Mostrando postagens com marcador Jorge Elias Neto. Mostrar todas as postagens

Alguma coisa chamada cor Quem cismou de pintar de rosa as nuvens pôr de sol do outono? E ver o azul se disfarçando em cinz...

literatura espirito poesia capixaba santo jorge elias

Alguma coisa chamada cor
Quem cismou de pintar de rosa as nuvens pôr de sol do outono?
E ver o azul se disfarçando em cinzas na crepuscular despedida do que já foi manhã.

A parte metade A parte metade, de todo inteira, (esse canto chão de meu ócio) é a música que visto, meu quarto ...

literatura capixaba poema noite escuridao jorge elias
A parte metade
A parte metade, de todo inteira, (esse canto chão de meu ócio) é a música que visto, meu quarto de despir mentiras. Parte partida, fosca pela sujeira do repisar o pó; fosso cavado para assentar a paz. (metade é medida sem desespero, recanto de passagem, cobertor dos atropelos.)

Quando do último grande embate na faixa de Gaza, era o ano de 2009, escrevi os primeiros 3 poemas abaixo e inclui, de última hora, no meu ...

literatura paraibana faixa de gaza guerra palestina poesia jorge elias
Quando do último grande embate na faixa de Gaza, era o ano de 2009, escrevi os primeiros 3 poemas abaixo e inclui, de última hora, no meu livro “Rascunhos do absurdo”.

Outros momentos críticos ocorreram, e escrevi mais alguns poemas motivado pela crise humanitária na terra de origem de minha família.

Hoje, uma nova crise se instala na região. Muito triste ver o extremismo se instalando, novamente com força, no Mundo.

Escrevi o último poema, agora com uma mensagem de esperança. Compartilho com os amigos deste espaço literário dedicado à palavra.
A praça
Estaria reservado no escaninho dos deuses tão impensada tormenta? Movimento primevo: revoada dos pombos. Quebrado o instante, brancas penas restaram na praça. Crianças absortas, festejando o dia, imaginaram dragões e fadas. Anciões se entreolharam e cismaram do céu... Ato contínuo: zunido, estrondo, perplexidade. Malfadado encontro: pó e silêncio. Os primeiros gritos, embotados pela poeira do subentendido. O som antecipou a imagem suspeitada. Fez-se a desolação nos rostos que se ergueram. Os primeiros gestos, lentos, não acompanharam o frenesi do pensamento. Desespero. – Como é possível minar tanta água desses rostos de areia? Coube ao acaso a seleção dos fortes (que recolheram os corpos). Ao poema, cabe despejar sobre o chão, e na cara dos facínoras, uma resma de dúvidas. De algum ponto, cabe o recomeço.
Sonho no absurdo
Para Mahmoud Darwich
Não tirem do poeta a visão; podem condená-lo à loucura do mergulho no poema sem fim.
I O poeta sabe a textura exata do sonho. E por perceber que os números são símbolos que poderiam arrastar seu povo, foi o primeiro a se equilibrar nos destroços. Não azulava as dúvidas com preces e entendia a sujeira como um vício da realidade. Caminhando em silêncio, observou que a ausência de espaço não havia poupado nem mesmo as sombras. Homens desencontrados cruzaram o limite da incerteza e bradavam: – Não pedi esse conflito. Mas, na dúvida, deixo a arma engatilhada! Nunca foi do poeta o primeiro momento... II Aos primeiros que o ouviram disse: – Se abuso daqui à esquina de minha casa, perco o controle do dia. – A vida é ritual de pontes. Vejo triste, que entre o dito e o pensado ficou uma ponte tombada. – Hoje massacraram nossas verdades, e enxergamos o abismo. Choraram juntos a mais temida das mortes. III O poeta sente o absurdo do tempo humano. O homem aquietará. E juntos, todos os ponteiros deixarão de ter sentido. É do homem, buscar refúgio nos dias. IV Nos escombros, na esquina antes sem luz, sentaram as crianças. Diante delas o poeta circundou com o dedo seu corpo na areia. Com um salto surpreendeu-as com a facilidade que superou o limite de sua prisão. O poeta percebe o momento exato do nascimento do sonho. Não se ruminam os sonhos. eles se costuram e crescem...
Céu de bombas
Não interrompa o cotidiano das serpentes elas não buscam nos homens seu veneno.
Por que choras por mim meu pai? Cumpri com o que me coube nessa Gaza de feras. Em cada criança morta, sacrificada, um objetivo insano. Despeço-me do dia sob flashs e bombas. Uma fome doentia molhou teu corpo com meu sangue. Estrelas dos profetas cruzaram os céus e pulverizaram os créditos de minha infância. A ambição de poder comeu meu destino. Com a força, roubaram-me o sorriso. Meu pai, nem sei perguntar por quê. Não tive tempo para me nutrir de ódio. Pensando bem pai, que às lágrimas partam. Transpareças a indignação em teu rosto nas telas indiferentes do Mundo. Sobretudo, crê pai, crê no triunfo do olhar de tua filha, fosco de morte, voltado para esse lindo céu, reluzente de bombas, nessa noite de um domingo de fúria.
PACÍFICO
Ser o vento desperdiçando a força  nas folhas mortas                             (Um passo, ou outra maneira                                              de deslizar na existência)    E ao saber o nome das pedras atiradas, demovê-las da urgência de sangue.

