Datilografei meus primeiros romances – nos anos 70 - e algumas peças de teatro – nos anos 80. Os filmes de que participei como ator, naq...

A estrutura de cada época

literatura paraibana solha evolucao estrutura arte historia pintura solha
Datilografei meus primeiros romances – nos anos 70 - e algumas peças de teatro – nos anos 80. Os filmes de que participei como ator, naquele tempo - O Salário da Morte (de 69 ), Fogo Morto e Soledade ( de 76 ) não tiveram som direto, por isso eu e a maioria dos atores fomos dublados no Rio. Os comerciais que criei pra TV eram feitos em 16 milímetros e levados ao Recife, pois não havia o vídeo e não tínhamos emissoras locais.

De 68 a 70 eu tivera de me esmerar nas máquinas de escrever - com fitas copiativas ( que não admitiam rasuras ) - ao fazer os balancetes diários e os balanços da agência do Banco do Brasil em Pombal, da qual era o subgerente. Quando escrevia algum artigo para a imprensa, tinha de levar o texto datilografado para os jornais, e cheguei a ver alguns linotipistas preparando os clichês de meus textos, e ainda ouço as delicadas zoadas metálicas de letras caindo para seus devidos lugares.

Isso tudo me lembra Dona Adélia, uma de nossas alegres vizinhas, dizendo “O Solha, hoje, começou a trabalhar às 4 e meia da manhã”, porque a metralha do teclado e dos tipos ressoava em toda a rua. Pense na raridade do prazer - hoje rotina - de ver um filme como “O Nascimento de uma Nação”, de 1915, luxo que tive na cinemateca do MAM, no Rio. Aí, um belo dia, toda a contabilidade do banco, no estado, passou a ser feita pelos computadores do Cesec, na Epitácio Pessoa e, alguns anos depois, toda a contabilidade do Nordeste, no Recife. Meu primeiro poema longo – Trigal com Corvos, de 2004 – eu o fiz no computador, bem como minha História Universal da Angústia, em 2005.

Dispondo do Google, minha frequente levantada pra consultar dicionários e enciclopédias, atrás de mim, praticamente cessou, minha paixão pela pintura passou a ter filmes – em vez de fotos – das obras de Arte de todo o mundo, comecei a ouvir concertos como nunca – a mesma obra executada por cinco, seis solistas, regida por sete, oito maestros, em sinfônicas e filarmônicas de toda parte, enquanto acompanhava, passo a passo, ao vivo, pelo facebook, a criação do “Claustro” de Flávio Tavares.


Toda época é resultado de uma vasta rede tecnológica, científica, filosófica, artística, econômica, política, religiosa, e tudo que ocorre nela parece estar “no ar”, ... como numa enorme associação de ideias num cérebro único, que seria o planeta. Daí a disputa entre os irmãos Wright, Santos Dumont e outros menos afortunados, pela invenção do aeroplano, porque de repente aparecera o que lhes faltava: um motor leve e com potência suficiente para erguer o mais-pesado-que-o-ar. O do 14-bis foi um Antoinette V-8, criado por Léon Levasseur, no ano anterior, pra barcos de corrida.

Um pouco antes, os irmãos Lumière disputaram com Edson (e vários outros) a criação do cinema - graças à invenção, então recente , da fotografia e do celulóide.

E quantos disputaram a paternidade das fotos!: Daguerre, Niépce, Bayard, Florence, tudo graças à junção da câmera obscura com a fotossensibilidade dos sais de prata, comprovada pelo físico alemão Johann Heinrich Schulze ou Schultz.

Seurat – criador do pontilhismo - se encantou com “Da Lei do Contraste Simultâneo das Cores”, do químico Michel-Eugène Chevreul e sua descoberta da produção de uma terceira cor quando duas outras são vistas à distância, se justapostas – o amarelo com o azul criando o verde, o amarelo e o vermelho criando o laranja, etc.

A explosão colorística e luminosa do Impressionismo, no entanto, só foi possível com o abandono dos estúdios, a pintura passando a ser em plain air - ao ar livre - graças à invenção dos tubos de tinta, feita por um apagado pintor inglês - John G. Rand, em 1841.

