Se lhe mostro uma sequência de fotogramas, depois digito e lhe exibo e/s/t/a// s/é/r/i/e// d/e// c/o/n/s/o/a/n/t/e/s//e//v/o/g/a/i/s, alé...

A magia dos Quadrinhos

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Se lhe mostro uma sequência de fotogramas, depois digito e lhe exibo e/s/t/a// s/é/r/i/e// d/e// c/o/n/s/o/a/n/t/e/s//e//v/o/g/a/i/s, além de uma tira numa revista de h/i/s/t/ó/r/i/a/s//e/m// q/u/a/d/r/i/n/h/o/s, você terá vivido três experiências semelhantes.

Os gibis e o cinema funcionam com idêntica magia (ainda maior) da escrita — que se processa em sua mente, não fora dela — como se vê neste trecho:
L/a/n/c/e/l/o/t ar/r/e/m/e/s/s/a o m/a/c/h/a/d/o, q/u/e s/a/i g/i/r/a/n/d/o n/u/m v/ó/r/t/i/c/e a/t/é e/n/c/r/a/v/a/r-s/e n/o p/e/i/t/o d/e M/o/d/r/e/d/:
T-C-H-U-D!
- H-u-h!

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Nosso cérebro, além de capaz de ler qualquer combinação de sinais que obedeça a uma convenção – como os de uma partitura, de uma equação num complexo cálculo de Einstein, de hieróglifos egípcios, de uma página em braile, tem o dom de recriar tipos, sons, locais e acontecimentos a partir de poucos dados que lhe sejam fornecidos. Jean Valjean, por exemplo, personagem principal de Os Miseráveis de Victor Hugo, é preso por roubar um pão, foge da penitenciária, sofre várias transformações para melhor e muda o nome para Madeleine, terminando prefeito de Montreuil-sur-Mer, sempre perseguido pelo Inspetor Javert.
literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Além dessa sinopse, a única descrição física desse homem excepcional é dita de passagem quando ele ainda está nas galés:

Um miserável doué d'une force herculéenne, d/o/t/a/d/o//de//u/m/a// f/o/r/ç/a// h/e/r/c/ú/l/e/a.

Todo leitor do romance, no entanto, vê esse personagem durante a leitura. Cada um de um modo diferente, mas o vê. Se você é Billie August e vai adaptar o livro para o cinema, imaginará Jean Valjean como Liam Neeson. Se é Jean-Paul Le Chanois e vai fazer a mesma coisa, vê-lo-á como Jean Gabin. Se é Josée Dayan, seu ator será Depardieu. Se é Tom Hopper, o homem será Hugh Jackman – bastante conhecido por sua figura anterior, como Wolverine.

Mais uma prestidigitação mental:

Certa vez, lá pelos anos 50, quando eu era menino em Sorocaba, interior de São Paulo, estava contando um filme para outros pirralhos, quando usei um termo típico da região:

— Aí o Gary Cooper viu que tinham de bater em retirada, parou o cavalo, virando-se pros companheiros e gritou: Piniquemos!

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
A coisa me perturbou: como se dera a tradução para o nosso “dialeto”, na minha narração? Agora mesmo, quase setenta anos depois, procuro no Aurélio, no Houaiss, no Lello e na internet a definição de pinicar, e, de repente – Ah! – ela aparece com a acepção de esporear, pinicar o cavalo com as esporas – coisa lá do Sul – o que explica tudo. Mas continuo inquieto: O que acontece na nossa mente quando lembramos – como se fosse nacional — um filme legendado?

Veja narrativa igual, só que hilariante, de um filme, feita pelo Jessier Quirino imitando um matuto:

— O bandido isfregô o dedo na cara dele assim e disse “Num sei que lá, num sei que lá, num sei que lá, num sei que lá, seu fila da p***!!!”

Tu tá pensano que o artista teve medo? Oxe! Amarrado com imbira, do jeito que tava, ficô muito do tranquili, olhô assim pro bandido e disse: “Num sei que lá, num sei que lá, num sei que lá o c****!”

