Início de meu romanceamento do ÉDIPO REI, de Sófocles, em minha HISTÓRIA UNIVERSAL DA ANGÚSTIA, ed. Bertrand Brasil 2005, finalista do Jab...

O desespero de Tebas

mitologia deuses grecos edipo zeus angustia esfinge desespero waldemar solha
Início de meu romanceamento do ÉDIPO REI, de Sófocles, em minha HISTÓRIA UNIVERSAL DA ANGÚSTIA, ed. Bertrand Brasil 2005, finalista do Jabuti em 2006, Prêmio Graciliano Ramos, da UBE – Rio do mesmo ano.

Édipo ficou por um átimo fora e dentro do pesadelo, sem saber se o rumor e o tremor subterrâneos que ouvia eram ou não reais - ou os dois - , bem como os estrondos, a gritaria, as sirenes de ambulâncias e de carros de polícia misturando-se à zoada dos desmoronamentos e de esguichos de água e gás, sufocado pela fumaça, pelo pó e por uma fedentina intensa de carne e cabelos queimados, mofo liberado, esgoto e tumbas inesperadamente abertos. Arregalou os olhos quando viu parte do teto fundo se soltando e crescendo em sua direção, com lustres, estuque e tudo mais. Jogou-se do leito ouvindo o ronco do desastre, correu em meio à caligem e ao caos, protegendo o rosto das vidraças detonadas, perdeu-se várias vezes entre corredores e quartos, até que se viu, finalmente, no terraço, mas não lhe foi possível sentir alívio algum, pois o palácio sacolejou de novo. O rei da cidade tentou manter-se em pé mas caiu de joelhos, reerguendo-se curvo e devagar, como no dorso de um monstro, vendo o edifício Chronos, ao lado, soçobrar em meio a um rastro vertical de pó, no que um outdoor da Coca-Cola dobrou sobre si mesmo, com um esgar de flandres que se amarrotavam, enquanto, à direita, esfacelava-se o impressionante mural publicitário do espetáculo “Gigantomaquia”, feito de toneladas de concreto que representavam, em alto-relevo, a última batalha dos Gigantes contra os Deuses.

Bruscamente, silêncio. E o socorro surgiu de toda parte. Médicos e bombeiros começaram seu trabalho pesado, mas – sem suportar mais tanta calamidade junta - o sumo-sacerdote Kroisos - com luxo e carmim (pois presidia uma cerimônia pomposa pelos mortos da peste e da fome), irrompeu imponentemente escorado em seu cajado de pastor das almas - bramindo com voz poderosa em cima de uma enorme viga que tombara do templo:

Ó Apolo!!!

O sol – como se o atendesse - reapareceu vermelho sobre a pólis imersa em fumaça e pó. Quem pôde, recompôs a marcha – sem parentes nem aderentes a procurar – e repetiu, braços ao céu:

- Ó Apolo!!!

E Kroisos, olhando por um momento para as milhares de pessoas atônitas mas ilesas, com apenas alguns feridos e mortos:

- Tu, que curas todos os males!!!

A elite e a escória, trôpegas, em meio a tosses e gemidos:

- Tu, que curas todos os males!!!

- Envia-nos o teu socorro!!!

O povo, sobrancelhas ferozes, bocas severas, mãos crispadas – aos milhares:

- Envia-nos o teu socorro!!!

As ferragens do hipermercado Archeômetro gemeram dolorosamente e, por um momento, o maior complexo varejista de Tebas – ainda bem que vazio - pareceu mover-se entre os arranha-céus. Mas um raio tríplice fulgurou, estrondando ensurdecedor, e foi para a força que o desferiu, entrevista por dentro das nuvens carregadas ( há meses criando apenas tensão sobre a seca ), que Kroisos suplicou:

- Ó Marte poderoso, deus da guerra, do desastre e da peste! Tu, que nos feres em meio a todos estes gritos de pavor, afungentai o nosso desespero para o vastíssimo leito de Anfitrite ou para as ondas dos mares da Trácia!

Um grito estridente. Kroisos sussurrou, junto dos microfones:

Meu Zeus: o que este dia não mata, amanhã será destruído!..

. Alguém localizou Édipo:

Lá está o rei!!!

Onde?

No palácio!

Alguém puxou o coro, que cresceu compassadamente:

Édi-pô!!! Ajuda-nôs!!! Édi-pô!!! Ajuda-nôs!!!

