casa dos 70 (ao amigo e compadre Luciano morais e outros companheiros que se foram na casa dos 70 anos de idade). a casa dos...

Trouxe o Tejo nas veias

poesia paraibana tejo portugal idade setenta anos viagem
 
 
casa dos 70
(ao amigo e compadre Luciano morais e outros companheiros que se foram na casa dos 70 anos de idade).
a casa dos 70 é uma casa mortuária esquife mortalha jazigo casa de repouso dos muitos amigos que cruzaram os seus umbrais para nunca mais nunca mais nunca mais
bagagem
de portugal trouxe a minh’alma azulejada as eiras e beiras dos telhados das casas portuguesas com certeza trouxe o tejo nas veias e nos olhos as lágrimas de sal do mar de portugal
(retornando de lisboa, portugal, julho de 2019)
recuerdos de mi juventud
desabotoava a tua blusa? não, desabotoava os teus seios ainda em botão e aprisionava-os na palma das mãos. aprisionava-os? não, dava-lhes liberdade, que a liberdade dos seios é sentirem-se presos na concha das mãos.
moça antiga
friíssimo, o jato do lança-perfume congelou a timidez da moça antiga, adolescente. retrato a éter, etéreo, guardado eter- namente.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. "A Casa dos 70 é uma casa mortuária". Ao acabar de sair dela, confirmo a verdade do poema: quantos deixei - ou me deixaram - nesses dez anos! Sérgio é uma confirmação, para mim, de que - o poeta é sempre - de um modo estranho - extremamente preciso. Como quando diz que trouxe de Portugal "a minh’alma azulejada", "o Tejo nas veias". Perfeito como um ovo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ei, mestre solha, também perdi muitos amigos na casa dos 70. obrigado pelas palavras. abraço amigo.

      Excluir

leia também