Manhã logo cedo, ao cheiro da brisa, marulho suave soando ao longe, eis que as frutas convidam ao sabor. O mamão já maduro denota na casca...

Lições da manhã

manha licao cotidiano poesia
Manhã logo cedo, ao cheiro da brisa, marulho suave soando ao longe, eis que as frutas convidam ao sabor. O mamão já maduro denota na casca alguns dos vestígios que o tempo lhe imprime. A primeira impressão é de rejeição. A casca engelhada, a pele enrugada, da fruta ou do rosto, podem causar surpresa ou desgosto.

Mas ledo é o engano. As marcas do tempo também são alento à compreensão de que este fenômeno é tão grandioso, em todas as formas de vida ou de morte. E o que é a morte, senão a passagem, a transformação que ora observo? Na mão, o mamão, que agora descasco, revela o mistério nas muitas sementes que são outro exemplo da vida em percurso. E dessa lição, outra visão passamos a ter daquilo que está sempre a mudar.

Depois veio a manga, cheirosa e madura, que pude sorver entusiasmado de amor e prazer. Por fim seu caroço, coberto de fibras que eu as sugava com todo ardor. Sentindo-o nas mãos, olhei encantado. Vendo que ali, naquela semente, havia uma árvore, inteira e frondosa, pronta a nascer e depois florescer. E assim percorrer os turnos da vida, tal é a Lei.

Assim como as fibras que eu degustava seguiam seu curso, rumo a meu sangue, com os nutrientes que se mudariam em pele, cabelo e todas células. Tão quanto a energia vital que emanava daquele vigor em meio ao sabor.

Refeito do instante, então matinal, de gosto frugal, descerro a cortina e abro a janela. No meio do mato, avisto, surpreso, as flores do cacto que brilham amarelas ao lado de espinhos. E eis que aparece no belo cenário um beija-flor, pronto a beber do néctar em flor. Se arrisca no beijo, sem medo algum, suave e feliz, voa dançando aqui e acolá.

Então os espinhos, que ali expressavam um certo temor, assim como a casca daquele mamão passado na mão, mostravam agora que tudo é perfeito quando é percebido com o mais puro amor.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Amado amigo Germano, um poeta apaixonado pela vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Sheila. Não sou muito entendida de redes sociais e saiu como anônimo

      Excluir
  2. José Mário Espínola16/5/22 00:03

    Excelente crônica!
    Deliciosa.
    Sábia.
    Sensual

    ResponderExcluir
  3. Obrigado aos estimadíssimos amigos Sheila Turczinsky e José Mário Espínola

    ResponderExcluir

leia também