Mostrando postagens com marcador Flávio Ramalho de Brito. Mostrar todas as postagens

Quando são feitas listas com os principais escritores paraibanos o cronista, novelista e romancista José Vieira, quase sempre, é esquec...

escritor jose vieira mamanguape
Quando são feitas listas com os principais escritores paraibanos o cronista, novelista e romancista José Vieira, quase sempre, é esquecido, apesar de sua obra ter tido referências elogiosas dos principais críticos literários do país na sua época, como José Veríssimo, João Ribeiro, Agripino Grieco, Alceu de Amoroso Lima (Tristão de Athayde), Álvaro Lins, Valdemar Cavalcanti, Brito Broca, Wilson Martins e Antônio Cândido.

mm José Vieira nasceu, em 1880, em Mamanguape. Ficou órfão muito jovem e, conforme um perfil biográfico elaborado pelo pesquisador e historiador Eduardo Martins, “fora obrigado a trabalhar no comércio, em profissão modesta, até os dezoito anos, quando ingressou num curso noturno recém-fundado e destinado aos comerciários”.
escritor jose vieira mamanguape
José Vieira, retratado por Dmitri Ismailovitch, 1940s
Naquela época, Mamanguape que já fora a segunda cidade da então Província da Paraíba, em população e comércio - que era feito diretamente com o Recife - entrara em um ciclo de declínio e, como disse José Américo de Almeida, os olhos de José Vieira “se abriram desde logo para um quadro de decadência e de ruína. Seu berço pobre também não poderia embalar esperanças” o que fez com que ele deixasse a cidade “à procura de sua estrela que podia estar brilhando em outros céus”.

José Vieira, inicialmente, se mudou para a capital da Paraíba, onde se matriculou no Liceu Paraibano em um curso preparatório para tentar ingressar na Faculdade de Direito do Recife. Não chegou a concluir os preparatórios na Paraíba e, em uma nova mudança, foi para a capital pernambucana. Passou pouco tempo no Recife e se transferiu para o Ceará atendendo um convite do escritor e político paraibano José Rodrigues de Carvalho. Em Fortaleza, José Vieira ingressou no curso de Direito, fez parte da direção de um colégio e iniciou sua produção literária. Para Rodrigues de Carvalho:

escritor jose vieira mamanguape
R. Carvalho
José Vieira, humilde guarda-livros, timido, modesto e obscuro, iniciava-se com o brilho fugidio do vagalume que tremeluz furtivamente. Eram contos, escriptos de pura ficção, sonêtos nostalgicos, tudo revelando alma, sentimento, apuro de linguagem, esthetica em summa.”
A União, 1923

Convidado por paraibanos que militavam na imprensa de Belém, José Vieira se mudou para o Pará, mas durou apenas um ano a sua permanência na cidade. Nas palavras de José Américo de Almeida, ele foi outra vez “à procura de sua estrela que podia estar brilhando em outros céus” e o Rio de Janeiro, a capital federal, o centro cultural do país, onde se publicavam os principais jornais do Brasil, seria a sua próxima parada.

escritor jose vieira mamanguape
Mario Cattaruzza ▪ Fonte: BN
O escritor Francisco de Assis Barbosa escreveu que José Vieira chegou ao Rio de Janeiro “pobre, feio e tímido, não trazia pistolão, nem mesmo um diploma de bacharel.Como tinha talento e sabia escrever deu-lhe a mão Mario Cattaruzza” que era um influente jornalista do Correio da Manhã, o mais importante jornal do país na época. Cattaruzza foi um dos personagens usados, com nomes fictícios, por Lima Barreto no seu livro Recordações do Escrivão Isaías Caminha. No Rio, Vieira passou a cobrir as sessões da Câmara dos Deputados e conta-se que após as suas primeiras matérias para o jornal o cronista João do Rio teria ido procurá-lo na redação para elogiá-lo pela sua forma de cobertura dos trabalhos da Câmara. Vieira faria a crônica parlamentar por cerca de cinco anos.

