Mostrando postagens com marcador Sonia Zaghetto. Mostrar todas as postagens

Demorei algum tempo para compreender o verdadeiro valor do autorrespeito. Hoje, conheço o seu custo e as recompensas que traz. Torn...

sonia zaghetto mulheres modigliani autorrespeito
Demorei algum tempo para compreender o verdadeiro valor do autorrespeito. Hoje, conheço o seu custo e as recompensas que traz. Tornou-se fundamental para regular as minhas interações, impedindo-me de me tornar joguete das circunstâncias e de ideias corrosivas alheias, especialmente nestes tempos em que a comunicação virtual nos expõe a um mundo de cruezas para as quais nem sempre estamos emocionalmente preparados.

"Você ouvirá todos os dias as máximas de uma baixa prudência. Você ouvirá que o primeiro dever é conseguir terras e dinheiro, l...

flores solidao decepcao traicao
"Você ouvirá todos os dias as máximas de uma baixa prudência. Você ouvirá que o primeiro dever é conseguir terras e dinheiro, lugar e nome. "O que é esta Verdade que você procura? O que é esta Beleza?" os homens perguntarão, com escárnio."
Ralph Waldo Emerson

Ontem eu olhava encantada umas folhinhas recém-nascidas. O verde-claro contrastava com um céu cor de chumbo a prenunciar chuva, image...

folhas chuva vivaldi musica
Ontem eu olhava encantada umas folhinhas recém-nascidas. O verde-claro contrastava com um céu cor de chumbo a prenunciar chuva, imagem que imediatamente me remeteu ao ciclo de renovação que é associado à Páscoa. As minúsculas folhas resistindo ao vento inclemente pareciam um triunfo do amor mais puro sobre as sombras do mundo. Instintivamente sorri, certa de que esse poema vivo que é a natureza por vezes nos oferece conforto e esperança

Confesso que o vídeo de Catherine (Kate Middleton) anunciando o início da quimioterapia e falando sobre o impacto do diagnóstico de câ...

kate middleton sarcasmo
Confesso que o vídeo de Catherine (Kate Middleton) anunciando o início da quimioterapia e falando sobre o impacto do diagnóstico de câncer sobre ela, o marido e os filhos pequenos me fez pensativa.

Haverá desejo mais profundamente humano do que a busca pela felicidade? Esse ideal incerto, com seus resultados frágeis e impermanent...

flores natureza vasos
Haverá desejo mais profundamente humano do que a busca pela felicidade? Esse ideal incerto, com seus resultados frágeis e impermanentes, semelhantes às delicadas flores de cerejeira que flutuam ao sabor do vento, nos chama das profundezas de nossos corações sonhadores, impulsionando-nos ao longo da existência. Cada ação que tomamos, cada passo que damos, é um avanço em direção a esse objetivo abstrato e profundamente pessoal que chamamos de felicidade. O sonho muda de acordo com o estágio da vida, único para cada indivíduo,

De repente, o tecido da realidade se alterou, e nos encontrou desprevenidos. A ascensão vertiginosa da Inteligência Artificial (IA)...

inteligencia artificial emprego
De repente, o tecido da realidade se alterou, e nos encontrou desprevenidos. A ascensão vertiginosa da Inteligência Artificial (IA) – um caminho sem retorno – toma de assalto as nossas vidas e instala uma era nova para o mundo em que habitamos. Em paralelo, surge no horizonte a Computação Quântica, uma revolução ainda mais grandiosa e que, unida à IA, poderá não apenas gerar ameaças de grande porte mas conduzir a algo bem próximo a uma consciência artificial que desafiaria as fronteiras entre humanidade e máquinas.

E quando passa a correnteza que transborda, uma consciência permanece na margem silenciosa da memória; Imagens e pensamentos precio...

colagem reflexoes mortos
E quando passa a correnteza que transborda, uma consciência permanece na margem silenciosa da memória; Imagens e pensamentos preciosos que não podem e nem devem ser destruídos.
William Wordsworth

A chuva escorre pela vidraça enquanto penso no maior desafio dos nossos dias: encarar o mundo convulsionado enquanto tentamos fingir q...

chuva janela telhados
A chuva escorre pela vidraça enquanto penso no maior desafio dos nossos dias: encarar o mundo convulsionado enquanto tentamos fingir que temos algum controle sobre os acontecimentos que se avolumam, enchendo o nosso coração de angústia. Lutamos contra as ilusões, buscando conforto em meio ao tumulto. Tememos que ele ultrapasse o portal de nossa casa e espalhe sua baba viscosa sobre tudo o que nos é caro. Mais que isso, tememos o poder do seu contágio. Ansiamos por controle, mas ele nos escapa entre os dedos.

No silêncio da tarde chuvosa pergunto-me quem comanda a minha jornada. Desfilam diante de mim situações em que ri e chorei, mergul...

paisagem tempestade consciencia interior
No silêncio da tarde chuvosa pergunto-me quem comanda a minha jornada. Desfilam diante de mim situações em que ri e chorei, mergulhei em agonia, ansiedade, raiva ou euforia por influência externa.

