Os 100 anos de Celso Furtado, lembrados com edição especial do Correio das Artes e anúncio de um conjunto de obras de perfil memorialista e...

Um começar de novo

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues socialismo stalinista celso furtado rolan corbisier john kennerdy

Os 100 anos de Celso Furtado, lembrados com edição especial do Correio das Artes e anúncio de um conjunto de obras de perfil memorialista e mais páginas e excertos do seu pensamento científico, levaram-me a rever umas poucas linhas grifadas de antigas leituras.

Não precisa lembrar o impacto da dialética de Celso nas cabeças em formação ou já formadas a partir de sua reaparição em 1958, chegado da Inglaterra. O Brasil subia aos saltos com o otimismo operoso das metas de JK enquanto, no mesmo país e ao mesmo tempo,
ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues socialismo stalinista celso furtado rolan corbisier
o Nordeste se acabava miseravelmente com seus índices de desemprego, pobreza e mortalidade infantil.

Isso me afetava na alma e na carne, tanto pelo grotão sombrio de onde procedi quanto, por isso mesmo, pelo inconformismo que as influências das primeiras leituras e do companheirismo haviam me infundido. A infância que me cercara, mesmo eu tendo o que comer, incitava-me a partir, dividir. O bocado inchava na boca rapinado pelo olho pidão dos filhos de Dinda. A comida, assim cobiçada, caía mais na consciência do que no estômago. E vim para a aculturação com esse estrume de origem. Não passei fome, mas – o que foi pior – transfundi-me do inconformismo que faltava à consciência dos próprios famintos.

Quando Celso Furtado surgiu aportando um novo descobrimento, dessa vez armado de planos e projetos com exatidão de ciência, fiquei num pé e noutro entre o que prometia o “desenvolvimento” e as favas contadas espalhadas pelo socialismo stalinista. Eu não sabia ler Marx nem Engels mas a “exatidão” da prática política soviética viera consolidar minhas esperanças com a leitura da Viagem de Graciliano Ramos. A justeza estilística do alagoano, a exatidão do testemunho político, cultural e artístico pesavam de tal modo na minha convicção que me deixavam a meio caminho da certeza divisada pelo gênio de Celso. Se bem que o ISEB de Roland Corbisier já houvesse andado precursoramente pelos nossos auditórios. O desenvolvimento passava de crescimento natural a crescimento estruturado, estudado e aplicado para corrigir distorções econômicas e, acima de tudo, sociais.

Mexeu com muitas cabeças e com a formação de quadros e culturas. Vivi o complexo de não ser técnico, disperso entre Casimiro de Abreu e o ganha pão de um jornalismo pouco objetivo.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues socialismo stalinista celso furtado rolan corbisier john kennedy

Mas acreditei na política de incentivos, mesmo que o investimento, privilegiando a industrialização ou o urbanismo, terminasse fechando as portas do produtor e trabalhador rurais. Contam-se nos dedos as casas abertas com fumos de habitadas. Hoje, o Celso Furtado que se ombreia com os universais das ciências sociais me faz voltar a Casimiro, a Graciliano, por mais que Celso se transferisse para os jovens economistas que o homenageavam na Unicam, há 23 anos, apelando para “o uso corajoso da imaginação e pouco peso do passado.”

Levantou as mãos de apelo, como fez em 1959, desafiando Juscelino, e chamou os jovens que devem estar no comando de hoje a “inventar um modelo novo para o Brasil (...) Criar uma sociedade mais humana, um maior compromisso com os destituídos, com os pobres. E principalmente com as mulheres, que ainda são excluídas na sociedade. E com as crianças”. Um começar de novo.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também