Daí que... estar fora da estrutura de uma época ... é terrível. Da Vinci não significou qualquer avanço no estudo da anatomia humana - a não ser pra si mesmo - devido à repressão da Igreja aos violadores de cadáveres, como ele. O mesmo valeu pra Copérnico e sua herética concepção heliocêntrica.

Carpeaux dizia que os grandes escritores sempre estiveram na convergência dos acontecimentos, a exemplo de Virgílio, que vivia colado no imperador Augusto - daí “A Eneida”.

Já Hemingway foi ser motorista de uma ambulância militar na Itália, durante a Primeira Grande Guerra - daí o “Adeus às Armas” - e foi correspondente de guerra na Revolução Espanhola - daí “Por Quem os Sinos Dobram”.

É o caso de Euclides da Cunha, correspondente do jornal “O Estado de São Paulo” na guerra de Canudos, vivência que lhe valeu “Os Sertões”. Não por coincidência, moravam no mesmo quarto, em Paris - centro do mundo nos anos vinte - os jovens espanhóis Buñuel, Lorca e Dali. Andy Warhol - já em outra estrutura – fez sua arte revolucionária graças à própria profissão: desenhista publicitário, no instante em que Nova Iorque se enchia de luminosos e outdoors.

Já Picasso e Braque deram ao mundo o cubismo, no instante em que a Teoria da Relatividade desintegrava todas as velhas formas de ver as coisas.

literatura paraibana solha evolucao estrutura arte historia pintura solha
Houve toda uma reengenharia, no final da Idade Média, para que dela aflorasse a Renascença.

Outra, no pós-guerra, para que dele surgissem os anos 60 com sua revolução nos costumes, incluindo-se nisso a pílula anticoncepcional , criada no exato momento em que se começava a perceber... a superpopulação... em todo o mundo.

Eric Hobsbawm percebe a olho nu, em seu “A Era dos Extremos” , que na segunda metade do século XX não há mais rodins ou picassos, gershwins ou stravinskis, pounds ou eliots... e que o único grande ficcionista consensual foi Gabriel García Marquez... e que a filosofia falira. As artes, na primeira metade dos anos 900, caracterizaram-se - todas - pela busca da desintegração total. Joyce sacudiu o romance em 1914 - início da Primeira Grande Guerra - com “Ulisses”, e acabou por pulverizá-lo em 1939 - início da Segunda Guerra Mundial - com “Finnegans Wake”. A pintura chegou ao “Branco no Branco”, de Albers, e aos cortes feitos com faca na tela virgem, de Lucio Fontana. O pós-modernismo, consequentemente, surgiu na ressaca de tanta virulência, materializada pela eclosão nuclear e a devastação total - física - do ser humano.

Impressionou-me a leitura de um livro de 1925 - do entreguerras, portanto - “A Desumanização da Arte”, em que José Ortega y Gasset tenta compreender o que estava ocorrendo com sua época. “A nova arte é um fenômeno de índole equívoca - diz -
literatura paraibana solha evolucao estrutura arte historia pintura solha
porque equívocos são quase todos os grandes fatos destes anos em curso. Bastaria analisar um pouco os acontecimentos políticos da Europa para achar neles a mesma índole equívoca.”

Giúlio Carlo Argan, em “Arte Moderna” diz que Arte é coisa de artesão e que o artesanato já tivera seu tempo e que a hora era de partir pra grandes soluções urbanísticas, objetos de uso cotidiano, a fotografia, a publicidade, o rádio e a televisão, o cartaz, o videoteipe - nada de quadros, estátuas, objetos preciosos.

Não sei.

Houve outras épocas vazias – buracos negros – na História. Você veja as ruínas do esplendoroso período áureo do Egito e o povo miserável que - depois dele - permanece até hoje entre elas. Houve, depois, o Século de Péricles, o Renascimento, a Bauhaus. OK.

Dizem que a virgem que se torna mãe, em todas as religiões, ... é uma representação... humana... de nova Boa Nova que está pra chegar. Acreditando nisso, ouso dizer que esta pandemia está a gerar uma época com outra estrutura: a que vem por aí.

comente

leia também