NÃO SE USAM MAIS PÉS PARADOS Não se usam mais pés parados. E o traço desfeito, o arrebol da estrada, o sentido de um bilhet...

literatura capixaba poesia poema jorge elias neto autismo

NÃO SE USAM MAIS PÉS PARADOS
Não se usam mais pés parados. E o traço desfeito, o arrebol da estrada, o sentido de um bilhete ao vento, são insultos, farsas. (A poesia rege as cordas despercebidas do Mundo; é a brisa incógnita sobre o Leviatã.) Cobramos por tudo, inclusive pelo silêncio dos mortos.

O que gela O que gela na madrugada a mão que contorna, na névoa densa, o círculo do Mundo? Assustada, a fala pe...

literatura paraibana jorge elias neto poesia livro poemas glacial

O que gela
O que gela na madrugada a mão que contorna, na névoa densa, o círculo do Mundo? Assustada, a fala perde-se, alçada aos equívocos do Céu. E nela, a amada a pele, tardam os pelos rijos: orvalho e desespero. O que gela na madrugada é a corda rota, a derradeira gota de suor da morte interrompida. O que gela, e o amanhecer retarda: a paralisia da mandíbula, o couro macerado na fuga. Os livros
Os livros são meu celeiro de devaneios. Onde adormeço na dobradura do tempo pênsil -, no desfiladeiro de um cotidiano que nos semeia no nada. Os livros abraçam minha loucura atordoada pelo semblante de homens dignos, sóbrios e austeros, óbvios e dissonantes. Os livros me permitem compartilhar silêncios, dissolver urgências, contagiar os dias com angústias bem-vindas. Os livros me batem me chamam de homem e me despem, na cara, sádicos. Cronópio
Sou o fiel depositário de um torrão de açúcar. Guardei um tanto de giz entre as unhas (pó de palavras) e essa lasca de marfim do túmulo profanado dos paquidermes. Isso basta, na trégua precária, no gargalo desse vulcão que hiberna em estado de flor. Polvilho as relíquias, pois ignoro a espessura das trevas. O inverno é longo, o bastante para que a neve reaja a esses rudimentos de liberdade extinta. Haverá um tempo de degelo, águas e correntezas; de uma outra dimensão por detrás dessa moldura vazada. Caronte aguarda o sal da terra. Os demônios (e os cronópios) sempre souberam que para o sobrevivente a primeira qualidade do sonho é ser corruptível. Celebração
Rolam seixos, nuvens rasantes montes vazam da escuridão como uma promessa. antecipam os passos, Satélites tombam do céu em pane riscos rubros ao vento, incapazes de rastrear o corpo em transe, despido de sofrimento. (O disfarce da órbita é desviar-se do óbvio.) Latitudes e longitudes não reconhecem minha insignificância desapego. Encerraram-se as buscas e suas obtusas formalidades. Os cafés estão lotados, as ruas perversas distendidas, os corações famintos. Desço as encostas que permanecerão indiferentes; busco as cinzas contemporâneas e os cipós atlânticos. Do horizonte de um azul cambiante chega a esquadra de helicópteros de papel lançados do edifício antigo trazendo meus olhos. A serenidade possível, sem um deus, não está ao alcance dos eus idealizados, mas no sujeito cuspido e escarrado, despido de deslumbramento marcado. Tédio
Certa profundidade se demora nos olhos fechados. Sim, pesa o tempo, e cada pálpebra ressente o fulgor esquecido. O brilho repousa cada vez mais. - ontem - O nada é um cansaço que dá sono.

