Ao virar a última página do livro “1/6 de laranjas mecânicas, bananas de dinamite” de W.J. Solha , uma frase do bruxo do Cosme Velho, co...

1/6 de Laranjas Mecânicas, Bananas de Dinamite

critica literaria literatura filofia livro waldemar solha cesto dinamite
Ao virar a última página do livro “1/6 de laranjas mecânicas, bananas de dinamite” de W.J. Solha, uma frase do bruxo do Cosme Velho, como já foi chamado Machado de Assis, assaltou-me a mente: “Ninguém se fie da felicidade presente; há nela uma gota da baba de Caim.” Expliquemos como a minha mente, certamente excitada pela leitura, foi capaz de fazer uma tal conexão entre a diminuta frase de Machado e o prodigioso poema de Solha que tem o subtítulo de: “o quinto, de seis tratados poético-filosóficos”.

critica literaria literatura filofia livro waldemar solha cesto dinamite
Uma boa explicação, sobretudo para quem ainda não leu a obra, estriba-se justamente no que sobre ela já escreveram até aqui, e atenção a isto, porque tem tudo a ver com a própria arquitetura que o autor empregou para compô-la. Observe-se que:

O editor Linaldo Guedes em texto de posfácio afirma a certa altura: “Solha nos permite, com sua poética incomum, perceber nossos atos falhos mais que freudianos, porque remontam a algo que queremos compreender: o mistério da vida, não da morte.” E como ele fez isso nos é dito por Ronaldo Cagiano nas orelhas da mesma obra: o autor empreende um verdadeiro “passeio onírico por múltiplas instâncias artísticas e míticas (que acabam por se tornar) um repositório de um inconsciente individual e coletivo em que os signos de uma íntima perplexidade constituem o farol para percorremos as procelas que tanto nos afetam na contemporaneidade.”

Muito bem. Já começa a clarear a minha loucura lá com o Machado de Assis. Adiante com outras duas cabeças pensantes deste país que não dá a mínima ao pensamento edificante. José Eduardo Degrazia afirmou com muito acerto que “A mente de W. J. Solha é imensa, nela cabe o início e o fim do mundo, a eternidade num segundo. A poesia em tudo/entrudo. Carnavalização.” E Sérgio de Castro Pinto afirma por sua vez, que o autor “continua escrevendo sob a égide do inconformismo, estabelecendo cotejos entre homens, seres, coisas,
critica literaria literatura filofia livro waldemar solha cesto dinamite
fatos históricos etc., na medida em que os retira do seu imobilismo aparente para emprestar-lhes outras dimensões e outros significados”. E finalmente, o professor e escritor Expedito Ferraz Júnior (quem talvez tenha chegado mais próximo do ponto fulcral desta obra), afirma que: há um “jogo de provocações que faz com os acasos da linguagem, um inesgotável exercício daquilo que Jakobson definiu (cartesianamente) como projeção do eixo das semelhanças sobre o eixo das combinações”. Aí temos afinal o que constitui em suma esta obra. Uma vigorosa investigação poético-filosófica que tenta compreender o mistério da vida, não da morte, em suas múltiplas instâncias artísticas e míticas, estabelecendo cotejos entre homens, seres, coisas, fatos históricos etc., que nos dá a impressão de vislumbrarmos a eternidade num segundo, porque bem soube encaixar as semelhanças sobre o eixo das combinações” da própria existência humana!

Para aqueles pouco afeitos a semelhanças e combinações, lembro trecho de um texto crítico que escrevi sobre Solha lá no ano de 2019, à propósito de outra obra sua – “Vida aberta”. E que não só se confirma neste “1/6 de laranjas mecânicas, bananas de dinamite”, como observo com grande alegria que o autor segue lapidando seus pensamentos e sentimentos com raríssima lucidez.

Sobre a união entre Filosofia & Literatura, escrevi no passado, que é sempre uma relação difícil, porque no íntimo de cada uma delas, opera-se um métier muito particular que intenciona um vocabulário próprio. Todavia, se é verdade que ambas vislumbram, em seu horizonte,
o conflito da existência humana, é possível estabelecer entre elas uma vizinhança comunicante ou, uma orientação de uma pela outra no sentido de potencializar o pensamento nas tramas do saber literário. Seja como for, cada vez menos restam dúvidas de que a filosofia pode trazer elementos necessários, para que a literatura se desenvolva a partir de si mesma; e a literatura, por seu turno, pode desenvolver temas que serão enrijecidos pelo discurso técnico do filósofo. Assim, no horizonte da produção filosófica e da produção literária, nos deparamos com o mesmo homem atravessado pela incompletude, pelo desejo de ser, pelo nada cravado por sua essência, pela falta, pela busca de sentido de sua vida que é sua tarefa própria. Filosofia e Literatura partilham desses mesmos anseios e buscam, cada uma por seu estilo próprio de significação, comunicar o drama da existência, detalhar o máximo possível a experiência do homem no mundo.

Mais adiante afirmamos naquele então, que o discurso filosófico encontra seu melhor acabamento na literatura, e a literatura pode ver-se rigorosamente formulada pela técnica discursiva filosófica. Não se trata de uma primazia do literário sobre o filosófico, trata-se, muito além, de unir dois meios de decodificação do real, de duas maneiras muito próprias de realizar o encontro do homem com o homem; trata-se afinal e também, da facticidade (que somos forçados a confrontar) do "homem em face de sua liberdade monstruosa.”

É deveras interessante a erudição que o autor demonstra, em sua grande habilidade em costurar conceitos, mitos, crenças, atavismos, obras de arte, autores, acontecimentos, tendências, artistas,
critica literaria literatura filofia livro waldemar solha cesto dinamite
santos, escrituras em suma; toda a tremenda carga cultural e simbólica que a humanidade acumulou em milênios. O autor realiza um empreendimento nesses moldes de uma forma tão incisiva nas imagens que levanta, de tal sorte coerente e concatenadas, que assistimos ao desenrolar das eternas questões que sempre ocuparam as mais profundas inquirições existenciais da humanidade desde “ab ovo”, expressão latina que significa "desde o ovo" (ou seja, "desde o início", "desde a origem").

Homens como W.J. Solha compreendem e felizmente tornam público a compreensão, que a alma é uma mina de desejos e, se na sua eterna insaciabilidade o gozo se conserva sempre como uma miragem, a progressão das miragens constitui a via do progresso e esse é o impulso que nos tem feito avançar aos trancos e barrancos. Que seja à custa de “laranjas mecânicas e/ou bananas de dinamite”. Estamos lançados nesse mecanismo, nesse jogo de forças pelas quais, de ilusão em ilusão substancialmente nos elevamos. Este parece ser o instinto fundamental da vida, a insaciabilidade do desejo de evolver. O sonho está sempre, eternamente, no amanhã, para que se transforme em sociedade. Assim, continuamente se desloca a nossa posição na linha do progresso. A grande questão é como isto vai se dando. Que outra coisa, senão um jogo de espelhos poderia induzir a inconsciência humana, ignorante de seus elevados fins a se adiantar no caminho da evolução? Solha nos faz pensar sobre tudo isto com muita profundidade.

COMENTÁRIOS

leia também