Em 1913, José Vieira publicou o seu primeiro livro, A Cadeia Velha – Memória da Câmara dos Deputados. A Cadeia Velha era o prédio onde funcionou por quase 90 anos (1826-1914) a Câmara dos Deputados. Anteriormente, se instalara na edificação uma cadeia onde esteve aprisionado Tiradentes e que de lá foi retirado para ser enforcado. No local, foi construído o Palácio Tiradentes, atual sede da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. O período abordado por Vieira no A Cadeia Velha foi aquele no qual se sobressaia no Congresso o senador gaúcho Pinheiro Machado, o “chefe dos chefes”, que “distribuía pistolões, empregos, elegia deputados, reconhecia senadores e dava até ordens ao Presidente da República”,
escritor jose vieira mamanguape
como escreveu Francisco de Assis Barbosa. O livro de Vieira foi elogiado por José Veríssimo que considerou que a obra poderia “sempre ser consultada”. Em 1980, o Senado Federal publicou uma segunda edição do livro e na apresentação da obra o escritor e político baiano Luiz Viana Filho a considerou “um dos mais interessantes documentos sobre a vida parlamentar na Primeira República”.

A correção com que José Vieira relatava as sessões da Câmara para os jornais o levou a ser indicado para ocupar o cargo de redator dos debates da Casa. No Rio, Vieira concluiu o curso de Direito e passou a frequentar a vida literária da cidade. Entre os seus amigos estava o escritor Lima Barreto, conforme registrado por Francisco de Assis Barbosa, um dos principais biógrafos do autor de Triste fim de Policarpo Quaresma.

Em 1913, José Vieira passou sete meses em tratamento em uma clínica na Suíça. Na volta para o Brasil, permaneceu certo tempo em Viseu, em Portugal, na casa do seu sogro, de onde escreveu uma série de crônicas que foram reunidas e publicadas, em 1918, com o título de Sol de Portugal. O livro foi bastante elogiado na imprensa carioca e na Paraíba causou grande impressão no jovem José Lins do Rêgo que o leu por influência de José Américo:

escritor jose vieira mamanguape
J. Lins do Rêgo
Era estudante quando li no ‘Diário do Estado’ de Paraíba, um artigo de José Américo de Almeida sobre um livro novo, ‘Sol de Portugal’, de autoria de José Vieira. Nada sabia do escritor, mas o livro que José Américo me deu a ler convenceu-me do entusiasmo do amigo. Era um admirável paisagista aquele que se embriagara com a cor e a luz das terras de Nobre. Nunca lera, a não ser em Eça de Queiroz, trechos mais vivos, mais coloridos sobre as aldeias, os vinhedos, as praias de Portugal. Tinha razão José Américo. Havia um escritor magnífico em José Vieira”.

José Vieira somente publicaria a sua primeira obra ficcional em 1923, o romance O Livro de Thilda. As críticas, novamente, foram favoráveis ao texto de Vieira. O temido crítico literário Agripino Grieco sentenciou em O Jornal:

escritor jose vieira mamanguape
A. Grieco
“Cumpre-nos agora frizar que a maneira literaria do sr. José Vieira, o seu processo, por assim dizer, frio e cinzento de escrever, parece-nos mais pessoal do que pretendem os criticos que viram nelle apenas um discipulo de Machado de Assis [...] O seu geito de romancear romantizando é, sem duvida, digno de attenção. Trata-se de um romancista authentico, de um talento com que se deve contar”.

Em 1924, José Vieira publicou, nos meses de junho e julho na revista paraibana Era Nova, a novela Ladrão de Moças e, somente após um intervalo de uma década, apareceria uma das suas obras mais marcantes, O Bota-Abaixo (Crônica de 1904). A trama do romance acontece no período em que ocorreram as obras de reforma urbanística na área central do Rio de Janeiro implementadas na administração do prefeito Pereira Passos sob a orientação do Presidente Rodrigues Alves.
escritor jose vieira mamanguape
O O Bota-Abaixo somente teria uma segunda edição em 2019. Na opinião do professor José Roberto Fernandes Castilho, que organizou a obra e escreveu uma estudo introdutório, o livro de José Vieira “é o menos lido dos romances ‘clássicos’ brasileiros” e acrescentou:

Tomo o termo ‘clássico’ com o sentido de muito citado e muito referido: todo trabalho de peso sobre a remodelação do Rio de Janeiro que marcou o começo do século XX o refere e o cita [...] Tanto assim que a melhor obra até hoje escrita sobre o tema – Pereira Passos – Um Haussmann Tropical, de Jaime Larry Benchimol (1990) – não só cita o livro como transcreve longos trechos aduzindo que as grandes obras executadas no Rio de Janeiro é que dão ‘substância ao perfil e às ações dos personagens’.”

