Rua Barão de Jaguaripe, Ipanema, Rio de Janeiro. Não recordo o número do apartamento. Só sei que lá fui levado pelas mãos amigas de Gilber...

'Sabadoyle', Nava, Drummond e outros

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana sergio castro pinto pedro nava sabadoyle drummond gilberto mendonca teles Alphonsus de Guimaraens Filho homero homem rachel de queiroz plinio doyle raul boop
Rua Barão de Jaguaripe, Ipanema, Rio de Janeiro. Não recordo o número do apartamento. Só sei que lá fui levado pelas mãos amigas de Gilberto Mendonça Teles.

— Barão de Jaguaribe?, indaguei. — “De Jaguaripe”, corrigiu-me Gilberto. E veio-me à mente o fragmento de um poema de Manuel Bandeira, quando ele foi à forra com um professor que o havia alertado — ainda no curso primário — sobre o nome correto do rio que banha a cidade do Recife.

“Capiberibe”, ter-lhe-ia dito o professor, quando, para o menino Manuel Bandeira, o nome correto seria Capibaribe, pois, àquela época, a vida não chegava pelos jornais nem pelos livros, “vinha da boca do povo na língua errada do povo/Língua certa do povo/ Porque ele que fala gostoso o português do Brasil”.

No caso da Rua Barão de Jaguaripe, os meus ouvidos queriam porque queriam escutar Jaguaribe, tão acostumados estavam com o nome
de um dos bairros da então provinciana cidade de João Pessoa.

O apartamento ao qual me levava Gilberto eram dois. Num, morava o bibliófilo. No outro, moravam os seus livros. Mas livros à mão cheia, como no poema de Castro Alves. Mas não só livros, também manuscritos de autores consagrados como Machado de Assis, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Rachel de Queiroz e muitos e muitos outros. E no meio dos livros, às vezes conversando sobre tudo, menos sobre literatura, dois monstros sagrados: Pedro Nava e Carlos Drummond de Andrade. Isso sem contar Herman Lima — autor da excelente “História da caricatura no Brasil” —, os poetas Alphonsus de Guimaraens Filho e Homero Homem, o caricaturista Alvarus...

Estava, enfim, no famoso Sabadoyle, conforme Raul Bopp havia batizado às reuniões promovidas todos os sábados, a partir das 15h, pelo bibliófilo Plínio Doyle.

Lã se vão quase cinquenta anos e me ocorre agora lembrar, mais uma vez, o Bandeira para o qual a casa do avô parecia impregnada de eternidade. Pois bem. A biblioteca de Doyle, Drummond, Pedro Nava, os demais circunstantes, tudo me parecia também impregnado de eternidade. Só que hoje estão todos dormindo, dormindo profundamente... Apenas os livros, o imenso acervo de Doyle, resistiram à voracidade do tempo. Parece-me que foram vendidos ou doados à Fundação Casa de Rui Barbosa.

Em pé (esq-dir): Péricles Madureira de Pinho, Severo da Costa, Maximiano de Carvalho e Silva, Homero Homem, Peregrino Júnior, Esmeralda Doyle, Pedro Nava, Carlos Drummond de Andrade, Joaquim Inojosa, Bernardo Élis, Jesus Belo Galvão, Américo Jacobina Lacombe, Paulo Berger, Mário da Silva Brito, Olímpio Monat. / Sentados: Fernando Monteiro, Raul Lima, Álvaro Cotrim, Sonia Doyle, Gilberto Mendonça Teles, Plínio Doyle, Murilo Araújo, Rita Moutinho Botelho, Alphonsus de Guimarães Filho, Horácio de Almeida e Raul Bopp.
Acervo: Biblioteca Casa de Rui Barbosa

Mas o que ficou daquela tarde de início dos anos setenta nas minhas retinas hoje já tão fatigadas? Drummond, entre meio atento e distraído, e do qual pouco me aproximei, talvez por me lembrar do tom de advertência contido no poema “Apelo a meus dessemelhantes em favor da paz”: “(...) Não sou leitor do mundo nem espelho de figuras que amam refletir-se/ no outro/ à falta de retrato interior. Sou o Velho Cansado/ que adora o seu cansaço e não o quer/ submisso ao vão comércio da palavra./ Poupem-me, por favor ou por desprezo,/ se não querem poupar-me por amor”; Pedro Nava que, como um cargueiro abarrotado de lembranças, caminhava quase adernando, prestes a naufragar na encarapelada e tempestuosa maré do instante; Alvarus, de quem recebi uma caricatura de Noel Rosa com a recomendação quase expressa de que não a vendesse depois dele morto; Alphonsus de Guimaraens Filho, cujas mãos longas e brancas pareciam refletir o luar dos muitos poemas do pai, o poeta simbolista Alphonsus de Guimaraens; Homero Homem, que, anos depois, abriu as portas do seu apartamento e me recebeu, juntamente com o repórter Jorge de Aquino Filho, para dar uma entrevista ao “Correio das Artes”...

Contudo, foi o Pedro Nava de compleição graúda e gestos lentos — pareciam desmentir a rapidez de raciocínio que permeia todo a sua obra memorialística – quem permaneceu a ferro e fogo na minha lembrança. Principalmente depois que escolheu “o dia a hora o gesto o meio a dissolução”.
Tanto que por ocasião de sua morte, publiquei um artigo do qual transcrevo algumas linhas: “A última vez que o vi foi na Rua General Glicério, Rio de Janeiro, início da década de 80. Dias depois, já em João Pessoa, recebo um exemplar de “Galo-das-trevas”. No livro, logo após a dedicatória, a data que, por muito pouco, não coincidiu com a da sua morte”. // “(...) Àquela época, custou-me acreditar um octogenário pôr fim à própria existência. E o fato é que não só eu fui tomado de surpresa. A imprensa também o foi, do contrário não teria dedicado uma série de reportagens ao assunto”. // “(...) Ainda hoje, diante do autógrafo de Pedro Nava, fico a fazer conjecturas. Uma delas é a de que o memorialismo é uma espécie de suicídio. Mas um suicídio branco. Sobretudo quando as palavras existem à feição de bisturis extirpando o presente para restaurar o passado. Como o fez o escritor e médico Pedro Nava, pelo menos até o momento em que as suas memórias começaram a ocupar um passado recente, pois, a partir de então, o tecido esgarçado do tempo pretérito parecia dificultar toda e qualquer tentativa de ‘cirurgia’. Restou-lhe, como alternativa, o revólver. E com ele — lápis disfarçado — o estampido na memória”.

comente
  1. Os arquivos de Doyle são importantíssimos. Não sabia que Herman Lima (autor da magnífica História da Caricatura no Brasil) fazia parte da confraria, que tinha o paraibano Horácio de Almeida como um dos mais assíduos frequentadores. Excelente relato.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Sérgio. Sua atitude ao ver Drummond me lembrou a de Ivo Barroso - segundo me contou - ao ver Guimarães Rosa a poucos passos de distância. Respeito absoluto.

    ResponderExcluir

leia também