"Fosse o pó o essencial da escultura, a matéria valeria mais que a arte, e o vazio seria a verdade celebrada por todos". ≗ Jorg...

literatura capixaba espirito santo almas purgatorio dante pandemia gustave dore igreja estado filosofia
"Fosse o pó o essencial da escultura, a matéria valeria mais que a arte, e o vazio seria a verdade celebrada por todos". ≗ Jorge Elias Neto "Assim, os sacrifícios, e os Sacrifícios do altar, e as esmolas de qualquer espécie, que são oferecidas para todos os mortos, para os muito bons, são ações de graças”. ≗ Santo Agostinho

Não sou eu quem me navega, Quem me navega é o mar. É ele quem me carrega Como nem fosse levar. Paulinho da Viola / Timoneiro Sou um poe...

literatura capixaba cronica mar deriva pandemia descontrole governo naufragio mortes
Não sou eu quem me navega, Quem me navega é o mar. É ele quem me carrega Como nem fosse levar.
Paulinho da Viola / Timoneiro Sou um poeta pretensioso. Meu desejo não é deixar registrado um poema. Quero que meu legado seja uma palavra.

Há um tempo para os vivos e há o tempo dos mortos. Enquanto tentamos dilatar ao máximo o ínfimo tempo da consciência, o outro — o nada...

literatura religiao fe marx comunismo octavio paz feuerbach czeslaw milosz william blake deus arquiteto
Há um tempo para os vivos e há o tempo dos mortos.

Enquanto tentamos dilatar ao máximo o ínfimo tempo da consciência, o outro — o nada — já se apresenta distendido a infinita e desesperadora potência.

Mas como poderíamos nos aproximar dos artifícios lançados por nossos contemporâneos para combater e distorcer esta verdade? Poderíamos partir da idéia de uma nova, e talvez transitória trindade. Não a santíssima trindade e suas implicações doutrinárias e cosmogônicas,

Céu de bombas Não interrompam o cotidiano das serpentes. Elas não buscam no homem seu veneno. Jorge Elias Neto Por que choras por mim ...

literatura capixaba poesia palestina paises arabes paz conflitos mahmoud darwich
Céu de bombas
Não interrompam o cotidiano das serpentes. Elas não buscam no homem seu veneno. Jorge Elias Neto
Por que choras por mim meu pai? Cumpri com o que me coube nessa Gaza de feras. Em cada criança morta, sacrificada, um objetivo insano.

Continuemos seguindo por estas praias. Cumprindo os passos de Anchieta , que escrevia seus poemas para a Virgem nas areias de Rerigtiba ...

literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
Continuemos seguindo por estas praias. Cumprindo os passos de Anchieta, que escrevia seus poemas para a Virgem nas areias de Rerigtiba, cidade que hoje recebe seu nome e abriga um importante sítio histórico. Busquemos os poetas, que como ele, deixaram que o mar decidisse sobre a imortalidade de seus passos nas areias deste litoral banhado pelo Atlântico.

Muitos poetas capixabas nasceram e seguiram para outros Estados. Outros fizeram o caminha inverso e, mesmo nascendo em outros Estados, vieram morar, viver e escrever seus poemas no Espirito Santo. Assim é a vida.