Em 1938, Vieira publicou pela Editora José Olympio, com a capa elaborada pelo paraibano Tomás Santa Rosa, um novo romance: Espelho de Casados. A obra foi elogiada pelo crítico Alceu de Amoroso Lima (Tristão de Athayde) que escreveu:

escritor jose vieira mamanguape
A. Amoroso Lima
“Digamos desde logo que o sr. José Vieira não fez um romance sobre a perna [...] Como todo livro profundamente meditado e cuidadosamente escrito e polido, sem a ansia de sair a lume quanto antes, é um livro minucioso e meticuloso. Não ha coisas inuteis, não ha palavras perdidas, não ha episodios meramente accidentaes ou pittorescos, não ha dispersão de idéas e factos, nem trechos de estylo para effeito. Ha uma extrema unidade, tanto no thema como na expressão. O livro é um bloco só [...] Todo o livro é assim empolgante”.

Com o fechamento do Congresso, em 1937, pela ditadura do Estado Novo, José Vieira passou a trabalhar no que viria a ser o Departamento de Imprensa e Propaganda – DIP do governo federal. Cabia a Vieira a revisão e o “tratamento literário” dos discursos de Getúlio Vargas, muitos deles feitos de improviso e a partir dos quais o escritor paraibano elaborava os textos com base em simples notas taquigráficas. Esses discursos de Vargas foram publicados em vários volumes sob o título de A Nova Política para o Brasil e acabaram envolvendo José Vieira em um episódio pitoresco.

escritor jose vieira mamanguape
Getúlio Vargas, durante discurso em emissora de rádio. ▪ Fonte: Gov.BR
No início da década de 1940, a Academia Brasileira de Letras pleiteava do governo federal a cessão em definitivo do terreno, que era propriedade da União, onde até hoje funciona a Academia. Surgiu então a ideia, “para facilitar as coisas”, de tornar Getúlio Vargas um dos acadêmicos. Havia dois problemas a serem superados. O primeiro era que não havia nenhuma vaga aberta. Do vasto anedotário que existe sobre Vargas, a solução teria vindo do poeta pernambucano Olegário Mariano que num surto de puxa-saquismo teria proposto se suicidar para abrir a vaga para o ditador. Um providencial falecimento de um acadêmico evitou o “suicídio” do poeta. O episódio, por conta da censura aos jornais, foi descrito em forma de sátira por Osório Borba em uma crônica depois publicada nos seu livro A Comédia Literária.

escritor jose vieira mamanguape
Osório Borba (1900—1960) ▪ Fonte: BN
O outro problema a ser solucionado para que Getúlio Vargas ocupasse uma das cadeiras da Academia Brasileira de Letras era a exigência de que o candidato à vaga aberta tivesse publicado pelo menos um livro e Vargas nunca tinha escrito nada. Foi aí que se lembraram dos discursos de Getúlio Vargas que José Vieira dava uma “arrumada literária”, E foi com essa ajuda de Vieira que Getúlio se tornou imortal por votação praticamente
escritor jose vieira mamanguape
unânime dos acadêmicos, antes mesmo de sua morte trágica em 1954 que o imortalizou para a história do Brasil.

Nos anos de 1941 e 1942, José Vieira publicou em duas edições da Revista Brasileira, que era editada pela Academia Brasileira de Letras, o Romance da Solteira. Em 1944, sairia a obra que foi o maior êxito literário de Vieira: Vida e Aventura de Pedro Malasarte. O livro, que teve a capa criada por Santa Rosa viria a ter uma segunda edição, em 1980, pela Editora A União, em comemoração ao centenário de nascimento do escritor. Quando da publicação da primeira edição de Pedro Malasarte o consagrado crítico Antônio Cândido classificou-a como uma “obra original, clássica ao seu modo, e de características invulgares nas nossas letras”. O escritor Oswald de Andrade escreveu sobre o livro que “da primeira à última página [...] o escritor nordestino humaniza com tal força e tal verdade e tão boa prosa, a figura lendária, que nos dá uma autêntica obra-prima”.

