Em todo alvorecer é assim. Mal o Sol cuida de tanger uns restos de noite e já ocorrem os primeiros assovios. Uns sopros curtos e indecisos ...

Tempos bicudos

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves bem te vi rolinha passaros da manha passaro na praca dar comida a passarinho amor aos passaros bem-te-vi

Em todo alvorecer é assim. Mal o Sol cuida de tanger uns restos de noite e já ocorrem os primeiros assovios. Uns sopros curtos e indecisos entre bocejos, quero crer. Quem desse modo anuncia a própria existência ainda não o faz totalmente desperto.

Não o vejo nesses momentos, mas imagino que se espreguiça, estica o pescoço e as pernas ao limite dos tendões. Céu mais claro, os gorjeios se elevam e se afirmam. Logo, dá para vê-lo no galho mais alto da algaroba.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves bem te vi rolinha passaros da manha passaro na praca dar comida a passarinho amor aos passaros bem-te-vi
A árvore escapou do corte total pelo grupo contratado para o acabamento do prédio que soma 28 andares, a poucos passos da minha varanda. A poda, apesar de severa, limitou-se às galhadas mais próximas dessa construção.

Todos os dias, com sono de passarinho, eu tenho ganho do Sol. Ergo-me mais cedo, o que me permite acompanhar os primeiros movimentos da avezinha.

Penso que ela se acostumou a isso e que disso gosta. E a impressão também me faz supor que seu primeiro canto, não mais um solfejo e já com todas as sílabas, é a mim dedicado. Afinal, trocamos olhares e estamos de pé, sozinhos, nuns ticos de sereno, quando o mundo ainda parece dormir.

Dei para me preocupar com a sorte desse vizinho. Já notei que é o único morador da algaroba. Os outros pássaros que nela trinam assim o fazem, dia já quente, em passagens rápidas. Descansam as asas e em poucos segundos retomam o voo do qual não se sabe o propósito nem o destino.
ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves bem te vi rolinha passaros da manha passaro na praca dar comida a passarinho amor aos passaros bem-te-vi
Não há sentido na pressa que então demonstram, pois apenas vagueiam com invenções de roteiro, como penso ter ouvido de alguém. Nenhum deles veste o preto e o amarelo do residente.

Mais tarde, a caminho da padaria, conforta-me a esperança de que alguns bem-te-vis da Praça Sílvio Porto, a dois quarteirões da nossa rua, o tratem com o respeito e os cuidados dispensados, naturalmente, entre as criaturas que se aceitam e se gostam.

Ao retornar com um biscoito a ser esfarelado num cantinho da calçada, atino, porém, que estes não são tempos naturais. E a preocupação me volta.

São sentimentos confusos os que então me assaltam. Penso bem e, por fim, decido que não é um pária este ser com quem tenho acordado para os afazeres e obrigações de cada novo dia. Para meu conforto espiritual, eu me convenço de que nada o afasta do convívio com os seus. Belo, garboso, com asas que o levam a mergulhos e rasantes assombrosos, ele deve ter, de fato, quem o queira por perto e com quem se aninhar.

Apesar do aparente descaso com que sou tratado em praça pública, não há desentendimentos entre mim e meu amigo
A solidão, em certas horas, talvez seja uma opção pessoal, uma fuga deliberada para o sossego noturno, uma providência necessária ao repouso da alma.

São tempos difíceis para bichos e gente estes que atravessamos. O que temos visto e ouvido, cotidianamente, beira os limites da barbárie. Facções se armam, inimizades se ampliam e elos se rompem, não raramente, entre nascidos no mesmo ninho.

O ódio floresce, absurdamente, com o discurso único da honradez, da ética e da decência. Aos pássaros, como a muitos de nós, deve estranhar o fato de que isso não sirva ao congraçamento, mas à desarmonia. Deus não há de caber por igual em todos esses nichos, assim considero e assim deve também acreditar meu bem-te-vi. Talvez seja por isso que dormimos pouco.

O grupo da Praça não corre para os meus farelos. Nem o passarinho da minha estimação, se entre eles estiver. É possível que não gostem de biscoito, ou, no seu caso, não queira revelar a amizade que edificamos, respeitosamente, com as devidas reservas. Ele, do seu galho. Eu, da minha varanda.

ambiente de leitura carlos romero frutuoso chaves bem te vi rolinha passaros da manha passaro na praca dar comida a passarinho amor aos passaros bem-te-vi

As rolinhas, sim, me chegam quase ao alcance da mão e adoram aquilo que lhes jogo. Fugidias e assustadas nos sítios e roças, estas últimas, imprudentemente, perderam o medo dos humanos, quando nas ruas. Urbanizaram-se, contrariando a natureza.

Uma coisa eu asseguro. Apesar do aparente descaso com que sou tratado em praça pública, não há desentendimentos entre mim e meu amigo. Não, isso não. Somos imunes à intriga. Eu o favoreço com minha atenção e meu carinho e ele não me sonega os gorjeios matinais.

Bem te vi, te vejo e verei, amiguinho. Que teus dias sejam sempre calmos e fartos. Que as larvas e besouros te encham o papo. É o desejo sincero deste que, mais do que nunca, anda a engolir sapos.


Frutuoso Chaves é jornalista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Ângela Bezerra de Castro10/7/20 01:52

    Um encanto de crônica. Pensei em aplaudir de pé. Mas o certo é aplaudir de joelhos. Parabéns, amigo, pela sensibilidade e pela expressão.

    ResponderExcluir

leia também