A suprema arte é a raiz dos ausentes. Sim, muitos dos poetas que ora apresentamos aos leitores já são falecidos. Grandes poetas que deixaram seus passos em vida e seguiram com a morte, essa passageira inexorável do tempo.
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
9ª CANTIGA DE ACORDAR MULHER
Um dia te acharás sem inteirar a casa: ouvirás o marido ressonando, os filhos dormindo em calma… O espelho te acenará, te lembrará coisas da mocidade, coisas da meninice, te mostrará vindas algumas rugas; contemplarás o espelho, o quarto, a casa; perguntarás por ti mesma, pelo teu próprio destino — e o espelho fará silêncio: será o sinal de estares acordando.
RESÍDUO
Tanta cal, tanta cinza, tanto incenso e o vôo impraticável e o pesado projeto de cruzar o rio a nado e o caminhar feito um esforço imenso. Raro sujeito mostra-se propenso a alar as rédeas do seu próprio fado: objeto, o mais geral aceita alheado toda a cal, toda a cinza, todo o incenso. Contra a revolta, a palha da rotina; há aquele gesto ou grito que termina trocando uma bandeira por um lenço, e então seguir é ir carregando a estrada nos ombros – e com ela carregada vai a cal, vai a cinza, vai o incenso.
ALBA
Não faz mal que amanheça devagar, as flores não têm pressa nem os frutos: sabem que a vagareza dos minutos adoça mais o outono por chegar. Portanto não faz mal que devagar o dia vença a noite em seus redutos de leste - o que nos cabe é ter enxutos os olhos e a intenção de madrugar.
QUESTÕES DE TEMPO
Quem perguntará por mim quando a última passar com seu facão? Que mulher grave desfalecerá vendo apagados meus olhos na multidão? Que homem de bem guardará o adeus meu seco na palma da mão? Quem lembrará minha voz coral ausente em qualquer canção? Quem se pagará a herança inteira ou em pedaços do meu indivisível coração? E a quem a flor de raiz em mim fará os acenos do não?
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
Geir Campos/ São José do Calçado, ES (1924—1999)
Publicou seu primeiro livro de poesia, Rosa dos Rumos, em 1950. Na época, ingressou na Faculdade de Direito e no curso de Letras Anglo-Germânicas da Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio de Janeiro, mas não chegou a conclui-los. Entre 1950 e 1970 colaborou nos periódicos cariocas O Semanário, Paratodos, Jornal de Letras, Diário Carioca, Diário de Notícias e A Noite. Em 1951, fundou as Edições Hipocampo, com o poeta Thiago de Mello. Nos anos 50, traduziu várias obras, entre as quais Parábolas e Fragmentos, de Kafka, e publicou o livro de contos O Vestíbulo, Conto & Vírgula, além de ensaios e peças de teatro. Recebeu, em 1955, o Prêmio Olavo Bilac para poesia. Em 1960 foi diretor da Biblioteca Pública Estadual do Rio de Janeiro e publicou o Pequeno Dicionário de Arte Poética. Teve poemas publicados na antologia Violão de Rua (1962), organizada pelo Centro Popular de Cultura da UNE. Sua poesia vincula-se à terceira geração do Modernismo.
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
CAIM
Aqui estou, Pai Seu filho enjeitado pela eternidade Aquele que carregará Para sempre Em seu ventre Todos os males da Humanidade Por que você me fez carne? Por que você me deu o sopro da vida? Por que você me fez essa maldade? Pois não sou eu que existo Apenas e tão somente Segundo a sua vontade? Nas minhas mãos O sangue do meu sangue Na minha testa O selo do pecado De nada valeu ter me arrependido De nada valeu ter tanto chorado Seu desejo era me ver maldito Eu e toda a minha geração E é do fruto da minha árvore Que as piores coisas virão É dela que sairá Quem entregará seu filho amado E é só por isso que eu existo: Para ser o mal encarnado Que fardo pesado, Pai Que fardo pesado.
A PALAVRA PURA
Para Carlos Drummond de Andrade Quero a palavra simples e pura A mais bela A mais curta Aquela que, de tão bela, Pareça qualquer Quero a palavra única Que, de tão precisa, Não enseje outra E que, de tão profunda, Pareça rasa E, de tão rasa, Permita o mergulho de poucos
UM REINVENTAR DE OLHOS
Que lindos pés são esses que vejo coser as sendas do caminho? Que lindos pés são esses a ganhar asas no infinito (quando tudo se move numa torre de delírio?) São esses os pés que dobram a curva do impossível onde é refeito o destino São os pés que se aninham entre minhas pernas como velas em uma Nau de Sargaços um nosso reinventar de olhos (o vórtice do nosso redemoinho)
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