E aí está a resposta que eu procurava: reencenamos o que contamos para nosso pequeno ou grande público, quando contamos um filme. Fazemos nossa versão da história, com a mesma criatividade com que nossa mente vai transformando em imagens o texto que lê, ou... vemos movimentos onde eles não existem.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
A psicologia da Gestalt – “Forma” (Max Wertheimer, Wolfgang Köhler e Kurt Koffka ) - tem uma frase célebre: O todo é mais do que a soma das partes que o constituem. Isso pode ser exemplificado com a junção dos ítens “casinha”, “riacho”, “coqueiro” e “sol” formando uma quinta coisa, que é a “p/a/i/s/a/g/e/m”. Era o que Eisenstein chamava de montagem de atrações: se você põe uma mulher de preto junto a um túmulo, diremos “V/i/ú/v/a”. Se põe um homem, uma mulher e uma criança juntos, diremos “F/a/m/í/l/i/a”. Foi assim que alguém da Mesopotâmia, há milênios, olhou para o céu numa de suas noites de vigília, viu um curioso grupo de estrelas, ligou os pontos - como num quebra-cabeças - e anotou:

— E/s/c/o/r/p/i/ã/o.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Bem,na mesma época do Piniquemos eu já me encafifava com o fato de sentirmos as narrativas veiculadas através dos quadrinhos com a mesma fluência obtida pelas letras nos livros e pelos fotogramas no cinema. Como que para confirmar a identificação, muitos cineastas se servem do storyboard — espécie de quadrinização esquemática dos roteiros - para visualizar melhor as cenas que têm de rodar. Veja dois dos desenhos do storyboard que fiz para o curta metragem A Canga, de Marcus Vilar, mostrando o momento em que eu, no papel do velho camponês, estalo o chicote e grito “Zefa!” — para a mulher, que ouve o berro, desamparada.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Falta ao storyboard, evidentemente, a intenção de alcançar um leitor não envolvido na história. Os desenhos, aí, são um meio, não um fim. Nas histórias em quadrinhos, além de maior acabamento, surgem acessórios vitais para a sensação de realidade que nos quer passar, como os balões para conter falas e pensamentos dos personagens...

... além das onomatopéias, que funcionam como as trilhas sonoras no cinema, na produção de ruídos.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Somos, assim, induzidos a “assistir” às narrativas quadrinizadas... como se fossem filmes, romances. Mas como seus autores conseguem isso? Voltemos à psicologia da Gestalt. Ela descobriu que a mente, se colocada ante imagens semelhantes estrategicamente combinadas, interpreta-as como sendo uma só e vê movimento nessa “imagem única”. Se você fizer um vai-e-vem com os olhos, de uma para outra ave, nas fotos abaixo, verá as duas como se fossem uma só, abrindo e fechando as asas.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi

É o que acontece com as duas esquadrilhas nas fotos combinadas abaixo (colhidas em dias e locais diferentes), montadas como sendo de um mesmo voo rasante, ficando realçada, na segunda, toda a velocidade do grupo:

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi

Há sempre uma relação poderosa, nos gibis, entre causa e efeito, numa sequência que nos arrasta com ela. Quem já não viu o baixote Billy Batson gritando “Shazam!” num quadrinho, o raio estrondando no outro, o alto e forte, invulnerável e voador Capitão Márvel surgindo no terceiro, e não entendeu a transformação?

Os recursos já criados e a criar, no gênero, são infinitos. Às vezes as duas partes da ação vêm num quadrinho só, dividido em dois – causa e efeito - como neste, isolado, ampliado e reproduzido em famosa tela de Lichtenstein:

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Veja, na breve sequência abaixo, como a identidade com o cinema é total. Einstein escreve sua famosa fórmula, no primeiro “quadrinho”e, no seguinte, o close a completa e realça.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi

Algo como se, em cena aberta, Robin, o garoto prodígio, dissesse, abatido, Esse cara torra dinheiro como se ele desse em árvore, ao que Batman responde: Não em árvore, Robin... e o close nos leva à importância do que ele fala a seguir: mas num pé de coca.

