufaturados dos países participantes. Em intervalos anuais, nem sempre regulares, seguiram-se Exposições Mundiais em diversos locais. No Brasil, a Exposição só viria a acontecer em 1922, no Rio de Janeiro, durante as comemorações do centenário da nossa Independência.

Bom Jardim, município do agreste de Pernambuco. Anos finais do século 19. Numa sala silenciosa e triste, velava-se o corpo de uma criança....

ambiente de leitura carlos romero cronica pesquisa flavio ramalho brito frevo origem levino ferreira pernambuco capoeira guerra peixe mestre vivo
Bom Jardim, município do agreste de Pernambuco. Anos finais do século 19. Numa sala silenciosa e triste, velava-se o corpo de uma criança. De repente, para assombro daqueles que se encontravam no local, o menino que estava morto tornou à vida, como se estivesse ficado, nas últimas horas, apenas em um sono profundo e reparador. O espanto e o susto dos presentes se transformaram, logo em seguida, em um incontido contentamento.

Em 1950, o Brasil sediava a Copa do Mundo de Futebol. No Rio de Janeiro, fora construído, às pressas, o estádio do Maracanã, onde foram d...

ambiente de leitura carlos romero ensaio pesquisa musica popular brasileira flavio ramalho brito braguina joao barro carnaval rio antigo marchinhas concurso dip departamento imprensa propaganda carinhoso branca neve chapeuzinho vermelho luzes ribalta pastorinhas mangueira 1984
Em 1950, o Brasil sediava a Copa do Mundo de Futebol. No Rio de Janeiro, fora construído, às pressas, o estádio do Maracanã, onde foram disputadas as principais partidas do torneio e que passava a ser o maior estádio do mundo. Ao chegar aos jogos semifinais, o Brasil despontava como favorito para conquistar a Copa. Na última partida, antes de disputar o quadrangular decisivo, o time do Brasil goleara a Suíça por 7x1. No dia 13 de julho, a seleção brasileira entrou em campo para disputar, com a Espanha, o direito de participar da final da competição.

Quando o pregão dos jornaleiros anunciou, naquela manhã de maio de 1946, a morte do poeta, compositor, cantor, violonista e teatrólogo Cat...

ambiente de leitura carlos romero ensaio flavio ramalho brito literatura paraiba catulo paixao cearense luar sertao joao pernambucano direitos autorais epitacio pessoa
Quando o pregão dos jornaleiros anunciou, naquela manhã de maio de 1946, a morte do poeta, compositor, cantor, violonista e teatrólogo Catulo da Paixão Cearense, a tristeza se espraiou por todo o Rio de Janeiro, dos subúrbios distantes, onde morava o artista, aos bairros nobres da cidade. As biroscas e botequins humildes e os salões aristocráticos se igualaram no sentimento pela perda do poeta maranhense.

Em dezembro de 1864, tropas paraguaias atacaram e ocuparam um forte no Mato Grosso e apresaram, no rio Paraguai, um navio mercante brasile...

ambiente de leitura carlos ensaio pesquisa flavio ramalho brito maciel pinheiro castro alves abolicionismo guerra paraguai joaquim nabuco
Em dezembro de 1864, tropas paraguaias atacaram e ocuparam um forte no Mato Grosso e apresaram, no rio Paraguai, um navio mercante brasileiro. Iniciava-se o mais grave e duradouro (mais de cinco anos) conflito que já houve entre os países da América do Sul, a Guerra do Paraguai, como ficou, aqui, conhecida a luta da Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) contra o Paraguai.

O enfrentamento entre brasileiros e paraguaios se deu em razão de antigas divergências, com respeito às fronteiras entre os dois países, à necessidade de garantia da utilização pelo Brasil da navegação através do rio Paraguai (que era a principal via de acesso ao Mato Grosso), e, principalmente, devido a um reordenamento nas relações entre Brasil, Argentina e Uruguai, que os paraguaios julgavam prejudicial aos seus interesses na região.

A “Maldita Guerra”, como o historiador Francisco Doratioto denominou sua alentada obra sobre a conflagração (Companhia das Letras, 2002), deixou como saldo o quase total aniquilamento da população masculina do Paraguai que, ao final da guerra, era constituída, em sua maioria, por menores de 10 anos. Do lado dos aliados, as baixas também foram numerosas.