Em novembro de 1945, José Vieira foi nomeado Diretor do Expediente da Presidência da República, cargo no qual permaneceu até a sua morte. Em 1947, por decisão unânime dos acadêmicos,
escritor jose vieira mamanguape
Vieira foi designado Diretor da Secretaria da Academia Brasileira de Letras. Em julho de 1948, José Vieira faleceu no Rio de Janeiro aos 68 anos de idade. Poucos dias antes da sua morte, chegava às livrarias a sua última produção literária, o romance Um reformador na cidade do vício. A obra de José Vieira, a partir daí, caiu em total esquecimento, excluindo-se apenas os pequenos interregnos quando foram publicadas as segundas edições de Vida e Aventura de Pedro Malasarte e de O Bota-Abaixo. O que teria motivado essa omissão sobre a obra do romancista paraibano? Ivan Bichara em um ensaio sobre José Vieira formulou outra pergunta: “Por que um autor é consagrado e outro mestre do mesmo ofício é esquecido?”

Gonzaga Rodrigues também procurava em uma crônica o motivo para o esquecimento da obra de José Vieira:

escritor jose vieira mamanguape
Gonzaga Rodrigues
“José Vieira teria falhado em sua arte? Sob esse aspecto a falha também teria sido da crítica. Não foram menores, entretanto, os que bem o receberam em seu tempo: Tristão de Ataíde, Grieco, seguidos de Antônio Cândido, Valdemar Cavalcanti, Wilson Martins, Álvaro Lins, Adonias Filho, gente que não admite suspeições.”

Na mesma crônica, publicada em maio de 2023, Gonzaga Rodrigues lamentava a não inclusão de José Vieira entre os escritores da série A Paraíba na Literatura publicada pela Editora A União: “Acabamos de editar quatro belíssimas coletâneas abrangendo novos e velhos das nossas letras, um empreendimento cultural
escritor jose vieira mamanguape
do governo do Estado através de A União, e novamente sobramos em Vieira”.


Felizmente, as lembranças de Gonzaga Rodrigues alcançaram Naná Garcez e William Costa na EPC e A União e o Volume V da série A Paraíba na Literatura, lançado em abril deste ano, contemplou um capítulo sobre o esquecido escritor paraibano José Vieira.

Para o crítico literário Valdemar Cavalcanti, José Vieira “realizou no campo da ficção brasileira uma obra que seria profundamente injusto esquecer ou subestimar”, acrescentando:

“Não a procurem os que desejam no romance os transbordamentos da imaginação, a incontinência – ou a suposta incontinência – da força criadora, o novo, o imprevisto, o original. Que a leiam, porém, os que apreciam o gênero, a acuidade psicológica, o senso da medida, a sobriedade de construção, o apuro da forma”.

Nota do autor Este texto foi parcialmente extraído do capítulo sobre José Vieira incluído no Volume V da série A Paraíba na Literatura.

Fernando Lobo. Aqueles com mais idade e ligados às coisas da nossa música popular irão associar o nome ao jornalista, cronista, produto...

fernando edu lobo campina grande
Fernando Lobo. Aqueles com mais idade e ligados às coisas da nossa música popular irão associar o nome ao jornalista, cronista, produtor e apresentador de programas na antiga TVE do Rio Janeiro. Outros lembrarão que Fernando Lobo é o pai de Edu Lobo, um dos mais brilhantes compositores da geração pós Bossa Nova, a de Chico, Caetano, Gil, Milton Nascimento, entre outros. Curiosamente, em razão da separação dos pais, Edu só viria a conhecer Fernando quando tinha 10 anos, como ele contou em depoimento ao escritor Eric Nepomuceno:

Em junho de 1951, o escritor paraibano José Lins do Rego completava 50 anos de idade com a sua obra ficcional praticamente concluíd...

jose lins engenho pilar
Em junho de 1951, o escritor paraibano José Lins do Rego completava 50 anos de idade com a sua obra ficcional praticamente concluída. De 1932, quando lançou o Menino de Engenho, até 1947, ele já havia publicado 11 dos 12 romances que escreveu, entre eles Fogo Morto, que é considerado a sua principal produção literária. No Rio de Janeiro, as comemorações do aniversário do escritor foram adiadas porque José Lins

