Não sei onde estava que não mereci o convívio literário de um leitor e escritor de tantas afinidades, morando tão perto das minhas moradas...

Os ditos do quiçá

ambiente de leitura carlos romero cronica critica gonzaga rodrigues adhailton lacet clarice lispector eça queiroz tolstoi literatura mundial
Não sei onde estava que não mereci o convívio literário de um leitor e escritor de tantas afinidades, morando tão perto das minhas moradas espirituais e, aqui e ali, liberando franquezas que seriam minhas se não fora a timidez. Um exemplo: minha resistência ao best-seller, que não chega a ser incomum entre os impaludados das velhas letras. E como sobro ouvindo coisas das quais não faço a menor ideia. Outra, a minha dificuldade em ler a aclamadíssima Clarice Lispector, escrevendo para o mundo mas “vivendo em sua redoma”, como bem vê Cony num texto em que vem à luz Maura Lopes Cançado, cuja obra é vista por Ferreira Gullar como “um dos mais contundentes depoimentos humanos já escritos no Brasil”.
ambiente de leitura carlos romero cronica critica gonzaga rodrigues adhailton lacet clarice lispector eça queiroz tolstoi literatura mundial
Escritora que o cronista Lacet descobre para mim e investe fortuna para incorporá-la à sua biblioteca.

Tudo isso abrindo ao acaso “Os ditos do Quiçá” do doutor juiz Adhailton Lacet Porto, editado pela Arribaçã com as artes de Linaldo Guedes e Lenilson Oliveira.

Há uma singularidade nesse livro de província. A temática, os personagens são tratados de um ponto de vista aberto a todos os pontos de vista. Sai da Praça da Pedra e não encabula em qualquer outra praça, em qualquer mão ou lugar fazendo-se de casa.

É o que bem alcança o narrador. Em que pesem o talento, o humor próprio, não se consegue anular fronteiras desse gênero sem uma grande e profunda experiência de humanidade adquirida na literatura. Talvez mais do que na história. História por dentro como a de 1812 do fiat de Tolstoi ou a de Canudos pela têmpera de Euclides. Hermance Gomes Pereira, prefaciando, dá seu testemunho:


“Lacet trafega sem dificuldade (...) pela literatura clássica e contemporânea, brasileira e mundial. Discute Camus e Zé Lins do Rego (...) sobrando tempo para discorrer sobre o imaginário de Tolstoi e a poética de Augusto dos Anjos”.

Vem desse sólido sedimento, sem dúvida, a simplicidade adquirida a muito custo, sobretudo num praticante do Direito, preso ao bordão da leitura e do despacho.

Não é o primeiro narrador bem sucedido saído da província cultural do Cine São Pedro, apertada pelo cruzamento das duas ruas principais e das lembranças mais contrastantes do nosso Varadouro. Ruas de tudo, do comércio variado e histórico, da passagem do féretro, de um cinema que o vento levou, da música em surdina e também do apito de fábrica que nos ligava à potência dos Matarazzo. Veio daí, nos anos 30, o grande Osias Gomes, tratadista do direito, romancista e ensaísta de estilo terso e de fortes convicções religiosas e filosóficas. Depois, bem depois, vem um cronista que aprendeu a escrever com Eça de Queiroz, Luiz Ferreira, tão exigente que negou a si mesmo e à história local da crônica a antologia cobrada, tantas vezes ensaiada e não levada a termo.

O doutor Lacet não sabe o bem que me fez, recolhendo em livro o que não pude acompanhar no jornal diário. Essa recolha me tirou da hesitação de juntar o novo com o velho numa coletânea que jurara não repetir, preso ao meu lugar, que não é mais o de hoje, o casario quase inteiro esvaziado. Para quem não teve outro sonho, o livro, sem dúvida, é a alternativa. Como a velha colher, invocada por Umberto Eco quando perguntaram a ele se o livro ia acabar: “A colher acabou?”


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL

COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também