Antes da pandemia, quando as pessoas podiam se visitar, professor Bené, vizinho de apartamento, convidou-me para um café em que ia receber...

Onde achar Canoas?

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ipuarana lagoa seca interior paraiba canoas alagoa nova campina grande
Antes da pandemia, quando as pessoas podiam se visitar, professor Bené, vizinho de apartamento, convidou-me para um café em que ia receber Fernando Vasconcelos, seu amigo e ex-colega do Seminário de Ipuarana.

Dois motivos para não faltar, somados à delicadeza de Bené e da médica Rosângela Amorim, sua esposa: o de ter presente um divulgador das questões novas do Direito, como as da Informática, e o de invejar os dois, tanto ele como Bené, poeta da matemática, ambos ex-alunos do Seminário de Ipuarana.


O magneto de A União, no estágio em que estou, já não atrairia com tanto azougue; são tantos os companheiros, uma geração após outra, presos a esse imã de afinidades! Mas Ipuarana - Nossa Senhora! - retém meus olhos de adolescente colados em seus paredões cor de barro desde que o fundaram. Um olhar de coroinha de igreja em preparo para entrar noutro seminário, o da capital, mas sempre atraído de passagem por aquele bosque de onde sobressaía o campanário franciscano. No íntimo, eu não queria ser padre nem frade, mas já que me obrigavam, aquele teria sido o meu lugar.

Quando fugi do internato do Pio XI e tirei, a pé, de Campina a Alagoa Nova, empurrei a porteira da estrada e penetrei no túnel verde até o castelo que encantava os meus olhos na passagem por Lagoa Seca. Era um castelo, sim, e me deixaram entrar, e me deram água, e me perguntaram se tinha fome. E de lá saí fornido para a outra metade da viagem. Lombar seis léguas a pé não foi tanto por falta de dinheiro, mas como habeas corpus emocional para me livrar da surra certa de casa.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ipuarana lagoa seca interior paraiba canoas alagoa nova campina grande
Ipuarana Almir Miranda
— “Fugiu?” — vi nos olhos a reação de meu pai.

— “Coitadinho, venha pra cá meu filho” — atalharia minha mãe.

Fernando Vasconcelos dedica-me seu livro recém-lançado, currículo memorialístico de toda uma vida, e lá vem outra boa surpresa: o homem é de Pedra Lavrada, lugar em que passei numa das secas, estrada ainda de barro, a malacacheta faiscando, mas lugar que eu já levava dentro de mim, pelas conversas que ouvi, menino, do primo Agustinho.

Falavam da seca, da pedra fervendo, e entre uma garfada na macaxeira, na carne seca, lá vem a extravagância do primo, desatando a risada larga e sonorosa de meu pai.

“O que é que você está fazendo aí em cima?” – encenava Agustinho na mesa o que fizera na estrada, os braços para o alto, coisa de doido, falando com o céu - “Em vez de queimar de cima pra baixo, por que não queima de baixo pra cima?”

Ele vinha de Canoas, daquele mundo, descendo para o Brejo com o carrego de queijo, carne seca, couro de bode, juá e mel de uruçu; e voltava para o Curimataú com a rapadura e a farinha dos caixões lá de casa. Lazarino alto, bom de conversa, de uma simpatia que só me vinha a vontade de ir embora com ele. Mas como Minas, Canoas não existe mais!


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL

COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também