Poema urgente Não que seja este Meu último poema, Ou talvez seja! Quem sabe da vida? Quem sabe da morte?

Tempo de urgência


Poema urgente

Não que seja este
Meu último poema,
Ou talvez seja!
Quem sabe da vida?
Quem sabe da morte?

ambiente de leitura carlos romero volia loureiro do amaral poesia
Este, porém,
Tem a urgência
Da terra que espera a chuva.
Este tem a pressa
Do bater das asas do colibri.

Nesse tempo tão incerto,
Tão fechado,
Tão deserto,
Preciso é deixar o coração falar.

Preciso é deixar que a poesia
Sopre como brisa mansa,
Porém que seja gravada
Com fogo sobre a rocha,
Para que o coração ainda pulse,
Nesse tempo de urgência.




Poema desastrado

Fiz um poema desastrado,
De rima torta ,
De versos brancos,
De letra morta.

ambiente de leitura carlos romero volia loureiro do amaral poesia
Fiz um poema desastrado
Saído de um coração cansado.
Escrito assim em papel velho,
Nas horas vazias do dia.

Fiz um poema desastrado,
A falar do amor antigo,
A lembrar do abraço amigo,
De quem quer estar contigo.

Fiz um poema desastrado,
Que nasceu fora do tempo,
Escrito fora de hora,
Enquanto chovia lá fora.

Fiz um poema desastrado,
Em desabafo de alma sofrida,
Era só um devaneio,
Leitura pra ser esquecida.

Fiz um poema desastrado,
Que não queria falar de amor,
Tentei versejar outros versos,
Mas só sabia escrever o quanto te amo.


Vólia Loureiro do Amaral é engenheira civil, poetisa e escritora
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também