Montagens como essas – com imagens separadas - são conhecidas no cinema por externas. Um quadrinho raramente existe sem um anterior e outro, posterior, a não ser o primeiro e o último de uma história. Mas há, também, igualmente importantes, os quadrinhos com montagens internas. Como no cinema. É belíssima a cena em que Scarlett O´Hara para, horrorizada , em ...E o Vento Levou, no pátio da estação ferroviária, aonde fora a fim de conseguir socorro médico para a parturiente Melanie, e – no que a zoom começa lentamente a recuar – descobrimos que a heroína está entre milhares de feridos e mortos pela Guerra da Secessão – o afastamento terminando por enquadrar a causa de tudo, a bandeira confederada drapejando com um rumor de fogo, estalando ao vento, no alto de um edifício!


Veja o final dos quadrinhos de Terry e os Piratas. Repare nos cortes no tempo, na primeira série, e o quadrinho maior, largamente panorâmico, montagem externa junto de outra, interna, que fizeram Milton Caniff famoso.

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Essa força interior é o que mantêm vivos os grandes quadros. Veja o Guernica. O que há numa representação única, imóvel, como essa, pra causar tanta impressão, num mundo em que a imagem em movimento se tornou absolutamente soberana? A resposta me veio de minhas aulas de pintura recebidas na adolescência: no caminho do olho:

Que caminho?

Eu mostro. Eis que você chega, com vários outros visitantes, ao Guernica - imponente por trás de uma espessa placa de vidro a prova de balas - nos seus 3,50 X 7,82 m.


Aproximando-se, seus olhos, de imediato, são atraídos por uma série de detalhes: pela lâmpada que explode em luz, no alto, simbolizando o horror e o absurdo do bombardeio pesado da Lutfwaffe sobre o lugarejo, pelo cavalo que relincha, enlouquecido, sob ela, pela cabeça do touro, mais à esquerda, acima da mulher que grita prostrada, com o filho nos braços, pelo cadáver no chão, segurando a espada quebrada, pelo homem que brada aos céus, no lado direito, pela figura que acorre com o candeeiro, em movimento para o centro da tela, pelo homem que cai de joelhos, no núcleo do quadro, olhando para a lâmpada acesa, e voltamos a recuar para o conjunto, agora inteirados da força de todos os seus detalhes.

O Guernica é um thriller em quadrinhos!

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Mas o caminho do olho não existe apenas em fotos e na pintura. A escultura - como a arquitetura - não sobrevive sem ele. Ela obriga não apenas seus olhos, mas você a se mover ao redor dela, a se aproximar e a recuar... para vê-la mais e melhor Ninguém resiste, por exemplo, ante O Rapto de Prosérpina - maravilhoso mármore de Bernini - ao desejo de ver de todos os ângulos possíveis os efeitos da pressão dos dedos de Plutão na carne... “macia”... da jovem deusa:

literatura paraibana quadrinhos cinema linguagem comunicacao sketches arte grafica gibi
Eisenstein, em Reflexões de um Cineasta, cita todo o trecho de um texto de Leonardo, em que o mestre italiano descreve um minucioso... roteiro... para um quadro sobre o Dilúvio (jamais realizado), onde são previstos flagrantes do céu terrível, da borrasca, do vento, das árvores arrancadas pelo vendaval e pelas enxurradas, prevê flagrantes das inundações, dos animais acuados pelas águas, dos homens e mulheres desesperados, dos gritos, das lutas mortais por espaço, das embarcações naufragando, etc, etc. Trata-se – diz o diretor do Couraçado Potemkin - de uma extraordinária folha de montagem, com a finalidade de determinar a trajetória do futuro movimento na superfície da tela.

OK. Por hoje chega.

Em tempo: nós todos vivemos numa história em quadrinhos!


comente

leia também