Para o historiador José Murilo de Carvalho, “a guerra parecia desigual por jogar, contra o Paraguai, Brasil, Argentina e Uruguai. Mas, olhando pelo lado militar, no Brasil só a Marinha estava preparada para a guerra”. Ao contrário do despreparo brasileiro para a guerra, o Paraguai fazia dois anos que se preparava militarmente para o conflito. Na época, o exército do Brasil tinha um efetivo bastante modesto e uma organização muito precária. As tentativas de compor as tropas arregimentando a Guarda Nacional, estabelecendo cotas de recrutamento por cada Província, não tiveram muito êxito. A Guarda Nacional era uma força civil, que havia sido criada em 1830, comandada pelos “coronéis” regionais e os seus quadros de comando eram compostos pelas elites locais, que resistiram em ir para a guerra.

A saída para constituir as tropas que iam combater no Paraguai foi, então, a criação do chamado “Corpo de Voluntários da Pátria”. Foi esse agrupamento, formado pelo alistamento voluntário de pessoas, principalmente nos Estados do Norte e Nordeste, que forneceu o principal contingente do exército brasileiro.

Para cumprir as cotas de recrutamento estabelecidas para cada Província, houve, também, os chamados “voluntários da corda”, que eram, principalmente, escravos arregimentados à força para completar a cota de combatentes que fora determinada, como foi o caso de trinta “voluntários” que foram trazidos acorrentados da cidade de Pilar, “todos de gargalheiras ao pescoço”, para a capital da Paraíba, conforme registrou o historiador paraibano Adauto Ramos, no seu livro “A Paraíba na Guerra do Paraguai”.

No entanto, o chamamento para compor o Corpo de Voluntários, ao mesmo tempo, inspirou o patriotismo de muitos jovens idealistas, que, voluntariamente, se apresentaram para formar nas forças nacionais. Houve casos marcantes, como o da cearense Jovita Alves Feitosa, que vestida com trajes masculinos se alistou no Piauí, e o do filho de africanos forros Cândido da Fonseca Galvão, o baiano Príncipe Obá, que comandou trinta dos seus “súditos” e voltou da guerra como alferes, passando a residir no Rio de Janeiro, tendo acesso direto ao Imperador Pedro II.

O chamamento para compor o corpo de Voluntários da Pátria também sensibilizou vários acadêmicos de Direito, como aconteceu com alguns estudantes da Faculdade de Direito do Recife, dentre eles o paraibano Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, então quartanista do curso.

Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, que ficou comumente conhecido como Maciel Pinheiro, nasceu, em 1839, na capital da então Província da Paraíba, onde fez os estudos básicos. Em 1860, ingressou na Faculdade de Direito do Recife e passou a atuar na imprensa da capital pernambucana, publicando poesias e escrevendo artigos em vários jornais.

Em 1863, Maciel Pinheiro fundou e assumiu a direção de um “periodico scientifico e litterario”, chamado O Futuro, onde foram publicados, pela primeira vez, vários poemas de um jovem baiano de dezessete anos, que chegara ao Recife para cursar Direito e de quem Maciel Pinheiro ficara muito amigo.
O jovem baiano chamava-se Antônio Castro Alves e ficaria conhecido, pouco tempo depois, como o “Poeta dos Escravos”.

Naquela época, a Faculdade de Direito do Recife tinha entre os seus acadêmicos, além de Maciel Pinheiro, Tobias Barreto, Fagundes Varela, Castro Alves, José Higino, Martins Junior e outras tantas expressivas figuras que fizeram com que o período fosse considerado como o mais brilhante na história da Academia recifense.

Quando cursava o quarto ano de Direito, Maciel Pinheiro publicou, em um jornal do Recife, críticas a um professor da Faculdade. Em razão disso, foi punido pela Congregação com a penalidade de prisão, por quatro meses, nas próprias dependências da Faculdade, punição absurda e anacrônica, herdada do regulamento da Universidade de Coimbra, mas, à época, ainda aplicável em Pernambuco.

Em protesto contra a punição aconteceram várias manifestações dos estudantes, em solidariedade a Maciel Pinheiro, onde se destacava a voz já luminosa e inflamada do jovem Castro Alves. Para Jorge Amado: “será Recife quem fará do poeta um agitador e um líder. Desta cidade a voz de Castro Alves levantará as bandeiras da Abolição e da República [...] Recife será sua melhor tribuna”.

