Num dos episódios de “ The Crown ”, o personagem do príncipe Philip recebe a visita dos três astrona...

Sonho cósmico

literatura paraibana viagem espacial excentricidade bezos cosmo transcendencia
Num dos episódios de “The Crown”, o personagem do príncipe Philip recebe a visita dos três astronautas que foram à Lua. Ele está ansioso pelo que vai ouvir. Espera um relato condizente com a extraordinária experiência pela qual aqueles homens passaram. Como tem lá os seus dilemas metafísicos, imagina que o grupo possa lhe dar alguma indicação de que vale a pena crer em Algo Maior.

A conversa, quanto a esse aspecto, é decepcionante. Os astronautas estão mais preocupados com detalhes técnicos do que com alguma revelação transcendente. Mostram-se alheios à poesia que o marido de Elizabeth vê no Cosmo. A Lua só é bela de longe; de perto, não tem nada do reluzente corpo astral que ao longo do tempo vem inspirando os namorados. Ao dar aqueles passos sobre o solo arenoso, depois de emitir a frase famosa, Armstrong quebrou-lhe o encanto.

É possível que o mesmo ocorra quanto aos outros planetas. Planeja-se para daqui a algum tempo uma viagem a Marte, onde deve aportar uma pequena tripulação para lá residir por um longo tempo – e talvez nem voltar. Sabe-se que esse é um planeta inóspito (apesar de verde), incompatível com a vida. Ainda assim ninguém resiste ao desejo de o explorar. Acredita que em aventuras como essa pode estar a chave para desvendar a nossa história.

Esse pensamento me fez ver com entusiasmo, na semana passada, o bilionário Jeff Bezos descer da nave com seus três companheiros. Tenho curiosidade pelas viagens espaciais. O que me atrai nelas não é me aproximar da Lua nem ficar mais próximo de Marte. É algo mais doméstico, porém não menos fascinante: contemplar a Terra “pelo lado de fora”. Observar do espaço o planeta onde sabemos que brotou a vida, essa misteriosa emanação da matéria bruta, e a partir daí a consciência. O planeta onde sofre, sonha e se agita esse curioso agrupamento chamado Humanidade.

O espação interplanetário nos fascina porque imaginamos que nele esteja a explicação dos enigmas que nos atormentam. Ante um mundo prático e pouco afeito aos mistérios do Além como este em que vivemos, pode estar lá a resposta para o que somos, de onde viemos, para onde vamos. Muitos acreditam que é impossível sermos os únicos a habitar o Cosmo infinito; deve haver civilizações semelhantes à nossa, com as quais poderíamos fazer contato para saber mais sobre nós.

literatura paraibana viagem espacial excentricidade bezos cosmo transcendencia
Denis Degioann
Fantasia ou não, gostamos de alimentar esse sonho. Como diz o físico Marcelo Gleiser em “O caldeirão azul, “contemplar a existência de outras formas de vida é contemplar a natureza da nossa própria existência como seres humanos”. Nada porém garante que esteja no espaço interestelar a explicação para o enigma da Humanidade. Talvez sejamos únicos no Universo; mesmo que existam outras civilizações fora do nosso planeta, um abismo de linguagem, espírito e interesses pode nos separar delas. O saldo das viagens espaciais poderá não ser mais que uma prova da nossa incontornável solidão.


comente

leia também