No início dos anos 1980, uma música de Rita Lee, que tocava em todas as rádios do país, evocava em sua letra o ambiente do Brasil na ...

orquestra romanticos cuba
No início dos anos 1980, uma música de Rita Lee, que tocava em todas as rádios do país, evocava em sua letra o ambiente do Brasil na virada da década de 1950 para 1960:

A Paraíba nem sempre deu o devido reconhecimento a nomes do Estado que se destacaram na cultura nacional. Alguns casos notórios são o...

paraiba jose maria santos
A Paraíba nem sempre deu o devido reconhecimento a nomes do Estado que se destacaram na cultura nacional. Alguns casos notórios são os do biólogo campinense Mello Leitão, do romancista José Vieira e do escritor e jornalista José Maria dos Santos. Mello Leitão, cientista respeitado mundialmente, teve o seu nome preterido para batizar o Jardim Botânico na Capital por outro sem qualquer vinculação com a ecologia

Jangadeiro seria o senador O cassaco de roça era o suplente Cantador de viola, o presidente O vaqueiro era o líder do partido Imagina o...

confederacao equador pernambuco
Jangadeiro seria o senador O cassaco de roça era o suplente Cantador de viola, o presidente O vaqueiro era o líder do partido Imagina o Brasil ser dividido E o Nordeste ficar independente

Há muito tempo, muitos anos antes de aparecer “Nordeste Independente”, a conhecida composição do escritor campinense Bráulio Tavares e do cantador pernambucano Ivanildo Vila Nova, uma parte do Nordeste brasileiro pretendeu ficar independente do restante do Brasil. Neste ano de 2024, comemora-se o bicentenário de um movimento revolucionário de caráter republicano (pelo menos para alguns dos seus líderes) e que tinha como objetivo

No sábado de Carnaval de 1934, há exatos 90 anos, o jornal Correio da Manhã do Rio de Janeiro publicava uma matéria que tinha como tít...

ernesto nazareth musica brasileira piano
No sábado de Carnaval de 1934, há exatos 90 anos, o jornal Correio da Manhã do Rio de Janeiro publicava uma matéria que tinha como título “Evadiu-se de um estabelecimento de cura – Ainda não foi descoberto o paradeiro do enfermo”. A notícia se referia ao desaparecimento de um doente que se encontrava, há cerca de 10 meses, em tratamento na Colônia de Psicopatas (depois denominada Juliano Moreira) localizada no bairro de Jacarepaguá. Durante todo o sábado o enfermo foi procurado nas redondezas da Colônia, mas não foi localizado. No dia seguinte, as buscas foram retomadas e, no final da tarde, o seu corpo foi encontrado boiando nas águas de uma cachoeira na represa que atendia ao estabelecimento de saúde.

No início dos anos 1950, a Paraíba estava a reclamar uma nova obra que tratasse da sua História desde os primeiros tempos da colonizaçã...

celso mariz paraiba
No início dos anos 1950, a Paraíba estava a reclamar uma nova obra que tratasse da sua História desde os primeiros tempos da colonização pelos ibéricos, considerando que já fazia pelo menos três décadas que fora publicado o último livro com mais ou menos esse propósito. Notas sobre a Parahyba, de Irineu Joffily, a primeira obra desse gênero, saíra ainda no século 19 (1892). Maximiano Lopes Machado faleceu em 1895, deixando inédita a sua Historia da Provincia da Parahyba, que somente foi publicada em 1912. O primeiro volume de Datas e Notas sobre a Parahyba de

André Vidal de Negreiros foi um dos personagens que mais se destacaram, no século 17, na História do Brasil, o que pode se deduzir pela...

engenho itapua paraiba jose lins rego
André Vidal de Negreiros foi um dos personagens que mais se destacaram, no século 17, na História do Brasil, o que pode se deduzir pelas palavras dos seus contemporâneos. O Padre Antônio Vieira, que “o conhecia pouco mais que de vista e fama”, escreveu que o rei português tinha como ele “mui poucos nos seus reinos”. O neerlandês Gaspar Barléu, que escreveu uma obra encomendada por Maurício de Nassau sobre o período nassoviano no Nordeste brasileiro, considerava Vidal “homem audaz, astuto e, conforme o negócio em que se empenhava, perverso ou enérgico”.

