Ítaca, minha Ítaca, quando as horas se enchem de sombras e um nó se instala na minha garganta, lembro de ti. Nos dias em que as sereias en...

Nada se perde

ulisses odisseia amizades destino itaca
Ítaca, minha Ítaca, quando as horas se enchem de sombras e um nó se instala na minha garganta, lembro de ti. Nos dias em que as sereias entoam as suas enganadoras cantigas, a tua lembrança é o que me impede de mergulhar no abismo. Meta primordial, Ítaca é a chegada em casa, a volta ao amor mais caro, o olho a contemplar a paisagem quase perdida. É o descanso após a longa jornada de encantos e asperezas.

Na Odisseia – o poema cantado há quase três mil anos – a ilha de Ítaca é o reino de Ulisses. O herói grego passa dez anos na guerra de Troia e outros dez vagando, perseguido por monstros,
William Turner ▪ 1829
alvo da ira de Poseidon, desejado por deusas e mortais. A todos escapa. A lendária viagem de Ulisses, convite a encarar de frente os desafios, empurra a minha nau em direção ao porto seguro, torna-se guia em meio ao nevoeiro e às tempestades.

Ela ensina que o caminho é individual. Os companheiros seguem junto até determinado ponto. Depois trilham as próprias estradas. Alguns a morte leva; outros escolhem roteiros diferentes, novos portos. Chegarei ao fim da jornada inteiramente só, isso é certo. Após o fim do mar, ninguém segue acompanhado. Estarei apenas eu, os meus pensamentos e as experiências acumuladas. As mãos nuas acenando adeuses.

Na rota acidentada é preciso ter os objetivos muito claros. Não os afastar da mente, jamais. Haverá quem chegue com as mãos cheias de flores, chamando a experimentar o esquecimento de Ítaca. Outros oferecerão delícias capazes de subtrair qualquer traço de humanidade. Somente a firmeza de propósito é capaz de mostrar as sutis armadilhas.

Edward M. Bannister ▪ 1891
Aqui e ali há monstros dispostos a me destruir e a me afastar do objetivo. Por vezes, a minha inabilidade os alimenta, meu orgulho os provoca, minha imprudência me torna vulnerável. Não será culpa deles se me atacarem. É minha a responsabilidade. Eles estão a viver nas suas grutas e cidades, ocultos. Serei eu quem escolherá trazê-los para partilhar a minha existência ou me devorarem a carne.

Aprender com outros homens é essencial. Há os extraordinários, os generosos, e também os canibais, os que vivem sem lei, os selvagens de alma. Cautela, prudência e fidelidade ao objetivo orientam as escolhas. Haverá momentos nos quais será necessário erguer a voz e combater os cruéis, os traidores, os que esmagam os humildes, os dilapidadores dos bens alheios. Ser fiel a si mesmo é inegociável – eis o vero espírito de Ítaca.

Na minha odisseia pessoal há aventuras e festas, celebrações em que se bebe a vida aos borbotões, fartando-se dela, banhando-se nos perfumes, aprendendo sem cessar, descobrindo tesouros. As cenas se sucedem em um caleidoscópio, misturando amizade, lealdade, música, alimentos partilhados, cânticos para louvar a memória que se eterniza.

Não faltam amigos a dar bons conselhos para me domar o orgulho e a relembrar do objetivo maior; e os que se deixam arrastar pela cobiça
Gustave Boulanger ▪ 1849
que tantas vezes traz a morte aos homens. Ítaca é permanente convite a fazer a distinção entre eles.

Ulisses por vezes chora por causa dos sofrimentos que lhe infligem; outras vezes é ele o algoz, o impaciente, o orgulhoso, o cruel, o mentiroso. Tão contraditório, tão profundamente humano. Ele, o homem de mil ardis, o sobrevivente por excelência, o protagonista do Poema em Linha Reta. Ulisses é cada um de nós.

Assim como Ulisses, quantas vezes descerei ao inferno ainda em vida? Nele, encontrarei parte de mim mesma e dos que amei. Nas regiões de densas trevas, além do país dos sonhos, habitam sombras. Elas são vorazes. É necessário ser firme e delas se afastar, embora algumas tenham sido muito amadas no passado.

Haverá momentos de tensão, bem sei, nos quais redemoinhos engolirão toda a água do mar em torno de mim e quase me afogarão no salgado das lágrimas. Outras vezes, propostas sedutoras tentarão me intoxicar de vaidades e tolices, para me afastar de Ítaca, o único lugar em que desejo estar.

Poucas armadilhas são mais irresistíveis que as sereias. O que cantam enquanto passa o barco de Ulisses? Sua glória. Com voz doce, elas se propõem a entoar pela eternidade as habilidades do herói. Ulisses resiste. Amarra-se ao mastro do barco, tampa os ouvidos dos companheiros com cera, para que também eles não sejam seduzidos e se atirem ao mar.

John W. Waterhouse ▪ 1891
Ao aportar em Ítaca, os tesouros adquiridos estarão ocultos aos olhos dos homens. O que se carrega é a sabedoria de deixar partir as mágoas, a poderosa lição embutida nas perdas, as incontáveis vitórias sobre si mesmo, o espírito indomável que se recusa a sufocar de saudade, agonia, decepção ou tristeza.

Pelo muito que se experienciou, compreende-se que o mundo é farto e múltiplo. Nele, há a hora adequada de ser humilde e a de ser o homem altivo capaz de armar um arco que mais ninguém consegue erguer. Um lugar surpreendente, com ondas púrpuras e aurora de róseos dedos, no qual palavras cruéis passam pela barreira dos dentes e palavras aladas alcançam ouvidos amantes. Nesse mundo, um homem cheio de ardis, dolos e fúria pode ser o herói da história.

Arnold Böcklin ▪ 1869
No fim de tudo, importa trazer estampada no rosto a bravura diante da adversidade, quando se agarrou a quilha de uma frágil jangada, despiu-se das belas roupas e mergulhou no mar revolto, sem nada além da própria coragem. E, mesmo extenuado, tudo reiniciou, embora trouxesse a boca rachada de sal do mar de angústias e contivesse a custo a vontade de urrar de arrependimento pelos gestos impensados. Fundo aprendizado, rica rota.

Sigo no barco da minha vida pequena e obscura, a singrar o grande mar cor de vinho, entre tremendas tempestades e dias luminosos. Mantenho o leme firme. No fundo dos meus olhos há apenas as cores da minha Ítaca, onde vivem os amores mais caros e os contornos da minha casa inesquecível.

COMENTÁRIOS
  1. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏❤️❤️❤️❤️❤️

    ResponderExcluir
  2. Gosto de ver os gigantescos clássicos revisitados. Como quando, anos depois de ler o grande livro de Homero, eu o revi no Ulisses de Joyce e em 2001 - uma odisseia no espaço, de Kubrick. Beleza, Sonia Zaghetto.

    ResponderExcluir

leia também