Como é bom ouvir grilos e sapos nas noites úmidas que antecedem o doce e adorável inverno... Nenhum “insight”, nenhum estado “alfa”, ou se...

Bobagens que não interessam

crepusculo contemplacao cantoria noite chuva
Como é bom ouvir grilos e sapos nas noites úmidas que antecedem o doce e adorável inverno... Nenhum “insight”, nenhum estado “alfa”, ou sequer uma emoção mais sutil podem ser experimentados se não pularmos a cerca do cotidiano, da rotina, da indiferença, ouvir a prazerosa voz do silêncio total.

Essa poética e graciosa cantoria de bichinhos entoada em uma verde relva naturalmente alagada com as recentes chuvas, por trás de nossa casa, passaria despercebida se os pensamentos que trouxera da pedalada à beira-mar não houvessem levitado acima do dia-a-dia: o horizonte cor de chumbo se espelhando no mar sereno, as ondas esparsas a se aproveitarem da calmaria para “falar” mais alto, a carreira miúda das lavandeiras bicando ciscos na areia macia, que o mar acabava de vitrificar com espumas brancas, e as marias-farinhas correndo delicadamente, de um lado para o outro, desenhavam um caminho para longe da razão.

ALCR
Para completar, um banho de mar. Ninguém na praia, ninguém no mundo, nada à vista, mas tudo conosco. Com a água no pescoço, ao nível do horizonte, o pensamento voou longe e confundiu-se com o céu. Éramos um. Como pareceu eterno aquele momento, dourado pelo sol, que longe descia... E o inverno já começava a aparecer por trás do duplo arco-íris, que encortinava aquele palco tão divino, que para nós representava a calma e terna felicidade de ser e não ser...

ALCR
Mas o céu fechava as portas do dia, e já era hora de voltar. Felizes daqueles que têm prazer no regresso... Levantei-me, senti escorrer da mente aos ombros, e corpo abaixo, a deliciosa água, que já não se fazia morna como no verão, e fomos para casa.

A água que agora me molhava vinha do chuveiro, junto com as doces lembranças do crepúsculo deixado na praia. Depois do banho, um breve repouso com a cabeça recostada em bons fluidos.

Do lado, o notebook se mostrava disponível para me conectar a um mundo longe daquele que eu acabara de ver e experimentar. Ele não traria notícia das lavandeiras, das maria-farinhas, do marulho...

Preferi ouvir os grilos que pinicavam a noite com sons miúdos e os sapinhos a coaxar sua sinfonia sem maestro, em invejável sintonia, adorando a lagoa que a chuva lhes deixara de presente. A mesma sintonia que me fez escrever essas bobagens, que nem sempre interessam...

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. A sua história, as suas sensações, me fazem pensar que a sua praia é uma extensão do paraíso.
    Parabens, que harmonia com a natureza, Germano!

    ResponderExcluir
  2. Eu não sou anônimo! Sou José Mário Espínola, CRM 2503

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo José Mário. Conhecemos sua sensibilidade

      Excluir
  3. São memórias que um "velho praieiro", como sou, ousa se apropriar, talvez com o acréscimo do prazer de navegar à força do vento, muitas vezes, nessa navegação, se extasiando com o nascer do sol, sobre ondas dolentes ou do seu poente de fogo, sobre terras ao longe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo Arael. Tê-lo como leitor é distinção

      Excluir
  4. Ângela Bezerra de Castro22/5/22 22:29

    Muito linda. Evanescente.

    ResponderExcluir

leia também