Não há seringueiras na Rua das Seringueiras, assim como não existem imburanas na Rua das Imburanas ou pinheiros na via batizada com o nome...

Sentido das ruas

nome de rua bucolismo cotidiano urbano cronica
Não há seringueiras na Rua das Seringueiras, assim como não existem imburanas na Rua das Imburanas ou pinheiros na via batizada com o nome da árvore simbólica do Natal. A exceção deve ser as castanholas na Rua das Castanholas, já que essas plantas parecem se adequar a qualquer espaço pelas vias da cidade.

Uma pena não encontrar as belas cerejeiras no logradouro que homenageia a planta símbolo do Japão. Decepcionante também não descobrir um lugar cheio de flores na Rua das Flores. Afora o nome poético, a foto revela um lugar comum.
Na minha imaginação ela estaria cheia de casinhas coloridas ornadas por flores de cores variadas como rosas, cravos, margaridas e tantas outras.

Por muito tempo também me questionei quanto à validade de ter morado na Rua da Prosperidade, pois, durante anos o cenário do lugar pouco mudou, quanto mais prosperar. O mesmo vale para a Rua do Progresso. A Rua do Trabalho também não fazia muito sentido. Era voltada para o terreno cheio de mato de uma granja quase sem movimento de pessoas e até mesmo bichos. Na Rua dos Industriários não moravam industriários, no máximo, algum operário.

Que, pelo menos, seja tranquila a Rua da Paz e iluminada a Rua da Luz. Que a da Amizade tenha ao menos dois vizinhos que sejam fraternos. E, mesmo sem existir um arco-íris particular, que a Rua do Arco-Íris seja presenteada com muitas cores no céu. Da Colina, que corram bons ventos para a Rua da Brisa e boas águas na via batizada de Encontro de Rios.

Será límpida ou poluída a Rua do Rio? Ou nem mesmo um rio ali exista.

Fica o desejo que a Liberdade seja uma avenida por onde passem homens livres. E se torne real, ao menos para seus moradores, a Rua da Felicidade. Expectativa faz bater mais forte a Rua do Coração.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Lendo seu texto e fazendo uma reflexão com o noticiário que ouvi hoje em que um morador de rua esfaqueou um garçom na Praça da Paz. Tão contraditório, mas que jamais teria prestado atenção não fosse sua observação poética sobre o nome dos logradouros.

    ResponderExcluir

leia também