Aconteceu em Florença. E foi incrível. Não por ser lá, embora naquele contexto inspirador tudo é mais possível. O fato poderia ter ocorrid...

Afinal, era Florença...

literatura paraibana gentileza urbana toscana florenca solidariedade gratidao retribuicao
Aconteceu em Florença. E foi incrível. Não por ser lá, embora naquele contexto inspirador tudo é mais possível. O fato poderia ter ocorrido em qualquer cidade do mundo, sem distinção. E tanto inevitavelmente emocionaria o mais insensível dos seres.

Desci para comprar algumas coisas para o café da manhã, pois não estávamos em um hotel. Era cedinho e Florença amanhecia resplandecendo toda a beleza em cima do rio Arno, que a carregava feliz por debaixo das pontes. Ele é um rio feliz, pois ainda tem margens cobertas de relvas ciliares bem verdinhas, que lhe conferem pitoresca rusticidade ambiental. Que rio não gostaria de navegar por um habitat familiar e identificado com sua natureza? Ainda mais convivendo com tanta arte...

literatura paraibana gentileza urbana toscana florenca solidariedade gratidao retribuicao
Satisfeito perante o que via e internamente ensimesmado por mais um encontro com a capital da Toscana, lá vou eu, leve e fagueiro pelos renascentistas cenários. O apartamento em que nos hospedávamos ficava bem de frente para a Galeria Uffizi e a sensação de saber que tesouros ali guardados haviam-se apenas a poucos metros, do outro lado do rio, animava risos de uma alma já exultante.

Cheguei ao minimarket. Após escolher baguetes e brioches fresquinhos como a adorável manhã, algumas frutinhas do bosque, queijos e outras coisinhas oportunamente incomuns, dirigi-me à fila do caixa. Uma moça serena e simpática,
literatura paraibana gentileza urbana toscana florenca solidariedade gratidao retribuicao
ágil como ali são, atendeu-me, e, ao passar as compras, perguntou-me gentilmente se eu sabia que o tablete escolhido não era manteiga, e sim fermento. Surpreso, desculpei-me constrangido, mas deixando escapar um sutil desejo de ir trocar. Ao perceber, ela interrompeu imediatamente o serviço, pediu licença aos que estavam na fila, saiu do caixa e me fez sinal para segui-la. Todos se mantiveram respeitosamente discretos diante da iminente pausa.

Lá na prateleira, ela me apontou opções de manteiga e juntos voltamos. Eu inteiramente surpreso com a sua atitude. Depois de pagar, despedi-me com um grato sorriso, reiterando-lhe a gentileza.

De volta à calçada que margeia o Arno, já bem amanhecido, a refletir as fachadas que ladeiam a Ponte Vecchio, eu respirava novamente os ares florentinos. Distante umas três ou quatro quadras do minimercado, eis que escuto alguém gritando, e uma senhora mais próxima faz sinal apontando que era para mim.

Não acreditei! A moça corria ao meu encontro com um pacote de iogurtes esquecido no caixa. Diante dela, exibi uma mistura de perplexidade e embaraçosa timidez por tamanha e espantosa delicadeza. Estávamos mesmo em uma metrópole? Cheguei a pensar que sonhava, tão visionários eram aqueles horizontes esteticamente urbanos e humanos.

literatura paraibana gentileza urbana toscana florenca solidariedade gratidao retribuicao
Recebi os iogurtes com imensa e reconfortante gratidão, sentimento inesquecível que me acompanhou pelo resto da manhã.

De volta às ruas, após o café, comentei com meus familiares que desejava voltar àquele mercado para agradecer novamente a atenção daquela moça, desta vez com uma flor, ao lado de um sorriso.

Todos concordaram e foi o que fizemos. Passamos numa floricultura, compramos uma bela e túrgida rosa vermelha, e fomos encontrá-la. Pela hora, certamente ainda estaria em seu turno.

Pedindo escusada licença às pessoas da fila, eis-me diante dela com riso e flor. A suave surpresa que emanou de seu rosto, idem ridente, era mais bonita do que a rosa.

Numa cortês reverência, desabrochei-lhe a frase: “O mundo precisa de mais pessoas como você”. O restante ficou na rosa em sua mão. Inesquecível como a moça e o seu admirado sorriso.

A bem da verdade, o admirado ali era eu. Afinal, era Florença.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Bela história. Dá para sentir o frescor della matina fiorentina.
    Germano, você virou estatística na Itália: encontrou uma das raras italianas pacientes. E, além do mais, extremamente cortês! E de quebra uma fila de italianos dotados de paciência!
    Acho que la ragazza se deixou seduzir pela sua simpatia, e sua extrema educação...
    UMA DELICIA DE TEXTO, Germano!

    ResponderExcluir
  2. Ângela Bezerra de Castro29/6/21 10:02

    Texto que nos faz acreditar na utopia de uma humanidade fraterna, sem o horror da violência. Uma experiência que me conduz à canção de Vinicius: Ah, quem me dera / Ver morrer a fera / Ver nascer o anjo / Ver brotar a flor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratíssismo, professora. Sua leitura é uma honra. Abraços afetuosos

      Excluir
  3. Beleza e sensibilidade, uma crônica de gentileza. Parabéns Germano. Lindas atitudes. ❤️

    ResponderExcluir

leia também