"O Misterioso Caso de Styles" (The Mysterious Affair at Styles), lançado há exatamente cem anos, é o primeiro livro de Agatha Ch...

Paixão por Hercule Poirot

ambiente de leitura carlos romero cronica zonia zaghetto agatha christie hercule poirot miss marple misterioso caso styles cai pano morte nilo filme gal gadot
"O Misterioso Caso de Styles" (The Mysterious Affair at Styles), lançado há exatamente cem anos, é o primeiro livro de Agatha Christie. Assinala a criação de um dos mais deliciosos personagens da literatura policial: Hercule Poirot, um extravagante belga, de enormes bigodes, chapéu coco, cabeça de ovo, olhos verdes, grande inteligência e uma coleção de frases de efeito, tudo embalado em 1,62m de pura ausência de modéstia. É o protagonista dos melhores livros de Agatha.

ambiente de leitura carlos romero cronica zonia zaghetto agatha christie hercule poirot miss marple misterioso caso styles cai pano morte nilo filme gal gadot
Amo Poirot. Li todos os livros de Agatha Christie quando era criança/adolescente/jovem. E Poirot — assim como a idosa detetive amadora Miss Marple — me ensinaram coisas ótimas. Sério. A máxima de Poirot (além da clássica "Use suas celulazinhas cinzentas") é duvidar do que os outros relatam. Muito útil em tempos de fake news. Já Miss Marple ensina que humanos adoram se repetir.

Poirot é apaixonante. Para os leitores e para Agatha, que o fez morrer com ela. A escritora "matou" Poirot em "Cai o Pano" (Curtain), romance escrito na década de 1940, mas guardado em um cofre de banco por mais de três décadas. Segundo as ordens expressas de Agatha, o livro só deveria ser publicado após sua morte. Ela mudou de ideia pouco antes de morrer e liberou a publicação.

Foi uma jogada magistral de Agatha Christie. Além de fazer seu mais famoso personagem se despedir junto com a sua criadora, ela fecha o ciclo, fazendo Poirot, já idoso e doente, voltar ao local de seu primeiro caso, justamente "O Misterioso Caso de Styles", à procura de um assassino. Ou seja, o primeiro e o último romance de Agatha Christie se conectam poderosamente.

Em "Cai o Pano", Hercule Poirot busca a ajuda de seu fiel escudeiro, Arthur Hastings, agora viúvo, para viverem sua última aventura. Poirot reuniu cinco crimes que, aparentemente, tiveram a participação do assassino que está na mansão de Styles. A morte do velho detetive fecha a trama.

Para os fãs (eu incluída), todos apaixonados por Poirot ao longo de 39 livros, a sensação foi de perda de um amigo real. Em 6 de agosto de 1975, o jornal The New York Times publicou um obituário de Poirot na primeira página (com fotografia) para assinalar a sua morte. Não me lembro de um outro personagem ter tido tal honra. Cinco meses depois, morreu Agatha Christie.

As melhores histórias de Poirot são "A Casa Torta" e "Punição para a Inocência". Recomendo. Há séries de TV e filmes muito bons baseados nos livros em que o detetive é protagonista. A mais recente adaptação, é "Morte no Nilo", com Gal Gadot e Kenneth Branagh.


Por fim, uma informação muito interessante sobre "O Misterioso caso de Styles". O livro de estreia daquela que seria uma das maiores best-sellers da história da literatura mundial (um bilhão de exemplares vendidos em língua inglesa e outro bilhão em traduções) foi recusado por seis editoras. O livro foi lançado primeiro nos Estados Unidos (só um ano depois na Inglaterra, país natal da autora) e vendeu dois mil exemplares.

É uma lição sobre perseverança.


Sonia Zaghetto é jornalista e escritora
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Para muito além do romance policial, Agatha Christie foi uma humanista, perita na análise psicológica dos indivíduos! Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  2. Salve Sonia Zaghetto!!!
    Muito bem lembrado ~~~Adoro tudo de Poirot e sua "Criadora"... de filme vi todos...
    Saudades..felizmente tenho alguns em arquivo pen drive e DVD!!!
    Parabéns👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também