Estampada no jornal, a reação de um padre, de um pastor e de seus rebanhos, diante da escultura de Jackson Ribeiro, parecia a reprodução d...

Sucatas que fazem pensar

literatura paraibana porteiro do inferno astronauta jackson ribeiro estetica beleza arte
Estampada no jornal, a reação de um padre, de um pastor e de seus rebanhos, diante da escultura de Jackson Ribeiro, parecia a reprodução de uma página da Idade Média.

A princípio desconfiei, e até desejei, que fosse manobra política. Mas era coisa ainda pior. Uma metástase do câncer do obscurantismo e da arrogância. Doença que ataca as sociedades de todos os séculos.

A Santa Inquisição, com suas fogueiras que ardem até hoje, foi a epidemia maior. O símbolo que ficou para a História, como ficaram os Campos de Concentração de Hitler. Exemplos que a intolerância e o fanatismo insistem em reeditar,
dando origem a novos e lamentáveis episódios.

O homem astronauta recebeu o mesmo tratamento que foi dispensado, na França, à célebre tela de Delacroix, "La liberté guidant le peuple". Durante muito tempo foi preciso escondê-la, até que encontrasse o lugar de destaque ocupado no museu do Louvre, ou como ícone das enciclopédias, quando precisam ilustrar a definição da palavra liberdade.

Não há dúvida de que o antídoto para o obscurantismo é a clarividência. Razão por que Gonzaga, em artigo seu, recorreu à crônica-ensaio do mestre Juarez da Gama Batista, A pedra, o ferro e o aço, que me apressei em remeter ao jornal, como a grande lição que faz falta nesse momento.

É possível que o padre e o pastor, lendo e compreendendo o texto de professor Juarez, escrito há 35 anos, possam conduzir melhor os seus rebanhos. Guiá-los para uma reação menos primária, ante a representação estética.

A indignação dos abaixo assinados que se anunciam contra uma escultura faz lembrar o comportamento dos irracionais diante do espelho. Eles atacam a própria imagem porque não têm capacidade de se reconhecer.

literatura paraibana porteiro do inferno astronauta jackson ribeiro estetica beleza arte
literatura paraibana porteiro do inferno astronauta jackson ribeiro estetica beleza arte
literatura paraibana porteiro do inferno astronauta jackson ribeiro estetica beleza arte
Arte: Jackson Ribeiro / Teixeira, 1928 — Curitiba, 1997

O mais surpreendente é que, tantos anos depois, ainda é a beleza que se cobra do artista plástico, em completa discrepância com a concepção estética dominante em sua obra.

Ora, Augusto dos Anjos já antecipava essa nova estética declarando-se talhado "para cantar de preferência o horrível". E o início do século vinte, o século passado, subverte, definitivamente, a estética do belo. Portanto, a falsa polêmica sobre O homem astronauta revela, entre outros aspectos negativos, uma completa ignorância sobre a História da Arte.

E não é o artista quem inventa o feio, o chocante. A dor da vida é que é assim, quando não idealizada. Se lembrarmos bem, não foi propriamente a figura humana que os olhos do mundo viram pisar no deserto da lua. Mas um pacote disforme, inflado, trôpego e desengonçado, no qual seria impossível identificar os traços de Armstrong ou de Aldrin. E ainda havia a pergunta: Para quê? Pois a corrida espacial, consumindo
literatura paraibana porteiro do inferno astronauta jackson ribeiro estetica beleza arte
cifras incalculáveis, sempre recebeu críticas, pelo sacrifício que impunha aos deserdados habitantes da terra.

Meio século depois, contabilizam-se os quase milagrosos avanços da tecnologia, refletidos sobretudo na área da comunicação. E, assentado sobre essa estrutura mágica, ergue-se o fabuloso mundo globalizado. O mundo sem fronteiras, da notícia em tempo real. É o que vem da ideologia dominante.

No entanto, quem não se deixa levar pela ilusão virtual, pelos efeitos especiais, sabe que o mundo globalizado instaurou, em proporções desastrosas, a mais cruel das violências. A violência da exclusão social, estabelecendo, entre privilegiados e deserdados, em lugar de fronteiras, fossos onde se sepultam todas as tentativas de transposição.

O grande aceno, como promessa de futuro, é a inclusão digital. Mas sem a inclusão da moradia, da alimentação, da saúde e da educação, exatamente nessa ordem de prioridade, falar em inclusão digital soa como uma ironia, sustentada pela perversidade. Existe imagem mais chocante do que a realidade de uma escola em ruína, com professores desfigurados e o espanto do aluno miserável e analfabeto, diante de um computador?

São contradições dessa natureza que se condensam na escultura de Jackson Ribeiro. Expressão cada vez mais atual, em sua aguda consciência da precariedade. A sucata, que substitui os materiais nobres da arte tradicional, expõe não apenas a condição a que se reduzem os seres na civilização do ferro, da pedra e do aço, mas o próprio mecanismo da estranha fábrica de entortar homens, que é o mundo globalizado.

comente
  1. E esse obscurantismo o levou à perda do lugar que tinha, de direito, para quase que o esquecimento que aquelas mentes malsãs que o condenavam, à época, continuam a se reencarnar em mentes doentias, que não sabem apreciar a inteligência e a capacidade alheias.
    Por que não trazer Jackson e seu Porteiro de volta ao seu lugar merecido?

    ResponderExcluir

leia também