Quando da partida de Maciel Pinheiro, como voluntário, para a guerra do Paraguai, Castro Alves lhe dedicou um poema com o título “A Maciel Pinheiro”, depois incluído no seu livro “Espumas Flutuantes”, único publicado em vida pelo poeta baiano.

ambiente de leitura carlos ensaio pesquisa flavio ramalho brito maciel pinheiro castro alves abolicionismo guerra paraguai joaquim nabuco

“Partes, amigo, do teu antro de águias, Onde gerava um pensamento enorme, Tingindo as asas no levante rubro, Quando nos vales inda a sombra dorme... Na fronte vasta, como um céu de ideias, Aonde os astros surgem mais e mais... Quiseste a luz das boreais auroras... Deus acompanhe o peregrino audaz.”

O cognome “Peregrino Audaz”, que finaliza as seis estrofes do poema de Castro Alves, ficou como uma marca que Maciel Pinheiro carregou pelo resto da sua vida. Nas Notas finais do livro “Espumas Flutuantes”, Castro Alves se refere, mais uma vez, ao amigo paraibano:


“Maciel Pinheiro é um destes moços que simbolizam o entusiasmo e a coragem, a inteligência e o talento nas Academias. Poeta e jornalista o moço estudante, aos reclamos da pátria, improvisou-se soldado. Hoje que o tempo e a distância nos separam é me grato falar de um dos mais nobres caracteres que tenho conhecido”.

Maciel Pinheiro voltou da guerra doente, acometido pela malária, mas conseguiu concluir o curso de Direito e passou a atuar na área jurídica. Foi promotor no Rio Grande do Sul, juiz no Recife e em comarcas no interior de Pernambuco e, depois, por perseguição pelas suas ideias, foi transferido para o interior do Pará. Como escreveu seu amigo Martins Junior, “era o tempo em que se castigava pelo crime de abolicionismo”.

Inconformado com a transferência que lhe fora imposta pelo governo imperial, Maciel Pinheiro solicitou licença do cargo de juiz. Negada a licença, decidiu abandonar a magistratura. Na ocasião, o escritor e líder abolicionista pernambucano Joaquim Nabuco publicou, na primeira página do jornal O Paiz, do Rio de Janeiro um longo artigo, que tinha como título “Maciel Pinheiro”:


“em toda a imprensa brasileira não há um homem igual. Há outros que escrevem com mais imaginação e, portanto, com mais brilho [...] Não há nenhum, porém, cuja pena corte, como uma espada afiada, como a dele [...] Em Maciel Pinheiro o jornalista é o homem. Pobre, combatido por uma enfermidade cardíaca, pai de família que, a presente, de um dia para o outro ficou ao desamparo, ele quer morrer na imprensa como José Bonifácio morreu na tribuna. [...] Estudante ainda, Maciel partiu para a guerra do Paraguai como voluntário da pátria, o Castro Alves, que conhecia pela atração que sentia por ele[...] deixou o nome do seu companheiro soldado gravado nas suas belas estrofes”

Abandonando a magistratura, Maciel Pinheiro voltou para o Recife dedicando-se inteiramente à imprensa, fazendo dos jornais as trincheiras de lutas na defesa dos seus ideais, a abolição da escravidão e a instauração da República no Brasil.
Desde o tempo do jornal O Futuro e, depois, em A Província, Maciel Pinheiro desenvolveu intensa campanha contra o sistema escravista vigente no País, inclusive denunciando casos de atrocidades contra escravos acontecidas na Paraíba. Por essa sua combativa participação em favor da extinção da escravidão no Brasil ele é considerado um dos principais nomes do movimento abolicionista brasileiro.

Em junho de 1889, Maciel Pinheiro e Martins Junior, seu amigo e contemporâneo da Faculdade de Direito, fundaram, no Recife, o jornal de propaganda republicana O Norte. Durou pouco tempo a contribuição do paraibano ao jornal. Debilitado pela enfermidade contraída na guerra do Paraguai, Maciel Pinheiro faleceu, no Recife, na sua casa da Rua da Aurora, no dia 9 de novembro. Ainda não chegara aos 50 anos e faltavam apenas seis dias para que fosse implantada a República no País, regime pelo qual o jornalista tanto se batera. Para o político e historiador paraibano Tavares Cavalcanti, Maciel Pinheiro “foi dos que avistaram de longe a Terra da Promissão, mas nela não puderam entrar”.