É possível que músicas de grande sucesso popular sejam canções sofisticadas, com melodias rebuscadas, harmonias elaboradas, andamentos ...

bacharach dietrich
É possível que músicas de grande sucesso popular sejam canções sofisticadas, com melodias rebuscadas, harmonias elaboradas, andamentos incomuns e que foram gravadas com primorosos arranjos e orquestrações bem produzidas? A resposta afirmativa é demonstrada com a obra do compositor, pianista, maestro e arranjador norte-americano Burt Bacharach falecido, em fevereiro de 2023, quando se aproximava dos 95 anos de idade.

No final de dezembro de 1878, um jornal do Rio de Janeiro publicava uma notícia, vinda de Nova York, com declarações que foram dadas po...

joao pessoa antiga luz eletrica
No final de dezembro de 1878, um jornal do Rio de Janeiro publicava uma notícia, vinda de Nova York, com declarações que foram dadas por um auxiliar do inventor Thomas Edison:

“Há poucos dias o preparador do laboratorio de Melon Park e ajudante do celebre inventor do phonographo declarou em uma conferencia publica que em breve não só as ruas e praças de Nova York,

“Não choro por nada que a vida traga ou leve. Há porém páginas de prosa que me têm feito chorar. Lembro-me, como do que estou vendo...

brasil holandes padre antonio vieira

“Não choro por nada que a vida traga ou leve. Há porém páginas de prosa que me têm feito chorar. Lembro-me, como do que estou vendo, da noite em que, ainda criança, li pela primeira vez numa seleta, o passo célebre de Vieira sobre o Rei Salomão. “Fabricou Salomão um palácio...” E fui lendo, até o fim, trêmulo, confuso; depois rompi em lágrimas felizes, como nenhuma felicidade real me fará chorar, como nenhuma tristeza da vida me fará imitar. Aquele movimento hierático da nossa clara língua majestosa, aquele exprimir das ideias nas palavras inevitáveis, correr de água porque há declive, aquele assombro vocálico em que os sons são cores ideais – tudo isso me toldou de instinto como uma grande emoção política. E, disse, chorei; hoje, relembrando, ainda choro. Não é – não – a saudade da infância, de que não tenho saudades: é a saudade da emoção daquele momento, a mágoa de não poder já ler pela primeira vez aquela grande certeza sinfônica”.

Essas palavras do poeta português Fernando Pessoa sobre a obra do padre Antônio Vieira escritas no Livro do Desassossego traduzem a genialidade como escritor do jesuíta a quem Pessoa deu o título de “Imperador da língua portuguesa”.

Ao iniciar o mês de outubro de 1631, os holandeses que haviam chegado a Pernambuco em fevereiro do ano anterior continuavam confinado...

brasil holandes paraiba
Ao iniciar o mês de outubro de 1631, os holandeses que haviam chegado a Pernambuco em fevereiro do ano anterior continuavam confinados a uma estreita faixa litorânea entre Olinda e o Recife, assediados pelas guerrilhas das forças de resistência. Naquele momento, um relatório batavo registrou um acontecimento que viria a ter grande importância nos combates que os neerlandeses travariam nos anos seguintes na região:

Os europeus que vieram nas primeiras embarcações que chegaram ao Brasil, nas primeiras décadas do século 16, se deparavam com a opulênc...

coqueiros historia vegetacao brasil
Os europeus que vieram nas primeiras embarcações que chegaram ao Brasil, nas primeiras décadas do século 16, se deparavam com a opulência da vegetação do litoral. “Ao longo do mar eram tudo barreiras vermelhas: a terra he toda chãa, chea d'arvoredo”, anotou, em 1531, no seu Diário de Navegação Pero Lopes de Souza, que viria a ser o primeiro “dono” de trinta léguas de terras, recebidas em doação do rei português D. João III, que iam da ilha de Itamaracá à Baía da Traição, o que incluía a área do atual Estado da Paraíba.

