Certo jornalista de bom papo e excelente profissional (saudosa memória) me narrou o que passo a vocês agora. Bem conceituado como profissi...

O jornalista e a santa

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra candidatura academia api supersticao mulher dominadora devocao padroeira
Certo jornalista de bom papo e excelente profissional (saudosa memória) me narrou o que passo a vocês agora. Bem conceituado como profissional, com timbre nas melhores folhas da cidade, resolveu se candidatar a um assento na Associação Paraibana de Imprensa. Afinal, já dera suas respeitadas opiniões, fora repórter, com muitas passadas na redação, ao ar livre, e dispunha de currículo na imprensa local que lhe permeava a ser presidente da entidade da classe.

No quarto, onde aconchegava a privacidade com a mulher, após chegar do trabalho, esbaforido e irritado, ela de tolerância avultada. Fazia parte de alguma congregação religiosa, laçada pela fita do Coração de Jesus, o terço passeando ave-marias entre os dedos, o balbucio diante a imagem de Nossa Senhora das Dores.
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra candidatura academia api supersticao mulher dominadora devocao padroeira
M. Campos Felipe
Divergia, frontalmente, da arrancada do marido, posto entidade jornalística trazer-lhe muita responsabilidade, lhe surrupiar o tempo, mantê-lo mais atarefado. Nada bom; rogava a intercessão eficaz da Virgem, a quem tinha tanta devoção. Era um momento difícil. Ele, nem aí!

Some-se a isso, que o jornalista era ateu convicto. Para ele, a mulher estava estragando o latim e importunando a quem chamavam a Compadecida. Tolice. Mas, namorara e casara na Igreja, era amigo do pároco, jogavam juntos cartas e se deliciavam ao vinho não de missa.

Numa das vezes, ousou indagar ao amigo se a santa (o jornalista não sabia sequer a invocação) tinha qualificação para atender aos reclamos da sua cara metade. O clérigo deu a resposta óbvia: sim, que invadiu a expectativa do inquiridor, rasgou a página de esperança que estava imaginando escrever dentro dele: por amizade, o amigo de copo santo e de conversa leve, talvez facilitasse; e lhe afirmasse que tudo dependeria do humor da santa.

Qual nada! Voltou ao quarto, se deitou impaciente, resolveu se levantar para suspirar a brisa camarada da temperatura baixa. Quase derruba a imagem mantida, em porte médio, acordando a mulher que reclamou, chamando anjos e santos em lugar de impropérios.

O jornalista, já no alpendre, disse consigo: “Não ganharei a eleição”. E, de fato, corria até bem no puxar dos votos, mas, o adversário tomou a dianteira e o nosso amigo foi fragorosamente derrotado. Voltou para casa, o paletó ao ombro, fitando o chão e pensando em esmigalhar a santa fatal. Mas não fez isso. A padroeira das Dores não se negara à esposa fiel e devota. A santa merecia respeito – pensou. Quem sabe, com ateia devoção?!


José Leite Guerra é bacharel em direito, poeta e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Parabéns..José Leite Guerra👏👏👏muito bom texto.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também