Quando da instauração do regime republicano no Brasil, Maciel Pinheiro foi reverenciado, em várias partes do país, como um dos maiores propagandistas da República, como se observa em uma edição, do dia 15 de novembro de 1889, do jornal Libertador, de Fortaleza:

ambiente de leitura carlos ensaio pesquisa flavio ramalho brito maciel pinheiro castro alves abolicionismo guerra paraguai joaquim nabuco
Pouco tempo depois da morte de Maciel Pinheiro, a Paraíba Republicana rendeu homenagens ao seu destemido filho. Foi dado o seu nome às principais ruas do comércio, da capital do Estado e de Campina Grande. No Recife, a cidade que foi o palco das lutas do indomável abolicionista e republicano, foi denominada de Maciel Pinheiro a Praça Conde d’Eu, localizada no bairro central da Boa Vista, que fora construída em homenagem à vitória brasileira na guerra do Paraguai. Várias cidades do Brasil também prestaram homenagens a Maciel Pinheiro, colocando o seu nome em ruas e praças.

Descendente de imigrantes italianos, ele nasceu em São Paulo, em 1924. Formou-se em Medicina pela USP, em 1947. No ano seguinte, foi para ...

ambiente de leitura carlos romero cronica ensaio pesquisa flavio ramalho de brito paulo emilio vanzolini cientista compositor zoologo noite ilustrada volta por cima ronda inezita barroso marcia
Descendente de imigrantes italianos, ele nasceu em São Paulo, em 1924. Formou-se em Medicina pela USP, em 1947. No ano seguinte, foi para os Estados Unidos, onde fez o doutorado em Zoologia na renomada Universidade de Harvard. De volta ao Brasil, vinculou-se ao Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP), onde trabalhou pelo resto da sua vida, mesmo depois de ter se aposentado.

No ano de 2020, os quarenta anos da morte de Vinícius de Moraes deram motivo para uma série de registros, na mídia em geral, rememorando ...

ambiente de leitura carlos romero pesquisa flavio ramalho brito vinicius moraes toquinho maria creuza argentina ditadura desaparecimento tenorinho tenorio francisco junior pianista operacao condor
No ano de 2020, os quarenta anos da morte de Vinícius de Moraes deram motivo para uma série de registros, na mídia em geral, rememorando a sua obra e a sua vida. Mas, nos primeiros dias do mês de outubro, um acontecimento deu destaque mundial ao nome do poeta carioca. No dia 3, o Vaticano divulgou a encíclica Fratelli Tutti (Todos Irmãos), em que o Papa Francisco trata da Fraternidade e da Amizade Social. No Capítulo VI da carta (“Diálogo e Amizade Social”),
o Papa argentino, o mais importante líder do mundo atual, abre o tópico “Uma Nova Cultura” com as palavras que Vinícius colocou no “Samba da Benção”:


“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida”

O Samba da Benção é uma das primeiras composições da fecunda parceria de Vinícius de Moraes com o violonista Baden Powell. Composto em um local inusitado (uma clínica médica onde os parceiros se recuperavam de seus excessos etílicos), o samba tem uma estrutura melódica simples e repetitiva. Intercalado por saravás, Vinícius reverencia grandes nomes da música popular do Brasil: Dorival Caymmi, Noel Rosa, Ary Barroso, Ismael Silva, Pixinguinha, o maestro pernambucano Moacir Santos (“que não és um só és tantos”, como diz a letra da música) e vários outros.

A menção feita pelo Papa Francisco não ocasionou a primeira repercussão internacional do “Samba da Benção”. Em 1966, a música, com o título Samba Saravah , interpretada pelo cantor e compositor francês Pierre Barouh, foi incluída na trilha sonora do filme Um homem e uma mulher (Une homme et une femme, 1966) do diretor Claude Lelouch.

ambiente de leitura carlos romero pesquisa flavio ramalho brito vinicius moraes toquinho maria creuza argentina ditadura desaparecimento tenorinho tenorio francisco junior pianista operacao condor
O filme, além de ter sido um grande êxito de público, recebeu vários prêmios importantes, entre eles a Palma de Ouro, em Cannes (França), e, nos Estados Unidos, o Oscar e o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro. A trilha sonora (composta pelo francês Francis Lai), cujo tema principal foi um das músicas mais executadas nos anos 1960, também contribuiu para o sucesso mundial do “Samba da Benção”.

