Conversando com amigos sobre Augusto dos Anjos, um deles me perguntou sobre a vinculação do poeta do Eu, se poderia considerá-lo modernist...

Augusto dos Anjos e a Síndrome da Inércia

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana milton marques junior augusto dos anjos modernismo literario litaratura moderna
Conversando com amigos sobre Augusto dos Anjos, um deles me perguntou sobre a vinculação do poeta do Eu, se poderia considerá-lo modernista, mesmo que se possa constatar, em sua poesia, algo de parnasiano e de simbolista. A minha resposta foi longa, mas tentarei resumir aqui.

Augusto dos Anjos não se vincula a nenhuma estética literária, nem mesmo à modernista. Embora seja um poeta moderno e sempre atual, ele não pode ser modernista, pois esse movimento literário só foi criado 8 anos após a sua morte.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana milton marques junior augusto dos anjos modernismo literario litaratura moderna
O ser moderno não tem relação alguma com o movimento artístico-cultural da época que o escritor viveu ou vive. Darei dois exemplos disso. Gregório de Matos, o único expoente do nosso Barroco literário, era e continua sendo um poeta moderno, por ter sentido e expressado, através de sua poesia crítico-satírica, as contradições da época em que viveu. Marcial, poeta latino do século I depois de Cristo, mostrou-nos, com uma certa crueza, como funcionava Roma, a cidade que ele amava, cheia de conflitos, de pessoas ignorantes querendo se passar por pessoas inteligentes, de bajuladores, de pervertidos, da situação humilhante entre o patrocinador e seus clientes. Antes mesmo de qualquer outro escritor, em qualquer época, Marcial tinha a consciência de que o livro era mercadoria e de que o escritor precisava ser pago pelo trabalho que dava ao público. Além de dar endereços de livreiros e de denunciar o plágio a seus escritos, o poeta que transformou o epigrama em gênero literário, transmitiu-nos a seguinte lição: o escritor faz livro para vender, não para dar de presente. Embora a lição ainda não tenha sido aprendida por muitas pessoas, Marcial desponta, desde já, como um escritor com a clareza da importância de sua profissão. Moderno, portanto.

Voltando a Augusto dos Anjos, o poeta mostra-se claramente sintonizado com o seu tempo, buscando, em seus poemas, a angústia do humano. Numa época em que as ciências biológicas e, especialmente, a teoria darwiniana da evolução da espécie, tinham preponderância nos meios intelectuais, a sua obra procurou compreender o ser humano circunscrito a essa evolução. Mas isso não lhe bastou. Não lhe bastou utilizar, com propriedade e com consciência, um vocabulário científico – jamais cientificista! –; não lhe bastou refletir sobre esse ser biológico, sobre a sua constituição e fisiologia; não lhe bastou ver que evoluímos do inorgânico para o orgânico, enquanto as montanhas, as algas, os peixes, os cães, continuam estacionados. O que nos fez chegar a esta condição humana, quando nossos ancestrais continuam como formas minerais, larvares, marinhas ou terrestres, urrando nos bosques, mesmo sendo nossos irmãos mais velhos?

Correndo paralelamente à teoria da evolução, Augusto dos Anjos revela um processo de reflexão sobre uma outra evolução que não acompanhou a biológica: a evolução espiritual. Somos ínfimos, espiritualmente, ainda não nos desvencilhamos de um “amniota subterrâneo” e, diante de “embriões de mundos que não progrediram”, como o cachorro, a nossa “alma embrionária” não continuou e vivemos a “ganir incompreendidos verbos” (“As Cismas do Destino”). Descendemos de “macacos catarríneos” (“Os Doentes”), mas não fomos adiante, porque estacionados na materialidade que nos emperra, como a do “Filósofo moderno” e a do “Sátiro peralta”, ambos desmembramentos do homem que a “Sombra” um dia foi (“Monólogo de uma Sombra”).

Aliando, portanto, uma linguagem inusitada, com um vocabulário não menos, contemplando as várias ciências e a espiritualidade, Augusto se faz um poeta singular e inigualável. Nunca houve antes, no Brasil que assim escrevesse, sem parecer artificial e pedante. Ainda não conheço, na atualidade, quem possa emular o poeta. Augusto compreendeu, já na sua época, conceitos que só hoje são correntes na biologia evolutiva. E fez mais, ele os poetizou. Os conceitos não perderam a sua precisão científica, nem o poeta deixou de os recriar poeticamente. Se somos peixes pulmonados ou se o carbono é o andaime da vida, como afirmou o biólogo darwinista Richard Dawkins, Augusto dos Anjos não só confirma isso, conforme nos diz o seu angustiado eu-lírico, que aparece como “filho do carbono e do amoníaco” (“Psicologia de um Vencido”), mas também ele vai muito adiante, em “Alucinações à Beira-Mar”, mostrando que esse peixe pulmonado que somos é também cerebrizado, embora não tendo evoluído espiritualmente e continue equiparado às algas e aos peixes, essa “equórea coorte”, com que se depara o eu-lírico, em mais uma de suas alucinações e visões, provocadas por desdobramentos psíquicos.

