A propósito de quê, escolhi este tema para tratar? Muito simples, vou contar. Estava relendo tranquilamente O livro dos fragmentos, de Ant...

Mulheres fortes de maridos fracos

feminismo poder casamento submissao francisco gil messias
A propósito de quê, escolhi este tema para tratar? Muito simples, vou contar. Estava relendo tranquilamente O livro dos fragmentos, de Antonio Carlos Villaça (Editora Civilização Brasileira, 2005), quando, às páginas tantas, ele assim se refere ao maestro Ricardo Duarte, seu amigo: “... tão fino, tão delicado, tão sensível, tão introspectivo, casado com mulher forte”. Veja só. Esta expressão, “casado com mulher forte”, é suficiente, pelo menos para mim, para formar de imediato uma imagem desse casal. Ele, tímido, calado, muito educado, certamente; ela, mandona, extrovertida, decidida, a dona da última palavra sobre tudo. Quem já não conheceu uma mulher assim?

feminismo poder casamento submissao francisco gil messias
Henriette e Gílson Amado ▪ Fonte: Iconografia Amado
Noutra página, Villaça, ao referir-se ao jornalista Gílson Amado, irmão do célebre Gilberto, assim escreveu: “ ... Gílson não tinha envergadura. Era o tipo da figura menor. Casado com mulher poderosa, Henriette”. Temos aí o mesmo quadro do casal anterior: marido fraco de mulher forte. Ele, coadjuvante; ela, protagonista. Que coisa. Esses casais chegam a ser, muitas vezes, constrangedores, pois não é realmente agradável assistir a tanto mando e a tanta submissão.

Margaret Thatcher, a ex-primeira-ministra britânica, conhecida como “a dama de ferro”, exalava poder e autoridade publicamente, mas em casa, parece, sabia manerar no trato com o marido, Denis, figura muito discreta, que nunca quis aparecer e que levava tranquilamente sua vida de empresário bem sucedido, sem se deixar afetar muito pela celebridade da esposa. Situação nitidamente diferente ocorria com o casal Reagan. Ele, Ronald, ex-presidente dos EUA, era docilíssimo à mulher Nancy, esta, sim, poderosíssima, pois que mandava no suposto homem mais poderoso do mundo.

Conta-se que o general Eurico Gaspar Dutra, presidente do Brasil de 1946 a 1951, mandou fechar os cassinos no país não por razões de Estado, mas para atender simples capricho da mulher, dona Santinha (o apelido já diz tudo), a qual, catolicíssima, considerava o jogo, qualquer jogo, coisa do demo. O prejuízo e o desemprego decorrentes dessa medida foram imensos, principalmente no Rio de Janeiro, capital da República à época. Dona Santinha, cujo nome oficial era Carmela, assim como Mrs. Reagan, também mandava poderosamente no poderoso marido.

feminismo poder casamento submissao francisco gil messias
Eurico Dutra
feminismo poder casamento submissao francisco gil messias
Carmela "Santinha" Dutra

Lembro da história de um amigo que foi negociar a compra de um imóvel com um casal. Ele pensava, ao sair de casa, que iria tratar do assunto com o marido, como costuma (ou costumava) acontecer nessas situações. Chegando à residência do casal, a coisa foi outra. O homem não deu uma palavra, ficou mudo, enquanto a mulher tomou o microfone e falou – e decidiu - pelos dois, ardorosamente. Resultado: o negócio não foi feito, pois era verdadeiramente impossível negociar qualquer coisa com aquela mulher mandona e intransigente. Foi ruim para quem queria vender e ruim para quem queria comprar.

Fico pensando que essas mulheres fortes, com maridos que não fossem fracos, dar-se-iam mal. Porque ou baixavam o facho ou o casamento acabava. Não haveria outra opção, já que “dois bicudos não se beijam”.

Não conclua precipitadamente o leitor que admiro as mulheres submissas. Deus me livre dessas. Pois como aceitar uma parceira sem personalidade, sem vontade e sem opinião próprias, mero espelho do marido,
feminismo poder casamento submissao francisco gil messias
M. Hassan
até nas menores coisas? Mulheres há, sabemos, que se anulam tanto diante do companheiro que chegam a desaparecer completamente, tornando-se invisíveis, como se fossem mágicas. E o pior é que muitas agem assim não porque são forçadas, submetidas à lei do mais forte, mas o fazem de livre e espontânea vontade, até mesmo com prazer, o misterioso gosto de não ser.

Não podemos esquecer aqui o tipo inteligente de mulher que manda obedecendo. Esse é o tipo mais sutil e, por que não dizê-lo?, perigoso. Será o mais comum, o que se encontra mais? É possível. Em qualquer situação em que vejo um marido afirmar que vai trazer a mulher para dar uma opinião, já sei que quem vai decidir é a esposa. Os corretores de imóveis, por exemplo, estão cansados de saber que é assim. E poderia ser diferente?

O bom mesmo é quando não há no casamento, pelo menos à primeira vista, nem o(a) muito forte nem o(a) muito fraco(a). Na arena conjugal (e na diplomacia), deve, dentro do possível, reinar o consenso, sabemos disso. Como em todas as relações humanas, o excesso de força ou de fraqueza de uma das partes – ou de ambas - pode por tudo a perder. Casamento é um jogo em que o empate é sempre bem-vindo.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

leia também