Talvez não tenha sido através do filme de Claude Lelouch que o padre jesuíta argentino Jorge Bergoglio teve contato com a obra de Vinícius de Moraes, para usar, agora como o Papa Francisco, as palavras do “Samba da Benção” em sua encíclica “Fratelli Tutti”.

Um aspecto pouco conhecido no Brasil sobre Vinícius de Moraes é o imenso prestígio por ele desfrutado na Argentina, como poeta e compositor de música popular. “Para Vivir um Gran Amor”, o seu primeiro livro lançado na Argentina, teve quinze edições em dois anos. A admiração dos portenhos por Vinícius é demonstrada na obra “Nuestro Vinícius. Vinícius de Moraes em El Rio de la Plata” (na edição brasileira: “Vinícius Portenho”, Casa da Palavra, 2012), da jornalista argentina Liana Wenner.

ambiente de leitura carlos romero pesquisa flavio ramalho brito vinicius moraes toquinho maria creuza argentina ditadura desaparecimento tenorinho tenorio francisco junior pianista operacao condor
Vinícius de Moraes fez grandes amigos no ambiente cultural portenho, entre eles o escritor Ernesto Sabato e o compositor Astor Piazzolla. O poeta brasileiro fazia, frequentemente, temporadas de shows na Argentina, algumas de meses seguidos. De suas apresentações na boate “La Fusa” foram gravados discos que chegaram a ser dos mais vendidos e cultuados pelos argentinos. Em uma das suas alongadas excursões no país vizinho, Vinícius conheceu Marta Rodriguez, 38 anos mais nova, que se tornou a oitava das nove esposas que o poeta teve ao longo de sua vida.

Foi na Argentina que Vinícius iniciou a sua parceria musical mais longeva (durou 10 anos, até a morte do poeta) e produtiva (cerca de 100 canções). Em 1970, ao procurar um músico para acompanhá-lo em uma excursão, Vinícius se lembrou de Toquinho,
jovem violonista que havia participado, na Itália, de um disco que ele fizera com Giuseppe Ungaretti (poeta) e Sergio Endrigo (cantor/compositor) e que teve o título “La Vita Amico É L’Arte Dell’Incontro”, inspirado no “Samba da Benção” (Samba delle Benedizioni). É o próprio Toquinho quem conta:

No começo da tarde, quando acordei, minha mãe tinha um recado, para eu ligar para o Vinícius de Moraes. Peguei aquela ponta de papel de pão com o número escrito por Dona Diva. Sonolento, não sabia se ainda dormia, e sonhava, ou se tudo aquilo era real. Por via das dúvidas não custava conferir. Do outro lado da linha a constatação, era a voz do poeta, sem rodeios, direta: "Toco? É Vinícius de Moraes. Gostei muito do seu trabalho naquele disco produzido por Bardotti na Itália. Estou indo para uma temporada na Argentina com uma cantora nova, a Maria Creuza, e preciso de um violonista. Que tal, Toco, topa?”

Nessa temporada argentina, Toquinho e Vinícius criaram suas primeiras composições. Na primeira delas, Como Dizia o Poeta , Toquinho usou o tema do Adagio do Concerto em Dó Menor , para violino e cordas, do compositor barroco Tomaso Albinoni. O sucesso dessa excursão na Argentina consagraria um formato de shows que Vinícius adotaria inúmeras vezes: “Poeta, Moça e Violão”. O poeta e o violão ficavam sempre inalterados, mudando apenas a cantora: Maria Creuza, Maria Bethânia, Marília Medalha e Clara Nunes.


Um trágico episódio acabou afastando Vinícius dos palcos da Argentina. Em 1976, o poeta fazia temporada ao lado de Toquinho, em Buenos Aires, na qual também era acompanhado do pianista Tenório Jr — o Tenorinho —, um dos instrumentistas mais talentosos do Brasil. Embora houvesse gravado, aos 21 anos, apenas um único disco autoral (ainda hoje cultuado — disponível na plataforma Spotify), Francisco Tenório Jr participara, como pianista, de discos importantes da vertente samba-jazz da bossa-nova e era muito requisitado para gravações de outros artistas.