Anaximandro Amorim / Vila Velha, ES (1978)
Advogado, professor e escritor. Formado em Direito pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Pós-graduado em Direito Processual Civil pela Estácio de Sá. Licenciado em Letras Português e Francês pela UFES. Mestrando em Estudos Literários pela UFES. Membro da Academia Espírito-santense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e da Academia de Letras de Vila Velha.
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
VOCÊ FUMA SEU MARLBORO E DENTRO DAS CALÇAS SENTE TESÃO E MEDO
Você fuma seu Marlboro  e dentro das calças sente tesão e medo. Eventualmente você mente. E embora tente quase nunca sente pelo mundo. Você respira fundo antes de dizer o que acha ser verdade. Em cada pausa uma nódoa. Uma náusea. Uma rosa virada ao avesso. Você acessa sites  e seus gigabytes tornam o fim o seu começo. Você quebra a banca. Banca o foda. E tal e qual a lesma, toda prosa, lambe o musgo do muro para não morrer de fome. Você some na hora em que o bicho pega. Nega por três vezes quem jurou defender. Mas, você ri do que? Estica o dedo em riste e come alpiste com shake para emagrecer. Você caga e anda e sangra a cada dia uma gota da agonia que insiste em não ver. Você assina o cheque. Você risca a porta. E o som metálico do seu hálito faz jus a quem você diz ser. Você encontra e esconde, porque quer tudo. E ao reter engorda. E ao engordar explode tudo que não soube dividir ou conter. Você chora quando vê algo terrível e pensa que podia ser com quem ama. Ou com você. Tenta engolir mas engasga a verdade nodosa. Leva as mãos às faces distorcidas pelo horror, ao perceber  que o anjo - ainda que alado - também morre afogado. E aí, nada mais há a fazer. Mem por você, que sou eu. Nem por mim, que sou você.
EXU BATE OS CASCOS NO AZUL ESCURO DO ASFALTO
Exu bate os cascos no azul escuro do asfalto. Quando ele vem fala alto. Sua gargalhada estronda por sobre toda a cidade. Exu é permanência – imensa. E brevidade – evade. Exu bebe o fogo das taças. Não tropeça, Não trapaça. Galopa e conecta a terra com o avesso do que a revela.
VOLT
Um poema para romper os tímpanos e dividir o átomo. Escatotrágico e volátil, como a baba da lesma na grama. Como a nesga da matéria radioativa ou a vida dividida em pacotes de dez. Um poema com antídoto para traças. Como se, baças, as letras tivessem asas que grafassem queimas & teimas & resmas.  Ledas dançando com cisnes disfarçados de Zeus Um poema como se todo o dolo fosse seu. Cheio de palavras cruas. Feito você, nua a aquecer a noite da minha rua
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
Caê Guimarães / Rio, RJ (1970)
Escritor e poeta, autor de Por baixo da pele fria (poesia, 1997), Entalhe final (conto, 1999), Quando o dia nasce sujo (poesia, 2005), De quando minha rua tinha borboletas (Crônicas, 2010) e Vácuo (poesia, 2014). Seu primeiro livro foi lançado na Catalunha com o título Per sota de la Pel Freda (trad. Joana Castells Savall, 2013). Encontro você no oitavo round (Record, 2020) é seu romance de estreia e venceu o Prêmio Sesc de Literatura 2020.
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
NOVA MÚSICA AQUÁTICA
Ó rio Doce, quanto da tua lama são lágrimas de quem te ama! Valeu a pena o verso de Pessoa? De Drummond, o aviso-poema? Nada vale nada se a alma é pequena. Reside remota esperança nas histórias de toda infância. Existem urgentes cuidados nos temas da nossa sinfônica. Rápido reúnam músicos exímios em Linhares, Colatina, Baixo Guandu para tocarem peças clássicas e de nós afastarem os rejeitos da cobiça, palavras gastas e omissas, a negligência feita com pesados metais. Em Linhares toquem Villa-Lobos, Guarnieri, Guerra Peixe para relembrarmos os antepassados vindos de terras portuguesas, de campos africanos, das matas daqui mesmo e que resistiram a tudo. Nós também resistiremos! No programa em Colatina incluam o Concerto de Varsóvia de Addinsell para homenagear os bravos poloneses que resistiram em Águia Branca. Também resistiremos! Em Baixo Guandu não se esqueçam de Handel, Verdi, Wagner para celebrarmos brasileiros, italianos, alemães desbravadores de selvas e que a tudo resistiram. Sim, também resistiremos! O mundo todo marcou um encontro no Rio Doce. Os sons da orquestra capixaba combaterão a lama percorrerão o imenso vale, animando as pessoas para as lutas que virão. A chama da vida retornará aos poucos, trazida por cordas, sopros, percussão. A todos chegará o apelo musical – aos peixes mortos, às algas desmilinguidas, às avermelhadas pedras, aos pássaros caídos... Haverá lagostins novamente nas rochas submersas em Mascarenhas. Os cascudos voltarão às suas locas na altura de Barbados. E em Regência Augusta, perto do mar, águas limpas verão de novo os pulos dos robalos. Resistiremos. Resistiremos sempre. Como a pureza resiste dentro da gente. Como o futuro resiste em cada criança.
