Dia inteiro cabra de deus Lacrava ferro no molde da coluna Dia findo, guardava ferramentas Em caixilho de metal, ao sair Deixava estil...

Cabras de Deus

ambiente de leitura carlos romero alberto lacet poesia ferreiro serralheiro

Dia inteiro cabra de deus
Lacrava ferro no molde da coluna
Dia findo, guardava ferramentas
Em caixilho de metal, ao sair
Deixava estilhaços
Ainda por limpar ou esquecer

Nunca se soube o que fazia
ambiente de leitura carlos romero alberto lacet poesia ferreiro serralheiro
longe do serviço. Mas sempre
Retornara de ânimo novo
Abraçando o mesmo acúmulo
Retraços de massa endurecida
Para fazer vedação
Entre ferro e madeira
Enquanto cuspia
Sobre a pasta de concreto
A palavra ainda fresca
Recém apanhada da boca
De homem ou mulher de deus
Numa passagem de mercado
Rua, templo, lugares
Por onde, contrito
Passava cabra de deus

Cabra que é de deus, trazia já
Reforço de luva e capacete
E aferrolhado no temor
Que a noite ajunta
Ajustava sua hora
Pelo sono dos galos. Agora,
Sem um bom número deles
O dia é murcho

Do alto da torre
A visão se desmorona

A manhã não anda
Sem cabras de deus


Alberto Lacet é artista plástico e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também