Naquela época (os últimos dias do governo da Presidente Isabelita Perón), a situação política da Argentina fez com que a temporada de Vinícius em Buenos Aires fosse abreviada. Após a última apresentação, ele, Toquinho e os demais músicos retornaram para o hotel, que ficava no centro da cidade. Regressariam para o Brasil no dia seguinte.
ambiente de leitura carlos romero pesquisa flavio ramalho brito vinicius moraes toquinho maria creuza argentina ditadura desaparecimento tenorinho tenorio francisco junior pianista operacao condor
Durante a madrugada, Tenório Jr. saiu do hotel e deixou um bilhete para Vinícius, avisando que iria fazer um lanche e comprar remédios. Sumiu na noite de Buenos Aires.

Vinícius de Moraes, Toquinho e o poeta Ferreira Gullar (que estava exilado no país) procuraram Tenório Jr., exaustivamente, em delegacias, hospitais e necrotérios. Vinícius, ex-diplomata, mobilizou a embaixada brasileira na Argentina para tentar encontrar o músico. Em entrevista dada, na época, em Buenos Aires, o poeta considerava inexplicável o que estava ocorrendo, já que o pianista “não tinha nada, nada, com política, era absolutamente apolítico e levava os documentos no bolso, seguindo orientação dos empresários”.

Cinco dias depois do desaparecimento de Tenório Jr, os militares assumiam o poder na Argentina, iniciando uma das ditaduras mais hediondas já implantadas no Continente. Números oficiais estimam em 10 mil os mortos e desaparecidos na ditadura militar argentina. Para Toquinho, “Tenório era um tipo original, muito alto, de barba, cabelos longos, usava um capote comprido, foi confundido com alguém”. Tenório Jr tinha 34 anos e esperava o nascimento de seu quinto filho. Vinícius nunca mais fez shows na Argentina. Quatro anos depois do episódio, em 1980, faleceu no Rio de Janeiro.

Passadas duas décadas do desaparecimento de Tenório Jr, o mistério começava a ser desvendado. Depoimento de um ex-integrante da repressão argentina indicava que o pianista havia sido sequestrado, torturado e, depois, morto em dependências da Marinha da Argentina, na presença de agentes do famigerado SNI brasileiro. No livro “O Crime contra Tenório – Saga e Martírio de um Gênio do Piano Brasileiro”, o guitarrista Fredera (Frederico Mendonça) confirma essa versão, acrescentando que a Embaixada do Brasil na Argentina tinha conhecimento da detenção do músico e que “começavam os preparativos para libertá-lo quando o SNI manifestou interesse pelo preso. Tenorinho foi intimado a delatar artistas comunistas”.

Em 2001, foi publicado, pela jornalista argentina Stella Calloni, um livro sobre a Operação Condor (Operación Condor: Pacto Criminal). A Operação Condor era uma atuação consorciada dos aparelhos de repressão das ditaduras de vários países latino-americanos. No livro, Stella Calloni afirma que Tenório Jr. foi torturado e morto por agentes argentinos com a participação de um major do exército brasileiro, cujo nome é dado pela jornalista.

O corpo de Tenório Jr nunca apareceu. Provavelmente, como ocorreu com muitos dos que foram assassinados pela ditadura militar argentina, o músico teve o seu corpo desfigurado pelas torturas e jogado em uma vala comum em um cemitério clandestino, de lugar incerto.

Quando ela morreu, em junho de 1948, aos cinquenta anos, o paraibano José Lins do Rego escreveu, em um jornal do Rio de Janeiro, que a su...

ambiente de leitura carlos romero ensaio historiados flavio ramalho brito eugenia alvaro moreyra feminismo pioneiro comunismo luis carlos prestes jorge amado primeira jornalista brasileira olga benario vanguarda
Quando ela morreu, em junho de 1948, aos cinquenta anos, o paraibano José Lins do Rego escreveu, em um jornal do Rio de Janeiro, que a sua vida “foi toda ela uma servidão voluntária; um desesperado servir a filhos, a marido, a netos, a ideias, e mais do que tudo, ao seu destino de mulher livre, a mais livre e mais corajosa mulher de sua geração, e mesmo, do seu país”.

