Isolamento é fogo. Tem efeito agravado no transcurso dos dias. Com o corpo preso, a mente ganha asas. Ando a sonhar na brevidade de qualque...

O frade e o rádio

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves supersticao frei damiao era do radio novela de radio sonho misterio

Isolamento é fogo. Tem efeito agravado no transcurso dos dias. Com o corpo preso, a mente ganha asas. Ando a sonhar na brevidade de qualquer cochilo. Sonho com todos e com tudo.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves supersticao frei damiao era do radio novela de radio sonho misterio
Frei Damião
Nesta madrugada, foi com Frei Damião. Melhor dizendo, foi com a história que dele contava minha avó Amélia. Que Deus a tenha.

O ano era 1945, por volta de fevereiro, quando sequer eu havia nascido. Mas sonho é sonho. É coisa que inverte o tempo e a razão. O fato é que eu me via no pátio da Igreja de Pilar, com todos os sentidos para o sermão do frade, a maior estrela das Santas Missões, gente com prestígio de santo, quando veio a notícia: “Socorro, Frei Damião. O Paraíba está de canto a canto e acaba de virar a canoa dos músicos, bem no meio”. No meu devaneio, a cena se passava exatamente como descrita pela minha avó, em carne e osso, a mim e meus irmãos, à boca das noites chuvosas, época em que o rio tomava água e se aproximava dos quintais.

A mãe da minha mãe dava tons graves a cada frase, enfatizava cada gesto. Hoje, quero acreditar que ela assim compensava um desejo frustrado: o de brilhar no cast das radionovelas.

Eu a vi chorar, diversas vezes, ao pé do antigo Philips, mexendo botões para melhor sintonia da Rádio Jornal do Commercio que transmitia do Recife a trama e as dores de “O Direito de Nascer”.


Era a fase de ouro da radiofonia e de seu maior sucesso: um dramalhão de origem cubana com texto original de Felix Caignet e adaptação de um camarada chamado Eurico Silva. A Rádio Nacional, que punha a coisa no ar desde 1951, também a exportou para emissoras de todas as regiões do País, anos seguidos.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves supersticao frei damiao era do radio novela de radio sonho misterio
Eu não alcançava a razão pela qual senhoras de certa idade se matavam nos afazeres das manhãs e tardes para, lenço à mão, sofrer com aquilo à noitinha. Talvez fosse por conta de Albertinho Limonta, um purgante que uma vez deixou meu pai enciumado.

Eu juro. As mulheres da minha casa tomavam para si as agressões a Maria Helena, ou Isabel Cristina, não lembro bem, mãe solteira na sociedade preconceituosa dos idos de 1950. Jacira, a ajudante da nossa cozinha, até pegou trejeitos de Mamãe Dolores, uma alma pura e posta a comer o pão que o diabo amassou, a cada capítulo. Não sei se andava tal e qual, pois rádio não tem imagem, mas passou a falar do mesmo modo.

Perdão, Frei Damião, acabei esquecendo de você. Pois bem, os músicos da tal canoa vinham de Serrinha, o distrito de Pilar que já superava a sede, a ponto de ter banda e dobrados a serviço de festas, cultos e procissões. No meio da cheia alguém, apavorado, se levantou, o que fez o pequeno barco virar.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves supersticao frei damiao era do radio novela de radio sonho misterio
Mas ao pedido agoniado de socorro, com a inflexão que minha avó repetia e assim eu sonhei, o frade ergueu os olhos para o Céu e, após breve silêncio, assegurou: “Não se preocupem. Ninguém morrerá”.

E, de fato, ninguém morreu. Nem Aristenes, com sua tuba gigante e seus 120 quilos de peso. Nem ele, que não sabia nadar.

Preciso informar que uma parte dessa história não entrou no meu sonho. Águas já baixas e areia aparecendo, o moleque Pereira disse que chegou ao trombone encontrado no local do afundamento, muito depois do incidente, menos pelo brilho do metal e mais em razão do som que o bicho emitia à passagem do vento pelo bocal. Mas nisso eu não recomendo a fé de ninguém. Eu, não.


Frutuoso Chaves é jornalista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também