Tive a felicidade de viver a fase de transição da adolescência nos anos sessenta, a década das transformações. O mundo experimentava mudan...

A Bossa Nova

ambiente de leitura carlos romero cronica rui leitao musica bossa nova tom jobim vinicius de moraes nara leao frank sinatra anos sessenta toquinho barquinho garota ipanema corcovado
Tive a felicidade de viver a fase de transição da adolescência nos anos sessenta, a década das transformações. O mundo experimentava mudanças em todos os sentidos. Os paradigmas eram quebrados. Os costumes eram alterados. Os conceitos questionados e reformulados. O sentimento de liberdade era o estímulo para o grito por renovação.

Dentre as mutações que se verificavam no mundo, uma delas era em relação à música. A novidade no Brasil era o movimento chamado “bossa nova”. O maestro Júlio Medaglia dizia que pela “bossa nova” se desenvolvia uma nova forma de expressão musical, o canto-falado, o cantar baixinho, quase coloquial.

Mesmo tendo seu início oficialmente considerado como datado de 1958, quando João Gilberto, a quem se atribuía a condição de pai da bossa nova, e Tom Jobim, lançaram o compacto simples com as músicas “Chega de Saudade” e “Bim Bom”, esse movimento ganhou força a partir de 1962, oportunidade em que surgiu “Garota de Ipanema”, que passaria a ser, como é até hoje, a música brasileira mais tocada no mundo. Esse gênero musical não tinha apelo popular, era preferido pelos intelectuais e pela juventude engajada politicamente.

Quem estava antenado com o momento de renovação da música brasileira adquiria discos de Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Baden Powell, Carlos Lyra, João Gilberto, Marcos Valle, Nara Leão, Toquinho, Roberto Menescal, Ronaldo Bôscolli, os grandes nomes da bossa nova. Nem será preciso dizer que era disco de vinil, formato em LPs e compactos simples e duplos.


Minha discoteca já possuía vários deles. Passava horas me deliciando na audição que me era proporcionada por sua execução na radiola de casa. Para os atuais, radiola era uma vitrola, um toca discos. São músicas que nunca morrem, se eternizaram, tais como "O barquinho", "Eu sei que vou te amar", "Corcovado", "Águas de março" e "Samba de uma nota só". A bossa nova ultrapassou nossas fronteiras, tendo sido cantada inclusive por Frank Sinatra.


O caráter intimista e rebuscado da Bossa Nova funcionou como uma recriação da MPB, o momento do samba moderno, sinalizando o principiar de uma nova era da música nacional. Ouvir as canções que marcaram o tempo da bossa nova não é saudosismo, é revelar-se um apreciador da boa música, perceber que a excelência musical não se perde com o avançar dos anos. Tudo que nasce a partir da genialidade, da competência, do talento, fica atemporal.


Rui Leitão é jornalista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Vivi intensamente esses momentos. Através de meus irmãos mais velhos vi a bossa nova chegar à Paraíba.
    Excelente texto, Rui Leitão!

    ResponderExcluir
  2. Efetivamente a música - atonal, como dizia o nosso Wills Leal, que autores e intérpretes, aliados a cineastas como Gláuber Rocha e Cacá Diegues e os biquínis de Leila Diniz e Helô Pinheiro provocou uma revolução cultural que se universalizou e perpetuou, como marca indelével da "malemolência brasileira".

    ResponderExcluir
  3. O Ambiente de Leitura Carlos Romero e a ALCR-TV agradecem aos leitores, autores e telespectadores pela prestigiosa participação, pelo compartilhamento, comentários sempre bem-vindos e convida a todos para que continuem nos prestigiando com sua importante e honrosa presença.

    ResponderExcluir

leia também