O “Memorial do Convento” é um dos principais romances do escritor português José Saramago , Prêmio Nobel de Literatura. O livro trata da c...

ambiente de leitura carlos romero cronica ensaio pesquisa flavio ramalho de brito padre bartolomeu lourenço gusmão voador aviador inquisicao jose saramago mafra aerostato balao inventor madre paula odivelas
O “Memorial do Convento” é um dos principais romances do escritor português José Saramago, Prêmio Nobel de Literatura. O livro trata da construção, na primeira metade do século 18, de um Convento localizado em Mafra, nos arredores de Lisboa, numa época em que Portugal vivia um período de grande opulência, alimentada pelos fartos carregamentos de ouro e diamantes que chegavam do Brasil.

A produção musical para o período do Natal tem grande relevância para o mercado fonográfico e isso pode ser avaliado pelo destaque obtido ...

ambiente de leitura carlos romero cronica ensaio pesquisa cronica flavio ramalho brito assis valente natal boas festas música popular brasileira brasil pandeiro carmen miranda papai noel
A produção musical para o período do Natal tem grande relevância para o mercado fonográfico e isso pode ser avaliado pelo destaque obtido pela música “White Christmas”. Em 1942, a canção, composta por Irving Berlin (imigrante judeu russo que se tornou um dos principais compositores norte-americanos), foi incluída no filme "Holiday Inn" (Duas semanas de prazer) e interpretada na película pelo cantor

A partir do final dos anos 1950 até meados de 1970, as suas músicas estavam sempre entre as mais tocadas nas rádios de todo o país. Compôs...

ambiente de leitura carlos romero cronica flavio ramalho brito musica popular brasileira evaldo gouveia jair covid coronavirus vitima jair amorim trovador anisio silva altemar dutra nostalgia seresta sentimental
A partir do final dos anos 1950 até meados de 1970, as suas músicas estavam sempre entre as mais tocadas nas rádios de todo o país. Compôs mais de mil canções, de todos os gêneros: baião, fado, tango, samba, bossa-nova, música de natal, marcha-rancho e até samba-enredo. Mas tinha uma habilidade especial nos boleros e nas canções marcadamente românticas. Todas as suas músicas tinham em comum uma característica: caíam no gosto popular. Ele era o que se chama, atualmente, um hitmaker. Além do mais, os seus grandes êxitos não ficaram restritos àquele determinado período temporal. Continuam a ser regravados e cantados pelo povo.

“Ele vive supostamente recluso em um apartamento na cidade do Rio de Janeiro”, escreveu, há três meses, o jornalista carioca Mauro Ferreira...

ambiente de leitura carlos romero cronica flavio ramalho brito genival cassiano santos soul rythm blues precursor motown primavera tim maia trilha sonora novelas
“Ele vive supostamente recluso em um apartamento na cidade do Rio de Janeiro”, escreveu, há três meses, o jornalista carioca Mauro Ferreira, especializado em música popular, referindo-se ao artista paraibano Genival Cassiano dos Santos, que, embora seja atualmente desconhecido pelo público, tem o seu nome cultuado por intérpretes como Djavan, Marisa Monte, Sandra de Sá e Ed Motta.

Thomas Edison não era considerado um cientista. Na Matemática, o engenhoso inventor norte-americano somente dominava as quatro operações d...

ambiente de leitura carlos romero cronica flavio ramalho brito fonógrafo voz thomas edison diogo velho paraiba fred figner pioneirismo musica brasil
Thomas Edison não era considerado um cientista. Na Matemática, o engenhoso inventor norte-americano somente dominava as quatro operações da aritmética. Também não tinha proficiência nos fundamentos da Física. Apesar dessas aparentes deficiências, Edison possuía uma extraordinária capacidade de observação que lhe permitia aperfeiçoar ideias, suas e dos outros, dando-lhes aplicação prática. Em seu laboratório de Melon Park, em Nova Jersey, ele comandava um grupo de habilidosos técnicos em vários ofícios. De lá saíram mais de duas mil patentes de engenhocas diversas, muitas delas incorporadas, até hoje, ao nosso cotidiano.