A Escola rudimentar mista de Confusão foi criada no Governo de Oswaldo Trigueiro, por iniciativa do vice-governador José Targino, em 1947. ...

Minha escola rural


A Escola rudimentar mista de Confusão foi criada no Governo de Oswaldo Trigueiro, por iniciativa do vice-governador José Targino, em 1947. Tornou-se possível porque minha mãe, Miriam Bezerra de Oliveira Castro, tendo concluído o Curso Ginasial (5 anos), residia na Fazenda Confusão, que pertencia ao meu avô, José Leão Carneiro da Cunha. Esta circunstância favoreceu à criação da Escola, pois seria impraticável a outra professora qualificada deslocar-se para a serra, tão difícil era o acesso, tão inóspita era vida rural e tão insignificante o salário.

As instalações foram cedidas pelo meu avô: um salão, na casa anexa à nossa residência. O mobiliário era constituído de duas mesas compridas, bancos laterais e tamboretes, tudo de uma simplicidade franciscana.

Além da mobília rústica havia um pequeno quadro que minha mãe chamava de lousa. Era o único recurso disponível, com o giz adquirido pela professora.

Um trabalho de conscientização junto aos moradores da sede e das propriedades adjacentes garantiu a significativa frequência, mesmo nos períodos de safra.

Do primeiro ao quarto ano primário fui aluna desta escola que influenciou decisivamente a minha visão de mundo e mudou o destino de muitos filhos de trabalhadores rurais , moradores de meu avô e de outros proprietários vizinhos, como Abelardo Targino da Fonseca (seu Fonsequinha).

nem mesmo os grandes homens podem conter o sistema apodrecido
O idealismo da professora compensava o que pudesse ser precariedade. O ensino mantinha o nível de conteúdo orientado pela Secretaria de Educação do Estado. Todos os anos minha mãe viajava à Capital para receber os programas e livros correspondentes às diversas séries. E desenvolvia integralmente com os alunos estes conteúdos, atendendo, no mesmo horário, diferentes séries.

Mas a escola não se limitava às aulas. Havia toda uma programação de atividades que complementavam o profundo sentido de educação.

As datas cívicas eram comemoradas com verdadeiro ardor. Marchávamos ao redor do terreiro, entoando o Hino Nacional, bem como da Independência e da Bandeira, de acordo com a data. Esses hinos vinham impressos em nossos cadernos e decorávamos, com consciência, porque todos eram interpretados na Escola. E não me lembro de outra fase da vida em que meu coração batesse tão forte pelo meu País.

araruna
Paróquia de Araruna
Os domingos eram dedicados à catequese. Sendo filha de Maria, desde o internato Nossa Senhora das Neves, a professora Miriam Bezerra de Oliveira Castro organizava, anualmente, a festa da primeira comunhão dos seus alunos. Contava com o incentivo e decisiva colaboração do Monsenhor Severino Cavalcanti de Miranda, da Paróquia de Araruna, que se deslocava para a Fazenda Confusão, onde celebrava a santa missa, batizados, casamentos e a festiva primeira comunhão.

Toda a vestimenta das crianças era confeccionada pela professora que também angariava doações para este fim.

Após a missa, cantada pelos alunos, havia a confraternização em torno de uma farta mesa de café servida aos presentes. Vivenciávamos, verdadeiramente, o estado de graça.

Sem aviso prévio, a Escola recebia, anualmente, a visita do inspetor de ensino João Freire Nóbrega que deixava escrita sua avaliação. Eram sempre palavras de justo elogio à dedicação extrema com que a professora conduzia seu trabalho. Em agosto de 1948, ele registrou no livro de atas:

Araruna
Prof. Miriam Bezerra de Castro
“Visitei, nesta data, a presente escola regida pela professora Miriam Bezerra de Oliveira Castro. Verifiquei a marcha dos trabalhos, aproveitamento dos alunos, etc., colhendo de tudo a melhor impressão possível. É extraordinário o aproveitamento dos alunos, asseio e ordem nos trabalhos, merecendo assim, a professora todo elogio. A matrícula geral é de trinta e nove alunos e estavam presentes trinta e quatro. Confusão, agosto de 1948. João Freire Nóbrega – Inspetor de Ensino”.

