A fadiga das segundas-feiras é um fato interessante e pontua o mundo de hoje, impregnado do sentimento trivial de euforia e de mutualidade ...

Síndrome das Segundas-Feiras

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana saulo mendonca marques segundas feiras nostalgia tarde de domingo surpresa aniversario
A fadiga das segundas-feiras é um fato interessante e pontua o mundo de hoje, impregnado do sentimento trivial de euforia e de mutualidade entre os seres vivos. Num final de semana quase todo mundo é feliz, a acender, automaticamente, a luzinha que há dentro de si.

Há aqueles mais frenéticos, que programam o seu majestoso sábado e domingo no decorrer da semana, até chegar ao trampolim da sexta-feira, dando início aos saltos livres de suas frugais veleidades e alumbramentos.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana saulo mendonca marques segundas feiras nostalgia tarde de domingo surpresa aniversario
Daniel Schludi
Mas, eis que o domingo, que também é um abraço, começa a fenecer na tarde, como que arquejando lentamente e descarregando o prazer, quando anuncia os primeiros indícios da noite. Logo nos prenúncios do final do dia, adentrando-se na escuridão dominical.

Ver anoitecer um dia de domingo, é como assistir à ida de um pedacinho de sonho, aparentemente insignificante, mas, com uma dimensão grande demais para o seu tamanho, vibrátil, levando em conta a sua efemeridade. Enfim, é um espaço disfarçadamente subjugado a uma ampulheta temporizadora da vida que deixa no ar de seus mistérios os cheiros e sons dos dias impares.

Mas, é na segunda-feira que a nova sala de espera é formalizada, no corredor dolente da semana, a galopar compassadamente, mais que nunca, agora, nesse entediante e insustentável campo transbordado de vazios dessa bendita quarentena!

E, a impressão que fica, é que a energia se esvai, começa a minguar-se os nossos "encantos" e a apagar a luz, anunciando o escurecimento. O descanso se acaba, a alegria parece pegar carona nas horas fugidias, acompanhando o cortejo e vai embora. O ânimo, automaticamente, é arremessado para um dia torturante, geralmente, gerando a inesperada e agônica síndrome da segunda-feira.

No entanto, naquela segunda-feira de setembro, valeu a pena, sim, em pleno dia do sapateiro, calçar as sandálias da fraternidade para comemorar o aniversário de um amigo. Era uma segunda-feira. Imagine só!

Foi lá quando aconteceu o suficiente para que fosse suprimido o quadro afetado desse dia, provocado pela falta de motivação das velhas segundas.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana saulo mendonca marques segundas feiras nostalgia tarde de domingo surpresa aniversario
Oliveira de Panelas facebook
Com toda poesia que lhe é peculiar, estava lá o poeta Oliveira de Panelas. Se o Papa Francisco soubesse o quanto ele anda aprontando por aqui, seria capaz de canonizá-lo mesmo antes de sua desencarnação. Dizem os prelados que a principal exigência para iniciar um processo de canonização é a existência de milagres. Se for por isso, o poeta Oliveira já chegou à exaustão.

E, enquanto a festa de aniversário rolava, o artista plástico Clóvis Júnior, concentrado, sonegava palavras para ficar pintando, no imaginário, a tarde viva. Quis matizá-la numa moldura abstrata, antes que ficasse tarde a tarde e não pudesse mais fazer da textura da expressão da tela o desenho de seu próprio ímpeto. Cassandra, sua mulher, com seu jeito tênue, voluntariamente, veio me dizer que estava fazendo haikai e que os contidos em meus livros tinham-na estimulado muito. Só o espírito “zen” tem poderes de manifestar as multiplicidades dos instantes de inspiração! Fiquei honrado e contente feito menino ao ganhar um presente de Natal. “

Badu, o pai da fantástica Lucy Alves, (estatura de Buda, o mago Buda), ao lado de sua amada Pérola Negra, espalhava os malabares de sua arte mágica feita de harmonia, musicalidade e bordão.

O sanfoneiro Amaral de Araruna, cara de cangaceiro, com o suor escorrendo nas laterais e no frontispício do rosto, mãos cheias de milagres, puxava o fole como quem joga uma lata d´água na cacimba para depois puxar, derramar pelo corpo e lavar a alma. Foi buscar, lá nos cafundós de Judas, os espinhos de saudades, as expressões amorosas da vida indelével do campo e as alegrias transformadoras, vertidas em melodia do céu.

Pit Thomspon
Intercalando, entra em cena o jovem Vital como se fosse um Cartório de Registro. Com o seu cavaquinho, escriturou, carimbou e reconheceu a firma daquele pedacinho do céu. Aproveitou e costurou a tarde morna com as finíssimas cordas do cavaco, alinhavando aquele inesquecível facho de quindim. Nada menos que “Pedacinho do Céu”, o clássico de Waldir Azevedo. Enfim, tudo lenta e inebriantemente, se espargindo e sendo absorvido pelo próprio clima através de seu núcleo de eternidades.

A cantora mineira Lílian Jabour, quase sem falar – muito menos cantar – optou apenas por ver e ouvir. Em certa hora, solfejou uma canção silente de um jeito afável, enxugando o líquido que escorria no rosto do marido, vítima de um temporal que lhe provocou um sentimento líquido. Novamente, culpa do poeta Oliveira de Panelas, o construtor de chafariz nos olhos alheios.

Finalmente, a vida nos deu, mais uma vez, o testemunho de que a nossa existência deve ser sempre um eterno recreio de almas leves, saudáveis. E a segunda-feira, coitada, de repente, acanhada pelos cantos da sala, mas feliz e com cara de festa, provou que pode prolongar um fim de semana e recarregar o dia das energias que julgamos perdidas e desfeitas em um final de semana. Era segunda-feira.

Gracias a la vida!




Saulo Mendonça é escritor, poeta e haikaista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Para qualquer situação vc sabe descrever com maestria, os vários tipos de sentimento, e não foi diferente sobre o q um fim de domingo pode nos proporcionar.Hoje vc me trouxe a certeza de q tudo pode ser revertido.Obrigada Saulo por sempre compartilhar comigo.Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é quem agradeço pelo privilegio de tua apreciação. Abraço grande!

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Saber lidar e transformar o simples no esmero, é com o poeta SAULO MENDONÇA.Ele esboça poesia de forma plural, entrelaçando -beleza e êxtase- o que faz dele um ser iluminado e inconfundível.

    ResponderExcluir

leia também