Há anos, luto arduamente para ter um mínimo controle sobre mim. Defendo-me do que pode me converter em marionete das paixões — minhas e alheias.

Há agitações dentro de mim que a ninguém confesso. Algumas sombras particulares que convivem com um lado macio e calmo, que ama autocon...

individualidade paisagem nevoa
Há agitações dentro de mim que a ninguém confesso. Algumas sombras particulares que convivem com um lado macio e calmo, que ama autocontrole, chá e tardes tranquilas. Talvez por isso goste tanto de Hermann Hesse e seu lobo da estepe interno. Talvez por isso goste tanto de Jung recomendando aceitar que há loucura e falta de lógica habitando o nosso espírito. Eu sou o que sou, e me aceitar com minha incompletude é tarefa que me imponho.

"Embora a neve de Yoshino esteja amontoada em seu caminho, não duvide que onde seu coração está, seus passos seguirão sua rota”....

"Embora a neve de Yoshino esteja amontoada em seu caminho, não duvide que onde seu coração está, seus passos seguirão sua rota”.
Lady Murasaki

Caía uma chuva fininha quando atravessei o portal do santuário onde viveu Lady Murasaki, em Kyoto. Permaneci ali, sem me mover, olhando as árvores, o jardim e as gotas que pareciam cair lentamente, como num sonho.

O The New York Times chamou de “milagre” o fato de todos os 367 passageiros e os 12 membros da tripulação da Japan Airlines terem escap...

japao osaka kyoto
O The New York Times chamou de “milagre” o fato de todos os 367 passageiros e os 12 membros da tripulação da Japan Airlines terem escapado do avião em chamas. Eu chamo de treinamento perfeito, excelente engenharia e passageiros capazes de seguir instruções e manter a calma em situações de extremo stress. Retirar quase 400 pessoas de um avião em chamas é um grande feito, que remete diretamente à proverbial disciplina japonesa.

Lembro bem do dia em que te conheci. Eu andava distraída, a catalogar coisas bonitas, quando te ouvi espalhando os sons da tua alegria....

osbert mozart lira musica
Lembro bem do dia em que te conheci. Eu andava distraída, a catalogar coisas bonitas, quando te ouvi espalhando os sons da tua alegria. Bastou um segundo para o mundo se transformar. Havia luz em toda parte, uma explosão de cores e um novo amor em mim.

A cada encontro nosso, a minha respiração se alterava diante da absoluta beleza que escapava de ti. Teus pequenos milagres me punham um sabor de divindade na boca. Nenhum assunto era pequeno ou desimportante.

No outono de 1684, o grande poeta do período Edo, Matsuo Basho, passou pelo Monte Fuji, que estava escondido por névoa e chuva, mas ...

monte fuji sonia zaghetto
No outono de 1684, o grande poeta do período Edo, Matsuo Basho, passou pelo Monte Fuji, que estava escondido por névoa e chuva, mas Basho - monge leigo e autor de relatos de viagem poéticos - valeu-se da sua capacidade de “enxergar” através dos obstáculos. A montanha estava presente, em espírito. Ele estava feliz por sabê-la ali.

A maior liberdade a que me permito é não me sentir obrigada a satisfazer expectativas alheias.

A maior liberdade a que me permito é não me sentir obrigada a satisfazer expectativas alheias.

O sol se deita suavemente na borda azul do mar. Com ele se vai mais um ano da minha vida. Aniversário. A lágrima desliza, descuidada, p...

beatles liverpool
O sol se deita suavemente na borda azul do mar. Com ele se vai mais um ano da minha vida. Aniversário. A lágrima desliza, descuidada, pelos sulcos que o tempo escavou na minha pele. Eis-me aqui, com cenas de vida escorrendo pelo rosto à medida que escuto de novo a voz de alguém que há muito se foi.

Entro no quarto como se pisasse em território sagrado. Da varanda vem uma brisa fresca e os verdes da primavera. Neste lugar, ele mor...

casa turgueniev
Entro no quarto como se pisasse em território sagrado. Da varanda vem uma brisa fresca e os verdes da primavera. Neste lugar, ele morreu, penso, enquanto a emoção se faz líquida nos meus olhos.

Minutos antes eu caminhara por uma adorável estradinha cercada de árvores. Pássaros cantavam e meu coração feliz respondia. Finalmente iria visitar a casa dele. Há anos eu esperava por isso.

Para os apaixonados pela obra de Edgar Allan Poe, recomendo “A Queda da Casa de Usher”, na Netflix. Não é uma adaptação direta do c...

seriado usher netflix poe
Para os apaixonados pela obra de Edgar Allan Poe, recomendo “A Queda da Casa de Usher”, na Netflix.