Ter sido aluna desta escola durante os quatro anos do curso primário representa, sem dúvida, uma das mais ricas experiências de minha vida. Sentar ao lado dos moradores de meu avô, tê-los como colegas de estudo e de brincadeiras foi a maior de todas as lições, pois me incutiu o respeito pelas pessoas, independente da classe social a que pertencem. Vejo também que esta Escola simples e eficiente plasmou o meu conceito sobre educação e sobre os valores essenciais que determinam o processo ensino-aprendizagem.

araruna
Pedra da Boca
Em minha experiência como Secretária Adjunta de Educação do Estado, quanto me doía a obrigação de atender às exigências do BIRD (Banco Interamericano de Desenvolvimento), construindo escolas enormes e suntuosas. Quando eu sabia, com a mais absoluta convicção, que a “alma” nas escolas é tudo. Que somente professoras competentes e motivadas podem realizar o milagre da educação.

Saí da “Escola rudimentar mista de Confusão” para prestar exame de admissão em Olinda, no Colégio Santa Gertrudes, de orientação alemã e grande tradição pedagógica. Obtive o “segundo lugar”, na classificação geral, comprovação de que minha escola rural nada ficava a dever ao prestigioso educandário pernambucano.

Em agosto de 1951, a visita de um novo Inspetor de Ensino. Os mesmos elogios no livro de Atas. E, logo a seguir, a transferência insólita da professora para a propriedade Tanques, no município de Bananeiras. Fora exigência de um cabo eleitoral.

É evidente que as condições materiais não permitiam que a professora assumisse o novo lugar, ainda mais porque, na propriedade Tanques não havia escola.

Este desfecho é o exemplo emblemático do tratmento que os políticos dispensam à educação. Era o governo de José Américo de Almeida, mas nem mesmo os grandes homens podem conter o sistema apodrecido onde predomina a politicagem.

Não são diferentes os tempos de hoje, mais de meio século depois.

(No livro “As Raízes do Ensino em Araruna”, Humberto Fonsêca de Lucena, páginas 84 a 87, e 89. Edições FCJA, João Pessoa, 2004)


Ângela Bezerra de Castro é professora e crítica literária
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. a implementação de escolas pelo Brasil afora, de maneira bastante esparsa, lenta e circunscrita basicamente a áreas de polarização politica dentro de um país predominantemente rural como o Brasil dos anos pós-trinta, foi precedida aqui acolá por investidas heróicas de sonhadores, tal qual se deu na minha terra, Teixeira-pb, onde primeiramente um grupo de autodidatas das familias Batista, Fragoso e Ramalho se reuniu no lendário sitio Riacho Verde - berço da cantoria de viola e da produção de folhetos -, aí pela segunda metade do século XIX, para criar uma primeira escola de alfabetização e educação posterior, a coisa funcionando basicamente a partir do esforço de todos. Os antigos preceptores que visitavam fazendas para passar, temporariamente alguns conhecimentos a filhos de fazendeiros, começavam a sumir do horizonte nos anos finais do Império. Na cidade, o feito ficou por conta da professora Esmerina Dantas, uma entusiasta da cultura européia e abnegada da leitura, que mediante pequeno salário, dava o máximo de si, com o entusiasmo próprio das mulheres que se encontram com seu antigo mister aldeão e neolítico de passar a educação para os filhos. As mulheres saiam, finalmente, de casa, en sentido figurado. Alguns anos depois, minha mãe se tornaria professora, e lembro que ela ministrava entre outras coisas como matemática e portugués, as artes da Caligrafia e da declamação poética. Criou-se o Grupo Escolar Dr. Manoel Dantas no governo de Oswaldo Trigueiro e a construção do prédio não podia ser melhor nem mais robusta, nem mais bem localizada. Estudei lá. Nunca houve um professor do sexo masculino ali. contando os dois turnos de3 funcionamento, um plantel em torno de 10 professoras dava conta da alunada.


    ResponderExcluir
  2. lembrando também a participação da familia Nunes.

    ResponderExcluir

leia também