Gastão d'Orleans tinha 22 anos de idade quando, em setembro de 1864, chegou ao Brasil. Seu avô, o rei francês Luis Filipe, fora de...

isabel gastao d'orleans conde d'eu paraiba
Gastão d'Orleans tinha 22 anos de idade quando, em setembro de 1864, chegou ao Brasil. Seu avô, o rei francês Luis Filipe, fora deposto pela revolução que irrompera, em 1848, em Paris, e a sua família se exilara na Inglaterra, onde Gastão foi educado. Depois, ele foi para a Espanha cursar a academia militar de Segóvia e, em seguida, ingressou no exército espanhol onde conseguiu a patente de capitão, tendo se destacado em batalha no Marrocos. Gastão ostentava o título nobiliárquico de Conde d'Eu, que tinha sua origem na Comuna de Eu, na Normandia, onde os Orleans tinham um Castelo.

Em maio de 1932, quando foi publicado o “Catalogo historico e descriptivo dos sellos postaes do imperio do Brasil” , o respeitado e tem...

joao pessoa erosao cabo branco
Em maio de 1932, quando foi publicado o “Catalogo historico e descriptivo dos sellos postaes do imperio do Brasil”, o respeitado e temido crítico literário Agrippino Grieco fez, em artigo publicado em O Jornal, do Rio de Janeiro, e no Diário de São Paulo, o seguinte comentário sobre o autor da obra:

“(João Tavares) com 12 espanhóis bem concertados e satisfeitos, e 8 portugueses, em uma caravela equipada e concertada para tudo [.....

joao pessoa paraiba padroeira

“(João Tavares) com 12 espanhóis bem concertados e satisfeitos, e 8 portugueses, em uma caravela equipada e concertada para tudo [...] partiu do porto de Pernambuco, a 2 de agosto de 1585; e aos 3, chegou pelo rio acima [...] aonde se viu [...] com o Braço-de-Peixe, e mais principais, no porto, que agora é a nossa cidade.

Assombrados os petiguares, primeiro com alguns tiros, presumindo mais força, fugiram [...] saiu o capitão João Tavares, dia de Nsa. Sra. das Neves, por cujo respeito depois se pôs esse nome à povoação, e a tomaram por patrona, e advogada, debaixo de cujo amparo se sustenta”

Durante o período de vinte e quatro anos (1630-1654) de ocupação contínua do Nordeste brasileiro pelos holandeses, pode-se considerar ...

brasil holandes paraiba
Durante o período de vinte e quatro anos (1630-1654) de ocupação contínua do Nordeste brasileiro pelos holandeses, pode-se considerar que foi de guerra quase todo o tempo. Para Evaldo Cabral de Mello, “de verdadeira paz, o Brasil holandês só conheceu o período 1641-1645 [...] por conseguinte, a realidade radical da dominação batava foi a guerra, não a paz”. Mas, mesmo esse curto intervalo de cinco anos indicado como pacífico pelo historiador pernambucano merece ressalvas. Em setembro de 1643, rebentou no Maranhão uma revolta contra os holandeses que, no final de fevereiro do ano seguinte, expulsaria de lá os flamengos. Para o historiador Pedro Puntoni, “diferentemente do que se imagina, a revolta luso-brasileira se iniciou no Maranhão, e não em Pernambuco”.

Em 1909, o geógrafo Paul Walle foi encarregado pelo Ministério do Comércio francês de empreender uma viagem pelo Norte e Nordeste do ...

historia paraiba seculo xx paul walle
Em 1909, o geógrafo Paul Walle foi encarregado pelo Ministério do Comércio francês de empreender uma viagem pelo Norte e Nordeste do Brasil objetivando elaborar um levantamento sobre as potencialidades econômicas da região visando ao incremento do comércio com a França. Walle era o vice-presidente da Sociedade de Geografia de Paris e autor de algumas obras sobre a América Latina. Como resultado das suas andanças,

No primeiro dia de dezembro de 1640, um golpe de Estado promovido por setores da aristocracia portuguesa acabava com seis décadas de do...

brasil holandes paraiba nassau
No primeiro dia de dezembro de 1640, um golpe de Estado promovido por setores da aristocracia portuguesa acabava com seis décadas de domínio espanhol sobre Portugal. Apesar do rompimento oficial do que comumente se chama de União Ibérica, a restauração da independência portuguesa ainda demoraria um alongado tempo para se consolidar de forma efetiva. Para a historiadora Ana Paula Megiani, “foram necessários ainda 28 anos de lutas no interior da península, entre portugueses e espanhóis, que se desdobraram nas colônias ocupadas, tal como ocorria com os holandeses no Nordeste do Brasil”.