Não é uma adaptação direta do célebre conto homônimo de Poe, mas é ousada e engenhosa o suficiente para usá-lo como espinha dorsal a fim de explorar um tema contemporâneo – a pilha de cadáveres vítimas de opioides vendidos pela indústria farmacêutica.

A deusa de róseos dedos põe cores no céu da Califórnia enquanto leio “I am” (Eu sou), de John Clare. Tristeza, solidão e o desejo de...

crepusculo arvores solidao paz
A deusa de róseos dedos põe cores no céu da Califórnia enquanto leio “I am” (Eu sou), de John Clare. Tristeza, solidão e o desejo de encontrar a paz são os temas desse rico poema, talvez o mais famoso de Clare, um romântico inglês do século dezenove que escreveu seus versos enquanto estava internado em um hospital psiquiátrico. As palavras pungentes me comovem e eu me deixo conduzir. Aprendi recentemente uma nova economia, a das lágrimas: entrego-as tão-somente como tributo aos que me iluminam. O mal que me fazem ou as dores do corpo não merecem receber a emoção líquida que habita os meus olhos. Evito ao máximo desperdiçá-la com autopiedade ou rancor.

crepusculo arvores solidao paz
K. MacKinnon
Tantas coisas me ocorrem diante da beleza agoniada dos versos escritos há mais de 150 anos. “Eu sou – mas o que eu sou ninguém sabe” e “mesmo os mais queridos, os que eu mais amei, são estranhos – mais estranhos que os demais” soam familiares a tantos humanos que anseiam por ser compreendidos. Conhecer o vasto e tortuoso território do coração alheio é ilusão que a realidade e a maturidade retiram. Não é apenas o poeta deprimido que se sente um estranho para os amados. Cá estamos nós todos carregando a solidão do ser e, à medida que envelhecemos, cada vez mais conscientes de que a riqueza dos fios entrelaçados que compõem o nosso espírito é captada superficialmente, como um novelo de muitas linhas que, visto de longe, permite identificar apenas um ajuntamento de cores e o formato redondo.

“Eu sou o autoconsumidor das minhas aflições” é um verso que gosto demasiado. Diz tanto sobre o hábito de cultivar e aprofundar as dores. Clare transita pelas flutuações da mente, expondo o tormento das sombras que surgem e desaparecem: agonias delirantes e sufocadas do que chamamos amor – esse tão ansiado sentimento que, mal se assenta à nossa mesa com seu cortejo de plumas e canções, não raro é convertido em chicote e espada. Prova máxima da nossa vocação para o paradoxo, o auto boicote ou a estupidez.

Ponho os versos mais sofridos de John Clare na conta da depressão do poeta. Assim como van Gogh e Virginia Woolf, Clare batalhava contra a própria mente. Transpôs tudo para versos impactantes (“no mar vivo dos sonhos despertos não há sentido da vida
crepusculo arvores solidao paz
G. Ritchie
ou alegrias”) e depositou suas esperanças em um futuro pós-morte, em que adormeceria docemente, como na infância, aconchegado nos braços de seu Deus, em cenários tecidos de sonho e jamais tocados pelas paixões humanas. Um lugar em que se deitaria, imperturbável, sentindo a grama abaixo do corpo, e tendo acima a abóbada do céu. Tal imagem me remete a outra cena criada por um escritor brilhante, Liev Tolstoi, em “Guerra e Paz”: a do príncipe Andrei caído no campo de batalha, sereno, contemplando o céu azul, pondo a existência em perspectiva, focado no que realmente importa.

Retiro da ordem e subverto o sentido de um verso para encerrar este texto: “E, ainda assim, eu sou e vivo”. Afasto as tristezas do poeta e celebro a minha própria vida, transbordando de gratidão por esse tempo curto em que experimento a alegria única de existir.

Eu sou. Eu vivo. Nas minhas veias ainda flui o sangue, meu rosto se ruboriza de prazer ou de vergonha, carrego experiências únicas. Eu sou um mundo semidesconhecido, um planeta inteiro de sonhos e tropeços, que gira como bailarino em uma galáxia imensa. Ao meu redor há tantos vizinhos. Neles percebo a vida pontuada por delícias, aflições e espantos. Não disfarço o encantamento. Nada pode ser mais fascinante que estar aqui, agora, testemunhando o teatro cósmico, pleno de som, fúria e flertes com a felicidade.

Há uma diferença básica entre artigo de opinião e reportagem. Nesses tempos árduos, vale a pena repetir que um jornalista deve, por dev...

exploracao petroleo amazonas jornalismo
Há uma diferença básica entre artigo de opinião e reportagem. Nesses tempos árduos, vale a pena repetir que um jornalista deve, por dever ético, evitar transformar a reportagem em um texto moldado para comprovar seus pontos de vista. Os fatos são soberanos e devem ser apresentados com clareza a fim de subsidiar um debate honesto. A ausência de viés no texto oferece ao leitor a possibilidade de examinar os fatos como eles se apresentam, sem que o jornalista ceda a paixões de ocasião e a ideias preconcebidas.