O fanatismo se assemelha à burrice. Forte a expressão? Claro que não, é a pura verdade. O fanático age na irracionalidade, é prisioneiro de...

Que o fanatismo não sobressaia à razão

fanatismo

O fanatismo se assemelha à burrice. Forte a expressão? Claro que não, é a pura verdade. O fanático age na irracionalidade, é prisioneiro de obsessões provocadas pela falta de discernimento, não mede as consequências no que faz e no que diz.

Essa manifestação de comportamento é muito comum por motivações de ordem religiosa, política, esportiva, artística, etc. O fervor excessivo na defesa de uma ideia, de uma opinião, de uma causa, ou por qualquer coisa de forma insistente, revela-se um radicalismo. Essa posição extremada de atitude leva o fanático a ausência de ponderação quando se faz necessária, a falta de respeito para com pessoas do seu convívio no dia a dia e o desprezo até do amor próprio.

Os fanáticos teimam em não querer pensar
O problema é que resistimos a fazer uma autoanálise quando nossos procedimentos assumem a característica do fanatismo. A paixão cega pelo que defendemos e acreditamos nos impede de encontrar a humildade para admitirmos as divergências, o contraditório, os pontos de vista discordantes. Alcançamos um estágio de exaltação exagerada em que nos achamos donos da verdade, senhores da razão.

O fanatismo é responsável, muitas vezes, pelo cometimento de atos insanos, transtornos mentais, desvio de personalidade. Ter a consciência dos seus sintomas ajuda a frear os ímpetos da intolerância, os impulsos da intransigência, a resistência em aceitar o pensamento contrário. Uma coisa é defender uma ideia, uma causa, com entusiasmo, com perfeito conhecimento do que faz, com convicção; outra coisa é deixar que a paixão se sobreponha à razão e cause cegueira na visão do mundo, numa ótica maniqueísta de que a verdade está no seu pensamento.

Há quem veja esse estado psicológico como uma manifestação de necessidade das pessoas inseguras se sentirem fortalecidas, buscando uma compensação por sentimentos de inferioridade. Porém revela-se um distúrbio que, geralmente, traz prejuízos à sociedade, quando as crenças se tornam mais importantes para a sobrevivência do que a razão. Os fanáticos teimam em não querer pensar, assumindo deliberadamente posições próprias da alienação. Por isso mesmo é que devemos ter sempre a consciência de que precisamos policiar nossas emoções, de forma a que não nos deixemos ser influenciados pelas paixões irrefletidas.


Rui Leitão é jornalista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também