Por esses exemplos já dá para perceber o porquê de Augusto dos Anjos ser um poeta moderno, não modernista, estando para além de qualquer estética literária. É verdade que ele apresenta em sua poesia um cuidado com a forma, utilizando-se, o mais das vezes, de sonetos e do verso decassílabo. Mas a tradição, em sua poesia, é para ser renovada, não para ser repetida. Muito antes do postulado por Mário de Andrade, em seu polêmico “Prefácio Interessantíssimo” para Pauliceia Desvairada (1922), Augusto tinha a nítida clareza de que o passado é lição para se refletir, não para se repetir.

A discussão sobre a vinculação ou permanências de alguma estética na poesia de Augusto parece-me, hoje, um tanto sem sentido, tendo em vista a grande transformação que o poeta do Pau d’Arco impôs à poesia brasileira. Para ser mais claro e, digamos, um tanto ofídico, diria que essa discussão representa muito bem o que eu chamo de “Síndrome da Inércia”: alguém com certa autoridade no assunto levanta uma discussão sem sentido e os demais correm atrás, sem fazer qualquer reflexão sobre o assunto. Assim acontece também com os que afirmam a linguagem de Augusto dos Anjos ser cientificista…

Tomemos como exemplo – embora haja muitos, mas não queremos nos alongar – a segunda estrofe do poema “Barcarola”, para explicar a sua revolução formal, para além do decassílabo com duas palavras, como em “profundissimamente hipocondríaco” (“Psicologia de um Vencido”):


Espelham-se os esplendores Do céu, em reflexos, nas Águas, fingindo cristais Das mais deslumbrantes cores.

Trata-se de uma estrofe prosaica, quebrada, descontinuada em enjambements, apesar da rima abba e do metro heptassílabo. Ao leitor desavisado, poderia parecer que o poeta produziu uma estrofe dentro da mais conservadora tradição.
Puro engano, a descontinuidade sintática do verso, que obriga o enjambement é o mínimo de ruptura aceitável com a tradição. O que nos chama a atenção para a negação da tradição, a despeito da rima e da métrica, é exatamente a utilização pouco ortodoxa desses dois recursos. Observe-se que a rima dos versos internos é feita entre “nas” e “cristais”. É de arrepiar qualquer parnasiano. Augusto dos Anjos usa uma preposição contraída a um artigo para rimar com um substantivo. Ele aprofunda a discordância com o parnasianismo. A lei da métrica portuguesa estabelece que a contagem das sílabas poéticas de um verso pare na sílaba tônica da última palavra do verso, como ocorre em “esplendores” e “cores”, palavras paroxítonas, ou em “cristais”, palavra oxítona. Não basta ao poeta fazer uma rima entre uma preposição e um substantivo, ele transforma a preposição contraída, de átona para tônica, ainda que não a acentue graficamente, e a ditonga em “nais”, para que possa rimar com “cristais”. Este é um dos inúmeros exemplos existentes na poesia de Augusto dos Anjos, que torna inócuo, a quem conhece a sua poética, qualquer discussão estagnada sobre vinculações a estéticas literárias. O Eu é para ser lido como um único poema, dialogando entre si, na temática e na desconstrução da tradição formal.

Há, enfim, quem passe indiferente diante da estrofe 14 de “Monólogo de uma Sombra”, atendo-se à forma da sextilha decassilábica, sem enxergar os recursos estilísticos e criativos da rima de “apodrece” com a letra “s”, em que a plasticidade dinâmica do verso recria o movimento sinuoso, mais de que perceptível, do festim dos vermes, num corpo em decomposição. Quem assim procede desconhece que o artista, de um modo geral, é uma esponja. Ele absorve tudo o que a tradição lhe trouxe, mas filtra os vinhos, como diria o poeta latino Horácio, e só degusta o que ele pode transformar em criação, não em repetição. Augusto nos dá bons exemplos disso.

comente
  1. Devo muito de meu romance e peça A Verdadeira Estória de Jesus ao Augusto dos Anjos e ao que me sempre me pareceu seu irmão - Zé Limeira. Ambos paraibanos, ... extremamente libertários. Um, exato e culto. O outro, genial também,mais louco.

    ResponderExcluir
  2. Esplêndida materia ..caro Milton Marques Junior!!
    Dito tudo ...do que pude assimilar.. entendedor o suficiente!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também