NÃO ESTAVA LÁ
Não estive lá, mas é como se lá estivesse. A fumaça subindo, o rubro das chamas, pequenas explosões amareladas, o prédio inteiro iluminado pela última vez. Não estive lá, mas é como se lá estivesse. Por que nos agarramos a objetos, recordações, memórias? Como escrever poemas depois de Auschwitz? Não estive lá, mas é como se lá estivesse. Para que fazer poemas depois do Museu Nacional incendiado ao vivo e a cores? Não estive lá... Um ponto existiu no universo, num tempo do universo, e dele fumaça e cinzas subiram, foram aos céus qual miúdo sol se derretendo num sacrifício a Ninguém. Devem ter chorado por todas essas cinzas, chorado por toda essa fumaça. Muitos talvez ainda não saibam: perdemos um parente, perdemos pessoa querida, acabou-se o que era doce juventude. Foi-se para sempre um pedaço nosso, dissipado na fogueira desesperada. Mas tudo bem, a vida continua, o incêndio será extinto, o calor da hora passará. Tudo passa, tudo se acaba nesta vida. Mas precisava ser assim? Precisava ser tão rápido? Numa das salas do museu, a diretora Heloísa Alberto Torres combinou com o cientista Mello Leitão uma forma de contratar o jovem Augusto Ruschi que iniciava suas pesquisas de fauna e flora em Santa Teresa do Espírito Santo. Tantas histórias pra contar... Vi uma vitrine com imenso caranguejo do Alasca, vi o meteorito Bendegó, caído na Bahia, vi uns vidros com nove fetos humanos, mostrando cada mês da gestação. Respirei sofisticadas culturas indígenas. Ouvi o ronco das múmias do Egito, paradas aqui por engano porque iam pra Argentina e o Império as comprou. O que mais experimentei? Mostruários de insetos, de pedras e ossos. Muitos ossos, até os da preguiça gigante, quem sabe megatério de Cachoeiro de Itapemirim antes dos capixabas existirem? Examinemos o meteorito Bendegó. Para ele o incêndio não foi nada: já suportou temperaturas bem mais altas, o Bendegó. Não seria o caso de fazer nas ruínas plataforma de lançamento e mandar o meteorito girar no espaço de novo? Nós não o merecemos. Não merecemos mais nada depois dessa fornalha. Sim, estamos de luto, e falamos as palavras convencionais quando morre alguém da família ou do círculo de amizades. E repetimos a expressão: Esta é uma tragédia anunciada. Anunciada somente? É tragédia elaborada pouco a pouco, ano a ano por nossa incompetência, por nossa imprudência, nossa imperícia. Nós os humanos somos todos urdidores dessas dores, dessas fumaças que subiram das chaminés de fornos crematórios, e que agora se elevaram dos restos do Museu Nacional na Quinta da Boa Vista, Cidade Maravilhosa, Brasil. Não estava em Auschwitz, mas é como se lá estivesse. Não estávamos na Quinta da Boa Vista mas é como se estivéssemos todos lá desde as nossas infâncias curiosas. O que vamos falar pros netos? Dizer que as fumaças se dissiparam da mesma forma em Auschwitz e no crematório do Museu Nacional? Garantir que as duas tragédias se assemelham por terem matado pessoas? No nosso caso, destruíram numa só fornada o passado e o futuro de muita gente. Holocaustos não se fazem por acaso: nossa maldade os constrói. O que as cinzas do velho museu adubarão? Se pudesse, o próprio Bendegó deixaria a Terra depois desse horror.
CULINÁRIA ANTIGA
Tu que tens a ilusão de tudo dominar, humilha-te. Do trigo fazes pão e da uva, vinho. Conservas o leite por mais tempo, ao transformá-lo em queijo. Em um animal juntas carne e o chamas carneiro. No boi reúnes mais carne, por gostares muito dela. Da mandioca brava tiras farinha: do mal arrancas algum bem. Mas por que cultivas o horror? Ele sempre integra tua história, o horror. Subjuga-te, tu que convertes em aço o ferro e o carvão. Eles sumirão se os dissipares. Nada substitui o original, até no mundo dos minérios. E é bom mesmo conservares sementes em abrigos seguros: se morrerem os germens das batatas, todas elas acabarão. Também entre os vegetais, nada substitui o original. Ajoelha-te, tu que aos poucos conheces as leis da natureza apenas para lhes obedecer. Nenhuma