Alguma coisa mudou, realmente. Falta apurar por conta de quem ou de quê, mas que mudou, mudou. O Pantanal pegando fogo; a Amazônia queima...

Estarei vendo coisas?

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues saudade historia rio de janeiro governo joao azevedo paraiba

Alguma coisa mudou, realmente. Falta apurar por conta de quem ou de quê, mas que mudou, mudou.

O Pantanal pegando fogo; a Amazônia queimada, revirada e pelada; a capital do Império, da República, de todas as culturas, o Rio, virou antro sem trégua de ladrões públicos...

São Paulo, quem era São Paulo? Não falo da locomotiva, carregando o país desde que se tornou, com Minas, celeiro do café, dando o salto seguinte para a matriz industrial de todo um continente. Anda encolhido, sem voz no governo, sem povo na rua antes mesmo da pandemia.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues saudade historia rio de janeiro governo joao azevedo paraiba
São Paulo / Luiz Coelho
Minas, quem está falando por Minas? Era o que ela tinha de mais saliente depois da Era do Ouro – seu discurso, rivalizando com o de José Bonifácio no Império e com todas as lideranças novas e velhas da República, até mesmo para sufocar a democracia com o se deu com sua demão nos golpes de 30 e de 1964.

E o Sul? Pena que não haja mais o doce “Similares”: eu daria um deles a quem me disser como se chama hoje o líder do Rio Grande. Até fins do ano passado estava pagando salário atrasado a seu funcionalismo. Borges de Medeiros, Getúlio, Jango e Brizola virando a fronte para o fundo raso da cova.

O Rio?... Não, não falemos do nosso melhor cartão postal paisagístico e humano, capital da alegria brasileira. Alegria e humor crítico.

Esse Rio só existe nas novelas da Globo. Não perco uma, nem tanto pelo enredo, mas para cortejar o que ainda resta de amável na capital cultural do país, cercada de barracos: a leveza de gestos, a ginga e o linguajar do mesmo encantamento da montanha. É o único lugar fora a Paraíba que me fazia bem. Hoje, como se vê, quem quiser audiência com um governador ou ex-governador do Rio tem que se encaminhar a algum presídio. O Rio, que mesmo o fazendo sofrer, foi a redenção do nosso Augusto dos Anjos, contra a vontade dos seus poetas de então.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues saudade historia rio de janeiro governo joao azevedo paraiba
Beckstei

Mas nem tudo mudou para o pior. O Nordeste das secas, de uma aridez na qual pouco restava em que pegar fogo, já não espera hoje pela esmola do imperador. Depois que a emergência dispensou o êxodo e se prestou a domicílio, a partir daí começou a mudar. Descobriu-se que os ambulantes, os desempregados ou trabalhadores informais podiam viver às suas custas, formariam o seu próprio mercado, e a desigualdade ficou menos afrontosa. Há mais de dez anos que a Paraíba paga seu funcionalismo em dia. Levanto esta ficha por ser, historicamente, o índice mais expressivo de como vamos.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL

COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também