Como hoje é o Dia dos Mortos, segundo a tradição, não vejo outro assunto para uma crônica. Eu gostaria de usar, aqui, um eufemismo. E assi...

Mortos, ausentes ou invisíveis?

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana carlos romero dia dos mortos finados evangelho
Como hoje é o Dia dos Mortos, segundo a tradição, não vejo outro assunto para uma crônica. Eu gostaria de usar, aqui, um eufemismo. E assim, ao invés de Dia dos Mortos, substitui-lo por Dia dos Ausentes, embora Victor Hugo preferisse chamá-los de invisíveis. Jamais chamar a um fulano que morreu de "finado".E, aqui para nós, será que os que morreram, desapareceram para sempre? Que duro materialismo! Será que Deus criou o tudo para o nada?

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana carlos romero dia dos mortos finados evangelho
Túmulo de Kardec Duimdog
A verdade é que a morte continua sendo um mistério para muita gente. E que imagem horrível fazemos dela: um esqueleto carregando uma foice para ceifar vidas. Augusto dos Anjos arrumou para a "indesejável", várias denominações: "senhora dos nossos esqueletos", "costureira funerária", "carnívora assanhada", "semeadura terrível dos defuntos", "velha nefasta". Quantos insultos, meu Deus. Logo ele, um espírita praticante. Coisas da poesia...

E é por conta desse medo da morte que a nossa civilização ocidental faz questão de camuflá-la. Daí a maquiagem dos defuntos, as flores dos caixões mortuários, o silêncio nos velórios, onde se fala em tudo menos sobre a morte e sobre o morto. Já ouvi, em muitas dessas ocasiões, as pessoas discutirem até sobre política e negócios. Poucos refletem sobre essa significativa realidade tão presente em nossa vida. Hoje o morto não morre mais na sua casa. É que o defunto pode contaminar o espaço doméstico.

Muitos chegam até a esconder ou rasgar os retratos dos que se foram, esquecidos de que o esquecimento é a morte da lembrança. E as crianças? Cadê seus enterros, enterros que lembravam, outrora, um alegre piquenique. Esse espetáculo já não se vê em nossa paisagem urbana. É preciso que as crianças continuem ignorando essa grande realidade da vida.

Acontece que a morte existe. Existe, não como fim, mas como mudança. Mudança de estado. A lagarta morre para dela surgir a borboleta, a semente é enterrada para que a planta germine, cresça e apareça. A água que desaparece quando evapora não se extingue. Apenas se transforma. Mais adiante, ela cai em forma de chuva e volta ao estado líquido. Se tudo é assim na natureza, por que com o homem seria diferente? Nem mesmo o seu corpo não fica intacto debaixo da terra, aguardando a trombeta do Juízo Final, como pensam certos religiosos. O corpo é devorado pelos vermes para alimentar outras formas de vida.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana carlos romero dia dos mortos finados evangelho
Acervo do Cemitério Père Lachaise (Paris)
E viva a imortalidade da vida. Que você vá hoje ao cemitério, leitor. Vá por uma simples convenção, jamais com a convicção de que seus entes queridos estão ali, dormindo em paz. Eles não morreram. Eles estão apenas ausentes, repetimos. Quando Jesus, depois da Ressurreição, encontrou Maria Madalena procurando o seu corpo no sepulcro, sabe o que lhe disse o Mestre? Disse apenas isto: "Não procure entre os mortos aquele que vive". Que bela lição! E no túmulo de Allan Kardec, lá no Père Lachaise, em Paris, esta inscrição diz tudo: "Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sempre, tal é a lei".Que bela e consoladora mensagem!


Carlos Romero é cronista e patrono do ALCR (in memorian)
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Bela reflexão, à qual acrescento meu modesto modo de ver. A morte está na vida porque para ela esta se encaminha. E a vida está na morte porque não há como conceber um início sem que exista um fim. As religiões fazem mal ao homem quando pretendem aliviar-lhes o temor da morte, negando-a. Não somos eternos, pois fazemos parte da Natureza — e nela tudo interminavelmente se transforma.

    ResponderExcluir

leia também