Romã... Eu não consigo ver essa fruta sem que me venham à lembrança duas figuras interessantíssimas. A primeira, o francês Pierre Landolt q...

De Pierre a Malaka

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves fruta roma pierre landolt varzeas sousa grego malaka exportacao paraiba figueiroa oliveira

Romã... Eu não consigo ver essa fruta sem que me venham à lembrança duas figuras interessantíssimas. A primeira, o francês Pierre Landolt que a cultiva, de forma orgânica e consorciada a carneiros, nas Várzeas de Sousa, onde o conheci quando acompanhava, em 2015, uma inspeção do Tribunal de Contas ao Perímetro Irrigado. Além de limparem os aceiros os bichos, ali, ainda adubam o terreno.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves fruta roma pierre landolt varzeas sousa grego malaka exportacao paraiba figueiroa oliveira
Preparava-se Pierre, na ocasião, para exportar o resultado das primeiras safras à Europa. Brinquei: “Quer dizer que veremos, dentro de pouco tempo, o tratamento de gargantas, no mundo inteiro, por remédios feitos com romãs do Sertão?”.

A resposta me surpreendeu, como, aliás, surpreenderia à minha e às avós de vocês. “É mito. Romã serve mesmo é para combater a depressão”. Falava, sem dúvida, com a autoridade de quem é sócio da Novartis, o quarto maior laboratório farmacêutico do planeta, um patrimônio advindo do bisavô, o suíço Edouard Constant Sandoz. Repito: Sandoz.

Pois bem, foi a união da Sandoz com a Ciba que originou a Norvatis. Li, numa edição da Revista Exame, datada de 2000, que a Fundação Sandoz controlava, em Genebra, o Banco Edouard Constant, a Interoute (empresa de telefonia atuante em onze países europeus) e a World Online International, um provedor de serviços de Internet criado na Holanda.

A outra lembrança é a do grego Malaka, cujo nome de batismo não me recordo agora, mas poderia conferir, se a preguiça deixasse, em matéria de duas páginas, resultado de entrevista que ele me concedeu para o Jornal do Commercio do Recife. Para tanto, eu teria que abrir alguns baús.

Cada convidado recebia três sementinhas de romã a serem mantidas na carteira
Foi o companheiro Figueiroa Oliveira da equipe de Circulação do jornal, quem me apresentou a Malaka. Que história o grego me contou. Descendente de judeus, foi prisioneiro em Auschwitz e ali esteve, por duas vezes, na fila da câmara de gás.

Em ambas as ocasiões, a sirene acionada ao final de cada expediente o salvou da morte lenta e brutal. Viu, entretanto, a execução dos pais e tios. Quando um soldado russo o resgatou, o moço alto, que então já era, estava reduzido a 45 quilos. Os alemães não o mataram, mas a vergonha quase o conseguiu, posto que estava a furtar chocolates da mochila do salvador enquanto era socorrido.

E a romã com isso? Pois bem, ficamos amigos depois da publicação da matéria e, assim, fui inscrito, juntamente com Figueiroa, na seleta lista de convidados para a Festa de Reis que Malaka e a paraibana Terezinha, com quem casou, davam na casa da família, em Tambaú.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves fruta roma pierre landolt varzeas sousa grego malaka exportacao paraiba figueiroa oliveira

Cada convidado recebia três sementinhas de romã a serem mantidas na carteira, em meio a cédulas e moedas, para devolução na festa do ano seguinte. Neste caso, as sementes velhas eram jogadas no telhado do anfitrião, depois do que recebíamos sementes novas. A repetição, ano após ano, jurava o grego, nos garantiria dinheiro e saúde. Acho que esta foi a única mentira que ele me contou na vida.


Frutuoso Chaves é jornalista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Impressionante história! Conheci ambos os personagens, porém rapida e superficialmente. Figuras muito interessantes.
    Aliás: o cronista só traz histórias interssantes.
    Parabens, Frutuoso.
    José Mário Espínola

    ResponderExcluir

leia também