Kroisos – frustrado ante a distração a seu apelo junto aos deuses – caminhou usando o arrimo do báculo, passou entre as grandes motos emparelhadas no estacionamento do Cine Minerva, desviou-se da combustão dos pneus de um caminhão, de um jipe e de uma van virados na Avenida Logos , sempre ouvindo aquele crescente “Édi-pô!!! Ajuda-nôs!!! Édi-pô!!! Ajuda-nôs!!!”, quando, ao olhar novamente para o céu, pensando em Ártemis, Demeter ou Hermes, viu:

Os ufos da Equipe Freud!...

Muitos desandaram a correr para a residência real. O sumo sacerdote desviou sua rota – até então perdida - para o mesmo rumo dos outros, vendo o pó e a fumaça deslumbrantes ao serem cruzadas por vários holóphotos – lilases e azuis – das naves, que se concentraram sobre o rei no que ele reapareceu – camisa vermelha aberta ao peito – os flashes dos repórteres também iluminando os milhares de rostos ansiosos que o aclamavam em crescendo – Édipo caminhando entre as colunas de vidro e aço, dando ordem de recuar para a barreira de soldados que imediatamente aparecera – apesar da excepcionalidade do momento - para escoltá-lo. Ele desceu as escadarias entre os olhares implorantes das mulheres com crianças nuas nos braços e famílias que se agruparam em volta de seus moribundos ou se espalharam pelos degraus. Subiu até à tribuna entulhada de microfones, de frente para a Ágora da Liberdade, olhou para a quantidade de gente que subira no monumento à sua vitória sobre o grupo terrorista Esfinge,
esmagado por ele onze anos antes, enquanto, lá em cima, a Virgem Atena - mais uma vez - movia-se para coroar de louros um Édipo ainda mais jovem que resolvera o enigma de uma outra, uma simbólica Sphinx – monstruoso ser, híbrido de touro, leão, homem, águia. Édipo se deteve, emocionado ante a cidade faminta, doente, suja, ferida, assustada, que foi à loucura ante a iminência de finalmente ouvi-lo sobre todas aquelas calamidades. Ele ergueu as mãos, fazendo-a calar-se.

Tebanos!!! – proclamou – Eu estou aqui para vos ouvir!!!

Houve um instante de hesitação, depois todos gritaram ao mesmo tempo: dos representantes dos bairros aos líderes operários ( muitos ainda de capacetes e macacões ), dos pivetes de rua aos chefes dos asilos de velhos, dos cabeças do movimento estudantil às presidentas das associações de donas-de-casa. O povo percebeu o que fazia e sobrepujou-os:

Ajuda-nôs!!! Ajuda-nôs!!! Ajuda-nôs!!!

Ele olhou para o realismo nu e cru dos rostos e corpos mais próximos – olhares suplicantes, muitos fanados, alguns febris, alguns aterrorizados, um e outro excepcionalmente lhe sorrindo de súbito ao se sentir reconhecido. Ergueu novamente as mãos, disse, ante o silêncio recomposto:

- Mandei que vos fosse prestado todo o socorro à disposição do trono!... Viu o sacerdote emergindo em meio a uma humanidade desvastada. Disse-lhe:

Fale, Kroisos.

Nesse momento, a terra tremeu de novo. Estalaram edifícios ainda intactos – como o da IBM e o da Seagrans -, estrondaram ruínas do sismo anterior – milhares delas - , uma nuvem densa de pó avançou pelas ruas feito um fantasma ameaçador, ouviu-se novamente a gritaria: “Pai!”, “Cibele!!!”, “Socorro, Socorro!!!” ”Um médico, pelo amor de Zeus!”

- Édipo! – Kroisos bradou nos microfones, acima de todos os sons, no que o rei o viu crescer sob os deslumbrantes tubos de luz vindos do céu, o luxo dos paramentos sacerdotais acrescentado pela brilharia dos vidros pulverizados que desciam feito névoa das janelas destruídas. – Édipo!, a ciência de quase nada nos vale neste momento, embora te agradeçamos pelos médicos e bombeiros que inclusive mandaste vir de Corinto para nos atender no sufoco já tão grande antes dos desmantelos de hoje! Acontece, entretanto, que nosso mal é maior, porque tu sabe – e Tebas também – que nem tudo é tão fome e pão, o mal e a cura! A razão de tanta calamidade sobre esta gente, Édipo, é – com certeza - um outro enigma como aquele que resolveste destruindo a Esfinge há onze anos, ao te aproximares da cidade! Por isso estamos aqui! Nós todos vemos em ti o primeiro dos homens, aquele a quem se recorre quando a desgraça maior nos abala e se faz necessário o apoio divino, sim, mas através de um grande líder, não de um sacerdote! A ti, portanto, cujas virtudes veneramos, vimos suplicar: valendo-te dos conselhos humanos e dos deuses, dê remédio aos nossos males!



DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também