“O senhor tem uma casa para alugar em Mussumago?”… Se não conhecesse o nome do bairro, pensaria em algum lugar distante, além-mar… ou mesm...

Ligação errada, nem tanto

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana germano romero ligacao telefonica engano chamada errada celular trote paciancia gentileza solidariedade
“O senhor tem uma casa para alugar em Mussumago?”…

Se não conhecesse o nome do bairro, pensaria em algum lugar distante, além-mar… ou mesmo em um engano. Mas já não é tempo de trotes telefônicos. A identificação visualizável de qualquer chamada os afugentou. Ademais, o tom de voz parecia sincero.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana germano romero ligacao telefonica engano chamada errada celular trote paciancia gentileza solidariedade
Andrea Piacquadio
“São vocês que têm um apartamento para alugar na principal dos Bancários?” “Não, minha senhora, não é conosco”. “Mas, está aqui no Google”... Sucederam-se outras e outras ligações com o mesmo assunto. Definitivamente o meu número fora divulgado equivocadamente no mercado imobiliário. Houvesse sido pelo menos para anunciar projetos de arquitetura…

A ocorrência amiudou-se e tornou-se incômoda, às vezes inconveniente. O que fazer? O monsieur Google é inabordável, como certos doutos egocêntricos, e a ele se atribuía a fonte de informações que se direcionavam ao número de meu celular. Não havia outro dado que pudesse inspirar uma solução. Quando perguntava como conseguiram o contato, todos diziam ter visto um site de vendas e aluguel do tipo OLX, BTX, MGR… Sem mais referências telefônicas ou de endereço.

Já se percebia um certo mau humor na reação que eu esboçava ao atender, dada a assiduidade com que os telefonemas aconteciam. Mas era interessante notar a diversidade das reações. Umas compreensivas, outras deseducadas, algumas insistentes, pareciam não entender o equívoco, talvez com esperança de que eu pudesse ajudar.

Só me restava a paciência, segundo Carlos Romero, a virtude mais sábia. Lembrei-me também de uma frase do pai da boadrasta Alaurinda, Manoel Padilha: “Faço todo o possível para solucionar um problema que está a meu alcance. O que não posso resolver já está resolvido”.

A paciência não é apenas sábia, é mestra. Com sua ajuda, descortinou-se uma oportunidade de aprendizado e exercício de boas maneiras diante das ligações que não cessavam.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana germano romero ligacao telefonica engano chamada errada celular trote paciancia gentileza solidariedade
Andrea Piacquadio
“Alô, gostaria de informações sobre uma casa para alugar em Carapibus. É com o senhor?”. “Não, minha senhora. Infelizmente o meu número foi informado equivocadamente neste site. Me perdoe. Ainda não tive como corrigir. Peço-lhe sinceras desculpas”. Com este tom, era surpreendente a notável harmonia estabelecida no diálogo, que se tornava ameno e grato na reação às minhas escusas: “Imagine! Eu quem lhe peço desculpas. Tenha um bom dia e obrigado pela atenção”.

A ideia seguinte, de identificar o nosso celular como “escritório de arquitetura” também foi boa. Algumas pessoas coincidentemente eram do setor imobiliário, corretores, e concluíam satisfeitas em saber disso para, quem sabe, um futuro projeto. E o limão virou uma limonada.

Comecei a caprichar na delicadeza das respostas. Sempre tolerante, pedindo desculpas pelo equívoco, mesmo num caso em que a vítima era eu, merecedor de indulgência. E percebia a satisfação mútua grata e gratuitamente obtida no exercício da solidariedade. Como é bom fazer o bem, que retorna infalível no brotar da boa semente.

Decidi não mais procurar pela origem do engano a fim de solicitar reparo da confusão. O erro passou de incômodo a prazeroso. Agora tenho me deliciado com tais ligações, sempre pronto à polidez de um tom de voz suave, pacífico, compreensivo, amigável. Tudo o que as pessoas andam precisando, sobretudo nesta época de receio e apreensão, vivenciados pela epidemia que insiste em fazer parte do presente e do futuro. Sabe Deus...

A experiência vem sendo, de alguma forma, didática, em via de mão dupla. Valendo-nos do clichê, ocasionalmente permitido pelo professor Chico Viana, concluímos: “gentileza gera gentileza”. Verdade comprovada apenas por quem a pratica, por quem aprende e consegue fazer do limão a limonada. Outro saboroso clichê!


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Isso mesmo !! com a paciência..a gentileza gerada..!! acontecem coisas!!Já vivenciei isto~~ de uma falha de ligação e, um papo natural..ficou simpático e ganhei um amigo/cliente!!
    É o limão que vira limonada.
    Parabéns Germano👏
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. O Ambiente de Leitura Carlos Romero e a ALCR-TV agradecem aos leitores, autores e telespectadores pela prestigiosa participação, pelo compartilhamento, comentários sempre bem-vindos e convida a todos para que continuem nos prestigiando com sua importante e honrosa presença.

    ResponderExcluir

leia também