tu crias ou revogas. E és desobediente por natureza. Para teu bel-prazer, queres tudo amestrar. Tens animais em cativeiro para repasto teu, mas esqueces: eles não te pertencem. No reino onde existem, nada substitui o original. Ó povo rude, curva-te. Domaste poucas aves dos céus. Submeteste alguns seres das águas. Selecionaste bichos e plantas para te servirem assim ou assado. Erras se pensas que és o topo da cadeia alimentar. Acima tem outra besta-fera que de ti se nutre: tu mesmo, em teus desvarios. Nada substitui o original. Nem teus novos pecados. Levanta o rosto para responder: Quem te sujeita? Quem te amansa, infeliz? ( ) E aí? Continuas mudo? Guardas a boca somente para comer o feijão com arroz de todo dia? Isso até evitaria muita desavença... Até quando criarás o horror? Será isto, fabricar o horror, a tua natureza original? Verga-te então sob tua própria pequenez. Nada domesticaste, nem sequer a ti. E entre borboletas feitas com pão de forma e manteiga, igual à Lagarta Azul interrogando Alice naquele desenho animado do Disney, convém perguntar ao estranho que te habita: – Quem és tu?
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
Fernando Antônio de Moraes Achiamé / Colatina, ES (1950)
Poeta e historiador. Ocupante da cadeira nº 17 da Academia Espírito-Santense de Letras (AEL). Autor do Guia Preliminar do Arquivo Público Estadual (1981); do Catálogo dos Bens Culturais Tombados no Estado do Espírito Santo (1991, em coautoria); do livro de poemas A Obra Incerta (2000); da pesquisa histórica O Espírito Santo na Era Vargas: elites políticas e reformismo autoritário, publicada pela Editora da FGV (2010); da pesquisa histórica Esquadro e compasso em Vitória – álbum da Loja Maçônica União e Progresso, editada pelo IHGES (2010); e do Livro Novíssimo – poemas (2011). Publicou o ensaio biográfico Guilherme Santos Neves (2013, em coautoria). Em 2018, a Editora Patuá lançou seu livro, Manual prático do mistério – poemas. Em 2020, a Editora Cousa imprimiu a segunda edição do livro Novíssimo – poemas, a ser lançada brevemente.
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
REFLEXÃO DO PAJÉ
Estrangeiros em nossa própria terra, sonhamos uma terra fabulosa,    um mundo legendário, e vagamos sem rumo nesta busca do mítico país da venturança, hebreus em eterna travessia de um mar vermelho de sangue e vergonha, ponte entre o precário e o supino − via que nos leva ao divino. Pobres almas iludidas, mirrando em transe errático neste vasto território, à procura de outra terra nesta terra, de outro mundo neste mundo e outra vida nesta vida. Em busca de outra terra jamais encontrada, quantos índios pereceram! E quantos pobres diabos ainda zanzam nestas belas plagas, iludidos por um cruel engodo, esfíngico mistério, enigma simbólico, poético — enfeitiçados por belas metáforas! Terra sem mal, que tanto almejamos, mirífico país, sonho que aflige as nossas almas mais que o pesadelo, onde te encontraremos?
LIÇÕES DE TUPI-GUARANI – III
KOÃ, KUÃ – cintura KOÁ, KUÁ – cintura, quadril, anca, meio, centro do corpo KOÁ, KUÁ, KOARA, KUARA – furo, orifício, buraco, gruta KÕY – duplo, gêmeos, unidos KUÃY – preceito, mandamento, ordem KOÕ – pungir, queimar, irritar, arder KÕÕY – ofender, injuriar, desagradar
LIÇÕES DE TUPI-GUARANI – IV
KU – língua KUÁ – porto, baía; quadril, anca, meio; orifício, buraco AKU – quente, tépido, cálido KUABA – saber, conhecer KUAKUBA – esconder, ocultar KUAPABA – sabedoria, conhecimento, ciência; sinal, marca KUAKUPABA – esconderijo, refúgio KUAPARA – sabedor, estudado, cientista, erudito KUAKUPARA – escondedor, ocultador
literatura capixaba espírito santo poetas escritores poesias selecionadas
Waldo Motta / São Mateus, ES (1959)
Autor de Eis o homem (FCAA-UFES, 1987), Poiezen (Massao Ohno/Ufes, 1990), Bundo e outros poemas (Unicamp, 1996, finalista do prêmio Jabuti 1997), Recanto - poema das 7 letras (Ímã, 2002) e Transpaixão (Edufes, 2009, 2. ed.). Indicado pelo Instituto Goethe-SP, ganhou do Landeshauptstadt München Kulturreferat e Fundação Villa Waldberta uma bolsa e estadia de 3 meses na Villa Waldberta, Alemanha, em 2001-2002, com o projeto do livro Terra sem mal, e foi writer-in-residence, por um mês, em 2002, na Universidade da Califórnia, em Berkeley, EUA. Experimenta linguagens e formas diversas, pesquisa culturas arcaicas, mitos, símbolos, religiões e propõe um sistema de pensamento cujo fundamento é a concepção do lugar sagrado.

