Outro dia, vi o anúncio de um lindo prédio. Sim, digo lindo porque estava todo iluminado com fachadas imponentes que impressionavam. As jan...

Aquela música

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana alaurinda de oliveira padilha romero saudades intuicao mediunica culto jardim

Outro dia, vi o anúncio de um lindo prédio. Sim, digo lindo porque estava todo iluminado com fachadas imponentes que impressionavam. As janelas de esquadrias de alumínio galvanizado, com vidros por toda parte, pareciam blocos de gelo.

O jardim era ornamentado com cactos e seixos brancos. Tudo muito clean, minimalista, para dar a sensação de amplitude ao espaço. Os apartamentos mais altos eram os mais caros, porque estavam mais próximos do céu. Lembravam gaiolas aéreas.

No hall de entrada, os elevadores pareciam naves espaciais. Não vou mais contar porque já estou me sentindo mal, só de pensar nas alturas.

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana alaurinda de oliveira padilha romero saudades intuicao mediunica culto jardim
Fui para o nosso pequeno jardim respirar um pouco de ar puro, com cheiro de terra molhada. Conversei com as flores, às quais agradeço todas as manhãs. Tirei as sandálias e, com os pés na grama, abracei o Flamboyant que plantamos juntos, Carlos e eu. A grande árvore estava toda vestida de vermelho, contrastando com as boas-noites brancas que floresciam por entre a grama. Tudo de graça para nos presentear.

Que maravilha da natureza! Não precisei de elevadores para subir tão alto e desfrutar este céu tão lindo e imenso que estava dentro de mim. Olhei para cima e agradeci a Deus.

Nesse exato momento, ouvi a voz de Carlos: "Lauinha, meu anjo, vamos entrar. Lá dentro também temos o nosso paraíso".

Entramos. Carlos, em seu gabinete, começou a digitar aquela crônica. E eu, em nosso quarto, apanhei meu violino e toquei aquela música!


Alaurinda Padilha Romero é violinista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Assim mesmo Alaurinda.
    Tudo ao alcance dos nossos pés e mãos, podemos abraçar tudo , sentir e amar a tudo e a todos , as vezes até nos curvamos para o abraço .
    Belo texto .
    Vida que gera vida .
    Abraços .

    ResponderExcluir
  2. Assim mesmo Alaurinda.
    Tudo ao alcance dos nossos pés e mãos, podemos abraçar tudo , sentir e amar a tudo e a todos , as vezes até nos curvamos para o abraço .
    Belo texto .
    Vida que gera vida .
    Abraços .

    ResponderExcluir
  3. Uma linda comunicação transcendental!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Irenalfo Quintana! Foi apenas um momento de saudade! Sbraços!🌷

      Excluir
  4. Linda e inspirada composição de palavras, compondo uma ode à natureza.
    Belíssimo texto!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, José Mario Espínola! Suas palavras me sensibilizaram. Foi apenas um momento de saudade.🌹

      Excluir
  5. Ângela Bezerra de Castro15/9/20 20:41

    Um sonho acordada ou a memória de um instante eterno. Aquele que durou uma fração de segundo, mas com tal intensidade que nenhuma força o resgata. É o que Alaurinda reconstitui de forma tão despojada e cheia de sentimento. Daí a beleza que comove.

    ResponderExcluir
  6. Profª Ângela , as suas palavras muito me comoveram. Que bela e lúcida interpretação num texto tão simples que fiz num momento de saudade. Como você disse: bem : " foi um instante eterno" Um grande abraço, querida Ângela!🌹

    ResponderExcluir
  7. Achei Incrível a descrição dos detalhes, de uma forma tão bonita e grandiosa! A descrição de tudo é tão maravilhosa, que se consegue imaginar cada detalhe. Chega-se até a sentir-se o cheirinho da terra molhada! Isso é de fato maravilhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é gostoso é gratificante ouvir tão lindas palavras! Obrigada, querida pessoa " Unknown"

      Excluir
  8. Querida, Pepita, a flor que anda, com me comoveram as suas palavras! Obrigada, amiga!🌹🙏

    ResponderExcluir
  9. Mercedes Ribeiro Pessoa Cavalcanti18/9/20 20:47

    O texto de Alaurinda é delicado e pulcro como a sua alma. Em dado instante, viajei na singeleza extasiada que a natureza descortina, e pareceu-me divisar a vastidão imersa em ternuras de um sorriso: o sorriso de Carlos Romero.

    ResponderExcluir
  10. Que linda crônica, e ainda mais linda é a pessoa que escreveu. Belas lembranças, e escritas com uma sensibilidade imensa. Saudades mil beijos, Lau, de Raissinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raissinha, minha linda. Você não sabe o quanto suas palavras me sensibilizaram. Um grande beijo , minha querida!🌹🎻💋

      Excluir

leia também