Ontem à noite, o caminhão do lixo passou na rua onde moro. Dessa vez, observei-o com outros olhos. Sem o ronco de outros motores, pude fixa...

Reflexões em tempos de pandemia

ambiente de leitura carlos romero paulo emmanuel moraes rodrigues gari coleta de lixo coletor lixeiro coronavirus pandemia injustica social

Ontem à noite, o caminhão do lixo passou na rua onde moro. Dessa vez, observei-o com outros olhos. Sem o ronco de outros motores, pude fixar-me no lento percurso do veículo de coleta. Os novos tempos do Coronavírus ensinam que os agentes de limpeza desempenham um serviço essencial, tão ou mais relevante do que o meu, que pode ser realizado remotamente.

De repente, vejo o quanto é importante o trabalho dos nossos colegas. Imagino a crise sanitária e ambiental que causaria uma paralisação das atividades destes profissionais.
ambiente de leitura carlos romero paulo emmanuel gari coleta de lixo coletor lixeiro coronavirus pandemia injustica social
O mundo inteiro se abarrotando de entulhos, detritos e de resíduos com agentes biológicos nocivos.

Percebo, de igual modo, que a faina dos balconistas de farmácia e de supermercado, dos cuidadores de idosos, é mais importante do que a minha.

O vírus infectou os valores do capitalismo, religião que salva uns poucos e que condena bilhões ao inferno da fome e da degradação. Pouco nos lixamos (o verbo foi proposital) para o trabalho de nossos semelhantes.

Os coletores de resíduos mostram (sem que nós nos sensibilizemos) que o asseio maior a que devemos nos propor é o da alma. A humildade (o húmus) com que eles exercem o ofício evidencia que a sujeira maior está em nosso espírito, cheio de preconceitos e de arrogância (húbris).

Sem me pretender profeta, há algum tempo imaginei que o mundo poderia, a qualquer momento, sofrer a invasão de um vírus, mas um virtual, que contaminasse todo o sistema de informática e paralisasse todas as máquinas do planeta. Não pensei que a infecção fosse letal. E tão real o quanto é o amor, que é a negação da morte. O amor, que não admite impureza, assim como os profissionais que passam por minha janela varrendo a sujeira do mundo.


Paulo Emmanuel é servidor público, graduado em letras e poeta
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também