Monólogo ao espelho Passou como um raio a fase de enlevo! Mais fugaz que um beijo terno Em que os lábios mal se tocam. ...

O que o espelho não diz


Monólogo ao espelho
Passou como um raio a fase de enlevo! Mais fugaz que um beijo terno Em que os lábios mal se tocam. Como, pois, despertar de longo inverno Florescer em nova primavera Emergindo das cinzas e ser reconhecida, Se a mão do tempo devasta-me o corpo Sulcando-me o rosto, roubando-me as forças E a cor dos cabelos? O espelho não diz, não vê atrás das marcas O que vivemos, sentimos, o que somos, Laços e lapsos de cada um de nós. Depois do vendaval de Deus, nem a voz Que entoava salmos a caminho da terra prometida. Um sopro, enfim ... a vida. A Vida
A vida Vai-se cumprindo sem trégua Sob o véu do mistério. Alheia a juízos, considerações, Mortes, nascimentos, sonhos, pesadelos, Intempéries, catástrofes. Indiferente ao mar interno humano Borrascas, calmarias, Encontros com seus recessos escuros. Amores que se perdem, se encontram Num eterno carrossel De encantos e desventuras. A vida, por trás de tudo E apesar de nós, realiza um projeto Da ordem do imponderável. . Verdade que nos põe a nu E fere com estiletes afiados Nossa infinita presunção de poder. O lugar da esperança
Uma gota de luz errática passeia pela descoberta. A consciência da consciência dói Compreendo o que não compreendo. Agarro-me ao ar que respiro, curvo-me Ao imponderável: o ser e a impermanência Ponte provisória e reticente. No entanto, é preciso viver, até o que não sabemos Começo e fim em interrogação Esperança é lugar de resistência... Profecia
Daqui a pouco, vai passar o tempo E não disseste nada. E no entanto Uma única palavra bastaria Nesse começo de noite Nesse fim de dia. Daqui a pouco, vai passar a vida E não fizeste nada. E no entanto Apenas um gesto valeria Para espantar a morte E pôr termo à agonia. Daqui a pouco Até mesmo o silêncio vai passar E então... Pagarás o amaríssimo preço da omissão.


Milfa Valério é professora e poetisa
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Salve Milfa Valério...bela inspiração poética👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também