Fortino Mario Alfonso Moreno Reyes. Sabem não? Então, vamos encurtar: Cantinflas. Isso mesmo, aquela metralhadora verbal que encantava o ...

Pelos cotovelos

nostalgia cinema cantinflas mexico pepe volta mundo
Fortino Mario Alfonso Moreno Reyes. Sabem não? Então, vamos encurtar: Cantinflas. Isso mesmo, aquela metralhadora verbal que encantava o público do cinema em partes diversas do mundo. O mexicano que saiu da extrema pobreza para a fama quase universal.

Lembrei dele ao me deparar, há pouco, com a informação de que seu nome está dicionarizado. Aparece no Dicionário da Real Academia Española para definir “pessoa que fala, ou atua,
nostalgia cinema cantinflas mexico pepe volta mundo
Cantinflas (1911—1993), em Pepe ▪ Direção: George Sidney ▪ 1960
de maneira disparatada, incongruente e sem nada dizer com substância”.

Cantinflas, de fato, falava pelas tripas do Judas para pouco ou nada dizer. Era justamente isso o que provocava as gargalhadas dos falantes de espanhol e português. Mas foi, infelizmente, o que o afastou da maior parte do público nos Estados Unidos e Europa, dada sua complexa tradução.

Falar pelos cotovelos, portar bigode esquisito, usar camisa de malha colada e calças frouxas à altura da virilha e, ainda, cultivar manias e trejeitos engraçadíssimos, tudo isso junto compunha a figura que sucessivas gerações adoravam, sobretudo, as de alma e sangue latinos.

Mas até que esse moço fez bonito na Meca do Cinema. Sua atuação em “A Volta ao Mundo em 80 Dias” rendeu-lhe o Golden Goble Award para Melhor Ator. Este filme, aliás, abiscoitou o Oscar de 1956. Cantinflas ali contracenou com astros e estrelas a exemplo de Shirley MacLaine, David Niven, Charles Boyer, Marlene Dietrich, Trevor Howard e Frank Sinatra. É mole?

nostalgia cinema cantinflas mexico pepe volta mundo
Cantinflas (Passepartout), Shirley MacLaine (Aouda) e David Niven (Phileas Fogg), em A Volta ao Mundo em 80 Dias ▪ Direção: Michael Anderson e John Farrow ▪ 1956
Nascido num reduto pobre da Cidade do México, em 1911, ele teve que trabalhar muito cedo como engraxate, aprendiz de toureiro, motorista de táxi e pugilista até o dia em que teve a oportunidade de substituir, de última hora, o apresentador de um espetáculo mambembe que adoecera. Pronto, havia descoberto a forma de dar certo na vida.

Produziu, ele mesmo, a maioria dos mais de 40 dos seus filmes, porquanto tratou de montar a própria companhia. Morreu em abril de 1993. Tomei conhecimento de sua existência, mal chegado em João Pessoa, ao comprar ingresso para “Pepe”, o segundo filme em que atuou nos Estados Unidos e um fracasso de crítica e bilheteria. Depois, me vieram, não necessariamente nessa ordem, “O Circo”, “Os Três Mosqueteiros”, “Nem Sangue Nem Areia”, “O Sabichão”, “O Analfabeto” e por aí vai...


DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Assim como o Carlitos - do Chaplin - tinha um sósia em Hitler, sempre vi Che Guevara como o de Cantinflas - pelo bigode que não emenda com a barba rala, e um certo ar matreiro. Ri muito com Cantinflas, quando menino Principalmente por uma fala que nem foi dele, em "Bombeiro Atômico", de 1952 ( eu tinha 11 anos ). É que, com todas as trapalhadas que faz, acaba sendo condecorado. E a condecoração lhe é entregue por uma autoridade que aproveita para dar um esporro na corporação, dizendo, no discurso, que todos deveriam ter vergonha de ver o que não faziam e de que fora capaz " este idiota, este estúpido, este abestalhado, este imbecil" - ele debulhando sinônimos e Cantinflas se encolhendo.

    ResponderExcluir
  2. Bem lembrado. Grato pelo comentário.

    ResponderExcluir

leia também