Nunca imaginei que, de repente, Iraci viesse influir com tanta evidência nas minhas considerações de experiência pessoal no trato com os m...

Tudo como tem de ser

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues dona iraci ze rosas edith
Nunca imaginei que, de repente, Iraci viesse influir com tanta evidência nas minhas considerações de experiência pessoal no trato com os mistérios da vida. Iraci como está escrito, com i mesmo.

Quando a conheci - num instante para toda a vida - não deu para ver melhor seu rosto ou detalhes de suas feições. Ia com pressa, com alguma coisa a buscar, a fazer, sem dar ou sem ter chance ou lembrança de passar outra imagem da vida.

Onde o Paraíba Hotel faz esquina com a 1817, ali eu me encostara, num intervalo para o café de balcão, a aproveitar o vento da tarde que cumulava das águas e palmeiras da Lagoa para vir soprar forte no topo dos nossos aperreios. Era um vento que dava para se notar bem ladeira acima da Padre Meira, empurrando folhas secas, papéis, o cisco e às vezes o chapéu do doutor Rômulo Rangel, que saía de casa sem se advertir de prender o chapéu com as duas mãos.

Iraci passava como quem vinha da Cidade Baixa, mas só dei por ela, que ia à frente, por causa da irmã que a acompanhava. E mais detalhadamente por causa do andar da irmã. Andar de um jeito ou de um passo que eu já tinha visto antes e que certamente me causara agrado. Gracioso, leve, de menina numa moça recém-saindo da adolescência. Era a moça que ia com ela, não de braços cruzados ou de parelha, mas seguindo os passos da mais velha em direção à parada das marinetes.

Subi o olhar, o andar sempre me chamando, e daí o perfil de menina-moça, vestes simples, cabelos que não sonegavam a nuca, aqui e ali um tico rápido de rosto afilado e claro, como as meninas que os cromos da infância elegem para atravessar a ponte sobre um regato sempre azul, rodeado de flores, que se antecipam ao terreiro das casas pintadas para as antigas folhinhas do ano. Essa menina é Edith, minha mulher, comigo há sete meses de namoro e sessenta anos de casados.

Iraci era a irmã daquela tarde remota apenas no tempo. Lutadora sem saber que era lutadora. Zé Rosas, seu marido, viveu com ela o tempo necessário para terem os filhos. Passou disso, foi viver sua vida. E Iraci ficou encarregada de si e dos filhos, sem reclamar, sem escolher trabalho, até aposentar-se como modesta servidora do Hospital Edson Ramalho, onde veio morrer a semana passada.

Pequena servidora tratada como Dona Iraci.

Antes de morrer, na hemodiálise, pediu às filhas que velassem o seu corpo em casa. Casa de bairro enladeirado e pobre, limpa e com o Coração de Jesus na parede mais à mostra, mandando entrar.

Fomos lá, Dona Iraci na sala de quase toda sua vida, as mãos cruzadas destacando-se do ataúde e o rosto sem sinais de vida nem de morte. Um rosto encerrado. Em torno dele uma coroa de flores silvestres, duas velas e o murmúrio esperado e calmo da família sem ferir o silêncio de sua última estância nesta vida. Tudo como tem de ser.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL

COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. "Rosto encerrado". Essa bela, irretocável frase, me lembra os autores que mais me deslumbram por construções semelhantes. Virgílio, Euclides da Cunha, Guimarães Rosa, Gabriel García Márquez...e Borges. Cito como exemplo o conto “O Assassino Desinteressado Bill Harrigan”, da “História Universal da Infâmia”, onde o argentino descreve as “terras com um ilustre fundamento de ouro e prata, terras da meseta monumental e de delicadas cores, terras com um branco resplendor de esqueleto raspado pelos pássaros”, onde vivia Billy the Kid, “de duros tiros”. Claro, Borges é autor de um dos mais belos poemas que conheço, pelo conteúdo e pela forma, aquele no qual dá graças ao divino labirinto de efeitos e causas “por el firme diamante y el agua suelta. Por el álgebra, palacio de precisos cristales. Por las místicas monedas de Angel Silésio”... e “pela rosa, que prodigaliza cor e não a vê.” E você, Gonzaga, é mestre, como eles, nessa área. Inesquecível, em sua "Mulher da Foto", a frase final. “É mulher, as vestes alvas e longas, a cabeça encoberta pela sombrinha. Saia bem larga, cobrindo os pés, e subindo em pregas fofas até estreitar-se delgadamente na cintura. Mulher verdinha, se vê”. "Mulher verdinha". Acho que a frase é prima direta de "rosto encerrado". Ponto.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo perfeito e belo texto...Gonzaga Rodriguez.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também