O livre arbítrio é um tema bastante polêmico. Tem sido objeto de discussão e estudos por parte de pensadores e filósofos, tanto na concepç...

O livre arbítrio

ambiente de leitura carlos romero cronica rui leitao auto ajuda livre arbitrio liberdade religiao cristianismo calvinismo espiritismo santo agostinho
O livre arbítrio é um tema bastante polêmico. Tem sido objeto de discussão e estudos por parte de pensadores e filósofos, tanto na concepção teológica quanto na visão ateísta. O debate suscita a pergunta: o livre arbítrio é um mito? Ou é uma faculdade que foi concedida por Deus aos seres humanos?

Todos nós somos fascinados pela ideia de sermos livres, agirmos na conformidade das nossas vontades, decidirmos guiados pela nossa capacidade de alvedrio, juízo do que é certo ou errado, consonante com o que define a nossa consciência.
Em tese esse seria o conceito do livre arbítrio.

Calvino e Lutero na defesa da tese do “determinismo” questionam: “Ora, se Deus conhece o nosso presente e o nosso futuro, as escolhas que possamos fazer no curso de nossa vida, nada mudarão o que está por vir”. Eles tentam destruir a aceitação da existência do livre arbítrio a partir dessa indagação.

Já Santo Agostinho, na linha de pensamento dos cristãos, colocou no seu livro publicado em 395 D.C., “Libero Arbítrio”, que “o livre arbítrio é a possibilidade de escolher entre o bem e o mal; liberdade é o bom uso do livre arbítrio”. Há uma afirmação na Bíblia: “o coração do homem propõe o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos”. Logo, segundo o entendimento cristão, os seres humanos serão responsabilizados por suas escolhas. Principalmente quando elas contrariarem os mandamentos de Deus.

No Espiritismo o livre arbítrio é visto como a oportunidade que Deus nos oferece para evolução do espírito, reforma íntima resultante de aprendizado na vida. O conhecimento e o comportamento, adquiridos ao longo do tempo, nos permitem reordenar a visão que temos de nós mesmos, dos outros e do mundo em que vivemos, preparando-nos para minimizarmos erros na prática do livre arbítrio.

Podemos compreender que o livre arbítrio, mesmo que estabeleça nossos atos como manifestação da vontade, está limitado à nossa natureza. Nem sempre podemos fazer aquilo que desejamos. Ainda que haja voluntariedade nas nossas motivações, desejos e ações, estamos condicionados a uma limitação natural do poder fazer. Por exemplo, podemos querer voar, mas nunca conseguiremos, porque Deus não nos deu asas para isso.

Nem sempre nossas decisões são livres, elas sofrem influências do que conhecemos, do que sentimos e do que amamos. Portanto, o livre arbítrio é apenas a autonomia que temos em escolher aquilo que, por nossa inteligência, elegemos como ação correta. As consequências são de inteira responsabilidade nossa.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Em 92, escrevi o libreto do concerto Os Indispensáveis, para o maestro Eli-Eri, formado por uma série de canções. Uma delas diz:
    - "Você nada escolheu / quando nasceu. /Não passa de um robô bobo que apareceu./Nem pátria, sexo ou cor,/ nem classe social, /não escolheu sequer o seu milênio, / mas mata por Alá, / se nasce em Bagdá, / e mata por Jeová / se nasce judeu". Meu foco nem era o livre arbítrio, mas a idiotice do racismo e assemelhados. Como você bem diz, o tema é estranhíssimo. Segundo Descartes, "não é de hoje que não existe efeito sem causa". Mas fomos programados - essa é que é a verdade - programados... MAS pra pensar, pra buscar, pra entender. E isso - extremamente sutil - tem um peso enorme a nosso favor.

    ResponderExcluir

leia também