Pois se já não brilham os olhos, brilham os cristais de poeira. Jorge Elias Neto Pai No chão lavrado se faz premen...

literatura paraibana poesia poeta jorge elias pai mae
Pois se já não brilham os olhos, brilham os cristais de poeira. Jorge Elias Neto
Pai
No chão lavrado se faz premente o fruto.   Se o em torno repele, formam-se na pele sulcos dilatados donde escorrem incertezas.   No vão arado se faz presente o bruto.

Insignificância Em que pese os malefícios para o corpo, devemos arrastar a consciência de nossa insignificância Jorge Elia...

poesia capichaba espírito santo literatura
Insignificância
Em que pese os malefícios para o corpo, devemos arrastar a consciência de nossa insignificância Jorge Elias Neto
O azul se dissipa em tons de desespero. Os segundos corrompem nossos sonhos, e a eternidade — consome toda inocência. O céu conspira dentro de mim, ponto sujo no útero da neve.

Não existe a favela idílica de Antonio Conselheiro. O Rio Vasa Barris, imortalizado por Euclides da Cunha, transbordou suas sobras de home...

transgressao protesto sem teto pobreza sociedade pos moderna
Não existe a favela idílica de Antonio Conselheiro. O Rio Vasa Barris, imortalizado por Euclides da Cunha, transbordou suas sobras de homens da Canudos sobre os morros do Brasil, e elas escorreram das encostas aos manguezais e sarjetas. E não poderiam poupar a ilha do Mel.

O Espírito Santo sempre foi um Estado sui generis. Visto como Estado de “passagem” para o Nordeste e de parada para abastecimento para os ...

ambiente leitura carlos romero ensaio jorge elias neto escritores autores musicos espirito santo literatura capixaba academia espirito-santense letras berredo menezes
O Espírito Santo sempre foi um Estado sui generis. Visto como Estado de “passagem” para o Nordeste e de parada para abastecimento para os turistas oriundos dos grandes Estados da região Sudeste, em viagem para o litoral baiano. Um Estado quase sem sotaque, um misto de mineiro desconfiado com a malemolência baiana.

Como é curto o tempo da inocência. E ficará cada vez mais difícil ser surpreendido por uma criança em um momento de lampejo poético, alg...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jorge elias neto olhar crianca observacao infantil filhos encanto
Como é curto o tempo da inocência. E ficará cada vez mais difícil ser surpreendido por uma criança em um momento de lampejo poético, algo apenas possível aos que começam a descobrir a linguagem. São tantas informações, imagens, mídias, que cada vez mais precocemente o vocabulário da criança é enriquecido, e isso ocorre na mesma velocidade em que se embota a espontaneidade – a inocência.

Há que se entender ou não o "ornitorrinco do pau oco"? Eu, por exemplo, vivo em busca de algum autoentendimento.  Só recentem...

ambiente de leitura carlos romero resenha jorge elias neto livro ornitorrinco pau oco poesias poemas pessimismo
Há que se entender ou não o "ornitorrinco do pau oco"?

Eu, por exemplo, vivo em busca de algum autoentendimento.  Só recentemente, relendo uma definição do Breviário da decomposição, de Emil Cioran, é que me descobri um pessimista entusiasmado.

Mas, antes de uma definição psicológica, quem ler esta coletânea de meus três primeiros livros já publicados, em que incluí poemas inéditos, terá primeiro uma impressão de estranhamento e de curiosidade: o porquê de meu nome.

Estilo é o que tem ponta. Estilete que corta com um lado e acerta, quando se excede com o outro. Na cera do tempo que endurece para ganha...

ambiente de leitura carlos romero ensaio jorge elias neto poesia vanguarda modernismo concretismo parnasianismo romantismo tradicao metrica rimas edgar allan poe corvo
Estilo é o que tem ponta. Estilete que corta com um lado e acerta, quando se excede com o outro. Na cera do tempo que endurece para ganhar a pedra definida, o papel definitivo, passa por variações de intenção e temperatura até chegar à luz dos olhos de quem não sabe ao certo, através dos séculos, quem firmou primeiro aquilo, que nos desconcerta.

NORDESTE O controle das pedras e ampulhetas cabem nas bordas do vento nordeste Vento e agreste, guias dos pés no sem fundo

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jorge elias neto nordeste sertao agreste caatinga
NORDESTE
O controle das pedras e ampulhetas cabem nas bordas do vento nordeste Vento e agreste, guias dos pés no sem fundo

Para vivir un año es necesario morirse muchas veces mucho. Ángel González Alguns poetas são atletas do abismo. Espreitam, com seu...

ambiente de leitura carlos romero ensaio jorge elias neto academia letras espirito santo literatura espanha angel gonzalez asturias poesia ditadura franco guerra civil tuberculose antonio machado
Para vivir un año es necesario morirse muchas veces mucho.

Ángel González

Alguns poetas são atletas do abismo. Espreitam, com seu olhar irrequieto e sensível, o entardecer por detrás da História. Debulham o seu passado – o nosso passado – e nos ofertam um ladrilho de palavras. Esses mesmos poetas se especializam, tornam-se alpinistas do nada e penduram-se no portal do tempo. Sabem-se clandestinos, insignificantes e fadados ao esquecimento.

Não basta ao homem a informação. Ele — o conhecimento — não se instala como “verdade” na vida de quem o procura. Na maioria dos casos,...

ambiente leitura carlos romero jorge elias neto ensaio augusto dos anjos literatura brasileira paraibana pre-modernismo belle epoque eu poesia vanguarda crítica biologia medicina morte
Não basta ao homem a informação. Ele — o conhecimento — não se instala como “verdade” na vida de quem o procura. Na maioria dos casos, ele remenda o que a vida e as circunstâncias históricas trataram de esgaçar e ferir.