Há muitos mistérios no amor que nem mesmo os envolvidos sabem solucionar, embora, muitos de fora desse processo queiram julgar as suas con...

Os mistérios do Amor

literatura paraibana ensaio mitologia romance poesia catulo marcial
Há muitos mistérios no amor que nem mesmo os envolvidos sabem solucionar, embora, muitos de fora desse processo queiram julgar as suas consequências.

Os leitores que acompanham o Ambiente de Leitura Carlos Romero hão de se lembrar do Carmen LXXXV de Catulo, aquele famoso poema lírico latino que começa com o paradoxal “amo et odi” (amo e odeio),
literatura paraibana ensaio mitologia romance poesia catulo marcial
mostrando um eu atormentado em angústia excruciante, por causa de sentimentos incompreensíveis. Sim, incompreensíveis, pois os hormônios descarregados pelo cérebro, na atração sexual, não só obscurecem a razão, mas também associam erotismo e posse. Como o resultado da atração física e do envolvimento é, sem dúvida, prazeroso, o corpo pede mais e qualquer atitude no sentido de perda do companheiro ou da companheira é motivo de uma reação que inclui a posse e o desastre emocional. Relembremos o Carmen LXXXV, em tradução nossa:

Ōdī ĕt ămō, quārē īd făcĭām, fōrtāssĕ rĕquīrĭs. Nēscĭŏ, sēd fĭĕrī sēntĭō ĕt ēxcrŭcĭōr.
Odeio e amo, por que razão eu faça isto, perguntas, talvez. Não sei, mas sinto acontecer e atormento-me.

Chamo à memória esse poema de Catulo (87—57 a.C.), porque o poeta Marcial (42—102 d.C.), que nasceu quase cem anos depois de sua morte, teve no veronense um mestre indiscutível. Recorrentemente, Marcial admite a influência catulana e o demonstra de modo claro quando, em seus poemas, reescreve o seu mestre. É o que ocorre com o Epigrama XXXII, do Livro I dos epigramas, também em tradução nossa:

Nōn ămŏ tē, Săbĭdī, nēc pōssūm dīcĕrĕ quārē: hōc tāntūm pōssūm dīcĕrĕ, nōn ămŏ tē.
Não te amo, Sabídio, nem posso te dizer o porquê: apenas posso dizer isto, não te amo.

Catulo demonstra em seu famoso carmen a confusão emocional a respeito do amor, utilizando para isso o sintetismo da subjetividade lírica. Não saber o que ocorre, mas sentir o que acontece é típico de quem está tomado pela emoção.
Já Marcial, utiliza-se da concisão do epigrama e o alia ao caráter incisivo da ironia, para que o eu seja claro na sua informação: “Não te amo, Sabídio”. Como podemos constatar, o poema é cíclico, começando e terminando com a mesma frase, fechando-se numa explicação que não poderia ser mais clara: “não te amo”. Compreende-se ser mais importante a essência, não as circunstâncias alheias ao fato e que não têm o poder de mudar os acontecimentos.

Por outro lado, o epigrama de Marcial revela ter uma cadência muito harmônica que serve, no primeiro verso, para o esclarecimento do que se quer dizer, quando divide o hexâmetro em duas metades (hemistíquios), pausando-o deliberadamente:

Nōn ămŏ tē, Săbĭdī,// nēc pōssūm dīcĕrĕ quārē:

No segundo verso, a pausa vem em três partes, sendo maior na segunda, preparando a reiteração da afirmação, que dá sentido a um poema, à primeira vista tautológico:

hōc tāntūm// pōssūm dīcĕrĕ,// nōn ămŏ tē.

Ao dialogar transtextualmente com Catulo e reescrevê-lo, Marcial dá um redirecionamento ao sentimento confuso daquele, com a ironia tomando o lugar do sofrimento. Ironia que só se revela inteiramente, quando confrontamos o seu poema com o de Catulo.

O não saber (nescio), resultado de, ao mesmo tempo, amar e odiar, é substituído pela clareza do que se expressa, através de uma precisão na escolha das palavras, que resultam no incisivo “não te amo”. A repetição da expressão do eu a Sabídio opõe-se frontalmente à concisão e densidade do agrupamento dos 4 verbos do poema de Catulo, no segundo verso (nescio, fieri, sentio, excrucior). Nem por isso, o epigrama de Marcial perde em expressividade. A negação do eu-epigramático, ao não querer dizer o porquê de não amar Sabídio, não acontece por ele não ter consciência do fato, como ocorre em Catulo.
Ao contrário, o eu demonstra ter uma noção exata de que não ama e, ao expressar o seu desamor, o faz duplamente com clareza. Em não havendo mais a atração que junta e envolve duas pessoas, a razão toma o lugar do sentimento, procurando expressar-se de maneira inquestionável. Se não ficou claro o que eu disse abrindo o seu discurso, que se esclareça, de uma vez por todas, ao terminá-lo.

Assim são os mistérios do amor. Quando o sentimos, andamos “docemente perdidos”, como diz Camões em seu famoso soneto “O filho de Latona esclarecido”, sobre o deus Apolo, tomado de amor não correspondido por Dafne. Nem o fato de Apolo, dotado de presciência, por ser o deus da profecia, ajuda-o a entender a paixão que o avassala e o repúdio de que é vítima. E, na cegueira da paixão, por mais que se queira dizer o que se sente, torna-se impossível expressá-lo claramente, por se tratar de sentimento e não de racionalidade. Quando já não há sentimento, não há motivo para tantas palavras. A razão age de maneira mais incisiva e mais direta, igual ao sintetismo que o epigrama requer. Eis a diferença básica entre dois poemas que se constroem sob a forma de dístico elegíaco – dois versos, sendo o primeiro um hexâmetro e o segundo um pentâmetro. Aquele poema que revela o amor e a sua natural confusão é um carmen lírico; aquele que expressa o desamor, tratando-o sumariamente e com ironia, é um epigrama.

Mistérios que só os poetas sabem como decifrar.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também